Posts Tagged ‘Antonio e Cleópatra’

O dia em que morreu Cleópatra

sexta-feira, 12 agosto 2016

Segundo a Wikipedia, a rainha Cleópatra morreu em 12 de agosto de 30 a.C..

No livro Cleópatra, de Christian-Georges Schwentzel, Série Encyclopaedia L&PM, o autor aborda as várias versões sobre o polêmico suicídio da ambiciosa e sedutora soberana (mas não se detém ao dia propriamente dito). Se foi na data de hoje, ou não, que Cleópatra morreu, na verdade não importa. Certo mesmo é que ela era e continua sendo uma das figuras mais célebres da Antiguidade.

CleopatraComo morreu Cleópatra? O meio empregado pela rainha para suicidar-se permanece, como sempre, coberto de mistério. A versão oficial adotada pelos romanos, segundo a qual a rainha teria sido picada por uma serpente, é discutível, mas não deve ser descartada definitivamente. (…) “Trouxeram a Cleópatra, dizem, uma serpente escondida sob figos cobertos de folhas: ela assim havia ordenado para que, ao pegar as frutas, a serpente a picasse sem ela perceber. Mas, ao abrir o cesto de frutas, ela teria visto o réptil. ‘Aí está!’ exclamou, e apersentou o braço nu à serpente. Outros afirmam que ela guardava essa serpente num vaso e que o animal, irritado ao ser provocado com um fuso de ouro, lançou-se contra ela e a picou no braço. Mas nada se sabe ao certo, em realidade, sobre o tipo de morte. Correu o boato de que ela sempre tivera veneno escondido numa agulha oca que trazia nos cabelos. Mas não se viu em seu corpo nem mancha, nem traços de veneno.

A rainha do Egito também foi eternizada por ninguém menos do que Shakespeare que escreveu a peça Antônio e Cleópatra. A morte dela, claro, também está na peça.

antonio e cleopatraVem cá, tu, criatura letal, com teus dentes afiados desata de uma vez este nó intrincado da vida. Bobinha! Minha pobre criatura venenosa, encoleriza-te e trata de me despachar. Ah, se pudesses falar, eu gostaria de te ouvir chamando o grande César de cretino, um marmanjo que foi feito de bobo.(…) Doce como um bálsamo, suave como uma brisa, acariciante… Ah, Antônio!… Sim, sim, eu te quero também. Por que ficar mais tempo… [morre]

Shakespeare na boca do povo

quarta-feira, 6 fevereiro 2013

Shakespeare é pop. Muito pop. Não só porque suas histórias são conhecidas no mundo inteiro – e porque Romeu e Julieta virou nome de queijo com goiabada -, mas também pelo fato de que muitas das expressões que estão na boca do povo foram inventadas por ele. “Isso parece grego pra mim”, “Mais pra lá do que pra cá”, “Sem pregar o olho”, “Dias melhores virão”, “O próprio diabo encarnado” são expressões shakespearianas ditas por seus personagens. Sem contar aquelas que são o próprio nome de livros como “Medida por medida” e “Bem está o que bem acaba”. Não bastasse isso, ele criou 1.700 novas palavras que hoje fazem parte do vocabulário mundial. Alguns exemplos são Advertising (Publicidade), Bandit (Bandido), Champion (Campeão), Generous (Generoso), Obscene (Obsceno), Torture (Tortura) e Zany (Bobo). 

Veja aqui alguns exemplos de expressões criadas por Shakespeare e descubra em que livros elas estão:

Meu reino por um cavalo! (Ricardo III)

Nem tudo o que reluz é ouro. (O mercador de Veneza)

Há mais coisa entre o céu e a terra do que sonha a nossa vã filosofia. (Hamlet)

O resto é silêncio… (Hamlet)

O que não tem remédio, remediado está. (Otelo)

Prudência! Quem mais corre, mais tropeça! (Trabalhos de amor perdidos)

Há algo de podre no reino da Dinamarca. (Hamlet)

A mulher é um prato para os deuses, quando não é o demônio que a prepara. (Antonio e Cleópatra)

Morrer…dormir… talvez sonhar. (Hamlet)

O bem que os homens fazem quase sempre é enterrado com seus ossos… (Julio César)

Colocar o carro na frente dos bois. (Ricardo III)

O ciúmes é um monstro de olhos verdes. (Otelo)

Você pode conhecer mais citações de Shakespeare no livro Shakespeare de A a Z. A Coleção L&PM Pocket publica 22 peças assinadas por ele e com traduções primorosas feitas por mestres como Millôr Fernandes e Beatriz Viégas-Faria: Medida por medida, Hamlet, O Rei Lear, A megera domada, Romeu e Julieta, Otelo, Macbeth, Ricardo III, Antonio e Cleópatra, Julio César, Como gostais / Conto de inverno, Tito Andrônico, Bem está o que bem acaba, O mercador de Veneza, Henrique V, A tempestade, Trabalhos de amor perdidos, Sonho de uma noite de verão, Noite de reis, Muito barulho por nada, A comédia dos erros e As alegres matronas de Windsor.