Posts Tagged ‘Feira do livro de Porto Alegre’

L&PM na Feira do Livro de Porto Alegre

sexta-feira, 3 novembro 2017

A Feira do Livro de Porto Alegre já começou. Serão vários autógrafos, além de um evento super especial dentro das comemorações dos 80 anos de nascimento de Moacyr Scliar. Dá só uma olhada:

CARD FEIRA 2017

Sergio Faraco nos conta sobre seu encontro com Eduardo Galeano em 2008

segunda-feira, 18 maio 2015

PAVANA PARA UM SEDUTOR

Sergio Faraco*

A foto de Zero Hora de 17 de abril, na página de Roger Lerina, em que estamos juntos Eduardo Galeano e eu, foi tirada em 2008, durante a 54ª Feira do Livro de Porto Alegre. Para a L&PM, eu já traduzira dois livros dele, e mais tarde traduziria sua obra mais notória, “As veias abertas da América Latina”. Não era nosso primeiro encontro, que tinha sido em 1998, no Hotel Plaza San Rafael. O editor Ivan Pinheiro Machado me encomendara a tradução do livro “Patas arriba: la escuela del mundo al revés” e pediu que eu fosse ao hotel, pois Eduardo queria me conhecer.

Um tanto dispersa é minha memória dessa visita. Falamos de Shakespeare, isto eu lembro, porque justo naqueles dias eu estava terminando de ler as peças do inglês para organizar um volume de suas frases lapidares. Lembro também que falei muito e ele pouco, e tenho absoluta certeza de que não conversamos sobre o livro que eu ia traduzir nem sobre minha experiência de tradutor. Acho que ele só queria ter uma ligeira ideia sobre o fulano que ia reescrever seu livro em português.

Se não pude conservar melhor lembrança foi em virtude da impressão que Eduardo me causou, certa emoção que se antepunha às palavras e como as apagava, tão desnecessárias pareciam. Era inacreditável. Era como se estivesse a conversar com ele desde sempre e desde sempre gostasse dele como se gosta de um irmão ou de um verdadeiro amigo.

Este foi o Eduardo que conheci e que lembro tanto, apesar de termos nos visto apenas três ou quatro vezes. Como se ele estivesse sempre com a mão em meu ombro, como nessa foto de 2008. Ele foi sobremodo admirado por seu fremente humanismo, por seu combate contra todos os matizes da opressão, por sua percepção de grandezas em pequenas coisas da vida social, por escrever tão bem e, igualmente, por suas conferências, em que a política e a história caminhavam de mãos dadas com a poesia. Mas o fato é que ele te cativava até em silêncio.

Sergio Faraco e Eduardo Galeano na Feira do Livro de Porto Alegre 2008 / Arquivo pessoal

Sergio Faraco e Eduardo Galeano na Feira do Livro de Porto Alegre 2008 / Arquivo pessoal

*Escritor e tradutor. É autor, entre outros, de Lágrimas na chuvaDançar tango em Porto Alegre Contos completos.

Martha Medeiros: três livros e quatro horas de autógrafos

segunda-feira, 3 novembro 2014

Martha Medeiros mais uma vez saiu da Feira do Livro de Porto Alegre com a mão dormente, a caneta gasta e um grande sorriso por receber tanto carinho. Foram quase quatro horas de dedicatórias ininterruptas e muitas fotos com seus fãs. A sessão de autógrafo de seus três livros Paixão crônica, Felicidade crônica e Liberdade crônica aconteceu na tarde de sábado, 1º de novembro, na Praça da Alfândega em Porto Alegre. Abaixo, algumas fotos:

IMG_3849

Muita gente ficou mais de uma hora e meia na fila, mas o pessoal não perdeu o bom humor.

As escritoras Claudia Tajes e Cíntia Moscovich foram dar um beijo na amiga escritora.

As escritoras Claudia Tajes e Cíntia Moscovich foram dar um beijo na amiga e colega.

Kledir Ramil também passou por lá.

Kledir Ramil também passou por lá.

Foram muitas as entrevistas durante a Feira do Livro.

Foram muitas as entrevistas durante a Feira do Livro.

Mais livros no aeroporto de Porto Alegre

sexta-feira, 6 junho 2014

Desde 01 de junho, a Rede de Livrarias Cameron oferece mais 3 lojas no Aeroporto Internacional Salgado Filho em Porto Alegre. Além do quiosque da área de desembarque, inaugurado em maio, e da loja boutique que opera na área de embarque desde o final de 2013, a rede conta agora com sua maior livraria na área externa de embarque. Além disso, outras duas lojas nas áreas internas do embaque nacional e internacional também foram abertas. Somando-se às outras 2 lojas que já operam no Terminal 2 desde o final do ano passado, a Cameron conta agora com um total de 7 lojas para atender os clientes que circulam pelo aeroporto de Porto Alegre, inclusive com publicações e peródicos internacionais para atender o público que chegará com a Copa do Mundo.

E a L&PM já está lá com muitas opções:

cameron1

cameron2

“Palavra vai, palavra vem” no blog Garatujas Fantásticas

sexta-feira, 8 novembro 2013

capa_Palavra vai_palavra vem.inddGaratujas Fantásticas” é o nome de um blog muito lindo e fofo que compartilha conteúdo de qualidade focado no público infantojuvenil. Nesta sexta-feira, 8 de novembro, o livro infantil Palavra vai, palavra vem, de Paula Taitelbaum, lançado em setembro pela L&PM, ganhou um espaço de destaque por lá. O texto é de Tatiana Arcolini, uma das idealizadoras do blog, e há uma entrevista com a autora por lá.

Sabe quando um livro chega até as nossas mãos, a gente abre e, de cara, se encanta? Foi assim que aconteceu comigo e essa preciosidade que é Palavra Vai, Palavra Vem, da Paula Taitelbaum. Linda do começo ao fim, essa obra-prima me ganhou não apenas pela poesia das palavras que viajam soltas pelo ar e se transformam em outras palavras, novas, recontadas, recortadas, numa brincadeira sem fim. As páginas são uma delicadeza à parte formadas por recortes e colagens de papéis que formam ilustrações incríveis, coloridas, ricas e cheias de significados. Um primor!

E a história começa assim: da janela, a mãe chama sua filha Clara. É quando essa palavra começa uma longa e interessante viagem pelo céu. Enquanto perde e ganha outras letras, Clara vai se transformando em outras palavras: rara, arara, ar, mar, amar até que, finalmente, vira novamente Clara e chega ao seu destino final.

Palavra Vai, Palavra Vem, editado pela L&PM, é daqueles livros repletos de poética e rimas que fazem nossa imaginação voar junto com cada palavra, como se elas tivessem vida própria. (Tati Arcolini)

Clique aqui para viajar até o “Garatujas Fantásticas” e ver a matéria completa.

palavra_vai_garatujas

 Paula Taitelbaum autografa seu livro no dia 10 de novembro, domingo, às 19h, na área infantil da Feira do Livro de Porto Alegre.

A arte da leveza

segunda-feira, 4 novembro 2013

Por Pedro Gonzaga*

Ou talvez da brevidade. Ou ainda a arte de como rir das forças incendiárias dentro de nós, que nos lembram de nossa insuperável bestialidade. Raiva, inveja, ódio, rancor, despeita, ira, são essas apenas algumas das tórridas emoções que Claudia Tajes utiliza para compor as histórias de Sangue Quente, seu mais novo livro de contos.

Mergulhados em cotidianos borrados, imersos em rotinas cinzentas, os personagens parecem à espera de um milagre redentor, mas só o que lhes advém é a cólera. Assim o protagonista da segunda história, um homem comum e relaxado que atribui seus problemas com as mulheres (e consigo mesmo) à existência dos Grant (Cary e Hugh). Ou ainda a publicitária frustrada, cuja única alegria na vida, marcada por anúncios desimportantes em sua excentricidade (um protetor solar exclusivo para homens), seria tomar um banho de princesa com um sabonete Lux Luxo.

Importante salientar que tal matéria – a miséria de todos nós – nas mãos de outro autor talvez se tornasse pesada demais, o retrato opressivo de nosso mundo sem heróis. Nas mãos da Claudia, no entanto, uma das grandes vozes do humor brasileiro, o assunto sério na maior parte das vezes ganha leveza, faz-nos rir com um misto de maldade e ternura, base da melhor comédia, que é, antes de tudo, um talento raro, seja na literatura, seja na vida real.

Dividido em duas partes, o livro ganha ainda mais força na segunda, quando a raiva se torna “específica”: são os contos de TPM. Destaco aqui pelo menos mais duas histórias. Em Tão Fácil Ser Idiota, um conto com um sabor do velho Dalton Trevisan, feito quase só de diálogo, uma mulher descobre que uma garçonete está saindo com seu namorado e resolve ir tomar satisfações. Por coincidência, as duas se chamam Cristina, e estão às raias da agressão quando o galã chega e tenta se safar da situação. Mal sabe ele que a TPM não conhece misericórdia. Em Marido, há uma deliciosa inversão dos sintomas que folcloricamente marcam o período do mês mais perigoso, transferindo-os ao homem, que não deixa de acusar a dedicada mulher de estar indisposta em relação a ele por questões hormonais.

Nota-se, contudo, uma certa melancolia na obra, que o celebrado humor da autora de A Vida Sexual da Mulher Feia não foi capaz de dirimir. Suspeito que essa sensação venha de tantos solitários que se espalham pelas histórias. Diante deles, que se abrem com uma singeleza quase atroz em tantas primeiras pessoas, cujo melhor exemplo seria a narradora de Sem Amor em Tempos de Cólera, já não sabemos ser maus ou debochados, sequer fraternos. Se rimos deles, é um riso triste, o riso dos desesperados.

Agrada-me, por fim, em Sangue Quente, o fato do livro ser, acima de tudo, aquilo que ele é: um livro de contos. Saudades de ver as vidas jogadas no mata-mata e não na largura burocrática desses tantos campeonatos recentes, bem mais longos do que o necessário. Uma leitura perfeita para este fim de ano agitado e flamejante.

* Escritor, editor e poeta, tradutor de vários livros publicados pela L&PM (principalmente Bukowski) autor de “Falso Começo”. Este texto foi publicado originalmente no Caderno da Feira do Jornal Zero Hora de 4/11/2013.

Claudia Tajes autografa Sangue-quente nesta segunda-feira, 4 de novembro às 18h na Feira do Livro de Porto Alegre.

capa_sangue_quente.indd

Queda e exílio de Jango em debate

segunda-feira, 4 novembro 2013

Jornal Zero Hora – 4/11/2013 – Por Guilherme Mazui 

Uma audiência pública às 19h de hoje, em Porto Alegre, contará com a participação de Waldir Pires, ex-ministro de João Goulart

Bastidores da queda de João Goulart, a tensão política com as reformas de base em 1964 e histórias do exílio do presidente deposto pelos militares serão contadas em uma audiência pública às 19h de hoje na Câmara de Vereadores de Porto Alegre. São memórias do ex-ministro Waldir Pires, membro do primeiro escalão do governo Jango.

Organizado pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência e pela Comissão Nacional da Verdade, o encontro serve como etapa preparatória da exumação do líder trabalhista. No dia 13, em São Borja, peritos brasileiros e estrangeiros removerão os restos mortais de Jango na tentativa de esclarecer se ele morreu de causas naturais ou se foi envenenado no exílio, em dezembro de 1976.

Aos 87 anos, Pires é vereador em Salvador. Ex-governador da Bahia, ministro nos governos Sarney (Previdência) e Lula (CGU e Defesa), foi consultor-geral da República de Goulart – posto equivalente ao atual ministro da Advocacia-Geral da União. Pela natureza do cargo, Pires despachava quase todos os dias com Jango no Palácio do Planalto. Acompanhou a tensão dos últimos dias que antecederam a queda do gaúcho e sua posterior ida para o exílio.

– Fui um dos últimos a deixar o Planalto, escondido na madrugada. Só reencontrei Jango no Uruguai. O presidente evitou que o Brasil vivenciasse uma guerra civil – afirma Pires.

Passados quase 50 anos do golpe militar, o ex-ministro apoia a decisão do governo de exumar Goulart, forma de tentar retirar as dúvidas sobre o suposto envenenamento.

– Com o sistema de perseguição armado pela ditadura, não duvido que Jango tenha sido envenenado – diz.

Além de Pires, também palestram na audiência pública a socióloga e feminista Lícia Peres e familiares do líder trabalhista – outra audiência deve ocorrer na próxima semana em São Borja.

– Os encontros se inserem no que chamamos justiça de transição. É a capacidade de refletirmos sobre os atos realizados nos períodos de ditadura – explica a ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário.

Neto do ex-presidente e advogado do instituto que leva o nome do avô, Christopher Goulart reforça a importância de reunir representantes dos movimentos sociais, em especial jovens, para recuperar o legado de Jango,.

A família também acompanha a definição dos detalhes da exumação, coordenada pela Polícia Federal. Depois de abrir o jazigo da famíia Goulart, em São Borja, peritos levarão o corpo para Brasília, onde serão realizados exames antropológicos e de DNA. Os testes toxicológicos serão feitos em laboratórios no Exterior. Não há prazo para divulgação dos resultados nem certeza se os laudos serão conclusivos.

Jango – a vida e a morte no exílio, de Juremir Machado da Silva, aborda justamente este tema. No dia 14 de novembro, às 17h na Feira do Livro de Porto Alegre, Juremir e Christopher Goulart, neto de Jango, conversam com os leitores sobre os fatos que despertaram a suspeita de que o ex-presidente possa ter sido assassinado. Logo após o bate-papo, às 19h, o escritor vai autografar o livro.

 Jango

Santiago em Santiago

sexta-feira, 25 outubro 2013

Foi em 1976, no Jornal Folha da Tarde, que o cartunista Santiago criou um personagem que foi batizado de “Macanudo Taurino Fagunde”. Segundo o artista, Macanudo foi criado com características de pessoas que ele conheceu.

Agora, Santiago acaba de lançar O melhor de Macanudo Taurino, livro da Coleção L&PM Pocket que ele autografa neste sábado, 26 de outubro às 21h na Feira do Livro de Santiago, no interior do Rio Grande do Sul.

MacanudoTaurino

Uma das charges de Macanudo Taurino, um gaúcho bem gaúcho

Na Feira do Livro de Porto Alegre, o cartunista vai participar de um evento no dia 14 de novembro às 17h e autografar o livro às 19h.

O patrono Luís Augusto Fischer

quinta-feira, 19 setembro 2013

Já faz alguns anos que isso aconteceu: Ivan (Pinheiro Machado) apostou com a gente que, quem acertasse qual era o pocket mais vendido na livraria do aeroporto de Porto Alegre, ganhava o carro dele de presente. Sabíamos que era brincadeira, mas ninguém deixou de dar o seu palpite. Concorreram todos os funcionários da L&PM, inclusive a chefe do departamento comercial. E, pasmen, nem ela acertou. A resposta correta? Dicionário de Porto-Alegrês de Luís Augusto Fischer. Um hilário conjunto de expressões que só quem mora na capital gaúcha é capaz de entender, mas que faz a alegria de quem visita a cidade e quer levar uma recordação para os demais estados.

Na época de sua primeira edição, o saudoso Moacyr Scliar escreveu o seguinte sobre o livro:

Com o Dicionário de Porto-Alegrês, Luís Augusto Fischer não está apenas colocando a cidade no mapa linguístico do país. Não: Luís Augusto Fischer está revelando uma oculta dimensão de nossa gente, aquela dimensão que se expressa num linguajar característico, consolidado ao longo de gerações. É uma linguagem que nos fala do presente ou nos remete ao passado, que se refere a sexo, a comida, a esporte; é, enfim, uma linguagem muito peculiar, cujo universo Fischer, professor, intelectual e sensível observador da nossa gente, agora desvenda – e o faz com sabedoria e inteligência, com encanto e graça. Obrigado, Fischer. Como diz o teu Dicionário, a tarefa saiu melhor do que a encomenda. Para alegria e deleite de todos nós.

"Se fazer" é um dos verbetes do "Dicionário de Porto-Alegrês"

“Se fazer” é um dos verbetes do “Dicionário de Porto-Alegrês”

Hoje, 19 de setembro, foi anunciado que Fischer é o Patrono da Feira do Livro de Porto Alegre deste ano. Nada mais merecido já que, entre muitas obras, ele já escreveu um livro sobre os 50 anos desta mesma feira, publicado em 2004 aqui pela L&PM.

Fischer_foto

Escuro claro: contos reunidos, Duas águas, Quatro negros, Literatura brasileira: modo de usar são outros títulos dele que foram publicados por aqui. Sem contar a sua maravilhosa introdução para os romances de Machado de Assis que inclui biografia do autor, cronologia e panorama do Rio de Janeiro. Para completar, toda terça-feira, aqui mesmo nessa Porto Alegre, Fischer é um dos anfitriões do tradicional Sarau Elétrico que acontece no Bar Ocidente. (Paula Taitelbaum)

Feira do Livro de Porto Alegre foi muito além dos tons de cinza

quarta-feira, 14 novembro 2012

A Câmara Riograndense divulgou ontem o balanço da 58ª Feira do Livro de Porto Alegre. Durante seus 17 dias, o evento recebeu 1,3 milhão de pessoas e foram vendidos 411.056 livros. Já a lista dos títulos que mais venderam ficou a cargo do Jornal Zero Hora – já que a Câmara abandonou a prática de mostrar os preferidos do público.

Uma semana antes do final da Feira, Zero Hora percorreu as 106 bancas da Área Geral para elaborar o ranking. Os livreiros foram solicitados a informar os três livros nacionais e três internacionais mais procurados. Com a divulgação de que os mais vendidos da literatura nacional eram David Coimbra com Uma história do mundo e Martha Medeiros com Um lugar na janela, estes títulos da L&PM Editores passaram a ter uma procura ainda maior e fizeram com que a Feira do Livro ganhasse outras cores além dos “50 tons de cinza”.

É bom lembrar que, em meio a tantas opções de livros, a lista de mais vendidos funciona como uma indicação ao leitor que, muitas vezes, sente-se perdido no mar de títulos que vê pela frente.

Martha Medeiros autografou por quase quatro horas na Feira do Livro de Porto Alegre

A fila de David Coimbra também durou muitas horas e seu livro já está na terceira edição