Rubens Ewald Filho e o Dicionário de Cineastas

Essa semana uma notícia deixou todos os fãs de cinema mais tristes. Na quarta-feira, 19 de junho, Rubens Ewald Filho, um dos mais conceituados críticos de cinema do Brasil, nos deixou.

Nem todo mundo sabe, mas a L&PM Editores já teve um livro de Rubens Ewald Filho em seu catálogo. Lançado no outono de 1988, o Dicionário de Cineastas, era um livro capa dura com mais de 600 páginas que fez um grande sucesso e teve uma imensa fila de autógrafos na Bienal do Livro de São Paulo daquele ano. Nos primeiros parágrafos da apresentação do livro, o próprio autor explicou como seu dicionário, que já havia sido lançado por outra editora, acabou no catálogo da L&PM: “Em 1977, lançávamos a primeira edição do Dicionário de Cineastas com a pretensão de cobrir uma falha. Não era definitivo, nem concludente. Mas apenas uma primeira tentativa de se fazer um levantamento dos cineastas mais importantes do mundo. Onze anos depois essa obra ainda não tem similar no Brasil. Por desinteresse do editor original foi tirada apenas uma edição do dicionário, que se esgotou e virou raridade. Foi quando a L&PM, na figura de seu editor Ivan Pinheiro Machado, numa conversa informal no Festival de Gramado, se interessou por um projeto: reeditar o Dicionário.”

E assim nasceu um guia que, na época, foi considerado o mais fiel e completo dos grandes cineastas de todos os tempos, com datas, filmografia completa e elenco. É claro que, hoje, ao folhear suas páginas, sentimos falta de muitos diretores que estrearam depois de 1988 e de tantos filmes que vieram de lá pra cá. Mesmo assim, esta edição feita por Rubens Ewald Filho há mais de 30 anos continua, de alguma maneira, sendo uma preciosidade para os amantes da sétima arte.

Luz, câmera, ação: o “Dicionário de cineastas” posa para foto em uma das prateleiras da editora

 

Tags: , , , ,

  1. TIAGO disse:

    Já que deram água na boca, não pensam em relançá-lo? Abraços.

    • Paula Taitelbaum disse:

      Oi Tiago! O livro teria que ser totalmente refeito, já que está desatualizado. Infelizmente, não há planos de que isso aconteça por aqui. Abraço!

  2. Carlos Quintão disse:

    Também faço votos para que o livro seja reeditado. Uma obra importantíssima na literatura cinéfila nacional.

Envie seu comentário

* Campos obrigatórios