Posts Tagged ‘Mrs. Dalloway’

O mergulho de Virginia

quarta-feira, 28 março 2018

Para Virginia Woolf, os livros eram o único refúgio, e a literatura, a única salvação. A autora de Mrs. Dalloway viveu e escreveu atormentada por alucinações e por sucessivas crises depressivas. Que tiveram fim numa manhã fria do dia 28 de março de 1941, quando a escritora de 59 anos encheu os bolsos de pedras e mergulhou no rio Ouse.

Convencida de sua incapacidade para escrever, aterrorizada pela perspectiva de enfrentar uma nova crise de demência, essa mulher tão combativa decide conscientemente abandonar a luta. Até o fim, Virginia fica de pé. Longe de ser uma renúncia, seu suicídio é uma escolha. Ao jogar-se no Ouse na manhã do dia 28 de março de 1941, aos 59 anos, Virginia Woolf dá a prova final de sua coragem e de sua vontade. (Trecho de Virginia Woolf, de Alexandra Lemasson, Série Biografias L&PM)

virginia face

Virginia Woolf deixou duas cartas endereçadas às pessoas mais importantes da sua vida: sua irmã Vanessa e seu marido Leonard. No final do filme As Horas, que conta a vida da escritora e traz a atriz Nicole Kidman no papel principal, há um pequeno trecho de uma destas cartas. Veja a seguir:

De Virginia Woolf, a Coleção L&PM Pocket publica Mrs. Dalloway, Profissões para mulheres e outros artigos feministas, Ao farol e Flush.

Quem tem medo de Virginia Woolf?

quinta-feira, 25 janeiro 2018

Ninguém teve mais medo de Virginia Woolf do que a própria Virginia Woolf. Nascida em 25 de janeiro de 1882, foi uma das maiores figuras da literatura inglesa, autora de Mrs. Dalloway, As ondas, Orlando… Criadora da célebre editora Hogarth Press, foi líder do influente grupo literário de Bloomsbury. Sua vida cultural intensa, no entanto, jamais conseguiu afastar seus fantasmas. Virginia era atormentada por sucessivas crises depressivas e, sentindo-se cansada e impotente na luta contra a demência, aos 59 anos, encheu os bolsos do casaco com pedras e deixou-se levar pelas águas geladas do rio Ouse.

virginia_bela

A vida de Virginia começa com um fascínio. Não a vida real, mas a vida imaginária, à qual a romancista dedicará toda a sua existência. Desde a infância, há, de um lado, a vida e, de outro, os sonhos. Mais tarde, haverá a realidade e os livros. No começo, uma cidadezinha da província inglesa de Cornwall onde Virginia passa suas férias de verão em família. St. Ives: o nome desse lugar é por si só um convite ao sonho. A promessa de partir. ( Trecho de Virginia Woolf, de Alexandra Lemasson, Série Biografias L&PM)

De Virginia Woolf, a L&PM publica Mrs. Dalloway, Ao farolFlush Profissões para mulheres e outros artigos feministas.

Dez dicas de Denise Bottmann para quem deseja ser tradutor

terça-feira, 19 agosto 2014

SaraivaConteúdo – 19/08/2014 – Por Zaqueu Fogaça

A tradutora Denise Bottmann

A tradutora Denise Bottmann

São incontáveis as obras estrangeiras publicadas no Brasil todos os anos em língua portuguesa. Isso só é possível graças ao esforço de um profissional que às vezes escapa aos olhos apressados da maioria dos leitores: o tradutor, aquele sujeito que se debruça por meses, e até mesmo anos, no texto original para entregar a obra em português, pronta para ser lida.

O ofício do tradutor requer muita paciência para decifrar o labiríntico processo de composição de uma obra, como explica a tradutora Denise Bottmann: “O grande desafio é entender de fato o texto. Entender uma frase não significa entender as palavras e o sentido visível em determinada construção. Significa entender as articulações daquela frase dentro da construção geral da obra, princípios estruturais e compositivos utilizados pelo autor. Traduzir é basicamente decifrar o texto original, seguindo uma ou mais chaves de leitura, e reconstituir essa decifração num outro texto e em outra língua”.

Graduada em História e mestra em Teoria da História, a curitibana lecionou Filosofia na Unicamp; posteriormente, em 1985, direcionou seus esforços ao campo da tradução, trabalho que executa até hoje como tradutora de inglês, francês e italiano.

Entre os autores que verteu para o português figuram nomes como Hannah Arendt, Marguerite Duras, Henry David Thoreau e Virginia Woolf. Desta última, Denise traduziu o livro Mrs. Dalloway (L&PM), trabalho agraciado, em 2013, com o Prêmio Paulo Rónai da Biblioteca Nacional.

Mrs. Dalloway e Walden, dois títulos da L&PM traduzidos por Denise Bottmann

Mrs. Dalloway e Walden, dois títulos da L&PM traduzidos por Denise Bottmann

Em face das possibilidades e complexidades que cada obra apresenta, faz-se necessário definir uma linha tradutória. “Perante tal complexidade, o tradutor opta por uma determinada abordagem, um determinado ‘partido tradutório’. Assim, o principal objetivo de uma tradução em relação ao texto original é manter a coerência do partido adotado, checando constantemente sua validade em relação ao original”, diz a tradutora, que também é autora do blog Não Gosto de Plágio, no qual expõe ao público os plágios de traduções no país.

A pedido do SaraivaConteúdo, Denise Bottmann elencou dez componentes que considera importantes para quem ambiciona se aventurar pelo campo da tradução. Confira a relação abaixo.

1. DOMÍNIO DO PORTUGUÊS
Ter um domínio muito bom do português. E não se trata apenas de conhecer a língua. Trata-se de ter uma familiaridade lógica com estruturas linguísticas. Se a pessoa não tem pleno domínio linguístico de sua língua materna, dificilmente conseguirá ter uma percepção das estruturas lógicas de outra língua.

2. DOMÍNIO DA OUTRA LÍNGUA
Ter um domínio pelo menos bom da outra língua. O mais importante é o domínio das estruturas linguísticas; nesse sentido, eventuais e inevitáveis lacunas vocabulares podem ser preenchidas com o recurso a dicionários.

3. CONHECIMENTO DO ASSUNTO
Ter um domínio pelo menos razoável da área a que pertence a obra. Não é preciso ser um especialista no assunto, mas é indispensável um mínimo de conhecimentos gerais que permitam ao tradutor trafegar com relativa familiaridade pelos temas tratados.

4. MATERIAL DE APOIO
Dispor de ampla variedade de materiais de consulta e pesquisa: dicionários, enciclopédias, glossários, estudos sobre aquela área, outros livros relacionados ao tema. Com a Internet, tudo isso fica muito mais fácil.

5. CONTEXTO DA OBRA
Ter noção do quadro literário, teórico ou científico em que se insere a obra. Para quem traduz literatura, é indispensável ter noções de recursos estilísticos e literários em geral. Em humanidades em geral, é indispensável ter noção da linhagem a que se filia a obra e dos debates em torno do tema.

6. CONTEXTO HISTÓRICO
Ter noção do quadro histórico e cultural em que se insere a obra. É indispensável que se tenha noção da inserção histórica da obra e de suas relações com a época, seja uma obra de literatura ou de humanidades em geral.

7. AUTODISCIPLINA E CONCENTRAÇÃO
Com o instrumental dado nos seis itens anteriores, o tradutor põe mãos à obra. É um tipo de atividade intelectual que demanda muita concentração, por horas a fio, ao longo de semanas e meses. Requer bastante esforço continuado e disciplina para atender satisfatoriamente às exigências do texto.

8. DECISÃO E RESPONSABILIDADE
Capacidade de tomar decisões, adotar soluções conscientes e poder responder por elas. A responsabilidade do tradutor consiste em ser capaz de explicar a si e a outrem as razões de suas escolhas. Como traduzir envolve escolhas constantes, qualquer eventual alegação de que “É assim que está no original” simplesmente não faria o menor sentido.

9. RELEITURA E REVISÃO
Proceder a constantes releituras e revisões do texto em tradução.Traduzir é uma atividade extremamente dinâmica, e nada garante a priori a qualidade do resultado. Tropeços, deslizes, inconsistências, vaguezas nos afligem constantemente e muitas vezes escapam à nossa atenção. Daí a necessidade de reler e retrabalhar várias vezes o texto traduzido.

10. CALMA E PONTUALIDADE
Tradutores profissionais costumam dispor de prazos estabelecidos pelas editoras. Proficiência linguística, materiais de apoio, boa bagagem geral, dedicação e responsabilidade de pouco adiantam se não respeitarmos prazos e não cumprirmos o combinado com a editora. Mas o mais importante, acima de tudo, é manter a calma. Keep calm and translate on!

Clique aqui e conheça todos os títulos do catálogo L&PM com tradução de Denise Bottmann.

Crítica literária elogia tradução de Denise Bottmann para nossa edição de Mrs. Dalloway

quarta-feira, 2 julho 2014

capa_mrs_dalloway.indd

No mais recente programa “Literatura Fundamental”, da Univesp TV, a jornalista Cássia Godoy conversou com a escritora e crítica literária Noemi Jaffe sobre Virginia Woolf e sua obra Mrs. Dalloway. Durante a entrevista, Noemi elogia a tradução de Denise Bottmann para Mrs. Dalloway publicada pela L&PM.

 

 

Tradução de Mrs. Dalloway ganha Prêmio Literário

terça-feira, 17 dezembro 2013

A tradutora Denise Bottmann acaba de ganhar o “Prêmio Paulo Rónai” da Biblioteca Nacional pela tradução de Mrs. Dalloway, de Virginia Woolf, lançado em 2012 pela L&PM Editores. A escolha foi feita por uma comissão julgadora composta por três profissionais renomados na área: Berilo Vilaça Vargas, Leonardo Fróes da Silva e Tomaz Adour da Camara.

Durante o processo de tradução de Mrs. Dalloway, Denise criou o blog “Traduzindo Mrs. Dalloway“, onde compartilhava os bastidores do seu trabalho. No blog dedicado ao livro de Virginia Woolf, a tradutora dividiu com o público (leitores, colegas tradutores e interessados em geral) as referências utilizadas, notícias e registros sobre a obra na imprensa, rascunhos e capas de outras edições, ilustrações, fotos e toda a sorte de curiosidades que permeiam a obra, ao mesmo tempo em que compartilhava trechos da tradução com comentários sobre os impasses e reflexões a respeito da complexa tarefa de verter uma obra como Mrs Dalloway para o português.

Eis o resultado:

dalloway

Os Prêmios Literários da Fundação Biblioteca Nacional (FBN/MinC) foram criados com o objetivo de estimular a pesquisa e a criação literária no país e concedem anualmente, desde 1997, uma premiação a autores, tradutores, e designers. A lista completa dos ganhadores foi divulgada esta semana no site da FBN.

Em 2013 foram mais de 700 inscrições, divididas em 9 categorias, todas nomeadas em homenagem a intelectuais destacados na cultura brasileira. Cada vencedor recebe como prêmio um certificado e a quantia simbólica de R$ 12,5 mil (doze mil e quinhentos reais).

Uma ótima entrevista com Denise Bottmann, tradutora de Mrs. Dalloway

segunda-feira, 4 março 2013

O jornal Opção, de Goiânia, publicou uma longa entrevista com Denise Bottmann, uma das mais importantes tradutoras brasileiras, responsável pela tradução de Mrs. Dalloway, de Virginia Woolf. O livro acaba de sair pela Coleção L&PM Pocket e Denise falou sobre a importância das novas traduções de clássicos e o desafio de encontrar o tom certo para esta grande obra de Virginia Woolf. Clique aqui e leia a entrevista completa.

O que você destacaria como o principal desafio que encontrou para traduzir este livro?

Foi encontrar o tom. A linguagem em si é muito simples. A questão é a seguinte: existem “n” maneiras de dizer qualquer coisa; acontece que aquela coisa está dita daquela e não de outra maneira — e ninguém, em especial o tradutor, pode considerar que seja algo fortuito ou mecânico. Então este é o ponto de partida: as escolhas do autor. E são essas escolhas incessantes ao longo das páginas que você tem de entender: não digo só o que está dado no texto; digo as razões de fundo (literárias, estilísticas) para a escolha de tal e tal montagem, desta e não daquela palavra, daquela imagem, daquela ordem dos termos e frases, o que for. Esse entendimento leva algum tempo, pelo menos para mim: assim como o pessoal da filosofia fala em “tempo lógico” do texto, penso numa espécie de “tempo literário” do texto. Então, digamos, a certa altura você até consegue reconstituir mais ou menos o quadro da coisa, você já discerne os procedimentos e suas correlações internas. Ótimo. Mas ainda não sente, está ainda no nível analítico, abstrato. Você até consegue prever quais as escolhas que vão vir, ou, quando vêm, já parecem bastante naturais, você bate na cabeça e diz, “mas claro!”. E aí você tem de conseguir infundir essa percepção de uma estrutura, que transparece apenas obliquamente na superfície do texto, no que você vai escrever em português, isto é, na sua tradução. É isso o que chamo de “encontrar o tom”. E vários elementos de conteúdo, eu tinha de conseguir que cintilassem de leve, aqui e ali, discretamente, como pequenos presentinhos escondidos para o leitor, como Woolf faz, sem alardear: e de repente pode aflorar à leitura alguma preciosidade, e é quando o leitor tem aquela — para usar um termo batido — epifania. Várias coisas ganham nova perspectiva; coisas que pareciam avulsas ou desconectadas se reúnem; fica uma espécie de prisma multifacetado.

capa_mrs_dalloway.indd

 

A voz de Virginia Woolf

quinta-feira, 21 fevereiro 2013

Em 1937, a emissora britânica BBC gravou depoimentos de vários escritores para uma série de rádio chamada “Words fail me” (algo como “Me faltam palavras”). A gravação de Virginia Woolf lendo um de seus ensaios é único o registro conhecido da voz da autora de Mrs. Dalloway.

Pra quem é fã, este material é uma verdadeira relíquia, já que ao ler seu próprio texto, Virginia revela suas verdadeiras intenções com aquelas palavras escritas. A entonação da leitura, as pausas entre as frases e todo o mise-en-scène da interpretação dão um toque especial à experiência de quem ouve.

A gravação foi realizada em 29 de abril de 1937, quando Virginia tinha 55 anos, e o texto foi publicado postumamente, em 1942, no livro “The Death of the Moth and Other Essays”.

Chegou “Mrs. Dalloway” na Coleção L&PM Pocket!

terça-feira, 19 fevereiro 2013

Acaba de chegar aqui na L&PM o clássico Mrs. Dalloway, de Virginia Woolf, com nova tradução de Denise Bottmann. Passado num só dia, o romance é cheio de vaivéns, misturando, além disso, discurso direto e discurso indireto livre. Com Mrs. Dalloway, considerado por muitos sua obra mais importante, Virginia Woolf comprovou que ações corriqueiras do dia-a-dia, como comprar flores, por exemplo, podem ser tema de grande arte, e que a vida e a morte acompanham todos os momentos da existência humana.

Os sentimentos contraditórios de Virginia

quinta-feira, 10 maio 2012

É somente depois que passou dos cinquenta anos que Virginia Woolf consegue ter um certo distanciamento com relação à crítica. Mas depois de quantos tormentos?! Seu Diário até essa época é uma radiografia fiel da acolhida recebida por cada um de seus livros. Com precisão, Virginia analisa a evolução de sua cota de popularidade. Quando afirma não querer ser célebre, nem grande, tudo em seu Diário afirma o contrário. A romancista queria ser apenas “alguém que escreve pelo prazer de escrever”, mas não para de se torturar: “Talvez seja verdade que minha reputação agora só irá declinar. Vão me fazer de ridícula. Vão apontar-me com o dedo, que atitude deverei adotar?”, pergunta-se em 1932, quando está no auge de sua glória. A vida de Virginia se parece com uma corrida pelo reconhecimento que revela um sofrimento profundo. Afinal, a única coisa que vale a pena neste mundo vil é não duvidar da literatura. Mais uma vez, Virginia Woolf fica dividida entre desejos contraditórios. O de se expor em plena luz a fim de recolher os louros de que tanto precisa para continuar seu vasto empreendimento. O de ficar à sombra e mergulhar cada vez mais profundamente nas águas agitadas da consciência. Virginia sofre por ser tributária da flutuações de seu renome enquanto gostaria de ver apenas o avanço de sua obra.

(Trecho de Virginia Woolf, Série Biografias L&PM)

Ainda em 2012, a Coleção L&PM Pocket vai lançar, de Virginia Woolf, o livro Mrs. Dalloway com tradução de Denise Bottmann.