Arquivo de maio, 2014

Ciclo de palestras sobre Nietzsche no Rio

terça-feira, 20 maio 2014

nietzsche_color

A Caixa Cultural Rio de Janeiro apresenta, de 20 a 23 de maio, o ciclo de palestras Nietzsche 170 anos: filósofo, educador, escritor.  

Friedrich Nietzsche (1844-1900) exerceu determinante impacto no pensamento ocidental. Entre elogios e críticas, é impossível falar dos diversos âmbitos da cultura contemporânea sem remissão à sua obra. E o interesse não para de crescer justamente por se reconhecer na obra nietzscheana a abertura que ela proporcionou aos diversos aspectos do pensar.

Discutir a atualidade desse pensamento e suas possíveis interpretações e interfaces é o objetivo do ciclo deste palestras.

Organização e Coordenação Geral:
André Masseno e Tiago Barros

Mais informações:
nietzschecaixa@gmail.com

80 vagas. Sujeito à lotação.
Senhas distribuídas a partir das 17h30.

CAIXA CULTURAL:
Av. Almirante Barroso, 25 – Centro
(próximo ao metrô Carioca)
Telefone: (21) 3980-3815

Conheça os títulos e Nietzsche publicados na L&PM.

Joaquin Phoenix vai estrelar filme de Woody Allen que estreia em 2015

segunda-feira, 19 maio 2014

O novo filme de Woody Allen, “Magic in the Moonlight”, nem estreou ainda e o diretor já está pensando em seu próximo filme. Foi divulgado há poucas semanas que Joaquin Phoenix vai ser o protagonista do filme de Allen – ainda sem título ou detalhes da trama – que chegará aos cinemas em 2015. Segundo o Deadline, as filmagens começam em julho. E segundo o Variety, Emma Stone, que está em “Magic in the Moonlight” (e cuja estreia será no segundo semestre de 2014) também fará parte do elenco.

Emma Stone, Joaquin Phoenix e Woody Allen. Em 2015, descobriremos no que vai dar essa combinação.

Emma Thompson, Joaquin Phoenix e Woody Allen. Em 2015, descobriremos no que vai dar essa combinação.

E por falar em Woody Allen, Diane Keaton, atriz e ex-mulher do diretor, defendeu Allen em uma entrevista recente ao jornal britânico The Guardian, juntando-se a um coro de colegas que vão contra as acusações de abusos feitas por Mia Farrow e sua filha Dylan.

Já conhece os textos de Woody Allen publicados pela L&PM? Clique aqui para ver. 

19 de maio de 1897: Oscar Wilde sai da prisão e vai para o exílio

segunda-feira, 19 maio 2014

Dois anos depois de ser preso por atentado ao pudor, Oscar Wilde sai da prisão. A acusação que o levou à condenação ao cárcere com trabalhos forçados foi feita pelo marquês de Queensberry, pai de Bosie, na época namorado do escritor. O livro “Oscar Wilde“, de Daniel Salvatore Schiffer, Série Biografias L&PM, conta como foi este 19 de maio de 1897 na vida do autor de O retrato de Dorian Gray:   

Ao chegar à capital inglesa, desceu numa discreta estação do subúrbio, Westbourne Park, onde um segundo carro o esperava para levá-lo ao presídio de Pentonville, onde passou sua última noite preso. Foi nesse lugar, o mais maldito de todos, onde ele se matava a fazer rodar o terrível moinho de disciplina, que os mesmos guardas que o receberam no dia seguinte de seu processo entregaram-lhe agora, prontamente, seus objetos pessoais e suas roupas que ele deixara lá, dois anos antes, no início de seu encarceramento. Na manhã seguinte, as seis e quinze do dia 19 de maio de 1897, as portas lhe foram afinal abertas. Wilde estava definitivamente livre!

À sua saída da prisão o esperavam, numa carruagem, More Adey e Stewart Headlam, aquele pastor que se oferecera para pagar metade de sua fiança. O encontro foi tão caloroso quanto comovente. Então, o carro dirigiu-se diretamente para a residência de Headlam, na Upper Bedford Place, 31, no bairro de Bloomsbury, onde Wilde mergulhou de imediato num banho quente, trocou de roupas e tomou um farto desjejum. Os Leverson vieram reunir-se a ele, na mesma manhã, assim que se instalou na casa do reverendo. Eis como Ada se lembra, muitos anos depois, desse instante em que Wilde, que não perdera nada de sua verve nem de sua galanteria, reapareceu rependinamente diante dela, como se voltasse de uma longa viagem, com seu garbo habitual:

Ele entrou falando, rindo, fumando um cigarro, com os cabelos ao vento, uma flor na lapela e o aspecto nitidamente melhor, mais esbelto e mais jovem do que dois anos antes. Suas primeiras palavras foram: “Sphinx, como é maravilhoso que tenha sabido exatamente que chapéu convinha usar às sete da manhã para receber um amigo ao fim de sua ausência”! [...] Manteve por algum tempo uma conversa leve, depois escreveu uma carta e mandou-a entregar de carruagem num monastério vizinho, perguntando se poderia fazer um retiro ali durante ses meses. [...] Não poderiam aceitá-lo nesse monastério sob um impulso de momento. [...] Na realidade, recusaram-no. Então, ele desabou soluçando amargamente.

(…)

Rejeitado agora por toda parte, incluindo as instituições que se pretendiam mais caridosas, e também repudiado pela maior parte de seus colegas, inclusive espíritos tão subversivos quanto Whistler ou Pater, e portanto irrevogavelmente banido da sociedade, Wilde deixou naquele mesmo dia a Inglaterra, que não reveria nunca mais, para se refugiar na França, onde morreria três anos mais tarde na mais completa miséria. De suas primeiras e dramáticas horas de viagem para esse exílio definitivo, mais do que uma liberdade ilusória, foi Robert Ross quem fez o relato mais fiel e mais comovente:

Como o vapor entrava deslizando no porto, a alta silhueta de Wilde, que dominava os outros passageiros, foi-nos facilmente reconhecível, do grande Crucifixo do cais onde estávamos empoleirados. Aquele ponto de referência tinha para nós um alcance simbólico impressionante. Precipitamo-nos imediatamente para o pontilhão: Wilde nos reconheceu, fez-nos um sinal com a mão e seus lábios delinearam um sorriso. Seu rosto perdera a rudeza e ele recobrara o aspecto que devia ter em Oxford, nos tempos em que eu ainda não o conhecia e que não vimos mais nele a não ser em seu leito de morte. Muitas pessoas, mesmo seus amigos, achavam sua aparência quase repulsiva, mas a parte superior de seu rosto era extraordinariamente inteligente e bela. Tivemos que esperar o fim das irritantes formalidades de praxe; então, com essa singular cadência pesada que nunca vi em outra pessoa, Wilde desceu majestosamente a rampa. Ele segurava entre as mãos um grande envelope lacrado. “Eis, meu caro Robbie, o importante manuscrito cujo conteúdo você conhece.” [...] O manuscrito era evidentemente De profundis 

Oscar_wilde_1890

Vestidas de livro

sexta-feira, 16 maio 2014

Vai a alguma festa? Que tal ir vestida de livro para mostrar seu amor pela literatura?

vestido livro4

vestido livro5

vestido livro

vestido livro3

vestido livro2

Prisioneiros italianos têm pena reduzida por leitura de livros

quinta-feira, 15 maio 2014

Via iBahia

Segundo país com maior número de prisioneiros na Europa, a Itália aprovou uma lei que reduz a pena de um preso em três dias para cada livro lido.

Segundo a revista “The Independent”, o conselho regional da Calábria, na região sul do país, aprovou a lei, que agora deve ser debatida no Parlamento nacional, para valer em todo o território.

A medida tem um teto de 48 dias descontados em um ano, ou seja, valem no máximo 18 livros lidos em 12 meses. Além de incentivar a leitura, o projeto visa diminuir a quantidade de pessoas nas prisões.Na Europa, a Itália só perde em número de presos para a Sérvia. No Brasil, medidas semelhantes já são adotadas em alguns Estados.

preso_cela

 

Faça como…

quinta-feira, 15 maio 2014

Charles Bukowski: leia um livro no chão da sala.

bukowski_lendo

Marilyn Monroe: leia um livro para uma criança.

marilyn le criancaalta

Charles Dickens: leia um livro no jardim.

dickens_lendo

Conan Doyle: leia um livro na sua cadeira preferida.

conanDoyle_lendo

Agatha Christie: leia um livro durante o chá da tarde.

agatha_lendo

… Jack Kerouac e Allen Ginsberg: leia um livro com um amigo.

kerouac_ginsberg_lendo

Charles M. Schulz: leia um livro de quadrinhos para relaxar.

charlesSchulz_lendo

Conan Doyle e sua lista de histórias preferidas

quarta-feira, 14 maio 2014

conan doyle e sherlock

Minhas aventuras favoritas de Sherlock Holmes

Por Arthur Conan Doyle (Texto publicado no posfácio de Aventuras inéditas de Sherlock Holmes – Coleção L&PM Pocket)

Quando essa competição foi discutida pela primeira vez entrei nela displiscentemente, achando que seria a coisa mais fácil do mundo escolher as doze melhores histórias de Holmes. Na prática descobri que havia assumido uma tarefa complicada. Em primeiro lugar tinha de ler as histórias com alguma atenção. “Eta canseira desalmada”, como diria uma senhoria que conheci.

Comecei por eliminar de todo as últimas doze histórias que se encontram dispersas na Strand dos últimos cinco ou seis anos. Estão em via de serem publicadas em livro sob o título O Último Adeus de Sherlock Holmes, mas o público não teria acesso fácil a elas. Se pudessem ser lidas eu teria escolhido duas delas: “A Juba do Leão” e “O Cliente Ilustre”. A primeira dessas é prejudicada por ser contada pelo próprio Sherlock, um método que empreguei apenas duas vezes, e que definitivamente tolhe a narrativa. Por outro lado, a trama em si está entre as melhores da série e mereceria o destaque. Já “O Cliente Ilustre” não se distingue pela trama, mas possui uma certa teatralidade e se desenvolve de maneira interessante, em círculos, de modo que também mereceria um lugar entre as doze.

No entanto, excluídas essa duas, deparo-me agora com umas quarenta e tantas candidatas que devem ser comparadas umas às outras. Há, sem dúvida, algumas cujo eco chegou-me de todas as partes do mundo e creio que isso é prova final de certo merecimento. Há a assustadora história da serpente, “A Faixa Malhada”. Essa, tenho certeza, estará em todas as listas. A seguir, tanto na minha estima quanto na do público, eu colocaria “A Liga dos ‘Cabeça Vermelha’” e “Os Dançarinos”, ambos os casos pela originalidade da trama. Assim, não poderíamos deixar de fora a história sobre o único inimigo que realmente engrandeceu Holmes e que enganou o público (e Watson) fazendo-os inferir erroneamente a sua morte. Creio que a primeira história da série também deveria entrar, pois abriu caminho para as outras e tem mais interesse para as mulheres do que normalmente. E, por último, acho que a história que explica a difícil tarefa de justificar a pretensa morte de Holmes, ao mesmo tempo que apresenta um vilão da categoria do coronel Sebastian Moran, deveria merecer um lugar. Isso coloca “O Problema Final”, “Um Escândalo na Boêmia” e “A Casa Vazia” na nossa lista e teremos completado a primeira meia dúzia.

Mas agora surge o problema crucial. Há um certo número de histórias que são, na realidade, difíceis de separar. De um modo geral creio que encontraria lugar para “As Cinco Sementes de Laranja”, que embora curta possui uma certa teatralidade própria. Portanto, restam apenas cinco lugares a preencher. Há duas histórias que envolvem a alta diplomacia e a intriga. Estão entre as melhores da série. Uma é “O Tratado Naval” e a outra, “A Segunda Mancha”. Não há lugar para as duas na lista e no todo considero a última melhor. Portanto, vamos escolhê-la para o oitavo lugar.

E agora? “O Pé do Diabo” tem mérito. É sinistra e nova. Vamos dar-lhe o nono lugar. Creio que também “A Escola do Priorado” merece um lugar, ainda que apenas pelo momento dramático em que Holmes aponta o dedo para o duque. Só tenho mais dois lugares. Hesito entre “Silver Blaze”, “Os Planos do Submarino Bruce-Partington”, “O Corcunda”, “O Homem do Lábio Torcido”, “A Tragédia do ‘Gloria Scott’”, “O Intérprete Grego”, “Os Magnatas de Reigate”, “O Ritual Musgrave” e “O Residente Internado”. Em que devo me basear para escolher duas entre todas essas? O detalhe das corridas em “Silver Blaze” deixa muito a desejar, de modo que devemos desqualificá-la. Mas há pouco que escolher entre as demais. Um pequeno detalhe pode pesar. “O Ritual Musgrave” tem um toque histórico que lhe acrescenta distinção. É também uma lembrança da vida de Holmes. E assim chegamos à última. Seria preferível tirar o nome de um saco, pois não vejo razão para preferir uma a outra. Quaisquer que sejam seus méritos – e não digo que tenham -, todas são tão boas quanto me seria possível fazê-las. No total talvez Holmes demonstre mais inventividade em “Os Magnatas de Reigate”, portanto essa será a décima segunda da lista.

É proverbialmente errado que um juiz justifique seu julgamento, mas analisei o meu, ainda que apenas para mostrar aos meus concorrentes que realmente me debrucei sobre a questão.

A lista, portanto, é a seguinte:

  1. A Faixa Malhada
  2. A Liga dos “Cabeça Vermelha”
  3. Os Dançarinos
  4. O Problema Final
  5. Um Escândalo na Boêmia
  6. A Casa Vazia
  7. As Cinco Sementes de Laranja
  8. A Segunda Mancha
  9. O Pé do Diabo
  10. A Escola Do Priorado
  11. O Ritual Musgrave
  12. Os Magnatas de Reigate

Contos dos Irmãos Grimm em versão Agreste

quarta-feira, 14 maio 2014

Imagine o que pode acontecer quando os contos dos Irmãos Grimm se juntam a um talentoso ilustrador de Cordel. Pois o resultado vai além da imaginação na exposição “Grimm Agreste” que acontece no SESC Interlagos em São Paulo até 31 de agosto. Instalações interativas e ilustrações assinadas pelo artista nordestino J. Borges fazem a alegria de crianças de todas as idades. A cenografia remete à Idade Média e à vida e obra dos autores alemães. Há livros falantes, contos narrados por atores em uma floresta, trilhas misteriosas, torres e tavernas e mais diversas engenhocas divertidas. O site (www.sescsp.org.br/grimmagreste) também é super interativo e nele, por exemplo, podemos escolher que herói queremos ser e que vilão vamos enfrentar.

grimm agreste1

grimm agreste2

grimm agreste3

grimm agreste4

grimm agreste5

SERVIÇO:

O que: Exposição “Grimm Agreste”
Onde: SESC Interlagos São Paulo – Avenida Manuel Alves Soares, 1100 – Pq. Colonial – São Paulo
Quando: Até 31 de Agosto de 2014 – De Quartas a Domingos das 10h às 16h30
Visitas: A visita é livre e a exposição conta com uma equipe de mediação preparada para auxiliar e desbravar o mundo de “Grimm Agreste”.
Contato: (11) 5662-9500
Grupos: preencher ficha no site
Valor do ingresso: de R$ 1,50 a R$ 3,50 (Comerciários não pagam)
Estacionamento: Preço único de R$ 7,00

A L&PM publica Contos de Grimm em dois volumes pocket.

Marilyn branca, de Andy Warhol, vai a leilão

terça-feira, 13 maio 2014

Marilyn_branca

A famosa serigrafia “branca” de Marilyn, assinada por Andy Warhol, será leiloada em Nova York, pela Christie, nesta terça-feira, 13 de maio. Estima-se que seja vendida por algo entre 12 e 18 milhões. A pintura faz parte de uma série chamada “Flavor Marilyn” e que soma doze retratos da estrela.

A Christie anunciou que esta peça é considerada “um dos emblemas da pop arte”, pois foi a primeira vez que Warhol imprimiu uma foto em pano de seda. O retrato em branco foi pintado poucos meses depois da morte de Marilyn, em 1962, e neste mesmo ano participou da primeira retrospectiva do artista em Nova York, na Stable Gallery.

Marilyn e Andy Warhol estão juntos na Série Biografias L&PM.

Marilyn_andy

 

Ministério da Cultura Francês tenta impedir que atelier de Picasso vire hotel

segunda-feira, 12 maio 2014

O Ministério da Cultura Francês quer proteger o grande apartamento onde Pablo Picasso pintou a Guernica, uma de suas mais famosas obras. Foi por isso que entrou com uma ação emergencial para classificar o local como monumento histórico e, assim, impedir que o atual proprietário faça ali um aparhotel de luxo.

Picasso em seu atelier parisiense - Foto Michel Sima / Rue des Archives

Picasso em seu atelier parisiense – Foto Michel Sima / Rue des Archives

É nesta terça-feira, 13 de maio, que a comissão regional de patrimônios da cidade de Paris vai decidir sobre o futuro do antigo atelier, na Rue des Grands-Augustins onde Picasso se instalou em 1937 e trabalhou até 1955 – desde então, o andar de cima onde ele pintava nunca mais foi ocupado. Aurélie Filippetti, Ministra da Cultura, expressou seu apoio à preservação em um comunicado à imprensa datado de 7 de maio de 2014. A prefeita de Paris, Anne Hidalgo, fez o mesmo  em uma carta datada de 6 de maio, onde diz que o apartamento não deve ser transformado em hotel.

Abaixo, um trecho de Picasso, de Gilles Plazy, da Série Biografias L&PM, que demonstra a importância deste local:

Quando Picasso, um pouco pressionado por Dora, decide em março de 1937, instalar seu ateliê na Rue des Grands-Augustins, na rive gauche, a alguns passos de Saint-Germain-des-Près, ela o acompanha a esse belo prédio onde viveu Nicolas Poussin e no qual Balzac teria se inspirado para situar a ação de sua Obra-prima desconhecida. Ali, melhor do que na Rue La Boétie, ele vai dispor do espaço necessário para pintar uma obra de envergadura, à altura das circunstâncias que a provocam. É um apartamento duplex, mas não dividido como os dois apartamentos precedentes, dos quais, aliás, não se separou. Aqui, sendo o único a decidir, pode deixar proliferar a desordem sem a qual parece não poder viver. Há duas grandes peças, no andar inferior, que logo adquirem o aspecto de depósito, e, no andar de cima, o ateliê e um apartamento de artista solteiro, espaço privado no qual vive, à sua maneira desordenada, esse homem cercado de mulheres, mas que não aceita que nenhuma lhe imponha sua lei.