Sem categoria

A babá de Robert Louis Stevenson

segunda-feira, 13 novembro 2017

Era uma vez, em Edimburgo, um menino frágil e sonhador, que nasceu em 13 de novembro de 1850. Como ele passava boa parte do tempo na cama, pois era doente, a babá lhe contava muitas histórias de terror para passar o tempo. Coisa que o garoto adorava (apesar de muitas vezes ter tido pesadelos). A babá chamava-se Alison Cunningham e foi carinhosamente apelidada pelo garoto de Cummy. Então o menino, que se chamava Robert, cresceu, virou escritor e aquelas histórias todas que Cummy contava a ele ajudaram a fazer com que se tornasse um dos maiores autores da literatura de todos os tempos. Robert Louis Stevenson é tão grato a sua babá que chegou a citá-la como sendo uma de suas influências.

O jovem e sonhador Robert, com 7 anos de idade

A L&PM publica A ilha do tesouro na Coleção L&PM Pocket e a versão em HQ da história na série Clássicos da Literatura em Quadrinhos e também O médico e o monstro .

R L Stevenson

L&PM na Feira do Livro de Porto Alegre

sexta-feira, 3 novembro 2017

A Feira do Livro de Porto Alegre já começou. Serão vários autógrafos, além de um evento super especial dentro das comemorações dos 80 anos de nascimento de Moacyr Scliar. Dá só uma olhada:

CARD FEIRA 2017

O trailer de “A Casa Torta”, filme baseado no livro de Agatha Christie

segunda-feira, 30 outubro 2017

Baseado no romance de Agatha Christie, A Casa Torta, produzido pela Sony Pictures, apresenta uma nova adaptação cinematográfica dirigida por Gilles Paquet-Brenner e escrita por Julian Fellowes e Tim Rose Price. Não conseguimos descobrir quando vai estrear no Brasil, mas provavelmente será em 2018. O elenco é poderoso e inclui Gillian Anderson, Terence Stamp, Glenn Close e Max Irons.

CASA TORTA POSTER ok

 

A Casa Torta foi considerado pela própria Agatha Christie como um de seus melhores livros. Nos arredores de Londres há uma mansão com uma inusitada característica: ela é torta. É ali que o milionário octogenário Aristide Leonides mora com a esposa, cinquenta anos mais jovem, além de filhos, noras, netos e uma cunhada, irmã da primeira mulher. Quando a polícia descobre que o patriarca foi envenenado, todos os moradores da casa se tornam suspeitos, e a discórdia passa a imperar entre os membros da família – sobretudo, olhares desconfiados recaem sobre a jovem viúva. A neta mais velha de Aristide, Sophia, junta-se ao namorado para investigar o que há por trás da misteriosa morte do avô.

Assista ao trailer:

A L&PM publica A Casa Torta em formato convencional, pocket e e-book.

Morte de Pablo Neruda segue sendo um mistério

segunda-feira, 23 outubro 2017

A morte do poeta chileno Pablo Neruda (1904-1973) voltou a ganhar destaque pelo mundo afora. Isso porque a suspeita de que ele não tenha morrido de câncer ganhou um novo capítulo. Em 2011, uma denúncia levantou a hipótese de que Neruda teria sido envenenado no hospital pelos homens de Pinochet, mas a exumação concluiu que não havia indícios de envenenamento.

Agora, um grupo internacional de peritos divulgou, na sexta-feira, 20 de outubro, que de câncer de próstata Neruda também não morreu — apesar dele ter sofrido da doença. A questão é que eles ainda não sabem especificar qual foi a causa da morte do ganhador do Prêmio Nobel de Literatura de 1971

A equipe de especialistas informou em entrevista coletiva que o poeta, opositor ao golpe militar liderado pelo general Augusto Pinochet de 11 de setembro de 1973, não morreu por causa de uma caquexia cancerosa provocada pelo câncer que sofria, como aparece em seu atestado de óbito.

O juiz Mario Carroza, que lidera as investigações, afirmou que as conclusões da equipe apontam para um assunto que fundamentalmente “tem relação com uma outra toxina, que por sua vez requer outros estudos que nos permitirão ter uma conclusão definitiva”.

O médico forense espanhol Aurelio Luna disse aos jornalistas que o que é “categoricamente certo” é que o atestado de óbito “não reflete a realidade do falecimento”.

De acordo com Luna, se tudo correr bem, dentro de um ano será possível obter uma resposta concreta e clara aos estudos de genômica bacteriana.

Neruda morreu em uma clínica de Santiago em 23 de setembro de 1973, poucos dias após o golpe de Estado que derrubou o governo de Salvador Allende.

Neruda dedo

Um passeio por Rimbaud

sexta-feira, 20 outubro 2017

Era 20 de outubro de 1854 quando Vitalie Rimbaud, uma católica fervorosa, pariu seu segundo filho, o qual batizaria de Jean-Nicolas Arthur Rimbaud. O menino, que ficaria conhecido simplesmente como Arthur Rimbaud, nasceu de forma pouco poética, na cidade de Charleville, nas Ardenas francesas, mais precisamente na Rue Napoleón, número 12.

Atualmente, na cidade natal do autor de Uma temporada no inferno, há um lindo museu que leva seu nome. O Museu Rimbaud está localizado no antigo moinho de Charleville, uma bela e elegante construção erguida em 1626 e renovada em 1896 pelo arquiteto Petitfils que redistribuiu seus espaços interiores. Atualmente, o local apresenta a vida e o trabalho de Arthur Rimbaud através de manuscritos, objetos pessoais, fotos e documentos. Além disso, o museu também expõe o trabalho de muitos artistas que homenageiam os escritos do poeta como Fernand Léger, Jean Cocteau ou Sonia Delaunay.

RIMBAUD MUSEU CHARLEVILLE OUTRO

RIMBAUD MUSEU CHARLEVILLE COLUNA

RIMBAUD MUSEU CHARLEVILLE FOTO

Walden, o jogo

terça-feira, 26 setembro 2017

Em julho de 1845, desgostoso com o crescente comercialismo e industrialismo da sociedade americana, Henry David Thoreau deixou Concord, Massachusetts, sua cidade natal, para instalar-se à beira do Lago Walden. Essa experiência deu origem ao seu livro mais famoso. Publicado primeiramente em 1854 com o título Walden ou A vida nos bosques, é o relato de dois anos, dois meses e dois dias em que o autor viveu apartado da sociedade dos homens, suprindo as próprias necessidades, estudando, contemplando a natureza e conhecendo-se a si mesmo.

Pois eis que agora a obra mais famosa de Thoreau virou um game. Calma, nada a ver com aqueles jogos eletrônicos em que você tem que correr, pular, caçar e essas coisas enervantes que alguns. Como escreveu o colunista da Folha de S. Paulo, João Pereira Coutinho, em uma matéria publicada no Caderno Ilustrada da Folha, “Um jogo é competitivo, Walden é contemplativo. Thoreau iria gostar.”

Coutinho contou que baixou o jogo com o pé atrás, mas foi surpreendido:

“Quando soube da bizarria, ri alto: como transformar as meditações solitárias de Thoreau em videogame? (…) A desconfiança foi recuando quando soube que o jogo era patrocinado pela National Endowment for the Humanities, instituição que tudo tem feito para ressuscitar, com a dignidade inerente, a obra completa do autor. Comprei o jogo e iniciei a experiência” porque somos convidados a ser Thoreau, a ver o mundo pelos seus olhos, a tocar nos objetos com as suas mãos. (…) Então aceitei ser Thoreau. Caminhei pelo bosque. Fui recolhendo objetos, contemplando as árvores e reconhecendo a cabana incompleta que esperava por mim.”

WALDEN, A GAME custa U$ 18,45 (R$ 58). O download pode ser feito em www.waldengame.com e ele roda em PC e Macintosh.

Para sentir este clima, que tal dar uma olhada no trailer:

A L&PM publica Walden com apresentação de Eduardo Bueno e tradução de Denise Bottmann.

O dia em que a guitarra de Hendrix silenciou

segunda-feira, 18 setembro 2017

Na manhã de 18 de setembro de 1970, às onze e meia, Jimi Hendrix, 27 anos, foi declarado morto. Uma análise sanguínea identificou Vesparax, Seconal, anfetaminas e álcool. Houve controvérsias se teria sido ou não suicídio. Mas a maioria dos amigos defendeu que sua morte não foi intencional, mas sim um acidente. Em Jimi Hendrix, publicado na Coleção L&PM Pocket, conseguimos mergulhar na vida e na psiquê daquele que é considerado o maior guitarrista de todos os tempos, através do texto sensível e melódico do biógrafo francês Franck Médioni com tradução de Julia da Rosa Simões.

A imagem de Jimi Hendrix é a de um príncipe negro com chapéu de pirata, anéis nos dedos, penduricalhos no pescoço, falando com as estrelas. Restou sua música, de uma energia incrível. Uma música veemente com potencial de vida. Altamente energética e não menos supersônica, ela é parte de um mundo em que a arte ainda expressa o humano, traduz um ideal, e ainda não é um produto cinicamente classificado por seu valor comercial.

jimi chapeu

Jimi conhecia os poderes da música, que é de fato a rainha das musas, reunindo todas elas num mesmo movimento centrífugo. No impulso da partida, dos primórdios, desde a primeira inflexão, do primeiro riff, tocado na guitarra, ela é o presente eterno, a errância infinita. Às vezes, em sua batalha de cada instante, em sua corrida desenfreada, em sua violência impetuosa, ela não se diferencia do arrebatamento de uma dança.  

O vestido mais famoso do cinema

quinta-feira, 14 setembro 2017

Digamos que você tivesse uma máquina do tempo. Imagine que, ao entrar nela, fosse possível girar um botão e ir parar em Nova York há exatos 63 anos atrás. Neste caso, você provavelmente seria uma das pessoas que se acotovelaram para ver uma das cenas mais célebres do cinema: a louríssima, glamourosa e vaporosa Marylin Monroe mostrando as pernas enquanto seu vestido branco flutuava junto com os pensamentos daqueles que acompanhavam a gravação de O pecado mora ao lado.

“Na própria noite de chegada, 14 ou 15 de setembro de 1954, a produção planejou filmar no coração de Nova York uma curta cena em que a loura criatura se entrega inocentemente, no espaço de um instante, à volúpia de deixar o vestido se levantar em cima de um bueiro de metrô.” descreve o livro Marilyn Monroe, de Anne Plantagenet, Série Biografias L&PM.

O vestido em questão foi desenhado pelo estilista William Travilla que já havia criado modelos para o filme Os homens preferem as loiras. Travilla, que conhecia como ninguém as preferências da Fox, o estúdio responsável por O pecado mora ao lado, criou um vestido cujo tecido teria que ser tão leve a ponto de ter sua saia levantada pela corrente de ar do metrô. “Queria que ela parecesse fresca e limpa. Então me perguntei o que podia fazer com essa mulher tão linda para que aparecesse com uma imagem clara, pálida e adorável? Que tipo de vestido poderia ser levantado por uma brisa e que ao mesmo tempo fosse divertido e bonito?” disse Travilla na época. Foi durante um final de semana que Travilla desenhou os dez vestidos que Marilyn Monroe usaria no filme, entre ele um branco, simples, de verão, plissado e com as costas de fora que produziria um efeito mágico.

Marilyn Monroe "Seven Year Itch", 1955

A etiqueta do vestido de Marilyn com a assinatura de seu criador

Após a estreia da película, o vestido branco ficou com o estúdio que o vendeu para Debbie Reynolds. O mundo, no entanto, não se conformou e prostestou que queria vê-lo de perto. Assim, no final dos anos 50, Travilla conseguiu que Reynolds lhe emprestasse a peça para que ele pudesse fazer uma cópia exata, com os mesmos materiais e medidas. Foi a primeira e única vez que o estilista fez duas vezes a mesma peça.  A partir de então, a roupa mais célebre de Marilyn (ou pelo menos um clone dela) passou a participar de exposições pelo mundo.

Já o vestido original usando pela loira foi a leilão em junho de 2011 e acabou sendo arrematado pela “bagatela” de 4,6 milhões de dólares.

Millôr está na moda

sexta-feira, 8 setembro 2017

A marca carioca de roupas e calçados Reserva lançou uma nova coleção de camisetas com frases de Millôr Fernandes. Os temas escolhidos têm tudo a ver com o momento atual do Brasil. São aforismos centrados na política nacional que parecem ter sido escritos hoje. No entanto, foram criados por Millôr há cerca de 30 anos e se encontram no livro Millôr definitivo – A bíblia do caos que a L&PM publica em diferentes formatos.

Conheça algumas das frases das camisetas. E se quiser ver todas, clique aqui.

CAMISETA 2 MILLOR

CAMISETA FRANK MILLOR

CAMISETA TERRA A VISTA MILLOR

CAMISETA PRIVATIZACAO BRANCA MILLOR

CAMISETA VELHINHA MILOR

É a segunda vez que a Reserva lança uma linha temática de Millôr e, além de serem comercializadas no site da marca, as novas camisetas também estão à vendas nas lojas do Shopping Leblon e Rio Sul.

Camiseta exposta em loja do Shopping Leblon

Camiseta exposta em loja do Shopping Leblon

A Reserva sempre teve inúmeros motivos para admirar Millôr Fernandes. Um artista brasileiro com orgulho, como a gente. Com uma opinião forte, como a gente. E às vezes polêmico, como a gente. Com tantas semelhanças, resolvemos transformar nossa admiração em trabalho: assim nasceu a parceria Reserva + Millôr. Com um inconfundível tom de crítica, os desenhos e frases permanecem surpreendentemente atuais, graças ao talento atemporal do mestre Millôr. (Mensagem da Reserva em seu site)

Primeiro final de semana de grande movimento na Bienal do Rio

segunda-feira, 4 setembro 2017

O primeiro final de semana da Bienal Internacional do Livro do Rio foi bastante movimentado. Os corredores dos pavilhões ficaram lotados de gente que foi a procura de seus livros preferidos. Chamou atenção a quantidade de jovens circulando. No estande da L&PM, os livros mais procurados pela ala jovem foram os de Agatha Christie.

Bienal_findi

A Bienal segue até 10 de setembro e o estande da L&PM está no pavilhão azul. ;-)

Convite_Bienal2017