Posts Tagged ‘The Beat Museum’

Museus que exibem literatura

quarta-feira, 18 maio 2016

18 de maio é o Dia Mundial dos Museus, esses lugares sagrados que abrem suas portas para expor arte e vida, história e memória. Há museus enormes como um castelo e também há aqueles tão pequenos que mais parecem uma garagem. Há museus que foram construídos para serem museus e há também os que um dia já foram a casa de alguém. Para marcar a data, separamos museus de escritores famosos em diferentes partes do mundo. Não deixe de visitá-los caso sua viagem for para alguma dessas cidades.

Franz Kafka Museum em Praga. É um museu interativo e moderno que exibe a vida e obra do mais famoso escritor da República Tcheca. O autor de A Metamorfose e O Processo ganhou um espaço à altura de sua obra com um museu que possui seus diários, fotos e primeiras edições originais de obras famosas do escritor. O complexo possuiu uma loja onde é possível encontrar os livros de Kafka em diversas línguas, bem como pôsteres, camisetas e outras lembrancinhas. Olha que ótimo o vídeo do museu:

Jane Austen House Museum em Hampshire, Inglaterra -  Foi nessa casa em estilo georgiano que a autora de Orgulho e Preconceito e Persuasão viveu com sua irmã Cassandra entre 1809 e 1817. Em 1949, a residência das irmãs Austen virou museu independente e é administrado pelo “Jane Austen Memorial Trust”. Dizem que as pessoas que visitam a casa são envolvidas por uma sensação de paz e que, frequentemente, portas se abrem sozinhas e se ouve passos. Uma funcionária do museu já contou que, certa vez, estava sozinha na casa transcrevendo uma das cartas de Cassandra quando ouviu um barulho estranho no jardim. Ao olhar pela janela, ela não viu nada, mas ao sentar-se novamente para continuar a transcrição, escutou uma voz sussurrando “Cas, Cas…” Isso aconteceu algumas vezes e a moça ficou convencida de que, naquele dia, não foi apenas ela quem leu a carta de Cassandra. Para a funcionária, Jane Austen estava mesmo ao seu lado. Ai, que arrepio!

Jane Austen House

The Sherlock Holmes Museum em Londres – O museu do mais famoso detetive da literatura. Se você sabe um pouco sobre Sherlock Holmes, já deve ter ouvido falar no endereço Baker Street, 221b em Londres. Criado por Sir Arhur Conan Doyle, o número da morada do grande detetive e de seu fiel amigo Dr. Watson era, em princípio, fictício. A rua Baker era real, mas o 221b tinha sido inteiramente criado por ele. No entanto, tudo mudou em 27 de março de 1990 quando então o número passou a existir de verdade. Neste dia, o endereço mundialmente conhecido foi inaugurado em uma casa construida em 1815 para abrigar um museu que quer mostrar a casa de Sherlock Holmes exatamente como ela é descrita nos livros de Conan Doyle. Até os 17 degraus que levam ao piso superior estão lá.

Sherlock_Holmes_Museum_221B_Baker_Street

The Beat Museum, São Francisco, Califórnia – Este é um dos museus dedicados aos escritores da geração beat com destaque para Jack Kerouac, autor de On the road. Ele apresenta uma extensa coleção de memorabília dos beats, além de manuscritos originais e primeiras edições. Mas ele não é o único. Há também o Beat Museum em Alhambra, também na Califórnia para o qual foi doada a réplica do carro de Kerouac usado no filme “Na estrada”, de Walter Salles.

the-beat-museum

Casa Museu Pablo Neruda em Isla Negra, Chile – Esta não é a única Casas Museu de Pablo Neruda, mas é a mais famosa. Até porque é aqui que estão sepultados Neruda e sua amada Matilde. Nesta casa, com bela vista para o Pacífico, o escritor e sua mulher viveram. No “complexo” há um café e tendas de artesanato onde se pode comprar lembranças, inclusive livrinhos em miniatura feitos à mão das obras de Neruda.

Neruda Isla Negra

Casa Stefan Zweig em Petrópolis, Rio de Janeiro – Na serra de Petrópolis, está a casa onde o escritor Stefan Zweig que, mais do que um museu, é um moderno centro de memória interativo. O quarto em que o escritor se envenenou ao lado da mulher está lá e as pessoas poderão ler, em alemão, o texto de despedida de Zweig em que ele agradece a “este maravilhoso país, o Brasil”. Há também a máscara mortuária do escritor austríaco, feita por um escultor amador de Petrópolis e doada pelos herdeiros. Ok, é um pouco mórbido, mas Zweig merece a visita.

casa Stefan Zweig

O trailer de “On the road” promete uma adaptação digna de Kerouac

quarta-feira, 14 março 2012

Por Jerry Cimino, fundador e curador do “The Beat Museum” de San Francisco*

Após a morte de seu pai, o aspirante a escritor Sal Paradise está olhando para a página em branco em sua máquina de escrever, perguntando-se que caminho sua vida vai tomar. Um milésimo de segundo mais tarde, um automóvel verde dá um cavalo de pau, Dean Moriarty aparece em cena e Sal encontra sua musa. A vida de Sal nunca mais será a mesma enquanto Dean nos leva a lugares que nem sabíamos que existiam.

O trailer do filme de Walter Salles, adaptação cinematográfica do romance seminal de Jack Kerouac, On the Road, acaba de ser lançado. Ele anuncia uma experiência extremamente gratificante em um filme que os fãs literários estão esperando ansiosamente por mais de 30 anos.

Sal Paradise, claro, é Jack Kerouac e Dean Moriarty é Neal Cassady, herói icônico de Kerouac da noite americana.

Controvérsias têm sido travadas há décadas entre os fãs da geração beat, sobre se a filmagem deveria ou não ter sido tentada. Eu sou capaz de entender ambos os lados do argumento. On the Road é um romance muito pessoal para muita gente. No The Beat Museum, localizado em San Francisco, vemos pessoas de todos os cantos do mundo, que chegam caminhando e atravessam nossas portas diariamente, e cujas jornadas tiveram seu pontapé inicial quando eles leram o livro de Kerouac. On the Road ocupa um lugar muito especial nos corações de muitas dessas pessoas e eles não querem que sua visão do livro de Kerouac (e as suas próprias viagens pessoais) seja alterada.

O outro lado desse argumento, claro, é que On the Road deveria virar filme. Jack Kerouac enviou uma carta a Marlon Brando em 1959 implorando para ele fazer o filme. Kerouac entendia que um romance não é um filme e ele mesmo disse a Brando que estava disposto a escrever o roteiro, fazendo as mudanças necessárias para a história do livro virar filme.

Em 2012, este argumento ainda não enfraqueceu. Mas com o lançamento do trailer da adaptação de Walter Salles para On the Road, eu acredito que os cineastas têm mostrado, magnificamente, que conhecem suas obrigações para com os verdadeiros fãs e suas próprias vocações artísticas.

O trailer, capturado em 1,45 minutos, é toda a energia, condução, excitação e incerteza do próprio livro. A sexualidade pulsa em Garrett Hedlund como Neal Cassady e em Kristen Stewart como sua noiva de 16 anos de idade, Lu Anne Henderson. Dos salões de dança de Nova York para os quartos de hotel de Denver aos prostíbulos do México, as palavras de Kerouac ganham vida na tela.

Com o lançamento deste trailer, parece que as produtoras, a francesa MK2, a brasileira Videofilmes e a americana Zoetrope, de Francis Ford Coppola, se uniram para oferecer uma interpretação de tirar o fôlego de alguns fãs das histórias de Kerouac que todos conhecemos tão bem.

E para os fãs que ficaram prendendo a respiração por todos estes anos, esperançosos de que o filme fosse satisfazer suas expectativas, cliquem em “play” e vejam se vocês não conseguem respirar um pouco mais facilmente.  

* Jerry Cimino escreveu este texto no blog do jornal Huffpost San Francisco, em 09 de março de 2012. Clique aqui e veja o texto original em inglês.