Posts Tagged ‘Prêmio Nobel da Paz’

China liberta Nobel da Paz Liu Xiaobo, vítima de câncer terminal

segunda-feira, 26 junho 2017

Via Folha de S. Paulo

Autoridades chinesas libertaram o vencedor do Prêmio Nobel da Paz Liu Xiaobo, 61, vítima de câncer de fígado em fase terminal.

Liu Xiaobo, professor, intelectual e dissidente chinês, cumpria uma pena de 11 anos de prisão por “subversão” desde 2009, depois de ter sido um dos autores de um texto que defendia a democracia na China.

“[Xiaobo] está sendo tratado em um hospital de Shenyang [nordeste da China]. Não tem nenhum plano especial. Ele está apenas recebendo tratamento por sua doença”, disse nesta segunda-feira (26) o advogado Mo Shaoping.

De acordo com Shaoping, a doença foi diagnosticada em 23 de maio e Xiaobo foi libertado sob condicional poucos dias depois. Ele ainda tinha três anos de condenação para cumprir.

O dissidente venceu o Nobel da Paz em 2010 por seu ativismo em defesa dos direitos humanos na China, quando já estava detido. Por sua ausência, o prêmio foi entregue de forma simbólica em 10 de dezembro do mesmo ano em Oslo. O ativista foi representado por uma cadeira vazia durante a cerimônia.

A atribuição do Prêmio Nobel provocou indignação na China, que congelou as relações de alto nível com a Noruega, o que afetou as exportações de salmão norueguês a China. Os dois países normalizaram as relações em dezembro de 2016. Pequim classificou Liu Xiaobo de “criminoso”.

Quando indagado sobre Liu, o Ministério das Relações Exteriores chinês, o único órgão do governo que responde perguntas da mídia estrangeira com frequência, disse não estar a par da situação.

A L&PM publica o livro de Xiaobo, Não tenho inimigos, desconheço o ódio, em versão impressa e e-book.

nao_tenho_inimigos

O Prêmio Nobel de Martin Luther King

sexta-feira, 14 outubro 2016

Martin Luther King foi um homem múltiplo: pensador, poeta, pastor batista. Filho de escravos, sonhava com um país em que seus quatro filhos não fossem julgados pela cor da pele, mas sim pelo seu caráter. Defendia os direitos civis dos afro-americanos sem o uso da violência. E por tudo isso, no dia 14 de outubro de 1964, foi anunciado como sendo o Prêmio Nobel da Paz daquele ano. O mundo ficou perplexo. Um negro vencia o prêmio mais importante do mundo. Neste dia, ele estava internado em uma clínica para tratar problemas de saúde e sua esposa, Coretta, ligou para lhe dar a notícia, como está contado no livro Martin Luther King, de Alain Foix, Série Biografias L&PM:

Martin_Luther_King_BIO

Vale ler este livro

Era outubro de 1964. Exausto, depois de incessantes combates, o corpo já não o acompanhava. Martin adoeceu gravemente. Um contratempo que ele lamentava, porém, tinha engordado mais de dez quilos e sua pressão arterial estava explodindo. Foi Coretta quem o incentivou a se internar, em Atlanta, no dia 13 de outubro.

Sozinha em casa, Coretta recebeu na manhã seguinte, depois dos costumeiros telefonemas anônimos de ameaça a ela, a Martin e sua família, uma ligação de natureza extraordinária. Era um jornalista da Associated Press pedindo para falar com seu marido a fim de lhe dar uma maravilhosa notícia: ele acabava de receber o Prêmio Nobel da paz.

- Este ano, prosseguiu a jornalista, o prêmio é de 54 mil dólares. O que acha que o dr. King fará com esse dinheiro?

- Se bem o conheço, imagino que vai doar tudo para o Movimento pela Liberdade.

- O que a senhora acha disso?

- É para onde esse dinheiro deve ir. É o que eu acho do fundo do meu coração.

Assim que o jornalista desligou, ela telefonou para Martin:

- Como está o Prêmio Nobel esta manhã?

- Não entendi.

- Você acaba de receber o Prêmio Nobel da Paz de 1964.

- …

- Querido?

- Hã… Acho melhor conferir se não é algum tipo de brincadeira.

Mas ele voltou a dormir. Quando acordou, achou que tinha sonhado. Aos 36 anos, era Prêmio Nobel da Paz.

O anúncio foi como um estrondo em meio a um céu tumultuoso. Parou o tempo. Seus adversários, negros ou brancos, ficaram atordoados. Algo incrível, inédito, acontecera, desarmando momentaneamente os ódios. de cima da tampa da segregação norte-americana, algo vinha tocar em King. dizendo que ele tinha razão. Uma autoridade incontestável o investira com sua espada.

Martin Luther King e sua esposa Coretta

Martin Luther King e sua esposa Coretta com o Prêmio Nobel da Paz

Escritos do chinês Nobel da Paz chegam ao Brasil

segunda-feira, 19 novembro 2012

O Estado de S. Paulo – 17/11/2012 – Por Maria Fernanda Rodrigues

Prêmio Nobel da Paz de 2010, intelectual e prisioneiro do governo chinês desde 2009 por “incitação à desmoralização do poder do Estado”, Liu Xiaobo terá seus escritos publicados pela primeira vez no País pela L&PM. Não Tenho Inimigos, Desconheço o Ódio chega às livrarias em dezembro reunindo poemas e textos selecionados por sua mulher para a editora alemã S. Fischer – inclusive o discurso proferido em seu julgamento e lido pela atriz Liv Ullmann em Oslo, na entrega do Nobel. A tradução ficou a cargo de Petê Rissatti. O lançamento é oportuno, já que esta semana a China trocou seus comandantes. Na época da premiação, o país chegou a comentar que a decisão por seu nome era propaganda do Ocidente para desestabilizar o partido comunista. Este ano, outro chinês, Mo Yan, ganhou o Nobel, o de literatura, e desta vez houve festa oficial. Em recente entrevista, Mo disse ter esperanças de que o conterrâneo seja solto – ele cumpre pena de 11 anos. Os brasileiros terão de esperar um pouco mais para conhecer a obra de Mo Yan. A Cosac Naify já garantiu os direitos de Change e prevê a publicação para algum momento de 2013. Por ora, seis tradutores estão sendo testados.

A greve dos sexos ou Lisístrata revisitada

quarta-feira, 19 outubro 2011

Você lembra do velho e bom Aristófanes (444-385 AC) aquele que, escreveu Lisístrata? Aqui no Brasil, a história foi publicada na Coleção L&PM POCKET com brilhante tradução de Millôr Fernandes. A peça trata do fim da guerra do Peloponeso, em 411 a.C. entre Esparta e Atenas. Cansadas de verem seus homens morrer nesta guerra, as mulheres de ambos os lados fizeram um acordo: enquanto não houvesse paz, não fariam sexo. Obviamente a guerra terminou rapidamente.

Pois este é um recurso pacifista que atravessa os séculos. Neste ano de 2011, a história de Lisístrata foi revisitada. Em Dado, uma aldeia com 102 famílias no Sul da ilha de Midiano, nas Filipinas, a greve do sexo lançada pelas mulheres, liderada pela costureira Hasna Kandatu, obrigou os homens a fazerem as pazes. Há mais de 30 anos, havia conflitos devido a disputas de propriedades e heranças. A paz foi selada tendo como testemunha uma delegação da ONU que divulgou nota atestando o fim das violências nas ruas.

Não bastasse isso, a greve de sexo inspirada em Lisístrata também levou a ativista liberiana  Leymah Gbowee, a receber o Prêmio Nobel da Paz deste ano (junto com Ellen Johnson Sirleaf e Tawakkul Karman). Leymah também liderou um movimento pacífico de “no sex” que ajudou a terminar a segunda guerra civil do país africano, em 2003.

E o efeito Lisístrata parece não se limitar apenas a guerras e conflitos. Há poucas semanas, em Barbacoas, uma pequena cidade da Colômbia, um grupo de mulheres fez grave de sexo para que seus homens pressionassem o governo a iniciar as obras nas precárias estradas da região. Funcionou. Aliás, pelo jeito, sempre funciona…

Ebadi e sua incansável luta pelos direitos humanos

terça-feira, 14 junho 2011

Por Balala Campos*

A palestra da Nobel da Paz, a iraniana Shirin Ebadi, ontem (13 de junho), dentro do Ciclo Fronteiras do Pensamento no Salão de Atos da UFRGS, foi uma continuação do trabalho desta corajosa juíza exilada que ganhou o mundo pelo seu grito a favor dos Direitos Humanos em seu país e no mundo. Com voz pausada e muita clareza, sua fala foi relatando o que acontece com as mulheres no Irã “onde valem metade do que vale um homem”. Assim, afirmou, num depoimento em juízo, a palavra de um homem vale o mesmo que a de duas mulheres. Quanto a indenizações por morte, acidentes, a vida das mulheres vale a metade em dinheiro do que a vida dos homens, para as companhias de seguro. Lembrando a ditadura política e religiosa do governo de Ahmadinejad, Ebadie relatou o que o mundo ocidental indignado já sabe, ou seja, que casais de namorados que mantiverem relações sexuais antes do casamento recebem 100 chibatadas e que o homossexualismo leva à pena de morte, entre tantos outros horrores como penas de apedrejamento, forca, amputação das mãos para os ladrões, prisões de artistas, jornalistas, advogados, todos os que se posicionam contra o governo iraniano.

Sem ter sido recebida pela presidenta Dilma Roussef “por incompatibilidade de agendas”, Ebadi teve sua palestra precedida de pronunciamento da Ministra Maria do Rosário que ressaltou a luta pelos Direitos Humanos do governo petista. Entretanto, diante da fala prolongada da Ministra (9 minutos), a plateia que lotou o Salão de Atos da UFRGS começou a manifestar-se pelo término do pronunciamento, ocasionando algum constrangimento.

A parte final da conferência de Ebadi destinada à resposta de perguntas do auditório foi dinâmica, controvertida, sutil e permeada de alguns recados para os Estados Unidos “que não são o grande modelo de Direitos Humanos para o mundo” e para Israel “que não dá o direito de expressão aos palestinos”.

No encerramento, a Prêmio Nobel da Paz Shirin Ebadi deixou claro que este tipo de ditadura não vai continuar prevalecendo e que o povo iraniano tem se manifestado claramente a favor da mudança de regime. “É uma questão de tempo e de luta”, concluiu a conferencista desta noite inesquecível.

*Balala Campos é jornalista e escreveu este texto especialmente para o blog da L&PM.

Para saber mais sobre a cultura iraniana, fortemente marcada pelo islamismo, leia o volume Islã da Série Encyclopaedia.