Posts Tagged ‘autobiografia’

Quando uma atriz famosa caiu na teia de Agatha Christie

segunda-feira, 25 julho 2011

“A terceira peça que tive representada em Londres (todas ao mesmo tempo) foi ‘A Teia da Aranha’, escrita especialmente para Margaret Lockwood. Peter Saunders pedira-me para me encontrar com ela e para conversarmos sobre esse assunto. Margaret Lockwood disse-me que gostava da ideia de eu escrever uma peça para ela e perguntei-lhe, exatamente, de que gênero de peça gostaria. Disse-me imediatamente que não gostaria de continuar desempenhando papéis sinistros e melodramáticos, e que fizera filmes demais, ultimamente, em que fora a mulher má. Queria representar comédias. Acho que estava com a razão, porque tinha enorme talento para comédia, tanto quanto para papéis dramáticos. É ótima atriz e possui um ritmo perfeito, que a torna capaz de dar ao texto seu verdadeiro peso. Também gostei muito de escrever a parte de Clarissa em ‘A Teia da Aranha’. A princípio, houve certas hesitações quanto ao título; hesitamos entre ‘Clarissa Encontra um Cadáver’ e ‘A Teia da Aranha’; mas, por fim, o último título levou a melhor. Ficou em cena dois anos e eu me senti muito feliz com ela. Quando Margaret Lockwood conduzia o inspetor de polícia pelo caminho do jardim, era encantadora.” (Agatha Christie em trecho de sua Autobiografia

Agatha Christie e Margaret Lockwood

Encenada pela primeira vez em 1954 com Margaret Lockwood no papel de Clarissa, A Teia da Aranha  é uma peça de comédia e mistério escrita por Agatha Christie de grande sucesso nos palcos londrinos. Após a morte da autora, o texto foi adaptado pelo também escritor Charles Osborne e virou um romance. Osborne manteve tudo igual ao original – trama, personagens e diálogos - mas acrescentou algumas pequenas descrições para facilitar a leitura (ex.: “Explicou o inspetor”, “Miss Peak exclamou”, “Continuou ele, voltando-se para Clarissa”). 

Antes de chegar à Coleção L&PM POCKET, A Teia da Aranha era inédito no Brasil. Com um enredo bem-humorado, repleto de truques e reviravoltas, esta criação de Agatha Christie começa quando o corpo do desagradável Oliver Costello aparece misteriosamente na casa de campo do distinto casal Henry e Clarissa Hailsham-Brown. Acreditando tratar-se de um acidente, Clarissa decide esconder o cadáver. E é justamente isto o que ela está fazendo quando chega à casa o inspetor Lord, que acaba de receber um telefonema com a denúncia de um homicídio. O que vem depois, além de muitas surpresas, é uma boa dose de diversão.

Quer saber mais sobre a Rainha do Crime e seus livros? Visite o Hotsite Agatha Christie.

Autobiografia de Mark Twain finalmente será publicada

terça-feira, 25 maio 2010

Antes de morrer em 1910, Mark Twain pediu que a autobiografia escrita nos últimos dez anos de sua vida só fosse publicada 100 anos após a sua morte. Se você tem conhecimentos básicos de matemática, já entendeu: esse ano será lançada a autobiografia do autor de O príncipe e o mendigo. Ou pelo menos parte dela. São aproximadamente cinco mil páginas que devem ser divididas em três volumes pela Universidade de Berkeley, na Califórnia, onde os originais estavam guardados. No livro, Twain fala sobre o relacionamento escandaloso que teve com Isabel Van Kleek Lyon, sua secretária que, dizem as más (ou boas) línguas, chegou até a lhe dar brinquedinhos sexuais. Ele revela também que tinha reservas quanto à ação americana em Cuba, Porto Rico e nas Filipinas. As críticas de cunho político são, aliás, um dos motivos apontados para o “atraso” na publicação da obra. O lançamento do primeiro volume está previsto para novembro.