Arquivo de outubro, 2013

Os anos 40 e seus mistérios

quinta-feira, 24 outubro 2013

Os anos 40 foram férteis para a Rainha do Crime. Entre 1940 e 1949, Agatha Christie lançou 15 livros. Quatro deles estão agora reunidos em um único volume chamado Agatha Christie – Mistérios dos Anos 40 que acaba de ser lançado pela L&PM Editores. M ou N?, Hora Zero, Um brinde de cianureto e A casa torta são as histórias que, juntas, formam esse belo volume.

capa_Agatha Christie_1940.indd

Em M ou N?,  lançado em 1941, a escritora inspirou-se no que estava acontecendo naquele momento: a Segunda Guerra Mundial. Tudo começa quando, pouco antes de morrer, um agente secreto britânico profere suas últimas palavras: “M ou N, ‘São Susí’”. Em meio ao clima de desconfiança que reina durante a guerra, essas letras desconexas podem significar alguma pista. Entra em cena o casal Tommy e Tuppence Beresford que, já com os filhos crescidos, são recrutados para uma difícil missão: descobrir quem está espionando para o governo alemão.

Hora Zero, de 1944, marca a última aparição do superintendente Battle, astuto oficial da Scotland Yard que, de férias, acaba investigando um mistério que envolve uma fracassada tentativa de suicídio, uma injusta acusação de roubo contra uma estudante e a vida romântica de um famoso jogador de tênis.

Um brinde de cianureto foi publicado em 1945 e é centrado na morte súbita de uma mulher linda e elegante que acontece após ela ingerir uma taça de champanhe com cianureto. Tudo indica que foi suicídio, mas quando os personagens contam sua versão daquele dia, surgem novas suspeitas.

A casa torta, de 1949, foi considerado por Agatha Christie como uma de suas melhores histórias. Nos arredores de Londres há uma mansão com uma inusitada característica: ela é torta. É ali que o milionário octogenário Aristide Leonides mora com a esposa, cinquenta anos mais jovem, além de filhos, noras, netos e uma cunhada, irmã da primeira mulher. Quando a polícia descobre que o patriarca foi envenenado, todos os habitantes da casa se tornam suspeitos, e a discórdia passa a imperar entre os membros da família.

Mauricio de Sousa Produções lança campanha para afastar menores do álcool

quarta-feira, 23 outubro 2013

A Ambev e a Mauricio de Sousa Produções estão unidas no programa “Papo em Família” que usa os personagens da Turma da Mônica para ajudar pais e educadores a conversar sobre o consumo indevido de bebidas alcoólicas com filhos e alunos menores de 18 anos, sem que o tema se torne um tabu.

O conteúdo do projeto foi desenvolvido com base em estudos de instituições especializadas no assunto e contou com a participação de um grupo de profissionais das áreas da saúde, educação e sociologia.

Além da cartilha, principal peça da campanha, há animações que falam sobre o assunto:

Tesouros de Emily Dickinson online

segunda-feira, 21 outubro 2013
Harvard acaba de lançar um site com todo o acervo de Emily Dickinson

Harvard acaba de lançar um site com todo o acervo de Emily Dickinson

Emily Dickinson sempre relutou em publicar seu trabalho. Os poucos poemas que chegaram ao público, foram publicados anonimamente em jornais.

A partir de agora, Harvard vai mostrar tudo que a escritora tentou esconder durante a vida. A universidade acaba de lançar o “Dickinson Eletronic Archive“, um arquivo digital que reúne, pela primeira vez em um só lugar, todos os documentos da poeta como manuscritos autografados e cartas, além de transcrições contemporâneas de seus poemas.

O desenvolvimento deste acervo digital não aconteceu sem solavancos e ressentimentos – muitos deles enraizados nos conflitos pela posse da obra de Dickinson, datada do final do século 19 e que refletem o fervor profundo e duradouro que o seu trabalho inspira.

O projeto teve início há quase dois anos, quando outra universidade, a Amherst College, também grande depositária dos manuscritos de Dickinson, se aproximou de Harvard. Depois de um prolongado vai-e-vem, durante o qual Harvard iniciou o planejamento do projeto digital, Amherst concordou em compartilhar sua coleção no site que, segundo ela defende, abrange 40% do Dickinson Eletronic Archive.

O que os representantes de Amherst reclamam agora é que eles quase não foram consultados e que o site faz pouca menção às suas contribuições. Segundo o diretor de arquivos e coleção especiais da Amherst College, Mike Kelly, não ficou claro que este é um projeto comum. O porta-voz de Harvard, Colin Manning, recusou-se a tecer comentários sobre a polêmica, limitando-se a dizer que o que importa é que “pela primeira vez, a maioria dos manuscritos originais de Emily Dickinson estará disponível para acesso aberto em um único local.”

O conflito reflete uma antiga disputa entre Harvard e Amherst sobre quem é mais “dono” de Emily Dickinson. Quando a escritora morreu, sua irmã, Lavinia, descobriu quase dois mil poemas. Lavinia se aproximou da cunhada, Susan Dickinson, para saber como editar os poemas. Como Susan estava demorando muito para tomar alguma atitude, Lavinia procurou Mabel Loomis Todd, esposa de um professor de Amherst e amante do irmão de Emily Dickinson. Todd contou com a ajuda de Thomas Wentworth Higginson e os dois editaram os poemas – mudando a pontuação, alterando o texto original e adicionando títulos. Eles publicaram três volumes da obra de Dickinson, a última em 1896. Dois anos depois, surgiu uma disputa entre Todd e os Dickinsons.

Todd disse que o irmão de Emily Dickinson tinha prometido a ela um pedaço de terra e, como ela não recebeu o prometido, negou-se a devolver os originais. Em 1956, a filha de Todd doou a coleção – cerca de 850 poemas e fragmentos e mais 350 cartas – para a Amherst College, instituição da qual o avô de Dickinson foi um dos fundadores e seu pai e irmão serviram como tesoureiros. Enquanto isso, os manuscritos que permaneceram na família Dickinson – cerca de 700 poemas e 300 cartas – acabaram sendo vendidos para Gilbert Montague, um primo distante de Dickinson, que em 1950 havia doado tudo para Harvard.

Desde então, existe a disputa entre as duas uniersidades. Algumas décadas atrás, Harvard sugeriu que Amherst não tem a propriedade legítima da coleção porque “Mabel nunca devolveu o que pegou aos Dickinsons”.

dickinson_arquivo

O “Dickinson Eletronic Archives” já está no ar

A Coleção L&PM Pocket publica Poemas escolhidos de Emily Dickinson em edição bilíngue e com tradução de Ivo Bender.

Que dia… Que livro

sexta-feira, 18 outubro 2013

Por Goida*

Poucas semanas antes de começar o “Dia D”, o desembarque das forças aliadas na Normandia, o Marechal Rommell disse ao seu lugar-tenente W. Lang: “As primeiras vinte e quatro horas da invasão serão decisivas… o destino da Alemanha depende desse resultado… para os aliados, do mesmo modo que para nós, será o mais longo dos dias… o dia mais longo do século.”

O nosso encontro com esse longo dia, o primeiro da chamada “Operação Overlord”, foi através dos jornais que se seguiram àquele 6 de junho de 1944. Pouco depois, chegaram as imagens da invasão na cine-atualidades norte-americanas, que eram exibidas na grande maioria dos cinemas de Porto Alegre. Uma visão quase só gloriosa e épica daquela gigantesca saga militar. Nada sobre as incontáveis baixas na praia de Omaha. Nada sobre o massacre quase total dos paraquedistas aliados que tentaram, na madrugada do 6 de junho, marcar pontos de apoio para as tropas invasoras.

Em 1963, lá em Montevidéu, encontrei uma edição do livro O mais longo dos dias de Cornelius Ryan – em espanhol, claro – com imagens reais do desembarque e também cenas do filme produzido por Darryl F. Zanuck para a Fox, em 1962, e ainda não exibidas no Brasil. Era um super espetáculo com três horas de duração, dividido em três campos: o Exército Nazista, os aliados (norte-americanos, canadenses, ingleses) e alguns civis franceses, ligados à chamada “Resistência” contra os invasores alemães. O filme teve três diretores – Gerd Oswald, Ken Annakin e Andrew Marton – mas o próprio Zanuck chegou a dirigir algumas sequências. Cornelius Ryan havia participado do roteiro, com mais cinco escritores (entre eles Romain Gary). Todos ouviam uma exigência quase constante de Zanuck, que pedia: “Usem, o máximo possível, os fatos e os personagens descritos na obra de Ryan”. Cornelius, como correspondente de guerra, esteve na invasão da Normandia e também em outros pontos do conflito na Europa. Para escrever o livro sobre o “Dia D”, ele entrevistou mais de mil sobreviventes, sintetizando tudo numa obra compacta de 300 páginas, de absorvente leitura. A obra é dedicada “para todos os homens do Dia D”.

Curiosamente, só bem depois da morte de Cornelius (1974), o diretor Steven Spielberg  resolveu abordar o tema do desembarque dos aliados em Ohama. O título do filme foi  O resgate do Soldado Ryan (1998, vejam até coincidência nos nomes). A história parecia tirada de O mais Longo dos Dias.

Em junho de 2014 lá se irão 70 anos dessa operação armada que mudou os rumos da Segunda Guerra Mundial. Ainda na Normandia se encontram milhares de sepulturas dos soldados que lá pereceram. Cornelius Ryan ajudou a imortalizá-los neste livro magnífico que tem a mesma força – sem romantismo – do Guerra e Paz de Tolstói.

capa_mais_longo_dos_dias.indd

 *Jornalista, crítico de cinema e pesquisador. Este texto foi escrito especialmente para o Blog da L&PM.

Felicidade, mesmo fugaz, ainda será

sexta-feira, 18 outubro 2013

por J.J. Camargo*

A medicina nunca se cansou de buscar soluções para interromper a dor, nossa feroz e eterna inimiga.

No final dos anos 70, alguém propôs uma técnica interessante, ainda que os benefícios fossem muito pouco duradouros.

A injeção intrarraquidiana de soro fisiológico gelado determinava alívio satisfatório de dores intratáveis como as decorrentes de invasão da coluna vertebral.

Numa época em que ainda não se conhecia os prodígios da analgesia peridural com morfina ou derivados, isso pareceu um avanço significativo. O método foi testado em dois pacientes com tumores avançados de esôfago e de pâncreas, e o alívio doloroso foi imediato, ainda que o efeito desaparecesse depois de cinco, seis horas.

Quando entrei no quarto do Camilo, portador de um câncer terminal com incontáveis metástases ósseas na coluna, ele estava encolhido, virado para a parede. Nos olhos inchados havia uma dor multiplicada. No final daquela tarde, a filha caçula casaria numa capela da Vila Assunção, e ele não tinha a mínima condição de acompanhá-la ao altar. Impossível não sofrer com aquele sofrimento.

Saí do quarto estimulado por uma ideia meio louca: nós podíamos tentar colocá-lo naquela Igreja, esta que seria a última coisa maravilhosa de uma vida que fracassáramos em evitar que terminasse. E ele merecia isso.

Depois de conseguir cumplicidade do anestesista e parceria solidária do residente de plantão, anunciamos o projeto ao pobre homem, que chorava de dor e ria riso de criança imaginando a surpresa que haveria de causar. Um irmão foi convocado para buscar o seu melhor terno, cortou cabelo e barba e incorporou-se à trama caridosa.

As roupas trazidas eram do tempo de bonança, mas ataduras e compressas encheram os vazios de tronco e membros consumidos pela doença. Um pouco de ar injetado no pescoço encostou a pele no colarinho folgado e umas massagens enérgicas nas bochechas, agora sorridentes, devolveram um rosado saudável.

Com os cúmplices nas laterais, o Camilo entrou na igreja com um sorriso capaz de suplantar ao de uma noiva muito feliz. Impressionante como alegria e gratidão, reunidas na mesma cara, dão às pessoas um indiscutível ar de saúde. O festival de abraços na saída da igreja deixou uma lição definitiva: a felicidade não se mede por duração, mas por intensidade.

Quando ele voltou ao hospital tarde da noite, pediu uma dose generosa de morfina porque a danada recomeçara, e ele confessou que nunca se sentira tão cansado.

Antes de dormir fez o plantonista prometer que acontecesse o que acontecesse a sua família não seria avisada antes das nove horas da manhã. Uma lua de mel sem notícias ruins seria seu último presente à filha amada.

Felicidade é urgente. A tristeza pode esperar.

*a crônica faz parte do livro A tristeza pode esperar do Doutor J. J. Camargo, médico e colunista do caderno Vida do jornal Zero Hora.

Exumação de Jango começará no dia 13 de novembro

sexta-feira, 18 outubro 2013

Jornal Zero Hora – 17/10/2013 – Por Guilherme Mazui

O corpo de João Goulart tem data para deixar o cemitério Jardim da Paz, em São Borja, onde repousa desde dezembro de 1976. No dia 13 de novembro, peritos exumam o ex-presidente, a primeira etapa de uma operação que tentará esclarecer se Jango foi vítima de problemas cardíacos ou se foi envenenado durante o exílio.

Ainda não há previsão para a divulgação dos resultados dos exames toxicológicos, que serão realizados no Exterior e que, diante dos quase 37 anos da morte, podem ser inconclusivos.

A data da exumação foi anunciada na quarta-feira, 16 de outubro, em Brasília, pela ministra da Secretaria de Direitos Humanos (SDH), Maria do Rosário. A definição saiu após quatro horas de reunião entre peritos da Polícia Federal, Argentina, Uruguai, Cuba e Comitê Internacional da Cruz Vermelha, além da família Goulart e representantes da própria SDH e da Comissão Nacional da Verdade. O grupo debateu a logística, laboratórios para as análises e a lista de substâncias que serão procuradas nos testes – a PF mapeou venenos usados pelas ditaduras do Cone Sul na década de 1970.

– Estamos em plenas condições de realizar o procedimento. João Goulart foi perseguido pela ditadura todos os dias do exílio. Mesmo que os testes não sejam conclusivos, a ditadura brasileira é responsável pelo sofrimento e morte de Jango – disse Rosário.

A exumação é o início da operação, discutida nos últimos meses. De São Borja, o corpo seguirá para os laboratórios da PF em Brasília, onde passará por exames antropológicos e de DNA, a fim de confirmar que a ossada é de Jango. Também serão colhidas as amostras para os testes toxicológicos. A decisão de realizar as análises no Exterior foi tomada pelos peritos para manter a imparcialidade da investigação. Os laboratórios e países não devem ser divulgados.

– O mais comum é que não sejam divulgados, para garantir que as informações não transitem, até para termos uma isenção e uma objetividade maior – justificou o perito Amaury de Souza Jr., coordenador da equipe da PF responsável pela exumação.

Realizadas as coletas, o corpo voltará para São Borja com honras de chefe de Estado. A data prevista é 6 de dezembro, quando a morte completará 37 anos. Neto de Jango e advogado do instituto que leva o nome do ex-presidente, Christopher Goulart ficou satisfeito com o desfecho da reunião:

– Meu avô foi perseguido e caluniado durante décadas. É importante reparar a sua imagem para as novas gerações de brasileiros.

No livro Jango – a vida e a morte no exílio, de Juremir Machado da Silva, o autor explica quando e como nasceu a hipóteses de que Jango foi assassinado.

Jango

Mais uma peça inspirada em crônicas de Martha Medeiros

sexta-feira, 18 outubro 2013

Enquanto no Rio começou a temporada da peça Feliz por nada, peça baseada no best seller de Martha Medeiros, em Porto Alegre chega Doidas e Santas, outra peça inspirada em crônicas de Martha.

A temporada de Doidas e Santas na capital gaúcha tem início na sexta-feira, 18 de outubro, às 21h no Theatro São Pedro. Estrelado por Cissa Guimarães e dirigido por Ernesto Piccolo, o espetáculo conta a história de uma psicanalista que vive uma crise pessoal, apesar do sucesso profissional. Depois de uma visita da irmã solteira, a protagonista decide se separar do marido e viver os prazeres da juventude. Há sessões no sábado às 21h, e domingo, às 18h.

O elenco da peça e o livro de Martha Medeiros no qual ela foi inspirada

O elenco da peça e o livro de Martha Medeiros no qual ela foi inspirada

 

 

Duca Leindecker em livro e música

quinta-feira, 17 outubro 2013

Terça-feira, 15 de outubro, Duca Leindecker lançou seu novo livro em Porto Alegre. Durante o pocket show feito por ele, que antecedeu a sessão de autógrafos de O menino que pintava sonhos, Duca interrompeu uma das músicas do novo CD (chamada “Nós”) porque, no meio dela, percebeu que a letra tinha tudo a ver com a história do livro. Para os que não estavam presentes no evento, aqui vai a música:

 

O movimento punk revisitado em Paris

quinta-feira, 17 outubro 2013

Está em cartaz na Cité de la Musique, em Paris, a exposição Europunk, que reúne mais de 450 objetos (roupas, fanzines, cartazes, panfletos, desenhos e colagens, capas de discos, filmes, etc) do movimento punk dos anos 70 e 80 nos Estados Unidos e no Reino Unido. Ambíguo, caótico e radical, usando a provocação e a ironia como ferramentas, o movimento punk é tido como uma das maiores revoluções da contracultura do século 20. A história desta revolução está contada por seus próprios personagens no livro Mate-me por favor, que acaba de ganhar uma reedição, no Brasil, pela L&PM.

europunk-exhibition-citc3a9-de-la-musique-paris-19

Neste vídeo do jornal Le Figaro, o vocalista da banda Les Wampas, Didier Wampas, visita a mostra. Mesmo para quem não entende bem francês, vale assistir e fazer um tour pela exposição, que fica em cartaz até 19 de janeiro de 2014:


A l’expo “Europunk” avec Didier Wampas por lefigaro

Mais beats no cinema

quarta-feira, 16 outubro 2013

O filme “Kill your darlings”, com Daniel Radcliffe no papel de Allen Ginsberg, estreia hoje, 16 de outubro, na Holanda, com exibição limitada a algumas salas, e nesta sexta-feira, 18 de outubro, em circuito comercial nos Estados Unidos.

kill

A história de “Kill Your Darlings” narra um episódio conturbado da vida de três autores do movimento beat: em 1944, Allen Ginsberg, Jack Kerouac (Jack Huston) e Lucien Carr (Dane DeHaan) foram acusados de matar David Kammerer (C. Hall), um professor apaixonado por Carr. A estreia no Brasil está prevista para o dia 14 de fevereiro de 2014. Assista ao trailer:

Conheça a Série Beats L&PM, que reúne obras seminais do movimento beat na literatura como o Uivo, de Allen Ginsberg, o célebre On the road, de Jack Kerouac, entre outros.