Posts Tagged ‘Iggy Pop’

Allen Ginsberg, fotógrafo

terça-feira, 11 fevereiro 2014

Além de poeta, autor do Uivo e ícone da geração beat, Allen Ginsberg era um exímio fotógrafo, que registrou como ninguém a vida urbana e cultural de Nova York e também de outros lugares por onde passou. Suas fotos retratam cenas de sua própria vida e do convívio com outros escritores e artistas, entre eles Bob Dylan, Jack Kerouac, John Cage, William de Kooning, Paul McCartney, Patti Smith, William Burroughs e Iggy Pop.

Boa parte deste material (cerca de 8 mil fotos feitas entre 1944 e 1997) foi reunido pela Larry & Cookie Rossy Family Foundation e está sendo doado para a biblioteca de “special collections” do Centro de Artes da Universidade de Toronto (UTAC), famoso por seu grande acervo de manuscritos, fotos e outros materiais e por ser a maior biblioteca de livros raros do Canadá e uma das maiores do mundo. Várias imagens já foram digitalizadas e estão no Flickr da Thomas Fisher Rare Book Library do UTAC, veja algumas:

allen_paulmclinda

Linda e Paul McCartney

allen_patti

Patti Smith

allen_allen

Auto-retrato

allen_iggy

Iggy Pop

O cenário de “Mate-me por favor” no cinema

quinta-feira, 8 agosto 2013

Estreia em outubro o filme CBGB, do diretor Randall Miller, que conta a história do lendário clube novaiorquino de “Country, Bluegrass e Blues” que revelou artistas e bandas como Talking Heads, Television, Patti Smith Group, Iggy Pop, The Police, Velvet Underground e outros que podem ser considerados os criadores do punk rock. Assista ao trailer:

Toda a história do CBGB está contada por seus próprios personagens no livro Mate-me por favor, já publicado em 2 volumes na Coleção L&PM Pocket e acaba de ganhar uma nova edição em um só volume e formato convencional:

capa_mateme.indd

Num trecho do livro, Terry Ork, Richard Hell e Richard Lloyd, respectivamente o empresário, o vocalista e o guitarrista da banda Television contam como tudo começou no CBGB’s:

Terry Ork: cheguei para Patti [Smith] e disse “Hey, escuta,  acho que a gente tem uma coisa rolando aqui. Vamos experimentar você e o Television nuns finais de semana. Vamos botar pra quebrar.”

Então eles tocaram nas noites de quinta, sexta, sábado e domingo no CBGB’s e foi um estouro. Ficou maior e maior a cada fim de semana. Durou seis semanas. Depois disto, cheguei pra Hilly [o dono do CBGB] e disse: “Você não pode superar esses números com seu country e seu bluebrass, rapaz!”

E considerei este o começo da cena [punk].

Richard Hell: A cena definitivamente começou a crescer como uma bola de neve. O CBGB’s era sem dúvida o lugar onde as coisas estavam acontecendo, desde a primeira vez que a gente tocou lá. Na real, éramos únicos. Não havia no mundo nenhuma outra banda de rock & roll com cabelo curto. Não havia nenhuma outra banda de rock & roll com rupas rasgadas. Todo mundo ainda estava usando purpurina e roupas de mulher. Éramos uns chinelões, arruaceiros, sem-teto, tocando uma música poderosa pra caramba, apaixonada, agressiva e também lírica.

Bob Gruen: A primeira vez que vi Richard Hell, ele entrou no CBGB’s usando uma camiseta com um alvo e as palavras Please Kill Me (Mate-me por favor). Aquilo era uma das coisas mais chocantes que eu já tinha visto. As pessoas tinham um monte de ideias extravagantes naquele tempo, mas andar pelas ruas de Nova York com um alvo no peito, com um convite para ser morto – aquilo foi um verdadeiro marco.

Richard Hell: Nem lembro de usar a camiseta Please Kill Me, embora lembre de ter forçado Richard Lloyd a usá-la. Eu era um tremendo de um covarde.

Richard Lloyd: Richard Hell tinha desenhado uma camiseta para ele que dizia Please Kill Me, mas não usava. Entrei numas “Vou usar.” (…) Aqueles fãs me lançaram um olhar verdadeiramente psicótico – olharam o mais fundo possível nos meus olhos e disseram: “É sério?” Daí disseram: “Se é isso que você quer, a gente ficará contente em obedecer, por que somos os maiores fãs!” Ficaram me olhando com aquele olhar alucinado, e pensei: “Não vou usar esta camiseta de novo.”

Onde está meu rock’n'roll?

quinta-feira, 13 janeiro 2011

O jornal britânico The Guardian publicou esta semana uma matéria intitulada RIP rock’n'roll, anunciando a morte do gênero musical mais ousado e jovem do mundo. O motivo do óbito, segundo o jornal, é que na lista das 100 músicas mais vendidas no Reino Unido em 2010, há apenas 3 rocks. A notícia deixou em polvorosa os admiradores do gênero e inspirou posts emocionados em blogs e fóruns sobre o assunto.

O site da Blitz, revista portuguesa especializada em música, promoveu uma discussão sobre o tema, que teve intensa participação dos leitores. A maioria, é claro, saiu em defesa do rock’n'roll, questionando os critérios e até a validade do ranking das músicas mais vendidas no Reino Unido. Mas houve também quem concordou com o jornal e defendeu corajosamente que o bom e velho rock’n'roll está mesmo perdendo espaço para outros ritmos como indie ou britpop.

E você, de que lado fica?

Para tirar suas próprias conclusões sobre esta polêmica, leia Mate-me por favor (dois volumes), que narra o nascimento do punk rock, desde a Factory de Andy Warhol até o Max’s Kansas City nos anos 60 e 70, chegando ao Reino Unido nos anos 80.

O livro entra nos camarins e nos apartamentos de astros como Iggy Pop, Patti Smith, Dee Dee e Joey Ramone para reviver os dias de glória do Velvet Underground, Ramones, New York Dolls, Television e Patti Smith Group entre outros.