Arquivo de março, 2014

Hai-kai de outono

quinta-feira, 20 março 2014

“Uma borboleta amarela?
Ou uma folha seca
Que se desprendeu e não quis pousar?”

Mario Quintana

mario_quintana

Grupo de dança dá movimento às telas de Vincent van Gogh

quarta-feira, 19 março 2014

A Cia. Druw apresenta gratuitamente, no dia 28 de março, o espetáculo de dança “Girassóis”, inspirado na vida e na obra de Van Gogh, na Galeria Olido, em São Paulo.

girassois

Com trajes semelhantes aos da tela “Autorretrato com Chapéu de Palha”, de 1888, um bailarino interpreta Van Gogh. Outro, por sua vez, narra a história, com texto retirado de cartas escritas pelo artista. Enquanto isso, suas célebres telas ganham vida através de movimentos de dança e de vídeos projetados no palco. Gestos suaves marcam a aparição de trabalhos como “Os Comedores de Batata”, “Quarto em Arles”, “Campo de Trigo com Corvos”, “A Casa Amarela” e “Noite Estrelada” em sequências bem amarradas. Também surgem o amigo pintor Paul Gauguin e os personagens dos retratos “O Carteiro Roulin”, “O Escolar”, “A Arlesiana”.

girassois2

A apresentação única acontece na sexta-feira, dia 28/3, às 20h, e faz parte de uma temporada de espetáculos da Cia. Druw inspirados em grandes pintores. Leia mais sobre a temporada no Guia Folha.

“Por Isso Sou Vingativa” estreia em abril no Multishow

terça-feira, 18 março 2014

Estreia no dia 21 de abril, no canal Multishow, a série Por Isso Sou Vingativa, adaptação do livro homônimo de Claudia Tajes para a TV. Os capítulos vão ao ar de segunda a sexta, sempre às 22h30, com Camila Morgado no papel principal, Pedro Paulo Rangel, André Gonçalves, Marcelo Serrado e Márcio Garcia no elenco.

camila

Camila Morgado será a personagem Sara Gomes

Por Isso Eu Sou Vingativa narra com humor e ironia as desventuras de Sara Gomes, uma mulher que acordou para a vida ao descobrir o sabor agridoce da vingança. Dica da L&PM: até o dia 21 de abril dá tempo de ler o livro de Claudia Tajes ;)

Shakespeare no cinema

terça-feira, 18 março 2014

Enquanto a capital paranaense se prepara para o início do Festival de Teatro de Curitiba 2014 (de 25/3 a 13/4), o Museu da Imagem e do Som do Paraná realiza a mostra “Tragédias de Shakespeare no cinema”, com sessões gratuitas sempre às 19h30 no Auditório Basílio Itiberê.

Confira a programação:

19/3 – Hamlet de Laurence Olivier

hamlettt

20/3 – Otelo de Orson Welles

Othello

21/3 – Macbeth de Roman Polanski

macbeth-polanski-l

O trailer de “Peanuts, o filme”

terça-feira, 18 março 2014

Acabou de sair o trailer de Peanuts, o filme, que estreia no Brasil em 30 de outubro de 2015, uma semana antes da première nos Estados Unidos. Assista:

“A casa de Euclides” em Bolonha

segunda-feira, 17 março 2014

O livro A casa de Euclides, de Sérgio Capparelli com ilustrações de Ana Gruszynski, está no catálogo oficial da Feira do Livro Infantil de Bolonha (Bologna Children’s Book Fair 2014), a maior e mais importante feira de livros infantis e juvenis do mundo.

capa_casa.de.euclides_24.06.2013.indd

Em A casa de Euclides, a matemática e a geometria deixam de ser aquela matéria chata e temida por todos para virar algo divertido, acessível e extremamente interessante. A engenhosidade das ideias e criações euclidianas é combinada com a leveza e a graça da poesia, numa experiência lúdica e repleta de prazer. São exploradas a natureza das formas geométricas e suas associações com coisas da nossa vida cotidiana – inclusive em alguns poemas visuais. Em outras palavras: Euclides olhou para o mundo e viu que tudo o que existia nele tinha algum tipo de forma e inventou os conceitos de quadrado, círculo, triângulo e muitos outros; veio o poeta Sergio Capparelli e juntou tudo isso com poesia.

Este ano, o Brasil é o convidado de honra na Bolonha Children’s Book Fair 2014, que acontece de 24 a 27 de março na cidade de Bolonha, na Itália, e terá um espaço especial onde serão expostos os trabalhos de 55 ilustradores brasileiros na mostra Incontáveis Linhas, Incontáveis Histórias. Ziraldo será um dos autores homenageados, junto com o ilustrador Roger Mello. A ilustração da capa do catálogo é assinada por Ciça Fitipaldi.

bolonha

(clique para baixar o catálogo completo)

 

 

Caio F. no cinema

segunda-feira, 17 março 2014

Estreia no dia 28 de março no Cine Santander, em Porto Alegre, o documentário poético Sobre Sete Ondas Verdes Espumantes, um road movie sobre a vida de Caio Fernando Abreu. Os diretores Bruno Polidoro e Cacá Nazário percorreram com sua equipe as cidades onde Caio morou, como Porto Alegre, Rio de Janeiro, São Paulo, Paris, Londres, Berlin, Amsterdam e outros locais pelos quais o escritor passou e narrou em suas obras.

O longa traz depoimentos de Adriana Calcanhotto, Airton Abreu Flores, Amanda Costa, Bernard Bretonnière, Bruno Persico, Déa Martins, Gerd Hilger, Gil Veloso, Gilberto Gawronski, Grace Gianoukas, Judith Burko, Luís Artur Nunes, Luciano Alabarse, Marcos Breda, Maria Adelaide Amaral, Reinaldo Moraes, Sandra Laporta, Sappe Grootendorst e Suzana Saldanha.

Depois de ser exibido na abertura da última edição do Close – Festival Internacional de Cinema da Diversidade Sexual (Porto Alegre) e de passar por importantes festivais como o Festival de Gramado, É tudo verdade (no Rio, São Paulo, Brasília e Santos), Festival da Fronteira (Bagé), CurtaSE (Aracaju), MIX Brasil (Rio e São Paulo), a estreia comercial em Porto Alegre no dia 28 de março inaugura uma nova fase, com exibições em diversas salas da capital gaúcha e também do interior do estado no mês de abril.

Assista ao trailer de Sobre Sete Ondas Verdes Espumantes:

Da vasta obra de Caio Fernando Abreu, a L&PM publica O ovo apunhalado, Triângulo das Águas, Ovelhas negras e Fragmentos.

“Peanuts, o filme” chega antes no Brasil

sexta-feira, 14 março 2014

Uma ótima notícia para os fãs brasileiros de Peanuts: a data de lançamento de “Peanuts, o filme” no país foi antecipada para 30 de outubro de 2015 - ou seja, uma semana antes da estreia nos Estados Unidos. E o primeiro teaser já será exibido nos cinemas em março, antes do filme Rio 2 (pertencente ao mesmo estúdio Blue Sky), que estreia em 28 de março.

Mal podemos esperar!

peanuts2015

Aline quarentona

quinta-feira, 13 março 2014

por Adão Iturrusgarai*

Faz 20 anos que criei a Aline. Hoje ela teria uns 40 anos. Como ela, Otto e Pedro estariam hoje? Ela, quase igual, mas com um pouco menos de cintura e os seios não tão redondos. Mas com seu tradicional sex-appeal. Otto com uma barriguinha e Pedro com uma careca. Além disso, ela teria uma filha de uns 5 anos. E os pais seriam os dois, já que ela nunca quis fazer teste de paternidade.

aline_40

*Adão Iturrusgarai é o criador das tirinhas da Aline da Coleção L&PM Pocket e este post foi publicado originalmente em seu perfil no Facebook.

1964: Jango e o Comício da Central

quinta-feira, 13 março 2014

Entre os fatos que antecederam o famigerado golpe militar de 1964, tem destaque o célebre “Comício da Central” realizado no dia 13 de março na cidade do Rio de Janeiro, na Praça da República, situada em frente à Estação da Central do Brasil. Cerca de 150 mil pessoas se reuniram sob a proteção de tropas do Exército, unidades da Marinha e Polícia, para ouvir a palavra do presidente João Goulart e do governador do Rio Grande do Sul, Leonel Brizola. As bandeiras vermelhas que pediam a legalização do Partido Comunista Brasileiro e as faixas que exigiam a reforma agrária foram vistas pela televisão, causando arrepios nos meios conservadores.

O jornalista Flávio Tavares, que acompanhou todas as movimentações de perto, narra os fatos deste dia no livro 1964 – o golpe:

Naquela noite de sexta-feira 13 de março, o conciliador Jango transmutou-se e decidiu disputar abertamente a liderança da “área popular” (ou da esquerda) com Brizola e Arraes, usando para isso o poder presidencial. À tardinha, sentiu palpitações cardíacas com queda da pressão arterial, que solucionou com algumas doses de Whisky, mas deixou Maria Thereza preocupada. E a “primeira-dama”, que pouco aparecia em público e não ia a comícios, resolveu acompanhá-lo. Não sabia que, além dos dois decretos, sua presença ajudaria a inclinar emocionalmente a balança da “área popular” a favor do marido.

O comício fora organizado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores da Indústria (CNTI), ligada ao presidente, com a colaboração de outros sindicatos e da União Nacional dos Estudantes (UNE), com a ideia de que só discursassem representantes desses organismos, além do próprio Jango, no encerramento.

- O presidente não queria que nenhum dirigente político falasse, menos ainda o Arraes e o Brizola, pois o ato era dos trabalhadores da UNE. Ao mesmo tempo, me pediu que excluísse os comunistas da lista de oradores – contou-me 45 anos depois o principal organizador da manifestação, Clodsmith Riani, presidente da CNTI e um dos homens em que Jango se apoiava na área sindical. “Um pelego”, como depreciativamente dizia a gíria dos opositores.

Arraes e Brizola reagiram e houve um duelo verbal nos bastidores da “área popular” e pela imprensa. Por fim, ambos acabaram discursando, mas no início do comício, antes ainda de que a Avenida Presidente Vargas se transformasse em maré humana.

Eles já haviam discursado quando Jango lá chegou, no momento em que o presidente da UNE, o jovem José Serra, começava a falar “selando a unidade de estudantes e trabalhadores pelas reformas de base, para libertar o Brasil da dependência de do imperialismo”. Em contraste com o traje escuro de Jango, o vestido creme-claro de Maria Thereza dava ao palanque iluminado na penumbra da praça a decoração de um cenário festivo. Já não era só o cenário de guerra – trabalhadores da Petrobras com tochas iluminando a noite, protegidos pelos tanques do Exército, que ali estavam para evitar represálias por parte da truculenta polícia do governador estadual Carlos Lacerda, que durante a semana ameaçava veladamente intervir no comício ou, até, dissolvê-lo.

comiciodacentral-495x278

O comício levou João Goulart a vencer a batalha (ora em surdina, ora aberta e ruidosa) pela liderança da “área popular”. Agora, ele se convencera de que já não dependia mais de Brizola nem, muito menos, de Arraes. E mais facilmente poderia manobrar Luiz Carlos Prestes e os comunistas, sem ter de evitá-los num lado ou de açodá-los em ouro. Essa visão de triunfo fez com que não desse maior importância ao 19 de março em São Paulo, em que a direita conservadora organiza a “Marcha da Família com Deus pela Liberdade”, em protesto contra “a penetração comunista no governo e no Brasil” que reúne caudal similar ao do comício no Rio. Ou, talvez, superior até. O governo estadual paulista e a ultramontana TFP, Sociedade Brasileira de Defesa da Tradição, Família e Propriedade, estão na crista da manifestação, à qual se somam o CCC (Comando de Caça aos Comunistas) e dezenas de organismos estilo “cruzada”, na maioria femininos, desfraldando faixas “contra o comunismo” e aos gritos de “um, dois, três, Brizola no xadrez” ou “um, dois, três, Goulart não tem vez”.

Com o Comício da Central, as ideias de Jango foram decisivamente vinculadas pelos setores conservadores à República Sindicalista e ao Comunismo. Dias depois, uma rebelião de marinheiros no Rio de Janeiro foi mais um grave incidente, mas que desta vez atingiu diretamente a hierarquia e a disciplina militares. João Goulart, como forma de solucionar o conflito, anistiou os revoltosos. Contudo, para o setor golpista, a ação de Jango era uma clara demonstração de desrespeito com as Forças Armadas. A saída para tanto foi o Golpe de 1964, em 31 de março de 1964, que culminou com a instalação do Regime Militar no Brasil e, por consequência, com a renúncia do presidente.