Felicidade, mesmo fugaz, ainda será

por J.J. Camargo*

A medicina nunca se cansou de buscar soluções para interromper a dor, nossa feroz e eterna inimiga.

No final dos anos 70, alguém propôs uma técnica interessante, ainda que os benefícios fossem muito pouco duradouros.

A injeção intrarraquidiana de soro fisiológico gelado determinava alívio satisfatório de dores intratáveis como as decorrentes de invasão da coluna vertebral.

Numa época em que ainda não se conhecia os prodígios da analgesia peridural com morfina ou derivados, isso pareceu um avanço significativo. O método foi testado em dois pacientes com tumores avançados de esôfago e de pâncreas, e o alívio doloroso foi imediato, ainda que o efeito desaparecesse depois de cinco, seis horas.

Quando entrei no quarto do Camilo, portador de um câncer terminal com incontáveis metástases ósseas na coluna, ele estava encolhido, virado para a parede. Nos olhos inchados havia uma dor multiplicada. No final daquela tarde, a filha caçula casaria numa capela da Vila Assunção, e ele não tinha a mínima condição de acompanhá-la ao altar. Impossível não sofrer com aquele sofrimento.

Saí do quarto estimulado por uma ideia meio louca: nós podíamos tentar colocá-lo naquela Igreja, esta que seria a última coisa maravilhosa de uma vida que fracassáramos em evitar que terminasse. E ele merecia isso.

Depois de conseguir cumplicidade do anestesista e parceria solidária do residente de plantão, anunciamos o projeto ao pobre homem, que chorava de dor e ria riso de criança imaginando a surpresa que haveria de causar. Um irmão foi convocado para buscar o seu melhor terno, cortou cabelo e barba e incorporou-se à trama caridosa.

As roupas trazidas eram do tempo de bonança, mas ataduras e compressas encheram os vazios de tronco e membros consumidos pela doença. Um pouco de ar injetado no pescoço encostou a pele no colarinho folgado e umas massagens enérgicas nas bochechas, agora sorridentes, devolveram um rosado saudável.

Com os cúmplices nas laterais, o Camilo entrou na igreja com um sorriso capaz de suplantar ao de uma noiva muito feliz. Impressionante como alegria e gratidão, reunidas na mesma cara, dão às pessoas um indiscutível ar de saúde. O festival de abraços na saída da igreja deixou uma lição definitiva: a felicidade não se mede por duração, mas por intensidade.

Quando ele voltou ao hospital tarde da noite, pediu uma dose generosa de morfina porque a danada recomeçara, e ele confessou que nunca se sentira tão cansado.

Antes de dormir fez o plantonista prometer que acontecesse o que acontecesse a sua família não seria avisada antes das nove horas da manhã. Uma lua de mel sem notícias ruins seria seu último presente à filha amada.

Felicidade é urgente. A tristeza pode esperar.

*a crônica faz parte do livro A tristeza pode esperar do Doutor J. J. Camargo, médico e colunista do caderno Vida do jornal Zero Hora.

Tags: ,

Envie seu comentário

* Campos obrigatórios