Posts Tagged ‘Dez quase amores’

Do primeiro encontro com Claudia Tajes à peça “Dez (quase) amores”

terça-feira, 15 janeiro 2013

Por Paula Taitelbaum* 

Lembro da primeira vez que a Claudia Tajes veio falar comigo. O ano era 2000 e o mês era agosto. Eu já conhecia ela de nome e de vista, mas nunca tínhamos nos falado até aquele momento. O cenário era esse: Bar Ocidente lotado, música muito alta, luz difusa e um certo nível de álcool no sangue. Foi quando uma bela mulher de cabelos ondulantes aproximou-se de mim e falou que adorava os meus poemas. Acho que eu não contei isso pra Claudinha até hoje, mas levei uns bons minutos pra reconhecer que aquela era ela. Claudia me disse que ía lançar um livro também pela L&PM que, nessa época, já era a minha editora. Não lembro o que mais conversamos, mas tenho certeza de que ela me fez rir  (ela sempre me faz rir) e, quando chegou outubro, fui direto pra fila de lançamento do Dez (quase) amores na Feira do Livro de Porto Alegre. Eu e a minha barriga, pois nessa festa que nos falamos pela primeira vez eu já estava grávida e nem sabia. 

Na Feira, comprei o livro e ganhei um autógrafo adorável. Naquele mesmo dia, comecei a ler e não parei mais até terminar. E pensei “Nossa, essa Claudia Tajes é o máximo”. Dez (quase) amores traz dez histórias de amor que começam no colégio e vão seguindo uma ordem cronológica. Dez encontros que viraram desencontros. Dez desventuras em série que nos fazem rir pra não chorar. 

A partir daí, ficamos muito amigas e a Claudia lançou vários outros livros. Li todos eles. Mas continuei tendo Dez (quase) amores como o meu preferido. Talvez porque ele tenha sido o ponto de partida do meu primeiro encontro com a Claudia escritora. Talvez porque foi esse livro que nos aproximou. 

E agora, mais de uma década depois, eis que virei uma das atrizes da peça baseada em Dez (quase) amores. Meu papel é o de Gláucia, a melhor amiga da personagem principal. A adaptação para o teatro, dirigida por Bob Bahlis, estreou nos palcos em 2008 e Gláucia era interpretada por Claudia Meneghetti, atriz que faleceu no ano passado. Antes do Natal, Bob me ligou perguntando se eu aceitaria fazer a Gláucia em três apresentações especiais dentro da programação do Porto Verão Alegre. Aceitei, claro. Como não iria aceitar? 

*Paula Taitelbaum é escritora, coordenadora do Núcleo de Comunicação L&PM, atriz e amiga de Claudia Tajes. 

Eu e Carla Gasperin em foto de divulgação da peça

SERVIÇO 

O que: Dez (Quase) Amores – direção de Bob Bahlis
Quando: de 15 a 17/01, às 21h.
Onde: Sala Álvaro Moreyra
End.: Avenida Érico Veríssimo, 302 – Menino Deus
Quanto: R$ 25,00 Inteira
R$ 20,00 Clube ZH
R$ 12,50 Maiores de 60 anos
* Estudante (venda somente no teatro, duas horas antes do espetáculo):
Ter a qui: R$ 12,50
Sex a dom: R$ 20,00 

Maiores informações no site: http://www.portoveraoalegre.com.br/portal/php/detalhes.php?idp=1

Claudia Tajes chegou para ficar. Mais um livro seu lançado em pocket

sexta-feira, 27 julho 2012

Claudia Tajes escreve muuuuuuito bem. E, melhor ainda, tem humor, muito humor. O grande Montaigne, filósofo francês, dizia que você deve desconfiar daquelas pessoas que se levam muito a sério… Não é o caso da Claudia. Ela tem talento até para rir de si mesma. Embora, paradoxalmente, sua temática seja muito séria, afinal, são as misérias, as mesquinharias, as mesmices e as pequenas (e poucas) grandezas do cotidiano em que (todos nós) vivemos. Uma literatura tão verdadeira que não tem heróis. É o personagem que não é “personagem” – se é que me entendem. Aliás, assim é a vida. Um dia-a-dia banal onde escondemos nossas idiossincrasias até chegar a Claudia Tajes e expor o ridículo, o grotesco, o cômico e o tragicômico de que somos protagonistas ou coadjuvantes. Temática à parte, tudo é escrito com talento, hoje reconhecido nacionalmente. Claudia vende seus livros em todo o Brasil e está permanentemente no time de escritores que trabalham para a TV Globo. Em seu livro de estreia “Dez (quase) amores” ela contava 10 histórias de (quase) amor do ponto de vista feminino, com cabeça de mulher. Depois veio “As pernas de Úrsula”, uma história contada do ponto de vista masculino, com cabeça de homem… Depois foi uma sucessão de sucessos (!): “Dores, amores e assemelhados”, “A vida sexual da mulher feia”, “Louca por homem”, “Vida dura”, “Só as mulheres e as baratas sobreviverão” e “Por isso eu sou vingativa”. Com a recém lançada edição em livro de bolso de “Só as mulheres e as baratas sobreviverão”, quase todos estão disponíveis na coleção L&PM POCKET.
Claudia está aí. Chegou para ficar e assumiu seu espaço particularíssimo na literatura brasileira. E como convém à uma grande escritora, ela imprime nos seus livros a sua marca particular. Reconhecível à distância. E com talento, ironia, muito humor, ela vai garimpando o cotidiano da cidade grande para produzir alta literatura. (Ivan Pinheiro Machado)

Relançado em pocket, “A vida sexual da mulher feia”, de Claudia Tajes, é um grande sucesso

segunda-feira, 1 novembro 2010

A primeira vez que eu ouvi falar em Claudia Tajes foi quando aterrisou na minha mesa um pequeno volume em folhas de papel ofício devidamente encadernado. Eram os originais de seu primeiro livro. Eu tinha mais ou menos uma pilha de uns 80cm ao meu lado. Eram traduções, livros encomendados, originais de autores da casa já programados. Ou seja, livros que eu tinha que ler de qualquer maneira. Pressionado por telefonemas de amigos, resolvi dar uma “trecheada” no livro daquela jovem estreante. O título original era péssimo, nem me lembro mais. Mas quando comecei a ler o livro… só parei na última frase. Genial! Vamos publicar! Mudamos o título para Dez (quase) amores. Como livro de estreia, vendeu muito bem. Depois ela escreveu As pernas de Úrsula, Dores amores e assemelhados e mudou de editora quando lançou Vida Dura, A vida sexual da mulher feia e relançou As pernas de Úrsula. Mas como diz o velho, surrado, milenar e bom ditado, “o bom filho a casa retorna”. Claudia voltou para a L&PM com Só as mulheres e as baratas sobreviverão em formato convencional ao mesmo tempo que, literalmente, “estourou” na coleção L&PM POCKET. Dez (quase) amores (que, diga-se de passagem, nunca saiu da L&PM), foi relançado em livro de bolso e começamos a republicar os outros. No ano passado, foi a vez de Vida dura e agora acaba de chegar às livrarias e demais pontos de vendas, A vida sexual da mulher feia em formato pocket. Breve, chegarão também As pernas de Úrsula e Louca por homem. Todos na Coleção L&PM POCKET. Mas o que eu queria dizer mesmo é que A vida sexual da mulher feia foi recém lançado e já está arrebentando. É um dos livros mais vendidos na “Feira do Livro de Porto Alegre” e nas grandes redes de livrarias em todo o Brasil. Claudia está em intensa atividade. É autora de roteiros para a rede Globo (escreveu dois episódios da série “As Cariocas”) e está no teatro com uma adaptação do seu livro Dez (quase) amores. Resumindo: fique de olho na Claudia Tajes, você está diante de uma grande escritora brasileira.

Ivan Pinheiro Machado

Assista a entrevista de Claudia Tajes na L&PM Web TV e divirta-se com seu Consultório Sentimental.

10 dicas para você não ter apenas “quase” amores

sexta-feira, 4 junho 2010

1 – Aumentar a lista de nomes que você jamais namoraria. Se ele se chamar Vanderlei ou Dejair, nem pensar. Mas e Bejair? Melhor incluir na lista outros nomes difíceis. Também é bom considerar o risco de um convite para o cinema. Escolher o filme é uma decisão sábia para não acabar em uma sessão de filmes “adultos”.

2 – Se você acaba de entrar na faculdade, o risco de encontrar um militante/estudante profissional é grande. Ele terá boa lábia, é um político, afinal de contas. Melhor só investir se você tiver vocação política.

3 – Desistiu do revolucionário? Encontrou o amor da sua vida em um pintor? Ele pode ser bacana, te amar e tudo mais. Então, melhor manter distância dos amigos dele. Infidelidade, mesmo que você tente se convencer que tem origem genética, não é legal.

4 – Para evitar a culpa da infidelidade, melhor não assumir o papel de “a outra”, especialmente se o cara fizer parte de uma família típica de comercial de margarina. Ainda que o caso extra-conjugal dele possa funcionar por algum tempo para você. Mas só por algum tempo.

5 – Pessoas bem-sucedidas são legais. Mas se a sogra perguntar o nome de sua família, é hora de bater em retirada.

6 e 7 – Muita atenção quando se deparar com um garçom ou um Papai Noel.

8 – Colegas de trabalho podem ser uma encrenca – ou não.

9 – O que pode ser mais desestimulante do que um cara lindo e charmoso te examinando e não te abraçando? Deixe os médicos de fora da sua lista

10 – Um astro do circo pode ser bem legal. Mas ele sempre vai embora.

As dicas são extraídas da vida de Maria Ana, personagem de Dez (quase) amores, de Claudia Tajes, e servem para ajudar você fugir de prováveis relacionamentos que nunca darão certo. Agora, se você encontrar um homem ‘perfeito’ que não esteja nessa lista, por favor, nos avise. Entraremos na fila também.

O poema roubado

quarta-feira, 5 maio 2010

No dia em que se completam 16 anos da morte de Mario Quintana, resolvemos fazer uma homenagem bem descontraída  em nosso blog. Para isso, separamos um trecho do programa Palavra de escritor, com Claudia Tajes. A autora de Dez quase amoresSó as mulheres e as baratas sobreviverão,  entre outros, conta, de um jeito super divertido, que quando era criança, Mario escreveu um poema só para ela. Claudia recita os versos exclusivos e fala que, ao levar o presente do poeta para a escola, a professora o pegou e nunca mais devolveu. “Dona Didia, se vocês estiver  ouvindo, devolva o meu poema” diz a escritora.

Problemas no amor? Claudia Tajes responde

segunda-feira, 22 março 2010

Começaram as gravações do Consultório Sentimental da Claudia Tajes, um dos programas da nossa L&PM Web TV que breve, brevíssimo, entrará no ar. No programa semanal, Claudinha responderá – daquele jeito divertido e espontâneo dela -, as dúvidas amorosas dos nossos internautas. Quando estrear (não se preocupe, avisaremos assim que acontecer), você, caro leitor, poderá enviar suas perguntas para que as mesmas sejam respondidas neste consultório. Garantimos que, se a Claudia não solucionar o seu problema, pelo menos você dará boas risadas.