Posts Tagged ‘Emily Brontë’

Escritoras na ponta dos dedos

quarta-feira, 17 setembro 2014

Esmaltes com nomes de escritoras! Se você é uma amante da literatura e adora pintar as unhas, prepare-se para suspirar de emoção com a nova coleção de esmaltes da Granado. A célebre – e secular – indústria de cosméticos carioca lançou uma linha que homenageia sete escritoras: Agatha Christie, Jane Austen, Emily Brontë, Charlote Brontë, Virginia Woolf, Louisa May Alcott e Sylvia Plath. Cada cor possui o primeiro nome dessas mulheres da literatura e tem a ver com a obra delas: Agatha é um marrom avermelhado; Charlotte é um bege acinzentado, Emily é um violeta vivo; Jane é um lilás romântico; Louisa (autora de livros juvenis) é um rosa fúcsia; Virginia é um azul-marinho vibrante e Sylvia é preto intenso.

A Coleção Escritoras da Granado traz sete esmaltes que homenageiam escritoras

Cada escritora ganhou uma cor que tem tudo a ver com ela

Os esmaltes da Granado são livres de de tolueno, parabenos, formaldeído, cânfora e DBP, ingredientes que podem causar alergia e o ressecamento das unhas. A coleção das escritoras é vendida separadamente (a R$ 17 cada), mas no lançamento foi feito um kit para jornalistas com uma latinha, acompanhada de uma caderneta e caneta. A Granado informou que talvez ela seja colocada à venda. Vai dizer que não é um sonho de consumo?

Só não entendemos porque Jane Austen ficou de fora dessa latinha...

Só não entendemos porque Jane Austen ficou de fora dessa latinha…

Quatro cidades, quatro peças a ver com livros

sexta-feira, 19 abril 2013

Em Porto Alegre 

Biografias Colecionáveis
Peça inspirada nas vidas das escritoras e irmãs Charlotte Brontë (Jane Eyre) e Emily Brontë (O Morro dos Ventos Uivantes). A peça costura fragmentos das vidas das Brontë com a vida das atrizes Natália Karam e Gabriela Steinhaus – que encarnam as irmãs – mais fatos inventados. No Teatro de Arena às 20h.

As irmãs Brontë viraram tema de peça em Porto Alegre

As irmãs Brontë viraram tema de peça em Porto Alegre

Em São Paulo

Dama da Noite
Monólogo com texto de Caio Fernando Abreu. O ator Luiz Fernando Almeida encarna a personagem e as angústias de um homem que se sente fora do mundo em que vive. O espetáculo tem entrada Catraca Livre. Até 29 de junho no Espaço Cultural Pinho de Riga, sexta às 21h30 e sábados às 21h.

Texto de Caio Fernando Abreu em cartaz em São Paulo

Texto de Caio Fernando Abreu em cartaz em São Paulo

Em Belo Horizonte

Hamlet
Montagem que tem Thiago Lacerda no papel principal da peça de Shakespeare. São 15 atores para encenar a tragédia sobre o fantasma que clama ao filho por vingança. Em cartaz no Sesc Palladium. Nesta sexta-feira e sábado, às 21h; domingo, às 19h.

Thiago Lacerda encarna Hamlet em Belo Horizonte

Thiago Lacerda encarna Hamlet em Belo Horizonte

Em Brasília

Peter Pan
Uma versão para adultos do clássico menino que não quer crescer e vive na Terra do Nunca.
Com trilha sonora original e ao vivo Peter, Wendy e seus irmãos voam para a ilha onde tudo pode acontecer. Até dia 21 de abril no Teatro Garagem (SESC 913 Sul) às 20h com entrada franca.

Peter Pan para adultos em Brasília

Peter Pan para adultos em Brasília

690 mil libras na palma da mão

segunda-feira, 19 dezembro 2011

As irmãs Charlotte e Emily Brontë (autora de O morro dos ventos uivantes) começaram a escrever muito cedo. Como várias meninas, foi na adolescência que elas arriscaram suas primeiras aventuras no mundo da literatura. A diferença é que algumas das histórias criadas pela irmãs Brontë na adolescência apareceram mais tarde em livros de gente grande.

Em um dos manuscritos da época, foi encontrada a versão original de uma cena que aparece no romance Jane Eyre, de Charlotte Brontë, em que Bertha, a esposa de Mr Rochester, tenta matar o marido ateando fogo nas cortinas do quarto. O conjunto de 19 páginas com cerca de 4 mil palavras foi leiloado pela Sotherby’s na semana passada pela bagatela de 690 mil libras. Apesar da grandeza literária e do número de zeros do seu valor de venda, o manuscrito parece “coisa de criança” e cabe na palma da mão.

O leilão foi arrematado pelo Museu de Letras e Manuscritos de Paris e deve ser exposto ao público a partir de janeiro. Há outros quatro manuscritos semelhantes em exposição no Brontë Parsonage Museum, fundado e mantido pela família Brontë.

iPad com cara de livro

quinta-feira, 24 novembro 2011

Os livros digitais já são mais do que realidade e têm adeptos pelo mundo todo. Os e-readers estão se popularizando e chegando ao mercado com preços cada vez mais acessíveis e o número de títulos disponíveis em formato digital cresce rapidamente. Só a L&PM já tem mais de 300 títulos!

Mas se você é do tipo que ainda não consegue se imaginar lendo um livro digital num iPad, por exemplo, os criativos da loja Out of print encontraram uma solução que pode ajudar a enganar os sentidos de quem não quer trair o velho companheiro de papel.  E quem sabe também convencer os mais ortodoxos. São as ” iPad Covers”, estampadas com as capas de grandes clássicos da literatura mundial. Além de cults, elas são lindas!

Capa da edição original de "O grande Gatsby" de 1925

"Walden", de Thoreau, também virou capa para iPad

Já fez as contas de quantos livros de Conan Doyle caberiam neste iPad?

Neste iPad com a capa de "Orgulho e preconceito" você pode guardar também "Persuasão" e "Abadia de Northanger"

As edições de centenas de páginas do livro "O morro dos ventos uivantes" já podem ser substituídas pela leveza de um pocket ou de um iPad

Cara a cara com os maiores escritores do mundo

sexta-feira, 8 julho 2011

Por Paula Taitelbaum*

Sou um gênio. Tive uma ideia de roteiro para um filme. Vou vender para Hollywood. Não, pensando bem, vou oferecer a Woody Allen. De graça. O storyline é o seguinte: a moça vai visitar a National Portrait Gallery, em Londres, e, de repente, todos os escritores que estão nas telas, pintados em diferentes épocas, ganham vida e se misturam. Como assim isso não passa de um misto de “Uma noite no museu” com “Meia noite em Paris”? Ok, você venceu, sou um fracasso como roteirista…

Brincadeiras à parte, esta ideia é meio inevitável quando se visita a National Portrait Gallery, um museu único e exclusivamente dedicado a retratos. Lá, estão os originais de muitas das imagens que conhecemos – e outras que não são tão populares assim. Telas com imagens de Shakespeare, das irmãs Brontë, de Robert Louis Stevenson, de Jane Austen, de Charles Dickens, de Lord Byron, de Jonathan Swift. As fotos (e não as reproduções) de Oscar Wilde, Edgar Allan Poe, Virginia Woolf, James Joyce, Beatrix Potter… Imagina se eles se descolassem dali!

Só os escritores entrariam no meu filme, mas claro que não são apenas eles que estão pelas paredes. Há reis, rainhas, nobres, pintores, músicos, políticos, celebridades, cientistas (o portrait de Darwin é impressionante!), inventores, roqueiros e ricos das mais variadas espécies. Há pinceladas de todos os famosos que o Reino Unido já viu e produziu.

Vá a Londres, visite a National Portrait Gallery. E depois me diga se o meu roteiro, mesmo que óbvio, não seria um sucesso…

Eu e Shakespeare, feitos um para o outro

Eduardo Bueno e Robert Louis Stevenson

Eu e as irmãs Brontë, na tela sozinha está Emily Brontë, autora do "O morro dos ventos uivantes"

Jane Austen, desenhada por sua irmã (e eu no reflexo)

Charles Dickens era lindo!

Mas Lord Byron era mais lindo ainda!

 *Paula Taitelbaum e Eduardo Bueno visitaram a National Portrait Gallery no final de junho.

Autor de hoje: Emily Brontë

domingo, 12 junho 2011

Thornton, Inglaterra, 1818 - † Haworth, Inglaterra, 1848

Filha do reverendo de Haworth, em uma pequena e isolada vila de Yorkshire, cedo se tornou órfã de mãe, vivendo sob os cuidados de uma tia materna. O isolamento da província agreste de Yorkhire e a severidade paterna marcaram sua infância e adolescência. Desde cedo, com suas irmãs, Charlotte e Anne, exercitou a vocação literária, modo de fugir à atmosfera opressiva da casa paterna. Juntas, escreveram histórias sobre o reino imaginário de Gondal e Angria e também publicaram um livro de poemas. O morro dos ventos uivantes, que Emily publicou em 1847 sob o pseudônimo de Ellis Bell, é seu único romance. Sob aparente reconstrução da realidade, sobrepõem-se na obra visões fantasmagóricas e imaginadas. Mesmo sem obter o sucesso imediato que tivera sua irmã Charlotte, autora de Jane Eyre (1847), O morro dos ventos uivantes fez com que Emily Brontë fosse reconhecida como uma das principais escritoras da literatura inglesa.

Obra principal: O Morro dos Ventos Uivantes, 1847

EMILY BRONTË por Ricardo A. Barberena

Em sua sublimidade cintilante, Emily Brontë tece um locus historiográfico, marcado por uma veemência poética e imagética que desestabiliza o equilíbrio narrativo de autores como Charles Dickens e Jane Austen. A pujante evocação sombria na sua obra máxima O morro dos ventos uivantes certamente torna-se um clássico da literatura inglesa devido a sua estrutura de enredo que intercambia insinuações sobrenaturais, arquétipos trágicos, paisagens psicológicas, intensidades de paixão/fúria. Ao apontar para a inconstância no arcabouço das máscaras sociais, o romance de Brontë instaura a representação de personagens perdidas num indomável vácuo da fantasia e da subjetivação niilista, emoldurando-se uma relação amorosa que remete à completa destruição num byronismo demoníaco: Catherine e Heathcliff deflagram a primeira pulsão vida-morte.

Numa terrível e endemoniada sucessão de casamentos e mortes precoces, O morro dos ventos uivantes desvela as tensões sociais que impedem a tradicional união romanesca, alijada dos fortes sopros dos ventos da anima e da sombra junguiana. A história é narrada por um personagem nomeado Lockwood, que está alugando uma casa de Heathcliff. Cabe lembrar que a casa, Thrushcross Grange, situa-se muito próxima da Wuthering Heights [casa que dá título ao livro]. Quanto à sua força literária, Brontë diferencia-se dos demais escritores do século XIX devido a uma impactante qualidade imaginativa traduzida em uma poética mediatizada por uma ferocidade mórbida (própria do relato policial) e uma pureza essencial (passível da magnitude dos acordes de Tristão e Isolda, de Richard Wagner, na belíssima adaptação de O morro dos ventos uivantes para o Cinema [1939]).

Em termos resumidos, diríamos inequivocadamente que O morro dos ventos uivantes integra um seletíssimo grupo de obras na literatura inglesa, tratando-se de uma paisagem narrativa sinistra e singular que aponta para uma condição de amar que mutila a própria vida num dilaceramento da castidade da alteridade. Enquanto transtornada chama de luz e escuridão, a escrita de Brontë descortina uma horripilante e incomensurável identificação feminina alinhada à criatividade anárquica do amor de Catherine por Heathcliff. Esteticamente impactante, Brontë rejeita a tradição do Alto Romantismo através do questionamento da exaltação do desejo masculino como persona lírica monolítica e dominante.

Guia de Leitura – 100 autores que você precisa ler é um livro organizado por Léa Masina que faz parte da Coleção L&PM POCKET. Todo domingo,você conhecerá um desses 100 autores. Para melhor configurar a proposta de apresentar uma leitura nova de textos clássicos, Léa convidou intelectuais para escreverem uma lauda sobre cada um dos autores.