Posts Tagged ‘Big Sur’

Os anos mais importantes da vida de Kerouac

quinta-feira, 12 março 2015

1922 – Jack Kerouac nasce em 12 de março.

1926 – Morte do seu irmão Gerard.

1934 – Encontra a sra. Dinneen, professora de literatura, e a srta. Mansfield, bibliotecária, que o encorajam a escrever. É apaixonado pela leitura de histórias em quadrinho policiais e fantásticas.

1939 – Seu talento como jogador de futebol americano lhe permite obter uma bolsa na universidade Columbia.

1940 – Entra na universidade. Machuca a perna e não pode mais jogar. Lê o romancista Thomas Wolfe e essa leitura será determinante para sua escolha de se tornar escritor.

1941 – Aprofunda seu envolvimento com Jazz. Abandona a universidade.

1942 – Engaja-se na marinha mercante. Escreve o esboço de O mar é meu irmão (The sea is my brother).

1943 – Sai da marinha.

1944 – É apresentado a Lucien Carr e, por intermédio dele, em maio, encontra Allen Ginsberg. Em junho, conhece William Burroughs.

1946  – Morte de seu pai, Leo Kerouac, que lhe pede para cuidar da mãe Gabrielle aconteça o que acontecer. Em dezembro, Neal Cassady chega a Nova York.

1947 – Trabalha em um volumoso romance inspirado em Thomas Wolfe: Cidade pequena, cidade grande. Em julho faz sua primeira viagem de carona de Nova York a Denver.

1948 – Termina Cidade pequena, cidade grande. Atravessa os EUA de leste a oeste. Viaja pelo sul com Neal Cassady. Começa On the road.

1949 – Novas viagens com Neal Cassady pelos EUA.

1950 – Viagem ao México. Prossegue On the Road. Casa-se com Joan Haverty.

1951 – Em abril, termina On the Road.

1952 – Estadia em São Francisco, na casa dos Cassady. Ligação com Carolyn Cassady. Em fevereiro, fruto do relacionamento com Joan, nasce sua filha Janet Michelle. Escreve Visões de Cody. Na casa de Burroughs, começa O livro dos sonhos.

1953 – Escreve Os subterrâneos. Descobre o budismo.

1955 – Na cidade do México, conhece Esperanza Villanueva que dará origem ao livro Tristessa.

1956 – Entre junho e setembro trabalha como guarda florestal em Desolation Peak e começa a escrever Anjos da desolação.

1957 – Publica On the road.

1958 – Publica Os vagabundos iluminados.

1960 – Entrega-se cada vez mais ao álcool.

1961  – Última viagem ao México. Termina Anjos da Desolação e Big Sur. No outono, encontra-se pela primeira vez com a filha Janet, então com nove anos e meio.

1962 – Publica Visões de Gerard e Big Sur. Afasta-se ainda mais dos amigos dos anos 1940.

1964 – Último encontro com Neal Cassady. Sua irmã Nin morre de parada cardíaca.

1966 -Publica Satori em Paris. Casa-se com Stella Sampas.

1968 – Morte de Neal Cassady no México.

1969 – Solidão e decadência. Morre no dia 21 de outubro em consequência de uma hemorragia.

Kerouac_familia

A família Kerouac: Jack, Nin, Gabrielle e Leo

 

“Big Sur” estreia no Sundance Film Festival

segunda-feira, 7 janeiro 2013

Acaba de ser divulgado o trailer de “Big sur”, filme de Michael Polish baseado no livro homônimo de Jack Kerouac, que estreia este mês no Sundance Film Festival nos Estados Unidos. No elenco, Josh Lucas como Neal Cassady, Radha Mitchell como Carolyn Cassady e Jean-Marc Barr no papel de Jack Kerouac. Assista ao trailer:

Lançado em 1962, Big Sur é o livro mais honesto e pessoal de Jack Kerouac. Após o enorme sucesso de On the Road, em 1957, o escritor passou um período retirado em uma cabana do amigo e poeta beat Lawrence Ferlinghetti, na região de Big Sur, na costa da Califórnia, onde se dedicou à escrita. O romance mostra a deterioração física, mental e de ideais vivida por Jack Duluoz (alter ego de Kerouac).

“Big Sur” ainda não tem data para chegar ao Brasil. Enquanto isso, dá pra ler a obra de Jack Kerouac que deu origem ao filme, publicada pela L&PM em formato de bolso.

O nascimento de Henry Miller

quarta-feira, 26 dezembro 2012

Henry Valentine Miller chegou como um presente de Natal atrasado. Nasceu no dia 26 de dezembro de 1891 em Nova York, filho de uma modesta família de origem alemã. Com o pai, que era alfaiate, o jovem Henry teve uma ótima relação. Já com a mãe, uma mulher intolerante e severa, a harmonia não foi tanta.

Sua juventude foi difícil e Henry passou a maior parte dela perambulando pelas ruas do Brooklyn ou cuidando da irmã com problemas mentais. Nesse período, leu toda a obra de Dostoiévski. Ao abandonar os estudos – porque não conseguiu se encaixar no sistema tradicional de ensino – fez de tudo um pouco: foi lavador de pratos, mergulhador, açougueiro, caixeiro-viajante, jornalista, entre outras profissões.

Aos 21 anos, foi morar na Califórnia e descobriu o anarquismo e, em 1917, casou-se com a primeira das cinco esposas que teria ao longo da vida -  e que seriam transformadas em personagens de muitas de suas obras.

Por volta de 1930, Henry viajou para Paris com os parcos recursos obtidos com a venda de seus livros. Lá conheceu personalidades importantes da cena artística, entre elas, Anaïs Nin, que viria a ser sua amante e que financiaria Trópico de Câncer, lançado em 1934 e logo proibido nos EUA, acusado de obscenidade e pornografia.

Nos anos 40, o autor passou uma temporada em Big Sur (depois Jack Kerouac faria o mesmo) e lá escreveu e pintou muito. Tão forte foi a ligação de Henry Miller com Big Sur que, ao morrer, em 7 de junho de 1980, suas cinzas foram lançadas nestas montanhas da costa californiana.

Henry Miller no início dos anos 30

Henry Miller no início dos anos 30

Henry Miller em sua cabana em Big Sur

DEZEMBRO

Conheci Henry Miller.

Ele veio almoçar com Richard Osborn, um advogado que eu tinha que consultra sobre o contrato para meu livro de D. H. Lawrence. Quando ele saltou do carro e se dirigiu para a porta onde eu estava esperando, vi um homem de que gostei. Em seus escritos ele é extravagante, viril, animal, opulento. E um homem a quem a vida embriaga, pensei. É como eu. (…) Conversamos durante horas. Henry disse as coisas mais verdadeiras e profundas, e ele tem um jeito de dizer “mmmm” enquanto divaga por sua viagem instrospectiva.

(Trecho de Henry & June, de Anaïs Nin, e que faz parte dos Diários Não-Expurgados da escritora)

De Henry Miller, a Coleção L&PM Pocket publica A hora dos assassinos e O colosso de Marússia.

“Big Sur” estreia no cinema em 2012

quinta-feira, 29 setembro 2011

Os fãs de beats podem se preparar para ter emoções em dobro em 2012. Além de On the road, que Walter Salles está preparando para o primeiro semestre, vem aí a versão de Big Sur para a telona, que já está em fase de pós-produção. O responsável pela adaptação é o diretor Michael Polish e o elenco traz Josh Lucas como Neal Cassady, Radha Mitchell como Carolyn Cassady, Anthony Edwards como Lawrence Ferlinghetti e Jean-Marc Barr como Jack Kerouac. A julgar pelas semelhanças, este elenco promete!

Neal Cassady (E) e Josh Lucas

Carolyn Cassady (E) e Radha Mitchell

Kerouac (E) e Jean-Marc Barr

Após o frenesi causado pelo lançamento do livro On the road, em 1957, Kerouac passou um período retirado na cabana de Ferlinghetti, seu amigo, poeta e dono da City Lights Books, editora que publicava (e ainda publica) os beats. Na região de Big Sur, na Califórnia, ele dedicou seus dias à escrita de um novo romance, que a L&PM publica na Coleção L&PM Pocket.

Kerouac em dobro no cinema em 2012

quarta-feira, 20 abril 2011

Se você é fã da literatura beat, deve estar contando os dias para assistir ao On the road, de Walter Salles, que tem estreia prevista para o início do ano que vem. Pois vá preparando o coração para emoções em dobro em 2012: o diretor Michael Polish já começou a filmar Big Sur, baseado no livro que é considerado o mais honesto e pessoal de Jack Kerouac. Lançado em 1962, Big Sur mostra a deterioração física, mental e de ideais vivida pelo personagem Jack Duluoz (alter ego de Kerouac). Outros nomes da geração beat são retratados nesta obra autobiográfica como Neal Cassady, Carolyn Cassady e Lawrence Ferlinghetti. No filme, Jack Kerouac será interpretado pelo ator Jean Marc-Barr

Após o frenesi causado pelo lançamento do livro On the road, em 1957, Kerouac passou um período retirado na cabana de Ferlinghetti, seu amigo, poeta e dono da City Lights Books, editora que publicava (e ainda publica) os beat. Na região de Big Sur, na Califórnia, ele dedicou seus dias à escrita de um novo romance. É o próprio Ferlinghetti que conta esta história no vídeo a seguir: 

Clique para ver o vídeo no Youtube