Posts Tagged ‘Comédia humana’

“História dos Treze”, de Honoré de Balzac

sexta-feira, 28 dezembro 2012

Por Ivan Pinheiro Machado*

Não custa nada relembrar Balzac. Ele deve ser lido sempre. As razões estão em sua própria obra, impressionante na extensão, fascínio, precisão, perenidade e talento.

Quem, na história da literatura ocidental, criou tantos mundos, tantos personagens, tantas intrigas, tantas e tantas histórias como Honoré de Balzac? Criador do romance moderno e do realismo, foi através da monumental Comédia Humana que ele unificou uma obra vasta, original, diversificada em temas, personagens, épocas e lugares.

Concebeu o projeto da Comédia Humana nos início dos anos 1830, quando tinha 30 anos. Em menos de duas décadas (morreu em 1850) criou 89 histórias diferentes – não concluindo o projeto da Comédia, que incluiria 137 livros. Até 1829 escreveu dezenas de romances que publicou sob pseudônimo.

Pela Comédia Humana transitam cerca de 2.500 personagens formando um magnífico e enorme painel da França e da Europa entre as décadas de 1790 e 1830. Frederich Engels, numa carta a Karl Marx, dizia que “eu aprendi mais em Balzac sobre a sociedade francesa da primeira metade do século, inclusive nos seus pormenores econômicos (por exemplo, a redistribuição da propriedade real e pessoal depois da Revolução), do que em todos os livros dos historiadores, economistas e estatísticos da época, todos juntos …”

História dos Treze é a trilogia composta pelos romances Ferragus, A Condessa de Langeais e A Menina dos Olhos de Ouro – completamente autônomos com histórias e personagens totalmente distintos. Em comum, a existência de uma sociedade secreta, Os treze devoradores, espécie de seita composta  por 13 amigos, cujo objetivo é todos ajudarem-se mutuamente – e secretamente – colocando a amizade acima de qualquer preceito moral e até mesmo da lei. Este tipo de “sociedade”, quase um ideal romântico, ocupava o imaginário do público francês e as histórias envolvendo seitas secretas tinham enorme sucesso na época. Balzac embarcou nesta e, muito mais do que seguir uma moda, criou três obras-primas que obtiveram enorme sucesso ao serem publicadas como folhetim nos jornais parisienses.

História dos treze representa um marco na obra balzaquiana, pois ele – ao criar um elo entre os três romances – começava a expor a poderosa mecânica da Comédia, onde centenas de personagens frequentam vários livros, ora como protagonistas, ora como coadjuvantes. Mais do que  o misterioso Ferragus, o legendário herói de guerra general Montriveau, a bela e enigmática duquesa de Langeais, o charmoso De Marsay, a maravilhosa e ambígua Paquita Valdés, a grande personagem destes três livros é aquela que foi a grande paixão de Balzac: a cidade de Paris.

As ruas estreitas, úmidas e escuras, os palacetes, o sofisticado faubourg Saint Germain des Près, as Tulherias, o Boi de Boulogne, os bailes da Ópera, enfim, a grande Paris da Restauração que emergiu dos destroços do império napoleônico está inteira, contracenando e interagindo com homens e mulheres que se debatem em romances improváveis, traições, intrigas, num enredo magnífico que, segundo seu criador, refletia um mundo que resumia sua ambição à busca desenfreada por “ouro e poder”.

* Toda semana, a Série “Relembrando um grande livro” traz um texto assinado em que grandes livros são (re)lembrados. Livros imperdíveis e inesquecíveis.

Parabéns Monsieur Balzac

sexta-feira, 20 maio 2011

Por Ivan Pinheiro Machado

Eu já escrevi neste blog sobre “eu e Balzac”. Sobre como me tornei – sem querer – um “especialista amador” no legendário romancista. Volto ao assunto porque hoje é o aniversário de Balzac. Ele nasceu em 20 de maio de 1799, portanto, se vivo fosse, tipo um personagem bíblico, teria 212 anos.

Na sua torturada biografia, Balzac debateu-se várias vezes com o fracasso, tanto como homem de negócios, como na vida amorosa e, principalmente, como homem de letras. Embora tenha atingido grande sucesso de público, foi preterido frequentemente pela “inteligentzia” parisiense. Concorreu várias vezes a uma cadeira na Academia Francesa e foi sistematicamente recusado. Mas a vida sempre foi assim. Muitos daqueles que desfrutaram em sua época o tão sonhado “prestígio literário”, hoje ninguém sabe quem são. Nem se houve falar. Ficaram perdidos nas profundezas do tempo que engole implacavelmente as mediocridades. E, no entanto, dois séculos depois, estamos falando de Balzac. O grande maluco. O autor de mais de 200 romances, novelas e contos, dos quais assinou somente 100 com o seu nome. Justamente as que compõem o maior monumento da literatura ocidental, a “A Comédia Humana”.

Eu redescobri, e fui obrigado a ler Balzac, porque decidimos, aqui na L&PM, editar o mais importante da Comédia Humana e fui encarregado de capitanear este projeto. Balzac foi uma das maiores descobertas literárias da minha vida. Comecei lendo para cumprir uma tarefa. Acabei mergulhando num mundo que me fascinou e me fascina até hoje. Balzac jamais decepciona. É diversão garantida. E a obra que ele escreveu em menos de 20 anos é suficientemente imensa para abastecer uma vida inteira de fabulosos romances. Uma obra que atravessa os tempos com a mágica e o encanto intactos. E isto é o que se chama de clássico. Parabéns, monsieur Honoré de Balzac.

Observação: no blog da L&PM você encontra a “Série Balzac” com textos sobre sua vida e a sua obra. E clique aqui para ver os romances de Balzac publicados pela L&PM Editores em papel e em e-book.

20. O “cara” (ou o chato) do Balzac

terça-feira, 22 março 2011

Por Ivan Pinheiro Machado*

Um dia, estava numa livraria num Shopping em Porto Alegre e uma senhora de uns 60 anos, especialmente bem vestida, aproximou-se, pediu licença e perguntou com uma informalidade em nada condizente com sua sóbria vestimenta e sua idade: “O senhor é o “cara” do Balzac?”. Rindo, respondi alguma coisa e fui saindo… A verdade é que a senhora tinha razão. Por curiosas razões, acabei me transformando em uma espécie de “amador aprofundado” na vida e obra de Honoré de Balzac. Vou contar como e porque aconteceu isso:

Em 2004, dentro do projeto editorial da Coleção L&PM POCKET decidimos publicar as principais histórias da Comédia Humana já que, há muito tempo, ela não se encontrava nas livrarias os romances de Balzac. As 100 histórias (novelas, romances e contos) que compõem a Comédia Humana foram editadas no Brasil pela editora Globo na década de 1940 numa edição capitaneada por Paulo Rónai. Na década de 1980, houve uma reedição dos 17 volumes da Comédia Humana. Logo esgotaram-se os exemplares e nunca mais se ouviu falar dos romances do Balzac. Nas livrarias, só eram encontrados volumes dispersos e geralmente os factuais, livros que ele escreveu sobre a imprensa, “teoria do andar” e alguns ensaios sobre comportamento e política. Ilusões Perdidas, Pai Goriot, Esplendores e misérias das cortesãs, o célebre Mulher de 30 anos, O lírio do Vale, Pele de Onagro, só para citar alguns, apenas eram encontrados em sebos e olhe lá! Pois nós decidimos recolocar o grande Honoré nas livrarias. Mais precisamente na nossa coleção de bolso e em novas traduções feitas pelos melhores tradutores disponíveis no mercado editorial. Pois por melhor que fossem as traduções da edição da Globo, eram traduções datadas. O que, aliás, era normal, já tinham sido feitas na década de 1940.

Uma vez tomada a resolução, por onde começar? Primeiro, tentamos um contato com a Globo. Quem sabe comprar as traduções e revisá-las? Fomos informados de que era impossível negociar ou republicar a “Comédia” devido a questões jurídicas. Pensei em consultar algum especialista que pudesse me dar um roteiro de publicação, uma ordem de importância. Perguntei em Porto Alegre, São Paulo, Rio… e nada. Poucos nomes me foram sugeridos, todos indisponíveis. Tentei nas universidades, fui atrás de “balzaquistas”, mas acabei dando sempre com a cara na porta. Foi então que – na falta dos especialistas, resolvi eu mesmo, exercendo meu ofício de editor, mergulhar no mundo impressionante do inventor do romance moderno. Ou seja, resolvi abraçar Balzac. E me pus a ler. Compramos aqui na editora uma edição da Plêiade, da Gallimard, para ter o Balzac no original e nos sebos, reunimos a edição dos 17 volumes da Globo, capa dura, da década de 1950. E me pus a ler, ler, ler, quase pirei. Saí atrás de textos sobre Balzac. Procurei raridades em Paris, o livro de Teophile Gautier, o ensaio de Baudelaire, o livro de Alain, a biografia escrita por Stefan Zweig, a escrita por Maurois, outras mais, enfim, viajei. Foram cerca de 40 romances e novelas, uns 15 contos do Balzac e mais uns 20 livros sobre ele, além de meia dúzia de biografias. Quase virei um chato.

Um dia, num evento literário na Livraria Cultura em Porto Alegre, promovido pela Aliança Francesa, fui convidado a falar sobre Balzac. Era eu e o professor Voltaire Schilling, um homem de vasto saber. Cada um tinha um tempo determinado para falar. O prefessor Voltaire fez uma bela explanação sobre a relação entre Balzac e Paris. Falou uns trinta minutos e me passou a bola. Fiz um perfil biográfico rápido de Balzac, citei seus livros principais e – como curiosidade – falei sobre a “diversidade sexual” em Balzac, ou seja, vários de seus livros contemplam todas as tribos, da homossexualidade masculina, feminina, viciados em sexo, polígamos, cortesãs insaciáveis e até zoofilia. Enfim, comecei a contar histórias, passagens, falar sobre a Comédia Humana, seus personagens que se entrecruzam, e fui falando, falando, até que o francês da Aliança Francesa, sentado entre eu e o professor Voltaire (que tinha colocado na minha frente vários papeizinhos, que eu nem notei) agarrou-se no meu braço e sussurou no meu ouvido: “Chega!”. Eu, espantado, interrompi em meio à frase em que eu falava dos estonteantes atributos físicos da Condessa de Langeais… Ele me tomou o microfone e disse. “Muito obrrrrigado a todos! Assim encerramos nosso ciclo sobrrrrre Balzac”.  Em tempo: os tais papeizinhos que eu não li, diziam o seguinte: “Faltam dois minutos”, outro dizia “Um minuto” e outro “Tempo encerrado, faça a conclusão”…

Para ler o próximo post da série “Era uma vez uma editora…” clique aqui.

O homem que amava as mulheres

sexta-feira, 18 junho 2010

Por Ivan Pinheiro Machado

Para desespero de madame Balzac, Laure de Berny tinha 45 anos, era casada com um conde e tinha nove filhos. E foi o primeiro e maior amor de seu filho mais velho, Honoré.

Dela, ele recebeu o carinho que a mãe havia lhe negado e a definitiva iniciação sexual. Balzac era um menino do interior, tinha 22 anos. Laure excitava a imaginação do jovem Honoré, tão chegado no brilho da aristocracia. Afinal – prato cheio para um futuro romancista – Mme. de Berny traía um conde, e seus pais foram íntimos dos reis decapitados; a mãe foi dama de companhia de Maria Antonieta e o pai, harpista de Luis XVI… Não era pouca coisa. E o que no começo foi um escândalo provinciano, acabou por se transformar em uma amizade para toda a vida. Laure também foi decisiva na execução e concepção do grande projeto da Comédia Humana.

Zulma Carraud foi outra paixão da juventude. Casada com um militar, ela foi sua confidente, leitora e orientadora. Mas para desespero do escritor, jamais houve sexo entre eles.

Especialista no chamado “roman a clef” Balzac usava os livros para acertar contas e  concentrava o fogo de sua fúria nos homens. Já para as mulheres, dedicava toda a sua compreensão e tolerância. Como toda a regra tem exceção, seu belo romance “A Condessa de Langeais”, teria sido uma espécie de vingança ao desprezo da Marquesa de Castries, cuja mão foi recusada ao escritor. Mas, ao ler este livro pertencente à magnífica trilogia “História dos treze”, você verá que a marquesa não tinha nada do que reclamar, pois a condessa é um dos grandes personagens de Balzac.

Era conhecido nos ambientes mundanos como grande “causer” ou homem de excelente conversa. George Sand disse numa carta, “Quando entrava num salão, imediatamente o enchia”. No começo da década de 1830, principalmente depois do enorme sucesso de A pele de Onagro, ele já era um personagem célebre e colecionava “casos”, embora perseguisse obstinadamente um “bom casamento”, de preferência com uma condessa rica e viúva. Como Laure D’Abrantés, que foi sua amante por um breve tempo e, além de condessa, era viúva do célebre Marechal Junot, conquistador do Egito com Napoleão.

A celebridade em Paris da Restauração, como de resto em todas as épocas e em todo o mundo, atraía belas mulheres. Balzac recebia dezenas de cartas perfumadas e “diariamente, lindas desconhecidas batiam à sua porta”. Circulava entre os dândis “confirmados” de Paris. Um dos pontos altos da Comédia é a descrição das cortesãs. São várias, todas lindas e inteligentes como Josepha, Esther, Valeria, entre tantas outras que adoravam desfilar nos camarotes da Opéra com os garotos endinheirados. As descrições são tão verossímeis que pressupõe uma familiaridade que ele realmente teve na vida real.  Uma de suas prediletas foi a “demi-mondaine” Olympie Pélisser, uma das mulheres mais lindas de Paris por quem teve uma rápida paixão que custou até um pedido de casamento, por sinal, negado. Olympie foi amante do músico Rossini e do escritor de folhetins, famoso na época, e rival literário de Balzac, Eugène Sue. Dizia-se que a bela cortesã teria sido modelo para a deslumbrante e insensível Foedora de “A pele de Onagro”.

Mas entre as muitas mulheres que passaram pela sua vida, a que mais o marcou foi Eveline Hanska, condessa polonesa, leitora de Balzac que aproximou-se dele através de uma carta anônima. Balzac já era o escritor mais lido na Europa e nesta carta a condessa declarava sua admiração. Balzac investigou muito, acabou descobrindo a sua identidade e foi encontrá-la numa viagem a Suíça. Imediatamente tornaram-se amantes. A correspondência entre os dois é imensa e as cartas de Balzac para a “estrangeira” são a principal fonte de seus biógrafos. Já as cartas de Eveline para Balzac são raríssimas e supõe-se que Balzac as tenha destruído pois, afinal, ela era uma senhora casada. Esta ligação de duas décadas só consumou-se seis anos depois que a condessa enviuvou. E aos 50 anos, cansado e doente, Honoré de Balzac atingiu o sonho da vida inteira que era casar com uma condessa de verdade. Morreria seis meses mais tarde.

Leia também:

Balzac: a volta ao Brasil mais de 20 anos depois
Por que ler Balzac
O monumento chamado Comédia Humana
Balzac: o homem de (maus) negócios
Sexo para todos os gostos
20 de maio: aniversário de Balzac
Ouro e prazer
Balzac e as balzaquianas
O poder das mulheres na Comédia humana

CLIQUE AQUI PARA LER A PARTE 11 DESTA SÉRIE.

O poder das mulheres na Comédia humana

sexta-feira, 11 junho 2010

Por Ivan Pinheiro Machado

“Você tem uma sensibilidade em relação ao coração da mulher como nenhum outro homem… Ainda há algumas misérias deste pobre sexo que lhe escapam; mas, decerto, nunca um homem conseguiu entrar mais fundo na existência delas…”

Essas palavras da grande amiga de Balzac, Zulma Carraud, dão uma ideia da grandeza dos personagens femininos da Comédia Humana. Pode-se dizer, sem medo de errar, que entre a imensa galeria de protagonistas, se tirássemos todos os principais personagens masculinos, ainda assim a Comédia Humana se manteria de pé. Mas se deletássemos as mulheres, o edifício fatalmente ruiria.

Há nas 89 histórias (romances, novelas e contos) que compõe o monumental conjunto, um número formidável de extraordinárias mulheres. Só para citar algumas: a terrível prima Bette, a intensa e apaixonada Duquesa de Langeais, a condessa de Mortsauf que, literalmente, morre de amor em O lírio do vale, Julia d’Aiglemont, de A mulher de 30 anos, as fortes e belas Ginevra Pitombo e Eugénie Grandet, as cortesãs cuja beleza deslumbrante colocavam aos seus pés os barões de Paris como Málaga, Esther e Valéria, a maravilhosa e enigmática Paquita Valdés, de A Menina dos Olhos de Ouro e a incrível condessa Fedora, de Pele de Onagro. E há mais uma centena de grandes mulheres, personagens destacados que perambulam pelos volumes da Comédia Humana. São deliciosas as descrições que Balzac faz de uma bela mulher. Ele deleita-se, exagera, atiça a imaginação do leitor. Joga de maneira admirável com sua imensa capacidade de fazer frases de efeito. Veja como ele descreve uma de suas “musas”: “A profundidade de um abismo, a graça de uma rainha, a corrupção dos diplomatas, o mistério de uma iniciação e o perigo de uma sereia”.

No imenso e intrincado “sistema” da Comédia Humana, os personagens femininos possuem uma grandeza e uma dimensão que só uns poucos personagens masculinos conseguem ter. Elas são o centro do círculo social, comandam a cena. Os homens geralmente são marionetes nas mãos de mulheres poderosas. São traídos e humilhados, são mesquinhos e prepotentes, são vaidosos, arrogantes e quase sempre, ridículos.

Ele foi revolucionário ao narrar as vicissitudes do casamento, das uniões sem amor, numa época em que a “suave hipocrisia dos salões” recusava o divórcio e a separação. Criticou duramente os casamentos por interesses. Pregou as virtudes das “balzaquianas” em A mulher de 30 anos, seu livro mais célebre. E tolerou as traições, justificou as adúlteras mal-amadas e não raro, louvou as cortesãs. Na vida real, sempre procurou o amor das mulheres. Teve vários casos rumorosos, mas disso trataremos no próximo post.

Leia também:
– Balzac e as balzaquianas
Ouro e prazer
20 de maio: aniversário de Balzac
Sexo para todos os gostos
Balzac: o homem de (maus) negócios
O monumento chamado Comédia Humana
Por que ler Balzac
Balzac: a volta ao Brasil mais de 20 anos depois

CLIQUE AQUI PARA LER A PARTE 10 DESTA SÉRIE.

Ouro e prazer

sexta-feira, 28 maio 2010

Por Ivan Pinheiro Machado

Balzac tinha a pretensão de ir muito além da literatura com a sua “Comédia Humana”.
Segundo ele, seus livros na realidade eram “tratados de costumes” que facilitariam a vida dos historiadores do futuro na “compreensão do século XIX”. E ele retratou com a precisão de um sociólogo a Paris dos tempos da Restauração. E com isso realizou um verdadeiro mergulho na alma humana. Dizia que, no fundo, Paris se movia por uma busca desenfreada por “ouro e prazer”; “a luta de todos contra todos sob a amável hipocrisia dos salões, o choque feroz de instintos insaciáveis”.

Era uma sociedade transformada inexoravelmente pela revolução de 1789. Em 30 anos vivera uma revolução sangrenta, uma república, um império e a restauração de uma monarquia saudosista e ineficiente. Era um novo mundo. Uma classe média ascendente e uma burguesia definitivamente influente transitavam entre velhos aristocratas falidos e novos-ricos em busca de nobreza. Esta tensão se transportava para o Bois de Bologna, as Tulherias, o hipódromo, a ópera, os salões majestosos dos palacetes de Saint-Germain de Près. Uma Paris deslumbrante, onde “dândis” impecavelmente cafajestes contracenavam com condessas de pele alva e olhos mediterrâneos.

Balzac foi o cronista desta sociedade em transe. Descreveu as paixões desenfreadas, os brutais jogos de interesses e “a busca de ouro e prazer”. Ilusões que nasciam e se perdiam num mundo contraditório, que redundava em fortuna para poucos e sofrimento e frustrações para quase todos. Assim pensava Honoré de Balzac.

CLIQUE AQUI PARA LER A PARTE 8 DESTA SÉRIE.

20 de maio: aniversário de Balzac

quinta-feira, 20 maio 2010

Por Ivan Pinheiro Machado

Hoje, Balzac estaria de aniversário.
Ele nasceu em 20 de maio de 1799 em Tours, uma bela e clássica cidade da província francesa, batizada como a capital do vale do rio Loire, cercada de castelos, distante 240 quilômetros de Paris. Atualmente, o TGV (trem-bala) faz este percurso em 55 minutos. Na época de Balzac, com bons cavalos, se fazia em dois dias. Muito jovem, ele conseguiu licença da família e foi para Paris. Em poucos anos, tornou-se o mais cosmopolita de todos os escritores de seu tempo, sendo o primeiro grande romancista francês a ser lido em toda a Europa. Não é por acaso que Paris é personagem e pano de fundo para este grande monumento literário que é a Comédia Humana e que abriga as quase 100 histórias que ele escreveu nos seus 20 anos de grande vigor criativo. Em no nosso site, você encontra todas as informações sobre Honoré de Balzac e principalmente sobre a Comédia Humana, da qual já publicamos quase duas dezenas de romances e novelas. Balzac morreu em 1850 aos 51 anos. Era célebre, mas não conseguiu realizar o sonho de ser milionário. Ao contrário. Deixou dívidas, muitas dívidas, e uma obra que o eternizou como um dos maiores artistas de todos os tempos.

CLIQUE AQUI PARA LER A PARTE 7 DESTA SÉRIE.

O monumento chamado Comédia Humana

segunda-feira, 10 maio 2010


“Aprendi mais sobre a sociedade francesa na Comédia Humana (…) do que em todos os livros de economistas, historiadores e estatísticos da época, todos juntos” (F. Engels em carta a Karl Marx)

“Saúda-me, pois estou seriamente na iminência de tornar-me um gênio”.

Esta mensagem pouco modesta foi enviada por Balzac à sua irmã Laure quando “caiu a ficha” de que ele estava criando um grande projeto literário. A chave de tudo foi conceber um mundo onde os personagens perambulariam por diferentes romances. Ou seja, o protagonista de uma história faria uma “ponta” em outra e, conforme a cronologia, esse mesmo personagem apareceria mais jovem num livro e mais velho em outro. Assim, Balzac criou uma grande galeria para pintar um retrato preciso do mundo e da época em que viveu.

Este era o seu objetivo e aí estava a causa de sua euforia. O escritor francês tinha a convicção de que, no final, o conjunto da sua obra seria um verdadeiro “estudo sociológico”, servindo de ferramenta para os pesquisadores “do futuro” saberem exatamente como eram as pessoas e como era o mundo daquela época. Do ponto de vista da técnica narrativa, esta ida e vinda de personagens é a chave que torna a Comédia Humana fascinante. Fatos ocorridos em um livro são citados em outro que, teoricamente, nada tem a ver com o primeiro. Quando um novo personagem entra num romance, frequentemente estabelece relações de parentesco com outros personagens já citados em histórias anteriores. Enfim, a Comédia é uma verdadeira comunidade com aproximadamente 2.500 personagens que circulam e se entrelaçam por 90 romances diferentes. Há o banqueiro oficial que atua em dezenas de histórias, o poderoso Barão de Nuncingen (inspirado no barão de Rotschild) e o agiota que é sempre o avarento Gobscek. Os médicos que atendem aos doentes da Comédia são invariavelmente o jovem Bianchon e o experiente Dr. Desplein. Os “playboys”, ou melhor, os “dândis” nunca deixam de ser Henry de Marsay, Rastignac e Vandenesse, entre outros tantos canalhas fascinantes. E também há os tabeliões, os militares, enfim, são muitos os personagens que às vezes aparecem somente numa festa, num baile ou numa tarde de domingo nas Tulherias. Porém, mais importante do que tudo e todos são as mulheres de Balzac. Mas isto fica para outro post.

Leia também:
Por que ler Balzac
Balzac: a volta ao Brasil mais de 20 anos depois

CLIQUE AQUI PARA LER A PARTE 4 DESTA SÉRIE.

Balzac: a volta ao Brasil mais de 20 anos depois

terça-feira, 4 maio 2010


Esta é a primeira parte de uma série de posts sobre Balzac, autor genial e contraditório, cuja imaginação prodigiosa concebeu a Comédia Humana, um dos maiores monumentos da literatura mundial de todas a épocas.

Por Ivan Pinheiro Machado

Honoré de Balzac nasceu em Tours, França, em 1799 e morreu em Paris em1850. Escreveu quase 200 histórias e ensaios nos quais, em pouco mais da metade, colocou seu próprio nome. O restante foram livros de iniciação ou obras escritas meramente para ganhar a vida. Ele achava que o mundo não merecia seu nome e por isso assinava com pseudônimos variados.

Balzac reuniu 90% da sua obra reconhecida sob o nome geral de Comédia Humana, numa clara paródia à “Divina Comédia” de Dante Alighieri. Obra monumental ­ –composta de 89 histórias –, a Comédia Humana ainda é muito pouco conhecida no Brasil. Na década de 40 e 50, foi publicada na íntegra pela Editora Globo de Porto Alegre sob a supervisão geral de Paulo Ronai. Depois disso, foi reeditada apenas na década de 80. A edição brasileira tinha 17 volumes que incluía as 89 histórias longas, médias e curtas escritas por Balzac e divididas em 3 partes: ESTUDOS DE COSTUMES que se subdivide em Cenas da Vida Privada, Cenas da Vida Provinciana, Cenas da Vida Parisiense, Cenas da Vida Política, Cenas da Vida Militar e Cenas da Vida Rural, ESTUDOS FILOSÓFICOS e ESTUDOS ANALÍTICOS.

Esgotada ainda na década de 80, A Comédia Humana esteve quase 30 anos fora das livrarias. No começo da década de 2000, a L&PM Editores começou a por em prática seu projeto de reeditar Balzac em traduções modernas e de alta qualidade. Abraçamos a responsabilidade de trazer, se não toda, pelo menos o principal desta grande obra. Os primeiros volumes saíram em 2006 na coleção L&PM POCKET. De lá para cá, já lançamos 17 de seus principais romances em 14 volumes e deveremos lançar nos próximos dois anos mais 15 histórias. Aqui neste blog faremos uma série de posts sobre Balzac, para dar aos leitores uma idéia geral deste autor genial, contraditório, cuja imaginação prodigiosa concebeu a Comédia Humana, um dos maiores monumentos da literatura mundial de todas a épocas.

Volumes lançados na coleção L&PM POCKET:

Ascensão e queda de César Birotteau – Trad. Herculano Villas-Boas
O coronel Chabert seguido de A mulher abandonada – Trad. Paulo Neves e Rubem Mauro Machado
A duquesa de Langeais – Trad. Paulo Neves
Esplendores e misérias das cortesãs – Trad. Ilana Heineberg
Estudos de mulher (Estudo de mulher seguido de Outro estudo de mulher) – Trad. Rubem Mauro Machado e Ilana Heineberg
Eugénie Grandet – Trad. Ivone C. Benedetti
Ferragus – Trad. William Lagos
Ilusões perdidas – Trad. Ivone C. Benedetti
O lírio do vale – Trad. Rosa Freire d’ Aguiar
A menina dos olhos de ouro – Trad. Ilana Heineberg
A mulher de trinta anos – Trad. Paulo Neves
O pai Goriot – Trad. Celina Portocarrero e Ilana Heineberg
A pele de onagro – Trad. Paulo Neves
A vendeta seguido de A paz conjugal – Trad. William Lagos
Como fazer a guerra: máximas e pensamentos de Napoleão – Trad. Paulo Neves

Edição convencional (formato 23 x 16 cm, acabamento luxo):

História dos treze (Incluindo Ferragus, A duquesa de Langeais e A menina dos olhos de ouro) – Trad. William Lagos, Paulo Neves e Ilana Heineberg

Sobre Balzac:

BalzacFrançois Taillandier (Série BIOGRAFIAS L&PM POCKET) – Trad. Ilana Heineberg

CLIQUE AQUI PARA LER A PARTE II DESTA SÉRIE.