Lá fora, a voz do vento ulule rouca!
Tu, a cabeça no meu ombro inclina,
E essa boca vermelha e pequenina
Aproxima, a sorrir, de minha boca!

Que eu a fronte repouse ansiosa e louca
Em teu seio, mais alvo que a neblina
Que, mas manhãs hiemais, úmida e fina,
Da serra as grimpas verdejantes touca!

Solta as tranças agora, como um manto!
Canta! Embala-me o sono com teu canto!
E eu, aos raios tranquilos desse olhar,

Possa dormir sereno, como o rio
Que, em noites calmas, sossegado e frio,
Dorme aos raios de prata do luar!…

De Olavo Bilac, Antologia Poética

Tags: ,

  1. Luis Fernando disse:

    Espetáculo Olavo!
    Sempre que o leio, me lembro de um livrinho dele – antologia – que comprei num shopping popular de Caruaru-PE.

    Coisa bem vagabunda, mas que está comigo até hoje.

Envie seu comentário

* Campos obrigatórios