Posts Tagged ‘Voltaire’

Nova novela das 18h é inspirada em “Cândido ou o Otimismo” de Voltaire

quarta-feira, 20 janeiro 2016

A nova novela das 18h da Globo, “Êta mundo bom!”, estreou na segunda-feira, 18 de janeiro, e já vem recebendo elogios. Em sua coluna no jornal O Globo, a jornalista Patricia Kogut escreve que “foi uma boa estreia” e elogia muitos dos atores da trama. Escrita por Walcyr Carrasco e Maria Elisa Berredo, a novela tem entre seus colaboradores a escritora Claudia Tajes, autora da L&PM.

Mas o que chamou a atenção aqui do pessoal da editora foi que o autor, Walcyr Carrasco, afirmou ter se inspirado no livro “Cândido ou o Otimismo”, de Voltaire. Prova disso é que o personagem principal chama-se Cândido – Candinho para os íntimos (Sergio Guizé). Segundo Patricia Kogut, algumas frases da obra já apareceram nos primeiros capítulos, principalmente as ditas por Pancrácio (Marco Nanini), o mentor de Cândido na obra de Voltaire, como “Tudo está bem no melhor dos mundos”. Além de Cândido e Pancrácio, outro nome que aparece no livro também está lá: Cunegundes (Elizabeth Savala).

“O detalhe crucial no entanto é que, na literatura, a coisa não é para ser entendida ao pé da letra. O personagem ingênuo dos ingênuos atravessa as piores tragédias — guerras e o grande terremoto de Lisboa — ouvindo o bordão otimista. Mas é uma grande ironia, puro deboche do filósofo que tinha uma das línguas mais ferinas de seu tempo. Em “Êta mundo bom!”, ao contrário, a pureza é um assunto seriíssimo e unidimensional.” Escreveu ainda Patrícia Kogut.

candido ou o otimismo

 

Breve história de Voltaire

quarta-feira, 21 novembro 2012

A escultura mais famosa da imagem de Voltaire, feita por Jean-Antoine Houdon, conseguiu capturar o sorriso cerrado e os pés de galinha desse homem espirituoso e corajoso. Defensor da liberdade de expressão e da tolerância religiosa, Voltaire foi uma figura controversa. Na Europa do século XVIII, porém, a Igreja Católica controlava com rigidez o que podia ser publicado. Muitos dos livros e peças de Voltaire foram censurados e queimados em público, e ele chegou a ser preso na Bastilha, em Paris, por ter insultado um poderoso aristocrata. Mas nada disso o impediu de desafiar os preconceitos e as pretensões daqueles que o cercavam. No entanto, hoje ele é mais conhecido como o autor de Cândido (1759) – Trecho de Uma breve história da filosofia.

O impressionante busto de Voltaire esculpido por Houdon

Voltaire nasceu em Paris no dia 21 de novembro de 1694 e foi batizado com o nome de François Marie Arouet. Segundo Nigel Warburton, autor de Uma breve história da filosofia, uma das coisas que o diferenciou de outros célebres filósofos foi que Voltaire era rico. Warburton conta em seu livro que, jovem, ele fez parte de um grupo que descobriu uma falha no sistema de loterias do governo e comprou vários milhares de bilhetes premiados. Investiu esse dinheiro e enriqueceu ainda mais. Isso deu a ele liberdade financeira para defender as causas em que acreditava. Acabar de vez com a injustiça era sua paixão.

“Cândido” de luxo e ilustrado

segunda-feira, 4 julho 2011

Uma das sátiras mais famosas da literatura mundial, escrita em 1759 pelo filósofo francês Voltaire, ganhou uma edição limitada de luxo digna de colecionador. A editora The Folio Society fez uma tiragem de apenas 1.000 exemplares de Cândido ou O otimismo ilustrada com cerca de 50 desenhos de Quentin Blake, autor e ilustrador de mais de 300 livros infantis.

Todos os livros trazem a assinatura original do artista, que conseguiu captar o espírito horrível e, ao mesmo tempo, cômico da obra de Voltaire e traduzi-lo em desenhos.

E é claro que isso tudo tem um preço: cada exemplar é vendido a 195 libras! Achou meio salgado? A edição de Cândido ou O otimismo da Coleção L&PM Pocket custa apenas R$11 ou R$ 10 na versão digital.

Uma cruzada contra a intolerância

segunda-feira, 30 maio 2011

Durante toda a sua vida, Voltaire se rebelou contra dogmas e fanatismos. E nem a Igreja Católica – muito menos ela! – escapou. Depois de condenar em seus escritos toda forma de intolerância e de ser forçado a mudar de endereço numerosas vezes por desacatar autoridades políticas e religiosas por onde passou, pouco antes de morrer, Voltaire decidiu recuar.

Aos 84 anos, quando retornou à Paris de forma triunfal e foi recebido com honras e glórias em seu país de origem, sua saúde estava debilitada. A viagem de volta e as homenagens exigiram demais das energias do já cansado Voltaire. Diante da doença que o acometia, o impiedoso perseguidor de dogmas publicou, em abril de 1778, cerca de um mês antes de morrer, o seguinte relato na famosa revista francesa Correpondance Littérairer, Philosophique et Critique (1753-1793):

“Eu, o que escreve, declaro que havendo sofrido um vômito de sangue faz quatro dias, na idade de oitenta e quatro anos e não havendo podido ir à igreja, o pároco de São Suplício quis de bom grado me enviar a M. Gautier, sacerdote. Eu me confessei com ele, se Deus me perdoava, morro na Santa Religião Católica em que nasci esperando a misericórdia divina que se dignará a perdoar todas minhas faltas, e que se tenho escandalizado a Igreja, peço perdão a Deus e a ela. Assinado: Voltaire, 2 de março de 1778 na casa do marqués de Villete, na presença do senhor abade Mignot, meu sobrinho e do senhor marqués de Villevielle.

Voltaire morreu em 30 de maio de 1778. Seu corpo foi depositado no Panteão, em 1791, com o seguinte epitáfio:

“Ele combateu tanto os ateus quanto os fanáticos. Inspirou a tolerância e defendeu os direitos do homem contra a servidão do feudalismo. Poeta, historiador e filósofo, engrandeceu o espírito humano e ensinou-o a ser livre.”

De Voltaire, a L&PM publica Zadig ou o destino, O filósofo ignorante, Tratado sobre a tolerância e Cândido ou o otimismo.

voltaire_todos

20. O “cara” (ou o chato) do Balzac

terça-feira, 22 março 2011

Por Ivan Pinheiro Machado*

Um dia, estava numa livraria num Shopping em Porto Alegre e uma senhora de uns 60 anos, especialmente bem vestida, aproximou-se, pediu licença e perguntou com uma informalidade em nada condizente com sua sóbria vestimenta e sua idade: “O senhor é o “cara” do Balzac?”. Rindo, respondi alguma coisa e fui saindo… A verdade é que a senhora tinha razão. Por curiosas razões, acabei me transformando em uma espécie de “amador aprofundado” na vida e obra de Honoré de Balzac. Vou contar como e porque aconteceu isso:

Em 2004, dentro do projeto editorial da Coleção L&PM POCKET decidimos publicar as principais histórias da Comédia Humana já que, há muito tempo, ela não se encontrava nas livrarias os romances de Balzac. As 100 histórias (novelas, romances e contos) que compõem a Comédia Humana foram editadas no Brasil pela editora Globo na década de 1940 numa edição capitaneada por Paulo Rónai. Na década de 1980, houve uma reedição dos 17 volumes da Comédia Humana. Logo esgotaram-se os exemplares e nunca mais se ouviu falar dos romances do Balzac. Nas livrarias, só eram encontrados volumes dispersos e geralmente os factuais, livros que ele escreveu sobre a imprensa, “teoria do andar” e alguns ensaios sobre comportamento e política. Ilusões Perdidas, Pai Goriot, Esplendores e misérias das cortesãs, o célebre Mulher de 30 anos, O lírio do Vale, Pele de Onagro, só para citar alguns, apenas eram encontrados em sebos e olhe lá! Pois nós decidimos recolocar o grande Honoré nas livrarias. Mais precisamente na nossa coleção de bolso e em novas traduções feitas pelos melhores tradutores disponíveis no mercado editorial. Pois por melhor que fossem as traduções da edição da Globo, eram traduções datadas. O que, aliás, era normal, já tinham sido feitas na década de 1940.

Uma vez tomada a resolução, por onde começar? Primeiro, tentamos um contato com a Globo. Quem sabe comprar as traduções e revisá-las? Fomos informados de que era impossível negociar ou republicar a “Comédia” devido a questões jurídicas. Pensei em consultar algum especialista que pudesse me dar um roteiro de publicação, uma ordem de importância. Perguntei em Porto Alegre, São Paulo, Rio… e nada. Poucos nomes me foram sugeridos, todos indisponíveis. Tentei nas universidades, fui atrás de “balzaquistas”, mas acabei dando sempre com a cara na porta. Foi então que – na falta dos especialistas, resolvi eu mesmo, exercendo meu ofício de editor, mergulhar no mundo impressionante do inventor do romance moderno. Ou seja, resolvi abraçar Balzac. E me pus a ler. Compramos aqui na editora uma edição da Plêiade, da Gallimard, para ter o Balzac no original e nos sebos, reunimos a edição dos 17 volumes da Globo, capa dura, da década de 1950. E me pus a ler, ler, ler, quase pirei. Saí atrás de textos sobre Balzac. Procurei raridades em Paris, o livro de Teophile Gautier, o ensaio de Baudelaire, o livro de Alain, a biografia escrita por Stefan Zweig, a escrita por Maurois, outras mais, enfim, viajei. Foram cerca de 40 romances e novelas, uns 15 contos do Balzac e mais uns 20 livros sobre ele, além de meia dúzia de biografias. Quase virei um chato.

Um dia, num evento literário na Livraria Cultura em Porto Alegre, promovido pela Aliança Francesa, fui convidado a falar sobre Balzac. Era eu e o professor Voltaire Schilling, um homem de vasto saber. Cada um tinha um tempo determinado para falar. O prefessor Voltaire fez uma bela explanação sobre a relação entre Balzac e Paris. Falou uns trinta minutos e me passou a bola. Fiz um perfil biográfico rápido de Balzac, citei seus livros principais e – como curiosidade – falei sobre a “diversidade sexual” em Balzac, ou seja, vários de seus livros contemplam todas as tribos, da homossexualidade masculina, feminina, viciados em sexo, polígamos, cortesãs insaciáveis e até zoofilia. Enfim, comecei a contar histórias, passagens, falar sobre a Comédia Humana, seus personagens que se entrecruzam, e fui falando, falando, até que o francês da Aliança Francesa, sentado entre eu e o professor Voltaire (que tinha colocado na minha frente vários papeizinhos, que eu nem notei) agarrou-se no meu braço e sussurou no meu ouvido: “Chega!”. Eu, espantado, interrompi em meio à frase em que eu falava dos estonteantes atributos físicos da Condessa de Langeais… Ele me tomou o microfone e disse. “Muito obrrrrigado a todos! Assim encerramos nosso ciclo sobrrrrre Balzac”.  Em tempo: os tais papeizinhos que eu não li, diziam o seguinte: “Faltam dois minutos”, outro dizia “Um minuto” e outro “Tempo encerrado, faça a conclusão”…

Para ler o próximo post da série “Era uma vez uma editora…” clique aqui.