Posts Tagged ‘Dilbert’

O downsizing que deu origem a Dilbert

quarta-feira, 8 junho 2016

Você sabe o que é “downsizing”? Pois em bom português significa “achatamento” e é uma técnica que visa “eliminar a burocracia corporativa desnecessária para focar na área de Recursos Humanos”. Hein? Pois é… Tentando explicar melhor, o “downsizing” envolve demissões a curto prazo, reestruturação, redução de custos e racionalização… Foi o que aconteceu com o economista Scott Adams, um executivo da empresa Pacific Bell, vítima de um “downsizing”. Indignado com o mundo corporativo, ele resolveu usar a caneta para se vingar da ex-vida-dura e, desempregado, começou a criar cartuns que satirizavam o mundo dos negócios. Foi assim que, em 1989, em plena era yuppie, nasceu o personagem Dilbert. O sucesso foi tanto que Adams nunca mais precisou procurar emprego e, hoje, suas tiras continuam sendo publicadas em mais de 1.500 jornais de todo o mundo.

Criador e criatura: Scott Adams e Dilbert

As tirinhas do Dilbert são encontradas na Série Quadrinhos da Coleção L&PM POCKET. Conheça melhor os personagens da série (note que quatro deles tem o nome que termina em “bert”).

DILBERT – Tem 30 anos, é engenheiro e trabalha numa empresa californiana de alta tecnologia. Se tiver que escolher entre os computadores e as pessoas, ficará com a primeira opção. Veste roupas sem graça e a sua barriguinha revela as longas horas de trabalho sedentário. Vive com o seu cão, Dogbert.

DOGBERT - Assim como Dilbert, ele usa óculos e tem o “dom da palavra”. É um cão inteligente e muito cínico. Trata as pessoas com desdém e adora demonstrar superioridade intelectual. A sua “não secreta” ambição é escravizar os humanos.

RATBERT – É um otimista inveterado e só o que ele quer da vida é ser amado. Está sempre envolvido nos esquemas diabólicos de Dogbert.

CATBERT – É o sádico gestor de Recursos Humanos da empresa. Adora dar más notícias – o “downsizing” é sua prática mais freqüente.

BOB – Quem disse que os dinossauros foram extintos? Bob vive escondido na casa de Dilbert e é o companheiro de Dogbert. Está sempre procurando emprego

WALLY - Engenheiro que faz parte da equipe de Dilbert, com que, aliás, partilha as frustrações do dia-a-dia. Como os demais, está sujeito aos caprichos do chefe da empresa.

ALICE - É o toque feminino da equipe de Dilbert. É a mais reivindicadora do grupo (ou a mais tagarela) – quando os outros se calam, a sua voz continua se fazendo ouvir.

CHEFE – É o pior pesadelo dos seus empregados. Ele não nasceu esse sujeito mau e sem escrúpulos, mas lutou arduamente para conseguir ser assim. E obteve sucesso. Seu nível de inteligência está muito abaixo do de seus empregados – o que explica ele ser o “chefe”.

E por falar em trabalho…

terça-feira, 30 abril 2013

Aqui vão algumas tirinhas para deixar o feriado do Dia do Trabalho mais divertido. Clique sobre as imagens para ampliá-las.

Dilbert

Dilbert

diadotrabalho_hagar

Hagar

Os Sousa

Os Sousa

Aleluia!!! Os quadrinhos foram reabilitados!!!

terça-feira, 28 fevereiro 2012

Bons ventos sopram pela chamada “academia”; finalmente foram “descriminalizadas” as histórias em quadrinhos nas escolas. Aqueles que são jovens há mais tempo lembram muito bem que, num passado bem recente, as HQs eram proibidas em sala de aula. Professores de literatura e português faziam sinal da cruz diante de um álbum de quadrinhos, como se estivessem em frente ao demônio.

Mas, como tudo passa, esta onda também passou. Uma geração mais arejada de professores absolveu as HQs dos pecados da superficialidade dos quais era acusada e colocou finalmente nas mãos dos jovens leitores algumas obras-primas de arte e literatura.

Nós aqui da L&PM, que mourejamos nesta área desde os anos 70 – e que tivemos que abandonar temporariamente o barco devido à profunda rejeição - estamos de volta já há algum tempo e com um extraordinário cardápio de lançamentos. Na Coleção L&PM POCKET, os quadrinhos já conquistaram milhares de novos leitores com títulos dos consagrados Garfield, Snoopy, Hagar, Dilbert e o timaço de autores brasileiros composto por Laerte, Angeli, Adão Iturrusgarai, Glauco, Edgar Vasques, Paulo Caruso, Mauricio de Sousa, Santiago entre outros. Todos por R$ 11,00.

Além do quadrinho em livros de bolso, a editora voltou a investir em grandes projetos, como Peanuts Completo, uma série em capa dura e acabamento luxuoso que publicará todo o magnífico trabalho de Charles Schulz. Já foram editados 4 volumes e o quinto sai em março. Publicamos também belas adaptações a cores das histórias de Agatha Christie, o clássico pacifista Valsa com Bashir, cuja versão em animação foi finalista ao Oscar de melhor filme estrangeiro em 2010 e iniciamos a publicar a festejada série afro-francesa Aya de Margarite Abouet, que trata da vida dos jovens nos países africanos. Recomeçamos também a publicar álbuns para adultos como o clássico Erma Jaguar do craque do desenho erótico Alex Varenne.

Como estamos livres para publicar o que de melhor se faz no mundo e para recomendar às escolas que usem e abusem das histórias em quadrinhos (já que não é mais pecado), um dos grandes destaques da programação de HQ da L&PM Editores é sem dúvida a série de Clássicos da literatura em quadrinhos. Um coleção espetacular feita por roteiristas e desenhistas belgas e franceses, publicada originalmente pela Editora Glénat com o apoio da UNESCO, órgão cultural da ONU que só chancela projetos de alto valor pedagógico. Estes livros possuem, além da história em quadrinhos a cores, um “dossier” que traça um rico painel sobre o livro, o autor, sua vida e seu tempo. Já foram lançados Volta ao mundo em 80 dias de Júlio Verne, A Ilha do Tesouro de Robert Louis Stevenson, Um conto de Natal de Charles Dickens, Dom Quixote de Miguel de Cervantes, Odisseia de Homero e Robinson Crusoé de Daniel Defoe. Deverão sair nos próximos meses Guerra e Paz de Leon Tolstoi e Os miseráveis de Victor Hugo.

Mangás

Mas a grande novidade de 2011 foi a nossa entrada no mundo dos mangás. Iniciamos com os dois volumes de Solanin de Inio Asano e Aventuras de menino de Mitsuru Adashi, os três livros disponíveis nos mais de 2 mil pontos de venda da coleção L&PM Pocket pelo Brasil inteiro. Com a colaboração e a consultoria do tradutor e especialista em mangás Alexandre Boide, a L&PM está preparando novos títulos para 2012.

Enfim, a editora está definitivamente retomando uma de suas vocações que sempre foi a de editar HQs. E a prova disso é que, justamente o primeiro título da L&PM Editores, foi um livro de quadrinhos: Rango 1 de Edgar Vasques. (Ivan Pinheiro Machado)

36. De Corto Maltese aos Mangás: as HQs no DNA da L&PM

terça-feira, 12 julho 2011

Por Ivan Pinheiro Machado*

No post da semana passada da série Era uma vez… uma editora, a Paula Taitelbaum, que coordena o núcleo de comunicação da L&PM, na minha ausência, iniciou um assunto que tem muito a ver com a história da editora: a coleção Quadrinhos L&PM. Tão importante são os quadrinhos para nós (o primeiro livro da editora foi o Rango 1, de Edgar Vasques, um livro de tiras de humor), que eu vou me estender neste assunto. Foi assim:

Em 1980 nós decidimos fazer uma coleção de quadrinhos nos moldes europeus. Nosso modelo era a extinta editora francesa Futurópolis, que resgatava e reconstituía os originais das primeiras histórias dos clássicos americanos e as editoras Castermann, Glennat e Dargaud. Ficávamos fascinados quando íamos a Paris e víamos, nas livrarias Fnac, numa grande sala destinada somente aos quadrinhos, dezenas de jovens sentados no chão lendo belos álbuns por horas a fio.

No Brasil, embora em declínio, havia a histórica editora EBAL que publicava os clássicos em edições luxuosas. Os quadrinhos mais populares, os tradicionais gibis, com os personagens americanos da Marvel e da DC Comics em suas novas versões requentadas, eram vendidos somente em bancas de jornais. Nossa idéia era publicar os álbuns nos modelos europeus, no formato 28 cm x 21 cm, papel de alta qualidade, edições costuradas, quase luxuosas e colocar os quadrinhos nas livrarias. O preço seria uma média entre as edições luxuosas do Príncipe Valente, por exemplo, e os gibis vendidos em banca.

Quando adolescente, meu pai foi para o exílio fugindo das perseguições da ditadura militar que imperava (literalmente) no Brasil. Toda a minha família foi para Roma. Foi lá que conheci um dos grandes personagens dos quadrinhos europeus na época, Corto Maltese, o fascinante marujo criado por Hugo Pratt (1927-1995). Eu e meu irmão éramos fãs de Corto e líamos avidamente todos os dias a tira que saía no jornal Corriere de la Sera. Aos domingos era publicada a sequência da história em meia página (8 tiras) formato standard (tipo Estadão).

"A Balada do Mar Salgado" foi primeira aventura de Corto Maltese publicada em livro

Quando projetamos a coleção de quadrinhos em 1980, escolhemos como primeiro título – numa homenagem à nossa estadia romana – o “romance gráfico” de Hugo Pratt, A Balada do Mar Salgado, primeira aventura publicada de Corto Maltese em livro. Uma longa história em quadrinhos de 200 páginas, onde Corto vive as mais variadas aventuras pelos mares do Sul entre piratas, bandidos e nativos das ilhas. Calado, bonitão, desiludido da vida, Corto é uma espécie de herói romântico, sentimental e duro, quando é preciso ser duro. Na sequência, publicamos outro italiano lendário, Guido Crepax (1933 – 2003), que fazia também enorme sucesso na Europa com sua lânguida, misteriosa e “gostosíssima” personagem Valentina. Depois, decidimos seguir “apresentando” os grandes quadrinistas internacionais ao público brasileiro; publicamos Moebius, Altan, Wolinski, Pichard, Jean Claude-Claeys, Quino (os cartuns), Fontanarrosa, Mathias Schulteiss, Rotundo, Magnus, Manara. Todos estes autores, com exceção de Manara e Quino, foram editados pela primeira vez no Brasil pela coleção Quadrinhos L&PM. Também publicamos de forma pioneira os autores underground Robert Crumb e Gilbert Shelton (Os Freak Brothers).

"Valentina" de Guido Crepax

Num trabalho de “reconstituição histórica” das HQs americanas, resgatamos as primeira histórias de Batman de Bob Cane, Superman de Jerome Segel e Joe Shuster, Fantasma de Lee Falk e Ray more, Dick Tracy de Chester Gould, Mandrake de Lee Falk e Phil Davis, Flash Gordon de Dan Barry, Spirit de Will Eisner, Popeye de E. Segar, Steve Canyon de Milton Cannif, Cisco Kid de J. Salinas entre muitos outros. Publicamos também na coleção de quadrinhos vários autores brasileiros como Caulos, Miguel Paiva, Chico Caruso, Paulo Caruso, Edgar Vasques, Luis Fernando Veríssimo, Mauricio de Sousa e Flavio Collin. Enfim, foram 123 álbuns em grande formato lançados num período 8 anos. Até que fomos fulminados pela concorrência das grandes editoras de revistas. Começavam a surgir as famosas “grafic novels” lideradas por Frank Miller e seu Batman futurista. Ali começou o fim da nossa coleção, pois no dinheiro de hoje, os nossos álbuns custariam entre R$ 25,00 e R$ 30,00. Nossa concorrência apresentava maravilhosas histórias inteiramente a cores (95% dos nossos álbuns eram em branco e preto, conforme as histórias originais). As grandes tiragens, a forte (e cara) propaganda e a distribuição em milhares de bancas faziam com que estas “grafic novels” chegassem ao consumidor por menos de R$ 10,00. O remédio foi honrosamente encerrar a coleção.

Mas quase como um vício, esta idéia dos quadrinhos sempre rondou a L&PM. Seguidamente temos recaídas. E desde o ano 2000 temos retomado a publicação eventual de histórias em quadrinhos. Destaque para a série de histórias de Agatha Christie, a história que, filmada, quase ganhou o Oscar de filme estrangeiro de 2009, Valsa com Bashir de Ari Folman, Aya de Yopougon de Margarite Abouet (álbuns coloridos) e a grande série das obras completas de Shulz, Peanuts que chega ao seu quarto volume em luxuosas edições em capa dura. A L&PM está lançando também, ainda em 2011, uma grande série de clássicos internacionais adaptados aos quadrinhos.

Tanto está no DNA desta casa, que os quadrinhos estão também magnificamente representados na maior coleção de livros de bolso do país que é, justamente a Coleção L&PM POCKET; lá estão Hagar, Garfield, Dilbert, Recruta Zero, Peanuts, Snoopy, Smurfs e grandes autores brasileiros como Laerte, Angeli, Glauco, Adão Iturrusgarai, Edgar Vasques, Iotti, Santiago, Mauricio de Sousa entre outros.

Para encerrar, aguarde a grande novidade, também para 2011: antes do Natal você vai ter na Coleção L&PM Pocket várias séries dos melhores Mangás japoneses. Evidentemente, para ler de trás pra diante…

*Toda terça-feira, o editor Ivan Pinheiro Machado resgata histórias que aconteceram em mais de três décadas de L&PM. Este é o trigésimo-sexto post da Série “Era uma vez… uma editora“.

Dilbert e o dia-a-dia do trabalho

domingo, 1 maio 2011

Hoje é Dia do Trabalho, feriado nacional (na verdade, mundial). Pena que por aqui… caiu num Domingo. Imagina o que Dilbert não está achando disso… Logo ele, que “adora” seu trabalho e seus colegas, esses que aparecem aí abaixo:

Dilbert foi criado em 1989 pelo americano Scott Adams. É engenheiro, tem trinta e poucos anos e trabalha em uma empresa de tecnologia. Com Dogbert, o Chefe e outros personagens, ele está aí para satirizar a burocracia e os absurdos do mundo corporativo. As tiras Dilbert são publicadas em mais de 1.500 jornais em todo o mundo e em seis volumes na Coleção L&PM POCKET.

Você está precisando de férias?

segunda-feira, 3 janeiro 2011

Como janeiro nem sempre é sinônimo de férias – afinal você não deve estar lendo este post sentado à beira da praia com o computador em uma mão e  a água de coco na outra – resolvemos compartilhar aqui algumas tirinhas do Dilbert publicadas no livro Preciso de Férias.

Pareceu familiar? Clique aqui e veja outras tirinhas. Tem Dilbert para todos os gostos e ocasiões!