O trailer de “Adoráveis mulheres”, filme baseado no livro de Louisa M. Alcott

16 agosto 2019

Elas são quatro jovens irmãs determinadas a viver cada uma da sua maneira. Meg, Jo, Beth e Amy são as irmãs March e dão vida a Mulherzinhas (Little Women), livro de Louisa May Alcott considerado autobiográfico. Publicado originalmente em 1868, nos EUA, Mulherzinhas teve sucesso imediato de crítica e público.

A obra já foi adaptada algumas vezes para cinema, mas agora, um novo filme, com um elenco estrelar, está sendo produzido e terá estreia no Brasil em 2020. Ele terá o título de Adoráveis mulheres e na direção está Greta Gerwig (a mesma de Lady Bird). Entre as atrizes, estão Eliza Scanlen como a tímida Beth, Saoirse Ronan como a impulsiva Jo, Emma Watson como a madura Meg e Florence Pugh como a precoce caçula Amy. No elenco, ainda estão Laura Dern como a mãe das meninas e Meryl Streep como tia March.

Veja o trailer que foi divulgado recentemente:

A L&PM publica Mulherzinhas na Coleção L&PM Pocket.

O maior poço do mundo

14 agosto 2019

Por Marco Antônio Pinheiro Machado*

Poucos brasileiros sabem que o nosso território não se restringe apenas aos tradicionais limites geográficos que aprendemos na escola. A chamada “Amazônia Azul”, com 5,7 milhões de quilômetros quadrados (67% da área do Brasil), margeando o nosso litoral sob o Oceano Atlântico, é território brasileiro. Uma região onde o mar alcança profundidades que ultrapassam 2.000 metros. Fruto de trabalho de décadas liderado pela Marinha Brasileira em parceria com a Petrobras, que detém o conhecimento deste subsolo, logramos total soberania e exclusividade de exploração econômica, em pleito reconhecido pela ONU. A Amazônia Azul é repleta de recursos naturais (minerais e pescado), sendo uma das pérolas deste tesouro a imensa reserva de petróleo do Pré-sal. Desde a descoberta do Campo de Tupi em 2006 a Petrobras vem confirmando volumes que podem garantir a nossa auto-suficiência por séculos. O turbilhão de problemas políticos, econômicos e éticos que levaram o país à beira de um precipício nos últimos anos tem produzido uma “cortina de fumaça” encobrindo a divulgação de significativas conquistas capazes de melhorar a auto-estima do nosso povo, tão atordoado por administrações abiloladas que agora colocam em risco nossa democracia e sobretudo nossa soberania econômica. Um marco destas conquistas foi a recente perfuração de um certo poço em outro campo de petróleo do Pré-sal (Campo de Búzios), onde a Petrobras opera integralmente, sem parceiros internacionais. Trata-se do poço com maior produtividade do mundo atualmente, e talvez de todos os tempos, no âmbito da indústria do petróleo. Uma façanha digna de figurar no Guiness Book. O volume de petróleo que é extraído deste poço (65 mil barris por dia, medidos no dia 27 de julho de 2019) poderia abastecer sozinho um país como o Uruguai, por exemplo. Este resultado não é apenas uma “dádiva da natureza”, mas fruto da excelência e árduo trabalho de brilhantes gerações de geólogos e engenheiros brasileiros. Para saber mais a respeito dos fatos que levaram a esta conquista leia o livro Pré-sal: a saga. A história de uma das maiores descobertas mundiais de petróleo.

*Marco Antônio Pinheiro Machado, autor de Pré-sal: a saga (L&PM, 2018), é geólogo aposentado da Petrobras, onde trabalhou por 37 anos. Participou dos estudos sobre o pré-sal na Bacia de Santos de 2001 a 2014.

pre_sal_a_saga

Uma viagem espacial com o cãozinho mais amado dos quadrinhos!

7 agosto 2019

No dia 7 de agosto, quarta-feira, o pequeno Snoopy vai sair dos quadrinhos e aterrissar no McLanche Feliz! Dessa vez, em uma missão especial com a NASA. Isso porque, nesse ano, são comemorados os 50 anos da chegada do homem à Lua! Para que essa data não passe em branco, os amantes de Mc Donald’s poderão escolher entre 10 brinquedos do cãozinho aventureiro em diferentes módulos espaciais. Tem de tudo: foguete, satélite, e até uma simpática miniatura que faz moonwalk!

snoopy

Por que Snoopy foi escolhido  para essa missão?

Recentemente, foi encontrado um módulo lunar denominado Snoopy, perdido em maio de 1969, que fazia dupla com o veículo Charlie Brown na missão Apollo 10.

snoopysatelite

A função de Snoopy era levar as pessoas até a superfície da Lua e trazê-las de volta para a Terra. Após o teste, que durou aproximadamente oito dias, os astronautas da missão chegaram a pouco mais de 15 quilômetros da superfície Lunar, porém sem tocá-la. Na volta da equipe para o módulo que orbitava a lua, Snoopy foi descartado, sem intenção real da NASA de recuperá-lo.

No entanto, em junho de 2019, um grupo de astrônomos liderado por Nick Howes, afirmou ter encontrado o módulo. Algo que possuía uma chance entre 235 milhões de acontecer!

Em cada brinquedo são disponibilizados pequenos cartões com informações sobre cada um dos modelos representados e como funcionam.

Os brinquedos estarão disponíveis para a compra separada também, no valor de, aproximadamente, R$ 13,00.

 

A L&PM publica a turma de Charlie Brown em vários formatos.  

Peça de Hilda Hilst publicada pela L&PM estreia na Casa da Luz em São Paulo

5 agosto 2019

Estreia quarta-feira, 7 de agosto, no Teatro Centro Cultural Casa da Luz em São Paulo, o espetáculo do grupo Teatro da Vértebra: O Verdugo, peça escrita por Hilda Hilst. Esta encenação integra um projeto de pesquisa do grupo sobre dramaturgas que escreveram durante regimes ditatoriais. Em seu texto, Hilda aborda temas como relações de poder, empatia e intolerância e apresenta a história de um executor que decide defender a vida de um homem acusado de incitar a desordem e a revolta popular. Ao recusar as ordens e o sentido do seu trabalho, ele enfrenta também as consequências de se posicionar diante do que acredita ser injusto. A pesquisa do grupo, que passa também pela investigação das pontes entre as ditaduras do Brasil e Argentina, tem ainda como objetivo, olhar para a própria produção cultural e dramatúrgica brasileira no contexto dos regimes ditatoriais, estimulando o debate e a valorização desse patrimônio histórico para o país.

O Verdugo é publicado na Coleção L&PM Pocket juntamente com outra peça de Hilda: A morte do patriarca.

O VERDUGO

 

SERVIÇO

O que: “O Verdugo” com o Grupo Teatro da Vértebra

Quando: Quartas-feiras – 7, 14 e 21 de agosto

Onde: Teatro da Luz,  Rua Mauá, 512 – Centro Histórico de São Paulo

Quanto: R$ 30 (inteira) R$ 15 (meia-entrada e lista amiga) – Aceita cartão de débito

Pinóquio ganha versão em live-action e vira um menino de verdade

11 julho 2019

Nesta onda de adaptações de clássicos literários e animações para live-action, o pequeno Pinóquio também ganhou um espaço nas telonas. Dessa vez, no entanto, a Disney não estará por trás da produção.

O longa italiano tem, como diretor, Matteo Garrone, que trabalhou em filmes como “Dogman”, “Gomorra” e “O Conto dos Contos”. Ainda não foi divulgada a data de estreia no Brasil.

pinocchio

 

O livro Pinóquio faz parte da Coleção L&PM Pocket. Confira o trailer do filme:

Vita e Virginia: um romance digno de cinema

9 julho 2019

Estreou no dia 5 de julho, no Reino Unido, o filme “Vita and Virginia”, dirigido por Chanya Button. O longa, que retrata a amizade e o romance das escritoras Virginia Woolf e Vita Sackville-West, possui como base as cartas trocadas entre as duas escritoras em 1920. O roteiro foi escrito por Eileen Atkins e baseado na peça também de Atkins, escrita em 1990.

Infelizmente, ainda não há data de estreia para o Brasil, porém é possível conhecer um pouco mais sobre os pensamentos e sentimentos de Woolf em suas diversas obras publicadas pela L&PM Editores. Ficou com curiosidade? Confira o trailer do filme aqui.

woolfandvita

Abaixo, as verdadeiras Virginia e Vita:

Virginia Woolf e Vita

Virginia Woolf e Vita

Rubens Ewald Filho e o Dicionário de Cineastas

21 junho 2019

Essa semana uma notícia deixou todos os fãs de cinema mais tristes. Na quarta-feira, 19 de junho, Rubens Ewald Filho, um dos mais conceituados críticos de cinema do Brasil, nos deixou.

Nem todo mundo sabe, mas a L&PM Editores já teve um livro de Rubens Ewald Filho em seu catálogo. Lançado no outono de 1988, o Dicionário de Cineastas, era um livro capa dura com mais de 600 páginas que fez um grande sucesso e teve uma imensa fila de autógrafos na Bienal do Livro de São Paulo daquele ano. Nos primeiros parágrafos da apresentação do livro, o próprio autor explicou como seu dicionário, que já havia sido lançado por outra editora, acabou no catálogo da L&PM: “Em 1977, lançávamos a primeira edição do Dicionário de Cineastas com a pretensão de cobrir uma falha. Não era definitivo, nem concludente. Mas apenas uma primeira tentativa de se fazer um levantamento dos cineastas mais importantes do mundo. Onze anos depois essa obra ainda não tem similar no Brasil. Por desinteresse do editor original foi tirada apenas uma edição do dicionário, que se esgotou e virou raridade. Foi quando a L&PM, na figura de seu editor Ivan Pinheiro Machado, numa conversa informal no Festival de Gramado, se interessou por um projeto: reeditar o Dicionário.”

E assim nasceu um guia que, na época, foi considerado o mais fiel e completo dos grandes cineastas de todos os tempos, com datas, filmografia completa e elenco. É claro que, hoje, ao folhear suas páginas, sentimos falta de muitos diretores que estrearam depois de 1988 e de tantos filmes que vieram de lá pra cá. Mesmo assim, esta edição feita por Rubens Ewald Filho há mais de 30 anos continua, de alguma maneira, sendo uma preciosidade para os amantes da sétima arte.

Luz, câmera, ação: o “Dicionário de cineastas” posa para foto em uma das prateleiras da editora

 

Leiloado o revólver que Van Gogh teria usado em seu suicídio

19 junho 2019

Vincent havia saído para pintar na tarde de 27 de julho, quando nessa hora costumava trabalhar na sala dos fundos do albergue. Deu um tiro de revólver contra o peito, caiu e depois se ergueu para retornar. Caiu três vezes no caminho de volta e notaram sua ausência, pois estava atrasado para o jantar. Sua atitude ao chegar pareceu estranha aos Ravoux: Vincent subiu diretamente ao seu quarto. Depois, como não descia para jantar, o sr. Ravoux subiu para vê-lo, encontro-o estendido no leito e perguntou o que tinha. Vincent virou-se bruscamente, abriu o casaco e mostrou a camisa ensanguentada. “É isso, quis me matar e falhei”, ele diz. (Trecho de Van Gogh, David Haziot, Série Biografias L&PM Pocket).

Vincent Van Gogh não sairia mais da cama. Dois dias depois, em 29 de julho de 1890, morreria nos braços do irmão Theo, aos 37 anos e poucos meses.

Pois na quarta-feira, 19 de junho de 2019, o revólver Lefaucheux calibre 7 mm que o pintor holandês teria usado para dar o tiro contra ele próprio foi leiloado por 162 mil euros (o equivalente a R$ 703 mil). O comprador, que não teve sua identidade revelada, participou do leilão pelo telefone.

revolver suicidio

A arma foi descoberta em 1965 por um agricultor no mesmo campo em que Van Gogh tentou o suicídio, próximo da hospedaria onde, na época, o pintor estava estava instalado em Auvers-sur-Oise. Depois de sua descoberta, o camponês entregou a arma – muito danificada – a Arthur Ravoux, proprietário dessa hospedaria. O objeto teria permanecido na família até ser leiloado, conta a casa de leilões AuctionArt.

Estudos científicos apontam que o revólver permaneceu enterrado por entre 50 e 80 anos, tempo transcorrido até sua descoberta. E, em 2016, o museu Van Gogh em Amsterdã apresentou a arma na exposição “Nos confins da loucura, a doença de Vincent Van Gogh”.

Outra teoria sobre a origem da arma, muito polêmica, foi apresentada em 2011 por dois investigadores americanos. Segundo eles, Van Gogh não se suicidou. Ele teria sido, na verdade, vítima de um disparo acidental por parte de dois irmãos adolescentes que brincavam com uma arma.

A L&PM Editores publica vários livros sobre Van Gogh, veja aqui.

Visite a rua de Bukowski de onde você estiver!

11 junho 2019

Em 2008, foi determinado que a primeira casa de Charles Bukowski, localizada na Avenida De Longpre, tornaria-se um monumento municipal de Los Angeles, Califórnia. A decisão, assim, impediria qualquer construção no terreno onde ele produziu seu primeiro livro Cartas na rua. O local onde Hank viveu por 9 anos continua intocável, e resiste aos novos e luxuosos prédios construídos em seu entorno.

casa_bukowski_la

Que tal conhecer a humilde casa e a rua do Velho Safado? Clique aqui!

 

Ruy Castro diz que só deixará de admirar Woody Allen quando sua culpa for provada

24 maio 2019

montagemwoody

Crônica de Ruy Castro publicada originalmente no jornal Folha de S. Paulo em 24 de maio de 2019

Quando Woody Allen tiver sua culpa provada, deixarei de admirá-lo. Mas só então

Em off, na abertura de seu filme “Manhattan”, de 1979, em cima de uma fabulosa tomada noturna de Nova York e logo antes da “Rhapsody in Blue”, de George Gershwin, inundar a trilha sonora, ouve-se a voz de Woody Allen: “Nova York era sua cidade. E sempre seria”.

Será? Não mais. Nova York traiu o amor que Woody Allen lhe dedicou em dezenas de filmes, entrevistas, reflexões e frases apaixonadas durante 50 anos como diretor, roteirista, ator, músico e seu principal símbolo. Manhattan virou-lhe as costas. Quatro grandes editoras americanas, baseadas lá, recusaram ou ignoraram sua oferta de um livro de memórias. A Amazon engavetou seu último filme, “A Rainy Day in New York”, e prefere ser processada a produzir os outros que já tinha sob contrato. E não sei se, mesmo sob o chapéu desabado e os óculos escuros, ele pode continuar andando pelas ruas da cidade, como sempre fez. Não são mais suas ruas.

Gosto de Woody Allen desde seu primeiro filme como ator, “O Que é Que Há, Gatinha”, de 1966. Quando ele estreou como diretor, com “Um Assaltante Bem Trapalhão”, em 1970, eu já lia suas crônicas de humor em revistas como Playboy e The New Yorker. Crônicas que, depois, ele compilaria em livros que, em fins dos anos 70, eu traduziria para a editora L&PM: “Cuca Fundida”, “Sem Plumas” e “Que Loucura!”. E assisti a rigorosamente todos os seus filmes. Ele fez com que nos sentíssemos adultos, inteligentes e sofisticados.

Woody Allen está sendo linchado. Por causa de uma acusação, da qual —note bem— ele já foi legalmente inocentado, sua carreira e sua vida acabaram. Tornou-se alguém de quem não se deve chegar perto. Mas eu gostaria de ler seu livro de memórias. Gostaria também de ver seu filme engavetado e os que ele viesse a fazer. Gostaria de apertar-lhe a mão se o encontrasse na rua.

Quando sua culpa for provada, deixarei de admirá-lo. Mas só então.
Ruy Castro - Jornalista e escritor, autor das biografias de Carmen Miranda, Garrincha e Nelson Rodrigues.