Posts Tagged ‘América’

O bolo de aniversário de Andy Warhol

quinta-feira, 6 agosto 2015

andybakesacake

Segunda-feira, 6 de agosto, 1979. Meu aniversário. Quando cheguei ao escritório fui logo cortar o bolo para não ter que fazer isso na frente de todo mundo. Gosto horrível. Brigid encomendou daquela mulher de Nova Jersey. Eu pedi que ela se certificasse de que seria um bolo de noiva. Tinha três andares. Mas no final não era grande o suficiente. Todo dia as pessoas ficaram entrando e saindo e comendo o bolo. Normalmente eu ignoro meu aniversário e dou ordem para todo mundo não mencionar o fato, mas neste ano eu estava com espírito de festa e não queria ir contra. Na realidade eu mesmo organizei a festa e convidei as pessoas.  (Trecho de Diários de Andy Warhol Vol. 1 - Coleção L&PM Pocket).

Adrew Warhola nasceu em 6 de agosto de 1928 sob o signo de leão e, ainda jovem virou Andy Warhol, o papa da pop arte. Apesar de não gostar de comemorar aniversários, ele adorava bolos. Para comer e para desenhar:

bolo_andy_grande

bolo_warhol1

Quer saber mais sobre o célebre artista pop? A L&PM publica Andy Warhol na Série Biografias; Diários de Andy Warhol em dois volumes e América, livro com fotos feitas por ele.

Livraria da Vila e Absolut Vodka fazem parceria em homenagem a Andy Warhol

quarta-feira, 12 novembro 2014

O que acontece quando livros, arte e a mais famosa vodka do mundo se juntam? Uma festa para os sentidos!

A Livraria da Vila e a Absolut Vodka fecharam uma parceria para mostrar o trabalho realizado pelo artista Andy Warhol, que criou uma arte exclusiva para marca de vodka em 1986.

Em ação inédita, a partir do dia 8 de novembro e até o final do mês, as lojas da Livraria da Vila da Lorena, da Fradique Coutinho e as dos Shoppings Higienópolis, JK Iguatemi e Cidade Jardim, irão oferecer aos clientes a oportunidade de adquirir uma edição especial e limitada da bebida – serão apenas 200 unidades -, com uma réplica da pintura original criada por Warhol. Cada garrafa custa R$ 115.

Estarão expostas nas mesas não só as garrafas especiais como também uma seleção de títulos especiais sobre o artista, com a curadoria da Livraria da Vila.

Além de biografia de Andy Warhol, a L&PM ainda publica os Diários de Andy Warhol em dois volumes e América (um livro de fotos do artista).

ABSOLUT-ANDY

 

Uma opinião sobre “América”, de Andy Warhol

segunda-feira, 8 abril 2013

Revista Le Monde Diplomatique Brasil – Abril de 2013 – Por Fabian Jimenez Alonso*

Pode soar a sacrilégio, mas nunca fui muito fã das obras de Andy Warhol, nem sequer do movimento pop art que ele tão bem personifica. Mas tudo isso foi antes de ter a oportunidade de devorar América. Warhol nos oferece, nesse livro, uma compilação de mais de dez anos de compulsivos cliques, nos quais comprime em inúmeras fotos e relatos suas maiores obsessões: as celebridades, a exótica fauna nova-iorquina e sua visão pessoal do “sonho americano”. Ele sempre estava presente com sua câmera, garimpando qualquer acontecimento que o fizesse estar próximo das celebridades que ele tanto admirava e das quais, ironicamente, se sentia excluído.

A maioria das fotografias do livro não se destaca pela técnica ou preciosismo estético, e sim por um olhar especial, uma forma de ver as coisas que nos convida a mergulhar no passado e reviver o instante exato do clique. O que mais surpreende nesse livro são os textos, como se pudéssemos ouvir a voz em off do autor adereçando cada uma das páginas com um relato ingênuo, pessoal, divertido e deliciosamente inseguro sobre suas próprias convicções.

Na última parte da obra, descobrimos um Warhol analítico, intimista, irônico e que despeja um delicioso bom senso repleto de bofetadas à sociedade norte-americana. Divaga sobre uma América fora de Nova York, sobre o provincianismo, as trivialidades do American way of life, o isolamento intelectual e o hermético umbigo dos norte-americanos. Chega a se expor, num exercício de autoflagelo, ao contar anedotas e pensamentos pessoais de um frágil e inseguro geniozinho que escondia sua timidez atrás de uma câmera e um gravador.

Warhol é considerado um dos artistas mais importantes do século XX, não somente por sua hiperativa e multidisciplinar produção, mas também por ter sido uma tremenda figura, repleta de excentricidades e obsessões que genialmente se veem retratadas nessa publicação. Warhol afirmou, um dia, que “todas as pessoas teriam no futuro 15 minutos de fama”, e esse futuro já chegou.

capa_america_2.indd

*Fabian Jimenez Alonso é designer de conceito, consultor criativo e fundador do núcleo de criação AssaltoCultural.

Maquiagem inspirada em Andy Warhol chega ao Brasil

quarta-feira, 23 janeiro 2013

A edição limitada de maquiagens da marca NARS, criada em homenagem a Andy Warhol, chegou ao Brasil este mês, via Sephora.  A linha, feita em colaboração com a fundação Andy Warhol, é um sonho de consumo para as amantes do make-up. Não apenas pelas cores super moderna, mas também pelo design das embalagens.

Algumas sombras, por exemplo, não apenas possuem uma palheta de cores igual a de alguns quadros de Andy Warhol como reproduzem as flores e um auto-retrato do artista. Além delass, há batons, delineadores, blush, iluminador e mais esmaltes em tonalidades que refletem o universo pop de Warhol.

A linha já está à venda no e-commerce brasileiro da Sephora e na loja da rede no Rio de Janeiro, com lançamento em São Paulo previsto para a última semana de janeiro.

Neste vídeo, o criador da linha conta que é fã da obra de Andy Warhol:

Para os que querem conhecer mais sobre o artista que eternizou a frase “Um dia todos terão direito a quinze minutos de fama”, a L&PM publica Andy Warhol na Série Biografias, Diários de Andy Warhol em dois volumes e América, livro que traz fotos feitas por ele.

Fundação Andy Warhol vai leiloar seu acervo

quinta-feira, 6 setembro 2012

A Fundação Andy Warhol para as Artes Visuais, criada em 1987, logo após a morte do artista, anunciou nesta quarta-feira que vai se desfazer de toda a sua coleção: parte do acervo será doado a museus e galerias e outra parte será leiloada pela Christie’s. O primeiro leilão será realizado no dia 12 de novembro e haverá também leilões online e “private sales”. O acervo da fundação é composto por pinturas, gravuras, fotografias e desenhos, alguns deles totalmente inéditos para o grande público.

O preço estimado deste autorretrato é de US$15 a US$20 mil

Esta serigrafia sobre um retrato de Jacqueline Kennedy feita em 1960 deve ser vendida por US$200 mil

Os fãs já podem começar a comemorar, pois uma parte significativa e até então inédita da obra de Andy Warhol finalmente vai vir a público. Mas por outro lado, a notícia divulgada nesta quarta-feira deixou os colecionadores de cabelo em pé, preocupados com uma provável queda no valor de mercado de suas obras, já que agora haverá muito mais peças à venda.

Pode parecer ingênuo da minha parte, mas esta situação me surpreende. Apesar de conhecer a logística dos leilões da Christie’s, uma das mais famosas e respeitadas casas de leilões de obras de arte do mundo, é preciso dizer que Andy Warhol não é Picasso. Ao contrário das obras do pintor espanhol, que são únicas e batem recordes de arrecadação em leilões pelo mundo, a reprodutibilidade é característica fundadora da pop art de Andy Warhol. E é justamente estas várias “cópias” que as tornam tão valiosas para a história da arte do século 20. (Nanni Rios)

A L&PM publica os Diários de Andy Warhol em 2 volumes e a biografia do pai da pop art na Coleção L&PM Pocket e mais o livro de fotos América.

Descubra “América”

quarta-feira, 8 agosto 2012

Imagine colocar lado a lado Sylvester Stallone, Jane Fonda, Michael Jackson, Madonna, Boy George, Mick Jagger, David Byrne, John Travolta, Farrah Fawcett, Ronald Reagan, Calvin Klein, William Burroughs e Truman Capote. Que salada mista, hein? Pois é exatamente o que faz América, livro que traz fotos que o artista pop Andy Warhol fez nas décadas de 70 e 80.

Mas nem só de celebridade vive as páginas de América. Warhol também fotografou cenas das ruas de Nova York e do Texas para mostrar que a arte fotográfica pode estar em todas as esquinas.

América já está sendo distribuído para as livrarias e é um ótimo presente para o Dia dos Pais. Desde que seu pai seja um cara que curta fotografia, é claro.

Michael Jackson está em "América" de Andy Warhol

A mulher que criou Andy Warhol

segunda-feira, 6 agosto 2012

Transcorrera apenas um ano desde a sua chegada na América quando Julia deu à luz, em 1922, um filho, Paul. Depois, em 1925, ela pôs outro filho no mundo, John. E, em 1928, o casal Warhola teve seu último: Andrew. Mais um filho. A certidão de nascimento precisa o dia: 6 de agosto. Mas essa certidão de nascimento foi feita muito mais tarde, em 1945, quando o caçula da família precisou desse documento para se matricular na universidade. Andrew, o caçulinha, não teve, portanto, nenhum estado civil oficial antes dessa data. Sua mãe o guardava primeiro para si, na esfera privada e familiar.

(Trecho de Andy Warhol, de Mériam Korichi, Série Biografia L&PM)

Andrew Warhola se tornaria Andy Warhol. E mais do que isso: ele seria dos mais célebres artistas do século XX, considerado o papa do pop. Ligado à mãe, Julia, nasceu em 6 de agosto de 1928 (ou teria nascido, conforme sua certidão de nascimento) na inóspita cidade de Pittsburgh. Aos 21 anos, mudou-se para Nova York levando consigo uma obsessão: tornar-se célebre. Conseguiu.

Andy Warhol bebê no colo de sua mãe, Julia

Já em Nova York, Andy come sob o olhar atento da mãe

Aqui, Julia Warhola eternizada pelo filho famoso

E a boa notícia do dia é que, para comemorar o aniversário de Andy Warhol, chegou América, livro que traz fotos que Warhol fez das celebridades que passaram por Nova York nas décadas de 70 e 80. Sempre com a câmera a tiracolo, como se fosse uma extensão de seu próprio corpo, ele capturou cenas íntimas, dos bastidores e até dos momentos banais e aparentemente sem importância de artistas, atletas e políticos famosos e, com isso, fez – literalmente – o retrato de uma época e de uma cultura. O jovem (e negro) Michael Jackson, a estonteante Liza Minnelli, Truman Capote e sua nova cicatriz e até uma Madonna morena aparecem na coletânea. Depois de folhear América do início ao fim, é possível atestar que, quem disse certa vez que a América sem Andy Warhol é quase tão inconcebível como Andy Warhol sem a América, estava certo. Sua mãe com certeza sentiria orgulho em saber disso.

A capa do recém lançado "América"

América, estranha América

sexta-feira, 20 julho 2012

O mundo acordou hoje sacudido pela trágica notícia de que, na noite anterior, um louco invadiu uma sala de cinema em Aurora, Colorado, e atacou a plateia com gás lacrimogênio e tiros de fuzil. Era a estreia do último filme da trilogia Batman. 12 pessoas morreram e há, pelo menos, 40 feridos.

Grande e estranha é esta América. O país teoricamente mais poderoso e civilizado do mundo, o xerife oficial da democracia e do “bem” é capaz de transformar cenas de barbárie como esta em fato recorrente. Quantas vezes um atirador disparou contra pessoas indefesas nos Estados Unidos da América? Bem próximo de Aurora está Columbine, a cidade que ficou célebre pelo massacre de 13 crianças em uma escola em 1999.

Em 1985, o mago pop Andy Warhol publicou a sua visão da América num grande ensaio fotográfico. Ele era obcecado por fotografias. Sempre saía com uma pequena maquina fotográfica, registrando tudo. E ele circulou nos intestinos desta América louca e ansiosa. Retratou – e estão neste livro – as minorias mais estranhas, as celebridades mais coroadas, bares, becos, travecos, lutadores, garotos bonitos, divas do cinema, locais emblemáticos, cãezinhos de estimação e antológicas cenas americanas nos hipódromos, ateliers de pintura, parques, praias, óperas de luxo, montanhas nevadas e boates mais do que quentíssimas.

Todo este bizarro e genial coquetel de imagens estão em América, que a L&PM vai lançar em breve. Há uma inquietante estranheza nas imagens de Andy Warhol. É evidente que ele foi um artista genial e os artistas sempre encontram um ângulo que ninguém notou. Mas este livro expõe muito além do curioso. Expõe uma sociedade que abriga democraticamente todas as tendências, garante todos os direitos, é hipócrita por um lado, mas libertária por outro, criou uma democracia fascinante e intocável, garantiu direitos, venceu o racismo odioso e ditou uma forma de ver o mundo. Vendo este livro fica uma sensação de inquietude. Pois este mundo hipercivilizado por um lado, e mega estranho por outro, não consegue impedir que, vez por outra, um dos seus filhos mostre e demonstre para o planeta o que de pior tem o ser humano. Como hoje pela manhã em Aurora. (Ivan Pinheiro Machado)

Rolling Stones há 50 anos

quinta-feira, 12 julho 2012

Para ler ao som de “Factory girl”, dos Rolling Stones

Foi em 12 de julho de 1962, há exatos 50 anos, no clube Marquee, em Londres, que os Rolling Stones se apresentaram pela primeira vez. Da formação atual, apenas Mick Jagger e Keith Richards estavam lá e Brian Jones, Dick Taylor, Ian Stewart e Tony Chapman completavam o grupo.

Mick, desde aquela época, sempre foi a maior estrela dos Stones e anos depois ele se tornaria um dos queridinhos de Andy Warhol e viraria personagem de vários retratos e quadros do criador da pop art. No livro America, que chega em breve às livrarias pela L&PM recheado com algumas das melhores fotos de Andy Warhol, Mick Jagger ganhou uma página inteira:

Mick Jagger em foto de Andy Warhol que está no livro América

Uma das sessões de fotos que Andy fez com os Rolling Stones aconteceu no dia 29 de setembro de 1977, como está registrado nos Diários de Andy Warhol:

Quinta-feira, 29 de setembro, 1977
(…)
Mick chegou 20 minutos atrasado e realmente de bom humor – eu estava fotografando os Stones. Aí todo mundo começou a chegar – Ron Wood, Earl McGrath e Keith Richards, que eu acho queé apenas a pessoa mas adorável, eu o adoro. Eu disse que fui a primeira pessoa a conhecer a mulher dele, Anita Pallenberg. Nos anos 60.

Michael Jackson por Andy Warhol

segunda-feira, 25 junho 2012

Andy Warhol tinha verdadeiro fascínio por celebridades. Tanto que, entre os anos 70 e 80, o papa da pop arte fotografou todos os famosos que andavam pela Big Apple. Entre eles, claro, estava Michael Jackson, o jovem astro da música que andava pela cidade para anunciar a nova turnê de seu grupo The Jacksons numa grande e disputadíssima coletiva de imprensa no Central Park.

Sempre com sua câmera fotográfica a postos, ele estava lá e fez várias imagens no dia. Algumas destas fotos estão no livro America, que deve chegar às livrarias do Brasil em julho pela L&PM.

The Jacksons durante coletiva de imprensa no Central Park

Michael Jackson no livro "America" de Andy Warhol

Mais tarde, depois que o grupo The Jacksons se desfez e Michael partiu rumo aos píncaros do sucesso em carreira solo, ele foi tema das famosas séries de serigrafias de Andy Warhol. O retrato feito em 1984, que estampou uma das capas da revista Time daquele ano, foi vendido em 2009, pouco depois da morte do cantor, por um valor que até hoje não foi revelado.

Michael Jackson por Andy Warhol (1984)

Michael Jackson também é personagem de Diários de Andy Warhol. No dia 2 de fevereiro de 1977, ele contou à amiga Pat Hackett como eles se conheceram:

(…) às 11h Catherine e eu fomos até o Regine’s para entrevistar Michael Jackson, do Jackson 5. Agora ele está muito alto e com uma voz  realmente aguda. (…) Toda a situação era engraçada, porque na verdade Catherine e eu não sabíamos nada sobre Michael Jackson e ele não sabia nada sobre mim – ele pensou que eu fosse um poeta ou algo assim. Por isso ele me fez perguntas que alguém que me conheça jamais faria – por exemplo, se eu era casado, se eu tinha filhos, se minha mãe está viva… (risos) Eu disse “Ela está num asilo”.