Posts Tagged ‘Um conto de Natal’

O pequeno grande Charles Dickens

terça-feira, 7 fevereiro 2017

Filho de família pobre, Charles Dickens nasceu em 7 de fevereiro de 1812 em Landport, um pequeno distrito de Portsmouth, no condado de Hampshire. Era o segundo de nove irmãos e irmãs. Mas a família Dickens logo se mudou, primeiro para Chatham, no condado de Kent, onde Charles levou uma vida livre e despreocupada, e depois para Londres.

Desde muito cedo, o pequeno Charles foi obrigado a conviver com a pobreza. John, seu pai, dilapidou o patrimônio da família, e a chegada de mais sete crianças agravou ainda mais a condição de precariedade. Em 1824, John foi preso por não pagar suas dívidas, junto com a mulher e com os filhos. Charles, então com doze anos, escapou da prisão porque trabalhava em uma fábrica de graxa de sapato. A infância pobre e a sensação de abandono tiveram uma influência profunda sobre suas opiniões a respeito da injustiça, do trabalho infantil, da reforma social e sobre o mundo que criava em seus romances. Quando a família foi libertada, Charles voltou para a escola. Aos quinze anos, conseguiu um emprego em um escritório de advocacia.

Em 1834, Dickens estreou no jornalismo, no Morning Chronicle. Logo começou a escrever ficção e alcançou o sucesso como escritor com a publicação de As aventuras do sr. Pickwick. Viraria o mais célebre escritor da era vitoriana. Suas mais conhecidas histórias são Um conto de Natal David Copperfield, livro no qual o autor recria as lembranças de sua infância difícil.

(Informações retiradas do Dossiê sobre Charles Dickens que se encontra no final de Um conto de Natal da Série Clássicos da Literatura em Quadrinhos)

O pequeno Charles Dickens

O grande Charles Dickens

A história dos especiais de Natal

quarta-feira, 24 dezembro 2014

Segundo um documentário do History Channel que conta sobre a origem dos especiais de Natal na televisão norteamericana, tudo começou nos anos 50 quando um canal resolveu transmitir, na noite do dia 24, o filme “A felicidade não se compra” de Frank Capra. O célebre filme, de 1946, narra a história de um homem que, sem dinheiro, resolve se suicidar na véspera de Natal e é impedido por um anjo que, para fazer com que o sujeito mude de ideia, mostra como seria o mundo sem ele. O sucesso foi tanto que, a partir daí, os canais decidiram exibir filmes com temas natalinos todos os dias 24 de dezembro. Nenhum deles, no entanto, era especialmente produzido para a data. Foi só em 1962 que alguém teve a luminosa ideia de criar o primeiro especial de Natal. Nasceu assim a adaptação de Mr. Magoo para “Um conto de Natal” de Dickens.

Em 1965, a agência de publicidade da Coca-Cola, junto com o canal CBS, propôs a Charles Schulz que ele escrevesse um especial natalino com Peanuts. Aceito o desafio, mas com orçamento apertado, Bill Melendez dirigiu o primeiro Charlie Brown de Natal e propôs a inédita opção de usar crianças para dublar os personagens. O desenho animado (quadro a quadro!) levou seis meses para ser feito e só foi finalizado uma semana antes de ir ao ar. Schulz tinha exigido que, em alguma cena, a Bíblia fosse citada, mas quando viram Linus recitando a história do nascimento de Cristo segundo o Evangelho de Lucas, três executivos da CBS quase não deixaram o especial ser exibido. Mas Schulz insistiu, a Bíblia ficou e o resultado foi uma nevasca de americanos emocionados – cujos filhos e netos até hoje acompanham Charlie Brown e sua turma quando chega o Natal.

A história desse primeiro especial é bem parecida com a do livro O Natal de Charlie Brown, publicado pela L&PM.

A primeira edição de “Um conto de Natal” de Charles Dickens

sexta-feira, 19 dezembro 2014

Em 19 de dezembro de 1843, Charles Dickens publicou Um conto de Natal (A Christmas Carol) com ilustrações de John Leech.

Scrooges_third_visitor-John_Leech,1843

Ilustração de John Leech para a primeira publicação de “Um conto de Natal”, de Charles Dickens

Outra ilustração de John Leech para "Um conto de Natal"

Outra ilustração de John Leech para “Um conto de Natal”

Um conto de Natal narra a história do avarento Scrooge e foi adaptada várias vezes para o cinema e televisão, além de ter inspirado Walt Disney a criar o Tio Patinhas. O conto fez muito sucesso e teve papel fundamental na reabilitação das tradições natalinas em uma época em que se encontravam em declínio. A história se baseia em dois dos temas preferidos de Dickens: a injustiça social e a pobreza.

A L&PM publica Um conto de Natal em formato pocket e quadrinhos:

Contos_natal_livros

 

O espírito do mais famoso conto de Natal

sexta-feira, 21 dezembro 2012

Havia um tempo em todo escritor tinha em seu currículo um conto de Natal. O mais famoso deles, certamente, é aquele criado por Charles Dickens. A história de Scrooge – um idoso avarento e egoísta – nasceu originalmente como uma canção de cinco estrofes, cada uma delas ilustrando um acontecimento especial da noite de Natal que mudou a vida do personagem. A obra teve um papel fundamental na reabilitação das tradições natalinas numa época em que elas se encontravam em declínio. Um Conto de Natal de Dickens baseia-se em dois temas preferidos do escritor: a injustiça social e a pobreza. Ao longo de toda a história, ele descreve a combinação desses dois elementos, bem como suas causas e efeitos.

A L&PM publica "Um Conto de Natal" de Dickens na Série Clássicos da Literatura em Quadrinhos, além da história original na Coleção L&PM Pocket

Depois de Um conto de Natal, Dickens escreveu uma série de livros natalinos (Christmas Books), como The Chimes e Cricket on the Hearth, entre outros, baseados no espírito de Natal. Apesar de terem feito muito sucesso na época, estes títulos não resisitiram tão bem à passagem do tempo como Um Conto de Natal. Esta obra foi tema das primeiras leituras públicas de Dickens (que sofreu alguns ajustes para ser lida em voz alta). Um Conto de Natal foi adaptado muitas vezes para o teatro, o cinema e a televisão e inspirou Walt Disney a criar o Tio Patinhas (cujo nome de batismo original é Uncle Scrooge). A mais recente adaptação para o cinema é a que traz Jim Carrey no papel do averento criado por Dickens.

Tio Patinhas foi explicitamente inspirado no avarento Scrooge de "Um Conto de Natal" de Dickens

Jim Carrey é Scrooge na mais recente adaptação de "Um Conto de Natal" da Disney

Guerra e Paz em quadrinhos

sexta-feira, 24 agosto 2012

Por Goida*  

Em 1957, a Editora Globo (a do Rio Grande do Sul) publicou na Biblioteca dos Séculos, Guerra e Paz, de Leon Tolstói. A obra, completa, tinha mais de 1.200 páginas. Já pensaram adaptar um romance assim para as histórias em quadrinhos?

Coleciono HQs, de forma intensa, desde 1958. Nunca, nesses anos todos, vi ou ouvi falar de Guerra e Paz no formato de quadrinhos. Qualquer roteirista, mesmo com experiência e capacidade, deve ter sonhado com essa aventura louca. Na hora H, porém, desistiram.

Recentemente encontrei em Montevidéu uma raridade: El Extranjero, de Albert Camus, editado em quadrinhos pela Coleção Novela Gráfica, da Ediciones La Flor (Buenos Aires). Meu espanto só foi maior quando, na semana passada, me chegou às mãos o Guerra e Paz de Tolstói, como parte da Série Clássicos da Literatura em Quadrinhos, da L&PM Editores, com o apoio da UNESCO.

Em 96 páginas, Frédéric Brémaud (roteirista) e Thomas Campi (ilustrador) conseguiram sintetizar de forma magnífica as andanças de Natacha, Pedro Bezukov e o príncipe André na Rússia (e Europa) que se agitava nas guerras napoleônicas. A HQ cobre o período entre 1805 (principalmente a Batalha de Austerlitz) até 1812, a trágica retirada dos franceses, culminando com a mortandade dos mesmos na travessia do Berezina. O álbum ainda tem mais de 18 páginas, focalizando o autor (Tolstói), sua época e sua obra.

Temos certeza de que os adolescentes – e também os adultos – que lerem Guerra e Paz em HQ vão se deliciar com esse universo gigantesco, que poucos ainda têm a força de percorrer na versão original literária.

*Goida (Hiron Goidanich) é jornalista e pesquisador, autor de Enciclopédia dos Quadrinhos.

Assista ao vídeo feito pela L&PM WebTV para promoção de Guerra e Paz em quadrinhos:

Além de Guerra e Paz, a Série Literatura em Quadrinhos já possui os títulos A volta ao mundo em 80 dias, A ilha do tesouro, Dom Quixote, Um conto de Natal, Odisseia, Robinson Crusoé e Viagem ao centro da Terra. Os próximos a serem lançados são Os miseráveis, de Victor Hugo,  e As mil e uma noites.

Aleluia!!! Os quadrinhos foram reabilitados!!!

terça-feira, 28 fevereiro 2012

Bons ventos sopram pela chamada “academia”; finalmente foram “descriminalizadas” as histórias em quadrinhos nas escolas. Aqueles que são jovens há mais tempo lembram muito bem que, num passado bem recente, as HQs eram proibidas em sala de aula. Professores de literatura e português faziam sinal da cruz diante de um álbum de quadrinhos, como se estivessem em frente ao demônio.

Mas, como tudo passa, esta onda também passou. Uma geração mais arejada de professores absolveu as HQs dos pecados da superficialidade dos quais era acusada e colocou finalmente nas mãos dos jovens leitores algumas obras-primas de arte e literatura.

Nós aqui da L&PM, que mourejamos nesta área desde os anos 70 – e que tivemos que abandonar temporariamente o barco devido à profunda rejeição - estamos de volta já há algum tempo e com um extraordinário cardápio de lançamentos. Na Coleção L&PM POCKET, os quadrinhos já conquistaram milhares de novos leitores com títulos dos consagrados Garfield, Snoopy, Hagar, Dilbert e o timaço de autores brasileiros composto por Laerte, Angeli, Adão Iturrusgarai, Glauco, Edgar Vasques, Paulo Caruso, Mauricio de Sousa, Santiago entre outros. Todos por R$ 11,00.

Além do quadrinho em livros de bolso, a editora voltou a investir em grandes projetos, como Peanuts Completo, uma série em capa dura e acabamento luxuoso que publicará todo o magnífico trabalho de Charles Schulz. Já foram editados 4 volumes e o quinto sai em março. Publicamos também belas adaptações a cores das histórias de Agatha Christie, o clássico pacifista Valsa com Bashir, cuja versão em animação foi finalista ao Oscar de melhor filme estrangeiro em 2010 e iniciamos a publicar a festejada série afro-francesa Aya de Margarite Abouet, que trata da vida dos jovens nos países africanos. Recomeçamos também a publicar álbuns para adultos como o clássico Erma Jaguar do craque do desenho erótico Alex Varenne.

Como estamos livres para publicar o que de melhor se faz no mundo e para recomendar às escolas que usem e abusem das histórias em quadrinhos (já que não é mais pecado), um dos grandes destaques da programação de HQ da L&PM Editores é sem dúvida a série de Clássicos da literatura em quadrinhos. Um coleção espetacular feita por roteiristas e desenhistas belgas e franceses, publicada originalmente pela Editora Glénat com o apoio da UNESCO, órgão cultural da ONU que só chancela projetos de alto valor pedagógico. Estes livros possuem, além da história em quadrinhos a cores, um “dossier” que traça um rico painel sobre o livro, o autor, sua vida e seu tempo. Já foram lançados Volta ao mundo em 80 dias de Júlio Verne, A Ilha do Tesouro de Robert Louis Stevenson, Um conto de Natal de Charles Dickens, Dom Quixote de Miguel de Cervantes, Odisseia de Homero e Robinson Crusoé de Daniel Defoe. Deverão sair nos próximos meses Guerra e Paz de Leon Tolstoi e Os miseráveis de Victor Hugo.

Mangás

Mas a grande novidade de 2011 foi a nossa entrada no mundo dos mangás. Iniciamos com os dois volumes de Solanin de Inio Asano e Aventuras de menino de Mitsuru Adashi, os três livros disponíveis nos mais de 2 mil pontos de venda da coleção L&PM Pocket pelo Brasil inteiro. Com a colaboração e a consultoria do tradutor e especialista em mangás Alexandre Boide, a L&PM está preparando novos títulos para 2012.

Enfim, a editora está definitivamente retomando uma de suas vocações que sempre foi a de editar HQs. E a prova disso é que, justamente o primeiro título da L&PM Editores, foi um livro de quadrinhos: Rango 1 de Edgar Vasques. (Ivan Pinheiro Machado)

Resultado do concurso “Miniconto para Dickens”

quinta-feira, 9 fevereiro 2012

O concurso Miniconto para Dickens lançado pela L&PM na semana passada para comemorar o aniversário do autor de Um conto de Natal foi um sucesso! Recebemos mais de 450 minicontos e passamos trabalho para escolher apenas um para chamar de “o melhor”. Se pudéssemos, premiaríamos vários. Tanto que, fugindo um pouco do que tínhamos previsto no regulamento, resolvemos publicar aqui não apenas três, mas sim os cinco melhores. O 1º lugar leva o super prêmio prometido: uma ecobag exclusiva cheia de livros de Charles Dickens, e o 2º e o 3º lugares vão ganhar de presente Um conto de Natal da Coleção L&PM Pocket.

Prêmio do 1º lugar do concurso "Miniconto para Dickens"

Preparados? Aí vai o resultado do concurso do concurso Miniconto para Dickens:

1º lugar – Edweine Loureiro

PREÇOS
Gritava à janela da amada, que o havia deixado por um homem mais rico:
― E o Amor, Julieta? Vale quanto?
E uma voz, vinda da esquina:
― Duzentos reais, uma noite.

2º lugar – Pedro Gustavo Faria Nunes

200 Contos de Réis
Estava ele sentado na varanda quando lhe chega o mensageiro. Lê e deixa escapar uma única lágrima de todo pranto contido. Responde de pronto: – não haverá mais casamento, não tenho 200 contos de réis.

3º lugar – Clarissa Damasceno Melo

Eles estavam lá. Coagulados na dor da carne. Ela ia embora pra longe dele. Haviam conversado sobre isso. Doído, ele perguntou se longe ela o trocaria por outros meninos. Ela disse: Nem por duzentos.

4º lugar – Rodrigo Domit

Os soldados perdidos de Napoleão
Marcharam para o leste, em meio aos campos incendiados e cidades fantasmas. Ainda hoje, passados duzentos anos, alguns soldados fatigados batem à porta dos camponeses – perguntam a direção de Moscou.

5º lugar – Guilherme Sandi

Entrelinhas da paternidade
“Esse filho não é meu”. A esposa protestou. “Arre, se o sobrenome da família há mais de duzentos anos é Sousa! Espia a certidão: está Souza.” Foram olhar, cara do pai: era filho do Souza, o tabelião.

Parabéns a todos que participaram!

A história dos especiais de Natal

segunda-feira, 26 dezembro 2011

Ontem, 25 de dezembro, o assunto em quase todos os canais de TV foi… o Natal.  Um documentário do History Channel contava sobre a origem dos especiais de Natal na televisão norteamericana. Segundo ele, tudo começou nos anos 50 quando um canal resolveu transmitir, na noite do dia 24, o filme “A felicidade não se compra” de Frank Capra. O célebre filme, de 1946, conta a história de um homem que, sem dinheiro, resolve se suicidar na véspera de Natal e é impedido por um anjo que, para fazer com que o sujeito mude de ideia, mostra como seria o mundo sem ele. O sucesso foi tanto que, a partir daí, os canais decidiram exibir filmes com temas natalinos todos os dias 24 de dezembro. Nenhum deles, no entanto, era especialmente produzido para a data. Foi só em 1962 que alguém teve a luminosa ideia de criar o primeiro especial de Natal. Nasceu assim a adaptação de Mr. Magoo para “Um conto de Natal” de Dickens.

Em 1965, a agência de publicidade da Coca-Cola, junto com o canal CBS, propôs a Charles Schulz que ele escrevesse um especial natalino com Peanuts. Aceito o desafio, mas com orçamento apertado, Bill Melendez dirigiu o primeiro Charlie Brown de Natal e propôs a inédita opção de usar crianças para dublar os personagens. O desenho animado (quadro a quadro!) levou seis meses para ser feito e só foi finalizado uma semana antes de ir ao ar. Schulz tinha exigido que, em alguma cena, a Bíblia fosse citada, mas quando viram Linus recitando a história do nascimento de Cristo segundo o Evangelho de Lucas, três executivos da CBS quase não deixaram o especial ser exibido. Mas Schulz insistiu, a Bíblia ficou e o resultado foi uma nevasca de americanos emocionados – cujos filhos e netos até hoje acompanham Charlie Brown e sua turma quando chega o Natal. (Paula Taitelbaum)

O livro "O Natal de Charlie Brown" é baseado nos especiais de Natal que acontecem desde 1965

O espírito de Natal está entre nós

sexta-feira, 9 dezembro 2011

Quando Charles Dickens escreveu Um conto de Natal, no final de 1843 (e que seria publicado em 1844), seu maior estímulo foi o dinheiro que iria ganhar com o texto. Dickens criou a história às pressas para que pudesse receber logo o dinheiro e nem imaginou o sucesso que teria com ele. Um conto de Natal nasceu como uma canção de cinco estrofes e mostra o personagem Ebenezer Scrooge, um homem avarento e egoísta, sendo visitado por quatro espíritos. Na véspera de Natal, Scrooge recebe o espírito de seu sócio, recém falecido, mais os espíritos dos Natais do passado, do presente e do futuro.

A obra teve um papel fundamental na reabilitação das tradições e valores natalinos em uma época em que se encontravam em declínio. A história é baseada em dois dos temas preferidos de Dickens: a injustiça social e a pobreza. Ao longo de todo o livro, ele descreve a combinação desses dois elementos, bem como suas causas e efeitos. Um conto de Natal já teve várias adaptações para o cinema e teatro, inspirou Walt Disney a criar o Tio Patinhas (cujo nome original é Uncle Scrooge) e agora, além do volume da Coleção L&PM POCKET, chega à Série Clássicos da Literatura em Quadrinhos. É mais um volume em capa dura, todo colorido e com um caderno especial que traz um rico painel sobre o autor e sua obra. Não poderia existir melhor época para ele chegar.

Foi dada a largada para a coleção de clássicos em HQ com apoio da UNESCO

terça-feira, 25 outubro 2011

O primeiro volume da coleção “Clássicos da Literatura em Quadrinhos” acaba de chegar. A adaptação de Robinson Crusoé, de Daniel Defoe, foi realizada pela dupla francesa Christophe Lemoine (que fez a adaptação e o roteiro) e Jean-Cristophe Vergne (responsável pelos desenhos e cores).

A tradução para a L&PM Editores foi feita por Alexandre Boide e o resultado é um lindo livro em capa dura, com 60 páginas todas coloridas e que traz ainda, no final, um completo dossiê contextualizando o clássico com informações detalhadas sobre o autor, sua época e sua obra. No caso de Robinson Crusoé, há dez páginas que contam, por exemplo, como Daniel Defoe começou sua carreira de romancista aos 59 anos em 1719. Há também um ótimo texto que complementa a história e faz com que o leitor entenda ainda mais a respeito do herói que fica 25 anos sozinho em uma ilha deserta: “O náufrago é uma espécie de novo Adão, que precisa aprender a dominar o ambiente na mais completa solidão. Ele se torna marceneiro, construtor, caçador, agricultor, ceramista, costureiro, cesteiro. (…) Através de Robinson, o arquétipo do intrépido marinheiro inglês, Defoe celebra a capacidade do homem branco de se impor, a coragem daquele que se aventura em uma terra desconhecida e o triunfo do individualismo motivado pelo lucro mas também interessado em apresentar os benefícios da civilização aos selvagens…”

A coleção é um grande sucesso na França e na Bélgica, formada por adaptações de alguns dos principais clássicos da literatura mundial. O objetivo é oferecer um livro que encante todos os leitores e que seja direcionado também para estudantes. Aliás, este caráter pedagógico fez com que a coleção ganhasse total apoio da UNESCO.

Além de Robinson Crusoé, L&PM Editores vai publicar, em breve, dentro da Coleção “Clássicos da Literatura em Quadrinhos”, A ilha do tesouro, de R. L. Stevenson; A volta ao mundo em 80 dias, de Julio Verne e Um Conto de Natal, de Charles Dieckens. E no primeiro semestre de 2012 deverão chegar também Odisseia, de Homero; Dom Quixote, de Cervantes, Viagem ao Centro da Terra, de  Júlio Verne; Guerra e Paz, de Leon Tolstói; Os miseráveis, de Victor Hugo e As mil e uma noites.