Era uma vez…uma editora

69. O homem que amava o Brasil

terça-feira, 28 fevereiro 2012

Por Ivan Pinheiro Machado*

Tomei conhecimento de Stefan Zweig lendo a biografia que ele escreveu sobre Balzac. Além de ensaísta, romancista, contista, Zweig era um conceituado biógrafo. Famosas são suas biografias de Maria Antonieta, Romain Roland, Montaigne, entre muitas outras. Na biografia de Balzac, há o subtítulo “romance de uma vida”. É um texto de arrebatada admiração. Tão emotivo, tão literário e tão devotado à memória de Balzac que serve como um conduto para o enorme manancial que são os livros do grande romancista. Posso dizer até que ele tem um pouco de responsabilidade pelo mergulho que dei na obra do autor de “A comédia humana”.

Stefan Zweig era assim. Um homem apaixonado, emotivo e de extrema sensibilidade. Deprimido pela guerra, pelo avanço do nazismo e da intolerância contra os judeus, principalmente na Áustria, sua terra natal, suicidou-se juntamente com sua mulher há exatos 70 anos, em fevereiro de 1942, em sua casa em Petrópolis na serra carioca. Encantado com o que encontrou por aqui, ele escreveu “Brasil, o país do futuro”. De enorme repercussão na época em que foi lançado, graças à este livro o Brasil ganhou internacionamente, nas décadas de 50 e 60, o “slogan” de “país do futuro”. No começo deste século, em 2004, com Caroline Chang, a Cacá, minha colega e editora da L&PM (recentemente mãe de Dora), tive alguns encontros na Feira do Livro de Frankfurt com Mme. Lindi Preuss, agente literária que representava os interesses do espólio de Stefan Zweig. Lembro que em cada reunião ela oferecia a mim e a Cacá um doce típico alemão. Um gesto emblemático que transformava nossos encontros em conversas leves e agradáveis. A partir de um acordo com a agente de Zweig, publicamos “24 horas na vida de uma mulher”, “Medo” e “Brasil, um país do futuro”, livro fundamental que, há décadas, estava fora das livrarias do país.

"Brasil, um país do futuro" na Coleção L&PM Pocket e com prefácio de Alberto Dines

Esta publicação foi saudada pelos admiradores e entidades que cultuam a memória do grande escritor, especialmente por um dos seu biógrafos, o brilhante jornalista Alberto Dines, que promoveu um verdadeiro “happening” de relançamento de “Brasil, um país do futuro” no Rio de Janeiro.

A Casa Stefan Zweig de Petrópolis e o consulado da Áustria ofereceram um coquetel com uma exposição de fotos sobre a estada de Zweig no Brasil. Para quem não sabe, o consulado da Áustria era uma das últimas casas que resistiam na Avenida Atlântida em Copacabana. De lá, se tinha uma visão paradisíaca do Rio de Janeiro em frente ao mar. Nesta noite, estávamos eu e meu filho Antonio representando a L&PM e vários foram os discursos, com destaque para a bela fala de Alberto Dines, autor do excelente “Morte no Paraíso” (1981), a biografia de Stefan Zweig, e responsável pelo prefácio do nosso “Brasil, um país do futuro”. Estávamos num terraço no sobrado do consulado. A noite estava perfeita e a lua cheia fazia com que o mar, os morros, os prédios enormes, a areia, tudo, tivesse um toque de maravilhamento.

O antigo consulado da Áustria em Copacabana, vendido em 2009

Eu olhava a paisagem inteira e ficava imaginando o Rio que Stefan Zweig conheceu, tantas décadas antes. Se agora, assediada pela transformação dos tempos, pelos prédios gigantescos, pelas favelas, pelos  milhares de carros, por tudo que o “futuro” traz, esta cidade ainda é maravilhosa, imagine naquele tempo. A beleza da paisagem sugeria um amanhã espetacular, cordial, longe da selvageria que o nazismo havia trazido para a Europa naquele início de guerra.

“Brasil, um país do futuro” é lindo e às vezes ingênuo. Confrontado com a realidade, no entanto, ele é profético. A velha Europa que encheu seus cofres e museus com as riquezas do mundo subdesenvolvido parece que está perdendo o fôlego. Com exceção – paradoxalmente, no caso de Zweig – da Alemanha, há dúvidas e suspeitas quanto ao futuro. Por outro lado, o Brasil, que há duas décadas tinha uma inflação de 1% ao dia, figura hoje como um país em pleno desenvolvimento, como se o futuro que Zweig previu tivesse finalmente chegado.

*Toda terça-feira, o editor Ivan Pinheiro Machado resgata histórias que aconteceram em mais de três décadas de L&PM. Este é o sexagésimo nono post da Série “Era uma vez… uma editora“.

68. Um comovente relato de amor

terça-feira, 21 fevereiro 2012

 

No outono de 1993, a L&PM Editores lançou um livro que trazia as cartas de amor trocadas entre duas escritoras. A correspondência que Violet Trefusis enviou para Vita Sackville-West entre os anos de 1910 e 1921. Editado pro Mitchell A. Leaska e John Phillips, o livro “De Violet para Vita” foi publicado com 304 páginas e um caderno de fotos. A introdução escrita por Leaska conta um pouco da vida de ambas e de como esta paixão acabou vindo à público, somente após a morte do marido de Vita, Harold Nicolson e de Violet em 1971. 

“Como se podia esperar, o marido de Violet, Denys Trefusis, queimou todas as cartas de Vita para Violet quando seu casamento atingiu seu grau mais destrutivo e, obliterado o lado de Vita da correspondência, restou apenas a confissão em si para iluminar seu papel no caso, tornando-a, em essência, a história de Vita. Agora, dezoito anos após a morte de Violet, as cartas aqui publicadas, a sua maioria pela primeira vez, documentam seu lado desta paixão infortunada. Essa é a única justificativa para este volume.” escreveu Leaska na introdução. 

O livro publicado pela L&PM em 1993, hoje esgotado

Vita Sackville-West mais tarde seria confidente e amante de Virginia Woolf, como mostra a biografia de Virginia, publicada na Coleção L&PM Pocket.

67. As diferentes leituras de Casanova

terça-feira, 14 fevereiro 2012

Hoje, Dia de São Valentim (o Dia dos Namorados gringo), nada melhor do que relembrar o aventureiro Casanova, famoso, entre outras, pela arte da sedução. “Era um criador de brincadeiras, jogos, ideias brilhantes e inconsistentes, e divagações sexuais. Falava longamento com suas amantes. Não tinha perversidades, nem sadomasoquismos. (…) Acho que ele sabia acariciar as mulheres com a mesma delicadeza com que as mulheres se acariciavam entre elas” escreveu Giovanni Mariotti na introdução de “Casanova”, livro da Coleção Quadrinhos L&PM que foi lançado em 1988. “Casanova” reunia grandes desenhistas numa publicação dedicada à Casanova. Dino Battaglia apresentava uma HQ cujo título era “Um velho bibliotecário”. Em seguida, vinha “O castrado”, de Miguel Paiva. Depois, “De maroto à rapazola”, de Altan. Mais adiante, “Um jovem brilhante e despreocupado”, de Oski. Por fim, para fechar com chave de ouro, “A freira” do mestre Guido Crepax. A capa apresentava um desenho de Miguel Paiva que também foi o responsável por todas as traduções.

Toda terça-feira, resgatamos histórias que aconteceram em quase quatro décadas de L&PM. Este é o sexagésimo sétimo post da Série “Era uma vez… uma editora“.

66. Maigret em quadrinhos

terça-feira, 7 fevereiro 2012

A L&PM publica quase toda a obra de Georges Simenon no Brasil, inclusive dezenas de novelas inéditas de um dos maiores mestres da literatura de suspense no mundo. Já são mais de 50 títulos Coleção L&PM Pocket e a Série Simenon não pára de crescer. Por outro lado, também é notória a tradição da L&PM na publicação de histórias em quadrinhos, tanto que o primeiro livro lançado pela editora em 1974 foi o Rango, com as tirinhas de Edgar Vasques. Sem mais delongas, o pedacinho de história da L&PM que vamos resgatar hoje é o álbum Maigret e seu morto, que conta em formato de quadrinhos as artimanhas do Comissário Maigret para solucionar mais um caso misterioso. A quarta capa do livro explica do que se trata:

Quai des Orfèvres, uma manhã de fevereiro. O Comissário Maigret escuta distraidamente uma visitante quando é interrompido por uma ligação telefônica. Um homem apavorado diz que está sendo perseguido, pede proteção e marca um encontro num bar. Mas quando o inspetor enviado por Maigret chega no lugar combinado o desconhecido já havia partido. O homem liga novamente e marca outro ponto de encontro, mas também desta vez ele parte antes da chegada do inspetor. De madrugada, Maigret é acordado por outro telefonema: um cadáver fora encontrado na Place de la Concorde. Deslocando-se imediatamente para o local, o Comissário reconhece o misterioso interlocutor através da descrição feita pelo próprio homem ao marcar o primeiro encontro. Começa a investigação de Maigret. Quem é o homem? Por que o eliminaram daquele jeito? Por que o depositaram, depois de morto, naquele belo cenário da Place de la Concorde?

Confira um trechinho:

Toda terça-feira, resgatamos histórias que aconteceram em quase quatro décadas de L&PM. Este é o sexagésimo sexto post da Série “Era uma vez… uma editora“.

65. Cabeza de Vaca na cabeça

terça-feira, 31 janeiro 2012

Hoje, 31 de janeiro, quem entra no Google encontra um belo doodle que indica a “Descoberta das Cataratas do Iguaçu por Álvares Núñez Cabeza de Vaca”. Viajante, aventureiro, explorador, Cabeza de Vaca foi o primeiro branco a contemplar as maravilhosas e impressionantes quedas d´água (o que ele terá sentido ao encontrá-las?) no Paraná. Em 1542, ele escreveu em seu diário: “Logo adiante, no ponto onde haviam embarcado, o rio dá uns saltos por uns penhascos enormes e a água golpeia a terra com tanta força que de muito longe se ouve o ruído.” As memórias de Cabeza de Vaca foram publicadas pela primeira vez no Brasil em 1985,  pela L&PM, no livro “Naufrágios e comentários“, trazidas ao público pelo então editor Eduardo Bueno que, nos anos 70, havia lido a respeito dele e de suas viagens pela América Latina. Conversamos com Bueno que nos contou um pouco mais sobre como Cabeza de Vaca aportou por aqui:

L&PM: Quando você ouviu falar pela primeira vez no Cabeza de Vaca?
Eduardo Bueno: Foi no início dos anos 70, quando eu comecei a me interessar e a estudar o litoral de Santa Catarina, numa época em que eu já tinha vontade de escrever sobre história do Brasil. Isso era mais ou menos 1974.

L&PM: E o livro de memórias dele, Naufrágios e Comentários? Quando você leu pela primeira vez?
EB: Eu procurei esse livro durante muitos anos. E é bom lembrar que antes não havia o Google para ajudar. Até que, em 1978, encontrei para vender em um sebo de Buenos Aires.

L&PM: E a edição brasileira? Como surgiu?
EB: Quando eu comecei a trabalhar como editor na L&PM, criei a coleção “Os conquistadores” e o nome dele sempre esteve entre as primeiras opções. Mas optamos por lançar antes os mais conhecidos como Cristóvão Colombo, Américo Vespúcio e Marco Pólo. Em 1985, lançamos a primeira edição de Naufrágios e Comentários.

L&PM: É verdade que você refez alguns dos caminhos de Cabeza de Vaca?
EB: Primeiro, eu me liguei na história dele no Brasil, na rota que fez a pé da Ilha de Santa Catarina até Assunção, no Paraguai. Mas depois fiquei ligado na viagem de Cabeza de Vaca pelos Estados Unidos e refiz alguns trechos. Eram caminhos que tinham a ver com On the Road, principalmente no Novo México. Isso foi em 1985, pouco depois do livro sair pela L&PM.

L&PM: E como foi a descoberta do prefácio de Henry Miller para o livro?
EB: Eu li que Henry Miller adorava o Cabeza de Vaca e descobri que havia uma edição com prefácio feito por ele. Consegui encontrar o livro em um sebo em Nova York e o texto de Miller foi então comprado e incorporado à edição da L&PM. Esse prefácio continua na edição em pocket, junto com a minha introdução e as notas que também foram feitas por mim.

L&PM: Ou seja, graças a você, faz tempo que Cabeza de Vaca anda pelas livrarias do Brasil…
EB: Há ¼ de século. 25 anos!

A capa de "Naufrágios e comentários" de 1985 que agora faz parte da Coleção L&PM Pocket

Toda terça-feira, resgatamos histórias que aconteceram em quase quatro décadas de L&PM. Este é o sexagésimo quinto post da Série “Era uma vez… uma editora“.

64. Um livro de cinema

terça-feira, 24 janeiro 2012

O blog da L&PM Editores concedeu férias ao editor Ivan Pinheiro Machado*. Sendo assim, o “Era uma vez… uma editora”, série de posts assinados por ele e publicados neste espaço todas as terças-feiras, será um pouco diferente até o final de janeiro. Neste período, mostraremos alguns livros que fazem parte da memória da editora.

Se você é um cinéfilo de carteirinha e acompanha as entregas do Oscar pelo canal TNT, com certeza conhece Rubens Ewald Filho, um dos mais conceituados críticos de cinema do Brasil. Pois no outono de 1988, Rubens lançou, pela L&PM Editores, o Dicionário de Cineastas, um livro capa dura com mais de 600 páginas que fez um grande sucesso e teve uma imensa fila de autógrafos na Bienal do Livro de São Paulo daquele ano. Nos primeiros parágrafos da apresentação do livro, o próprio autor explicou como seu dicionário, que já havia sido lançado por outra editora, acabou no catálogo da L&PM: “Em 1977, lançávamos a primeira edição do Dicionário de Cineastas com a pretensão de cobrir uma falha. Não era definitivo, nem concludente. Mas apenas uma primeira tentativa de se fazer um levantamento dos cineastas mais importantes do mundo. Onze anos depois essa obra ainda não tem similar no Brasil. Por desinteresse do editor original foi tirada apenas uma edição do dicionário, que se esgotou e virou raridade. Foi quando a L&PM, na figura de seu editor Ivan Pinheiro Machado, numa conversa informal no Festival de Gramado, se interessou por um projeto: reeditar o Dicionário.”

E assim nasceu um guia que, na época, foi considerado o mais fiel e completo dos grandes cineastas de todos os tempos, com datas, filmografia completa e elenco. É claro que, hoje, ao folhear suas páginas, sentimos falta de muitos diretores que estrearam depois de 1988 e de tantos filmes que vieram de lá pra cá. Mesmo assim, esta edição feita por Rubens Ewald Filho há 24 anos atrás continua, de alguma maneira, sendo uma preciosidade para os amantes da sétima arte.

Luz, câmera, ação: o "Dicionário de cineastas" posa para foto em uma das prateleiras da editora

*Toda terça-feira, o editor Ivan Pinheiro Machado resgata histórias que aconteceram em quase quatro décadas de L&PM. Este é o sexagésimo quarto post da Série “Era uma vez… uma editora“.

63. A edição comemorativa do Fantasma

terça-feira, 17 janeiro 2012

O blog da L&PM Editores concedeu férias ao editor Ivan Pinheiro Machado*. Sendo assim, o “Era uma vez… uma editora”, série de posts assinados por ele e publicados neste espaço todas as terças-feiras, será um pouco diferente até o final de janeiro. Neste período, mostraremos alguns livros que fazem parte da memória da editora. Como “Fantasma – Os piratas de Singh”, livro publicado em 1986.

Há exatos 76 anos, em 17 de janeiro de 1936, foi publicada a primeira tira do personagem The Phanton (O Fantasma), criado por Lee Falk com a ajuda do desenhista Ray Moore. Em 1986, a L&PM lançou uma edição que comemorava os 50 anos deste lançamento: “Fantasma – Os piratas de Singh / 1936”. O livro – o primeiro de uma série de Fantasmas publicados com o selo “Quadrinhos L&PM” – trazia uma introdução do também célebre ilustrador francês Jacques Lob. “De onde vem essa fascinação extraordinária? Da sedução da roupa, a malha vermelha e justa que evidencia sua musculatura possante? Por causa de seu esplêndido maiô listrado? De seu cinturão de couro negro, tão belo quanto um porta-ligas, com seus dois coldres que descem até metade das coxas? (…)” escreveu Lob.

Segundo a Enciclopédia dos Quadrinhos, Ray Moore foi o primeiro desenhista do personagem criado por Lee Falk e teve uma vida tão misteriosa quanto a do herói que ele ajudou a dar vida em 1936. E nem ele, nem Lee Falk imaginavam que O Fantasma se tornaria o sucesso que se tornou.

*Toda terça-feira, o editor Ivan Pinheiro Machado resgata histórias que aconteceram em quase quatro décadas de L&PM. Este é o sexagésimo terceiro post da Série “Era uma vez… uma editora“.

62. O menino que virou pato

terça-feira, 10 janeiro 2012

O blog da L&PM Editores concedeu férias ao editor Ivan Pinheiro Machado*. Sendo assim, o “Era uma vez… uma editora”, série de posts assinados por ele e publicados neste espaço todas as terças-feiras, será um pouco diferente até o final de janeiro. Neste período, mostraremos alguns livros que fazem parte da memória da editora. Como “Pé de Pilão” da antiga Coleção Quadrinhos L&PM Infantil, livro publicado no inverno de 1986 e onde Claudio Levitan ilustrou o poema que Mario Quintana escreveu para as crianças. Anos depois, Levitan, que além de arquiteto, escritor e desenhista, também é músico, levou a história do menino que virou pato para os palcos, em um colorido e animado musical. Abaixo, a introdução escrita por ele para o livro.

Pé de Pilão nasceu de uma canção. Só um poeta maluquinho como o Mario Quintana para descobrir naquela antiga cançãozinha de roda a trama do menino que virou pato:

“Pé de Pilão
carne seca com feijão
arreda camundongo
pra passar o batalhão”.

E a história começa pelo meio, pode isto? Pode existir uma fada mascarada e diabólica que não é bruxa? Ou uma avó que é fada e foi enfeitiçada perdendo o seu encanto, o de não envelhecer? Mas foi a andorinha que me deu a principal dica para desenhar o mundo do Pé de Pilão: ela enxergava o mapa da história. Lá do alto podia-se ver onde ficavam a casa da avó, a cidade, a praça, a floresta encantada, a capela, a prisão e o regato.

No momento em que desenhei esse mapa, os personagens puderam andar livres no espaço da imaginação. E foram surgindo um a um com seus jeitinhos carinhosos herdados do velho poeta das crianças. Foi com tanto prazer que me embrenhei nessa história, através dos desenhos, que fiquei triste quando terminou. Mas acabei gostando mais ainda do Mario Quintanta, que além de poeta – e ser poeta já um grande elogio – é o filósofo do nosso cotidiano.

Agradeço à Associação Intantil Pé de Pilão pela oportunidade ímpar dessa aventura: desenhar a sua pequena obra-prima.

Claudio Levitan

A capa de "Pé de Pilão"

*Toda terça-feira, o editor Ivan Pinheiro Machado resgata histórias que aconteceram em quase quatro décadas de L&PM. Este é o sexagésimo segundo post da Série “Era uma vez… uma editora“.

61. No tempo da Quinoterapia

terça-feira, 3 janeiro 2012

Entre os livros que fazem parte da memória da editora, está o “Quinoterapia”, que pertencia à antiga Coleção Quadrinhos L&PM e trazia charges e quadrinhos do argentino Quino, conhecido por ser o “pai” da Mafalda.

Em 1988, a L&PM lançou "Quinoterapia", com charges de Quino, mais conhecido por ser o criador da Mafalda

Em formato álbum, 21cm x 28cm, “Quinoterapia” foi lançado no Outono de 1988 e trazia 64 páginas com charges que, na maior parte delas, não precisavam de texto para serem entendidas (como a que ilustra a capa do livro). Em comum, todas as vinhetas tinham um humor cheio de inteligência e ironia sobre a relação entre médico e paciente.

É claro que os psicanalistas não foram poupados por Quino

*Toda terça-feira, o editor Ivan Pinheiro Machado resgata histórias que aconteceram em quase quatro décadas de L&PM. Este é o sexagésimo primeiro post da Série “Era uma vez… uma editora“.

60. Sou o marinheiro Popeye

terça-feira, 27 dezembro 2011

O blog da L&PM Editores concedeu férias ao editor Ivan Pinheiro Machado*. Sendo assim, o “Era uma vez… uma editora”, série de posts assinados por ele – e publicados neste espaço todas as terças-feiras -, será um pouco diferente até o final de janeiro. Neste período, mostraremos alguns livros que fazem parte da memória da editora. Como “Popeye”, que pertencia à antiga Coleção Quadrinhos L&PM e cuja edição era comemorativa aos 60 anos do marinheiro viciado em espinafre.

Publicado na primavera de 1989, “Popeye” tinha formato 27,5cm x 21cm e trazia duas histórias: “O Rei da Nazília” e “Popeye, Rei da Popilândia”. Com tiras desenhadas por Segar entre janeiro e março de 1933, o livro tinha prefácio de Goida, um dos autores da Enciclopédia dos Quadrinhos, relançada este ano pela L&PM.

*Toda terça-feira, o editor Ivan Pinheiro Machado resgata histórias que aconteceram em mais de três décadas de L&PM. Este é o sexagésimo post da Série “Era uma vez… uma editora“.