Posts Tagged ‘Tom Wolfe’

Adeus, Tom Wolfe

quarta-feira, 16 maio 2018

Tom Wolfe revolucionou o jornalismo e fez dele literatura. Considerado o papa do new journalism, colocou a verdade no meio da ficção. Ou vice-versa.

Dele, nos anos 80, a L&PM publicou Décadas púrpuras e A palavra pintada. O primeiro, com 21 ensaios sobre si mesmo, o “dândi” de terno branco, inventor de expressões definitivas como radical chic, e que também traz um painel sobre o louco circo da cultura e das subculturas americanas. Já em A palavra pintada  Wolfe discorre sobre a arte moderna entre o final do século XIX e o início do XX.

Tom Wolfe, New York City, November 2011

Em 2008, Tom Wolfe chegou na coleção L&PM Pocket, com Emboscada no Forte Bragg – Quando a Rede Poderosa de Televisão se confronta com os Lordes da Testosterona, alguém vai acabar se dando mal, um romance publicado originalmente em capítulos na revista Rolling Stone e que aborda o limite e entre verdade e mentira no jornalismo televisivo.

emboscada_forte_bragg

Tom Wolfe faleceu na segunda-feira, 14 de maio, aos 88 anos, em Nova York.

Saiu o pocket número 1.000: “Diários de Andy Warhol” já está nas livrarias

terça-feira, 7 fevereiro 2012

Escritos no auge de sua fama e sucesso, os Diários de Andy Warhol registraram dias, noites, grandes eventos e deliciosas trivialidades de uma das figuras mais enigmáticas e geniais da cultura do século XX. Polêmico e revelador, o livro foi publicado originalmente no Brasil em 1989, pela L&PM, com quase 800 páginas. Agora, mais de 20 anos depois, o livro volta às bancas e livrarias em 2 volumes e formato de bolso para comemorar os 1.000 títulos da Coleção L&PM Pocket. E já que o clima é de festa, a L&PM caprichou no presente e fez a Caixa Especial Diários de Andy Warhol com os 2 volumes (mas você pode comprá-los separadamente, se preferir).

25 anos depois da morte de Andy Warhol, os diários se tornaram história. O tempo aumentou radicalmente a importância do artista e de muitos personagens que habitam suas páginas. O relato do criador do Pop torna-se fonte de referência para entender as décadas do fim do século XX, a cultura da celebridade, a contra-cultura novaiorquina da época, a estética do Pop, o cinema underground e conhecer os registros praticamente diários desta grande aventura da última jornada verdadeiramente de vanguarda da arte moderna. Até as frivolidades que permeiam em abundância este livro adquirem agora um significado histórico. É Nova York pré-11 de setembro. A grande Meca da modernidade, cujos sonhos transgressores e vanguardistas derreteram junto com as torres gêmeas.

Sincero e impiedoso

Andy e o roqueiro Mick Jagger, inseparáveis

Jim Morrison, Calvin Klein, Patti Smith, Martin Scorsese, Tom Wolfe, Roy Lichtenstein, Mick Jagger, Lou Reed, Yoko Ono são alguns dos “alvos” de seus comentários sinceros e impiedosos. O grande cult da chamada “arte de rua”, Jean Michel Basquiat, morto em 1988, aos 28 anos, é mencionado inúmeras vezes, pois foi uma descoberta do criador do Pop. Ele diz em 4 de outubro de 1982:

O Basquiat é o garoto que usava o nome de ‘Samo’ quando sentava na calçada do Greenwich Village e pintava camisetas, e de vez em quando eu dava 10 dólares para ele e mandava ao Serendipity para tentar vendê-las. Era apenas um daqueles garotos que me enlouqueciam. É negro, mas algumas pessoas dizem que é porto-riquenho, aí sei lá (…).

Andy e Basquiat

Enfim, são centenas de pessoas (todas devidamente listadas num índice remissivo ao final do livro) do show business, das artes, da realeza europeia, do rock and roll, do punk rock, da literatura, moda, imprensa, teatro, cultura underground, jet set em geral, milionários, drogados famosos, políticos, enfim, gente que superou a sua previsão de que “um dia todos vão ter pelo menos 15 minutos de fama”.