Arquivo de dezembro, 2012

A carta que Kerouac escreveu para Ginsberg há exatos 58 anos

sábado, 22 dezembro 2012

A carta que Jack Kerouac escreveu para Allen Ginsberg em 22 de dezembro de 1954 (clique para ampliar)

Trecho de Jack Kerouac & Allen Ginsberg: as cartas

O grande Fitzgerald

sexta-feira, 21 dezembro 2012

Hoje, 21 de dezembro, marca a morte daquele que é considerado um dos maiores romancistas norteamericanos: F. Scott Fitzgerald. 

Seu primeiro manuscrito foi rejeitado pelo editor e, depois disso, Fitzgerald abandonou a universidade de Princeton e alistou-se no exército. Mas não desistiu de escrever e, em 1919, conseguiu publicar “Este lado do paraíso”, seu primeiro romance.

Em 1921, Fitzgerald casou-se com Zelda Sayre e tiveram sua primeira filha, Frances. Foi nessa época que seu romance tornou-se um bestseller e ele ficou famoso. Vale dizer que o casamento com Zelda foi bastante conturbado, pois ambos bebiam muito e levavam uma vida de  excessos, inclusive financeiros. Zelda, no entanto, era uma ótima fonte de inspiração para os livros do marido e Daisy Buchanan, personagem de “O Grande Gatsby” (publicado em 1925), tinha muito dela. A citação de Daisy de que ela esperava que sua filha fosse uma “tola linda” foi exatamente o que Zelda disse depois do nascimento de sua filha.

Quando Zelda passou a sofrer de esquizofrenia e foi internada, Fitzgerald foi para Hollywood viver com sua amante, a atriz Sheilah Graham. No final de 1940, ele sofreu um sério ataque cardíaco e seu médico aconselhou-o a evitar esforços. Mesmo assim, em 21 de dezembro daquele ano, ele sofreu um novo ataque no apartamento de Sheilah e, antes que o socorro conseguisse chegar, ele já estava morto.

O funeral foi pequeno e discreto, acompanhado apenas de 30 pessoas. Seu amigo Edmund Wilson terminou e publicou o romance no qual Fitzgerald estava trabalhando na época. “O último magnata” foi lançado em 1941 e está na Coleção L&PM Pocket, assim, como “O Grande Gatsby” e mais “Os belos e malditos”, “Crack-up” e “O diamante do tamanho do Ritz e outras histórias“.

Cancãn natalino: Fitzgerald, Zelda e a filha

Fitzgerald e Sheilah no México

O espírito do mais famoso conto de Natal

sexta-feira, 21 dezembro 2012

Havia um tempo em todo escritor tinha em seu currículo um conto de Natal. O mais famoso deles, certamente, é aquele criado por Charles Dickens. A história de Scrooge – um idoso avarento e egoísta – nasceu originalmente como uma canção de cinco estrofes, cada uma delas ilustrando um acontecimento especial da noite de Natal que mudou a vida do personagem. A obra teve um papel fundamental na reabilitação das tradições natalinas numa época em que elas se encontravam em declínio. Um Conto de Natal de Dickens baseia-se em dois temas preferidos do escritor: a injustiça social e a pobreza. Ao longo de toda a história, ele descreve a combinação desses dois elementos, bem como suas causas e efeitos.

A L&PM publica "Um Conto de Natal" de Dickens na Série Clássicos da Literatura em Quadrinhos, além da história original na Coleção L&PM Pocket

Depois de Um conto de Natal, Dickens escreveu uma série de livros natalinos (Christmas Books), como The Chimes e Cricket on the Hearth, entre outros, baseados no espírito de Natal. Apesar de terem feito muito sucesso na época, estes títulos não resisitiram tão bem à passagem do tempo como Um Conto de Natal. Esta obra foi tema das primeiras leituras públicas de Dickens (que sofreu alguns ajustes para ser lida em voz alta). Um Conto de Natal foi adaptado muitas vezes para o teatro, o cinema e a televisão e inspirou Walt Disney a criar o Tio Patinhas (cujo nome de batismo original é Uncle Scrooge). A mais recente adaptação para o cinema é a que traz Jim Carrey no papel do averento criado por Dickens.

Tio Patinhas foi explicitamente inspirado no avarento Scrooge de "Um Conto de Natal" de Dickens

Jim Carrey é Scrooge na mais recente adaptação de "Um Conto de Natal" da Disney

200 anos dos Contos de Grimm

quinta-feira, 20 dezembro 2012

Hoje, 20 de dezembro, o Google homenageia os 200 anos de lançamento do volume 1 dos Contos de Grimm, as famosas histórias eternizadas pelos irmãos Jacob e Wilhelm Grimm, publicadas em livro no ano de 1812. Um doodle apresenta um dos contos mais clássicos dos Grimm: Chapeuzinho Vermelho.

Originalmente batizado de Kinder-und Hausmärchen (Contos infantis e do lar), os Contos de Grimm incluem as mais conhecidas histórias contadas para crianças como O princípe sapoA gata borralheira, Rapunzel, A bela adormecida, O pequeno polegar, Branca de neve, Rumpelstilskin e a já citada Chapeuzinho Vermelho. Eruditos e respeitáveis pesquisadores da sua língua, os irmãos tinham um desejo em comum: reunir toda a tradição oral alemã. Para tanto, colheram os relatos de camponeses e, a partir deles, ofereceram ao mundo histórias que até hoje, dois séculos depois, ainda fascinam as crianças de todos os cantos do planeta. 

A L&PM publica os Contos de Grimm em dois volumes na Coleção L&PM Pocket, mantendo o texto original dos irmãos. 

O que dar de presente para…

quarta-feira, 19 dezembro 2012

Todo ano é assim: chega perto do Natal e você lembra que faltou algum presente. Ou porque é uma pessoa que entrou agora na família ou porque é um convidado de última hora da ceia natalina.

O NAMORADO DA FILHA – Sua filha ainda está na adolescência e já tem alguém chamando você de “sogrinha”? Para ele, sugerimos algum título da Série Clássicos da Literatura em Quadrinhos como Guerra e Paz, Odisseia ou Os miseráveis. Na verdade, você pode fazer um kit com vários títulos dessa série. Assim manterá o garoto ocupado por mais tempo.

A NAMORADA DO PAI – Ela é bem mais nova do que o seu pai. Na verdade, tem quase a sua idade. E pra piorar no quesito “escolha do presente”, você não tem nenhuma intimidade com ela… Se esse for o caso, a melhor opção é Simon’s Cat, um divertido livro com o gato mais famoso do Youtube. Detalhe: ele não tem nenhuma palavra, só imagens (entendeu a indireta?).

A TIA SOLTEIRA – Não estamos falando de “tia solteirona”, pois isso é coisa do passado, mas daquela tia que já foi casada e que hoje prefere aproveitar a vida viajando com as amigas ou namorando muito. Pra ela, sugerimos Um lugar na janela, de Martha Medeiros, com histórias de viagens para ela se inspirar e seguir conquistando o mundo.

A PRIMA ENCALHADA – Se ela anda desesperada por casar ou pelo menos tem bom humor, vai adorar ganhar Por que você não se casou… ainda, um livro da americana Tracy McMillan que, como anuncia a capa, é “A conversa séria que você precisa para conseguir o relacionamento que merece”. Se der certo, provavelmente ela vai lhe convidar pra ser a madrinha do casório.

O TIO QUE NÃO É TIO – Quase toda família tem um tio agregado. Um amigo de infância do seu pai ou um primo distante que não tem filhos e que há anos aparece no Natal. E apesar disso, você nunca sabe o que dar a ele… Mas esse ano vai ser fácil! Uma história do mundo, de David Coimbra, com certeza vai fazer seu tio emprestado bem feliz.

A NOVA ESPOSA DO IRMÃO – Quando você estava se acostumando com a sua cunhada, seu irmão anuncia que se separou e que já tem outra na parada. Ou seja: você não faz a menor ideia do que dar de presente a essa nova agregada da família. Na verdade, você nem a conhece ainda! Nesse caso, um livro que não tem erro é o ótimo Uma breve história da filosofia. Ainda mais que filosofia está na moda.

O IRMÃO DO GENRO – Sua filha anunciou que vai trazer o cunhado pra festa de Natal. E você nem imagina o que dar de presente a ele. Que tal Os filhos dos dias de Eduardo Galeano? Um livro que parece condensar a história da humanidade em 366 belos textos – um para cada dia do ano. É uma obra que agrada a todos, mesmo os que não são leitores assíduos.

Os cartazes do filme “O grande Gatsby”

quarta-feira, 19 dezembro 2012

O filme “O grande Gatsby” de Baz Luhrmann, baseado no clássico romance de F. Scott Fitzgerald, acaba de divulgar seus cartazes oficiais:

Tobey Maguire vive o narrador Nick Carraway

Elizabeth Debicki é Jordan Baker

Joel Edgerton é Tom Buchanan

Isla Fisher como Myrtle Wilson

Do elenco principal, ficaram faltando os cartazes com os protagonistas Jay Gatsby e Daisy Buchanan, vividos por Leonardo DiCaprio e Carey Mulligan. Mas a julgar por estes, a espera vai valer a pena.

Baz Luhrmann dirigiu o filme em 3D nos mesmos estúdios da Fox onde fez “Austrália” e “Moulin Rouge”. A produção de US$ 150 milhões estreia em maio nos Estados Unidos e em 14 de junho no Brasil.

A mais dolorosa história de amor

terça-feira, 18 dezembro 2012

Por Paula Taitelbaum

Mesmo que de brincadeira, o “fim do mundo” é assunto cada vez mais recorrente nos últimos dias, à medida que o 21 de dezembro de 2012, data que os Maias previram como fatídica para a Terra, está se aproximando feito cometa desgovernado. Mas alguém já parou para pensar que às vezes a humanidade não precisa estar correndo risco de uma suposta extinção para termos a certeza de que o mundo acabou? Vai dizer: sofrer de amor não é o próprio fim do mundo?

E você há de concordar que isso acontece principalmente naquela idade que fica entre a infância e a fase adulta… Época em que sofrer por amor é a certeza de que o mundo acabou e que não existe mais ninguém no universo. Só você e a falta daquela outra pessoa.

Tudo isso pra falar sobre Romeu e Julieta, o clássico dos clássicos de Shakespeare, a história de amor mais conhecida, encenada, filmada, pintada, dançada e cantada que a literatura já produziu. Uma história que além de ser assistida (e degustada na sobremesa) também merece ser lida. Afinal, nada é como o texto original.

Claro, ler Shakespeare em inglês seria o ideal, mas se você – assim como eu – não tem essa capacidade, sugiro a ótima tradução que Beatriz Viégas-Faria fez para a L&PM. “Tu, goela detestável, tu, barriga da morte, empanturrada com o mais precioso quitute da terra, assim eu forço tua mandíbula podre a se abrir e, para te deixar afrontada, venho te abarrotar com mais comida!” diz Romeu nas palavras escolhidas por Beatriz.  

Romeu e Julieta é a descoberta do primeiro amor. Um amor entre os herdeiros de famílias inimigas. Um amor proibido que por isso torna-se ainda mais intenso. Um amor que é a própria razão da existência. E pensar que os adolescentes já eram assim lá no tempo de Shakespeare…

Se o mundo não acabar na sexta-feira, sugiro que você leia (ou releia) esse grande livro. Mas prepare-se. Como diz o príncipe no final da peça, “Jamais houve história mais dolorosa que esta de Julieta e seu Romeu.”

* Toda semana, a Série “Relembrando um grande livro” traz um texto assinado em que grandes livros são (re)lembrados. Livros imperdíveis e inesquecíveis.

Divulgado o trailer de “Os Smurfs 2″

terça-feira, 18 dezembro 2012

Em 2011, os Smurfs, as adoráveis criaturazinhas azuis criadas por Peyo, chegaram aos cinemas. Nesse mesmo ano, a L&PM lançou as histórias do Bebê Smurf e do Smurf Repórter em dois formatos, pocket e convencional, que seguem fazendo sucesso.

Agora, acaba de ser divulgado o trailer de “Os Smurfs 2″ que estreia em 2013. Mais uma vez, parece ser diversão garantida:

A reação de Kerouac ao ler Kaddish de Ginsberg

terça-feira, 18 dezembro 2012

“Tem o impacto de um romance de Dostoiévski”, escreveu Jack Kerouac a Allen Ginsberg logo após ler “Kaddish”, um dos poemas publicados na edição de Uivo da Coleção L&PM Pocket. Leia a carta completa:

Esta e outras preciosidades estão no livro As cartas que acaba de chegar ao Brasil pela L&PM.

Livro de fotos traz imagens inéditas de celebridades

segunda-feira, 17 dezembro 2012
O fotógrafo americano Steve Schapiro tornou-se célebre por fotografar… celebridades. Durante as décadas de 60 e 70, seus cliques acompanhavam astros e estrelas nos sets de filmagens. Agora, acaba de sair nos EUA seu mais recente livro: Then and Now em que ele revela cerca de 170 fotos de seu acervo nunca antes mostradas. Olha quem encontramos por lá: Andy Warhol e Woody Allen.

Andy Warhol em momento "dedo no queixo" (clique para ampliar)

Woody Allen faz pose em 1964, durante intervalos de filmagem em Nova York

David Bowie está na capa