Arquivo de janeiro, 2015

Sobre “O Pequeno Príncipe” da L&PM

quarta-feira, 14 janeiro 2015

O_pequeno_principe_CONVAntoine de Saint-Exupéry nasceu em 29 de junho de 1900 na França e trabalhou como piloto de testes. Viveu nos Estados Unidos até 1944, e foi lá que escreveu e publicou (em 1943) “O Pequeno Príncipe”. Neste mesmo ano, voltou a voar pela Força Aérea francesa. Seu último voo foi numa missão de reconhecimento que tinha o objetivo de ajudar a preparar o terreno para uma invasão aliada. Ele desapareceu sem deixar vestígios em 31 de julho de 1944.

“O Pequeno Príncipe”, inicialmente escrito e publicado para ser um livro infantil, acabou se tornando um dos campeões de venda em praticamente todos os países do mundo; os personagens da história são conhecidos por virtualmente todas as pessoas, assim como várias das ilustrações originais do autor.

De acordo com a Lei do Direito Autoral de 1998, da qual o Brasil e a França são signatários, todas as obras do autor ficaram protegidas durante os 70 anos após sua morte, a contar a partir de 1º de janeiro do ano seguinte à morte (ou seja, 1º de janeiro de 1945). Assim, sua obra intelectual entrou em domínio público em 1º de janeiro de 2015.

Durante a feira de Bolonha de 2014, Olivier d’Agay, sobrinho-neto do autor e representante do espólio, anunciou (conforme foi publicado na imprensa) que os personagens do livro haviam sido transformados em marca registrada. Com isso, os herdeiros buscam salvaguardar parte da receita que vem da obra do autor: a receita de merchandising e produtos derivados. Isso faz com que, apesar da entrada em domínio público da obra literária de Saint-Exupéry, fabricantes de produtos derivados (por exemplo: papelaria, produtos de decoração, roupas, etc.) que queiram usar personagens ou desenhos do autor precisem de uma autorização específica. Já a publicação da obra em si (com as ilustrações originais do autor) pode ser feita por todos os editores.

Sobre as traduções para o português de Le petit prince existentes até então, elas permanecem protegidas pelosO_pequeno_principe_POCKET respectivos tradutores e/ou pelas editoras que as encomendaram. Ou seja: não estão liberadas para uso.

A tradução de “O pequeno príncipe”, recém publicada pela L&PM Editores, foi encomendada a Ivone C. Benedetti, uma das mais renomadas e criteriosas tradutoras literárias do francês, atualmente.

Além da nova tradução, nas nossas edições (convencional e de bolso),  foram corrigidos dois erros que constavam nas edições brasileiras disponíveis até 1º de janeiro último.

Erro 1) Na página 16, o astrônomo olha por um telescópio. Na margem interna dapágina, na nossa edição (assim como nas edições de 1943, e em algumas edições francesas que foram recentemente corrigidas) vê-se uma estrela (justamente o corpo celeste que está sendo observado pelo personagem). Nas edições brasileiras disponíveis para o público até 1º de janeiro de 2015, a estrela era omitida.

Erro 2) No capítulo XVIII, a rosa fala, sobre os humanos:

“Les hommes? Il en existe, je crois, six ou sept. Je les ai aperçus il y a des années. Mais on ne sait jamais où les trouver. Le vent les promène. Ils manquent de racines, ça les gêne beaucoup.”

Nas traduções brasileiras disponíveis até 1º de janeiro de 2015, os tradutores interpretaram erroneamente o “ça”:

“Os homens? Eu creio que existem seis ou sete. Vi-os faz muito tempo. Mas não se pode nunca saber onde se encontram. O vento os leva. Eles não têm raízes. Eles não gostam das raízes.”

Mas o significado não é esse. O significado é que, para a flor (que tem raízes), o fato de os humanos não terem raízes os atrapalha bastante. O “ça” do original refere-se ao fato de não ter raízes, e não a “raízes” (não são as raízes que atrapalham). Na tradução de Ivone C. Benedetti (L&PM Editores), lê-se:

“– Humanos? Existem uns seis ou sete, acho. Eu os avistei há alguns anos. Mas nunca se sabe onde podem ser encontrados. São carregados pelo vento. Não têm raízes, esse é o problema deles.”

Assim, a L&PM Editores tem o orgulho de contribuir para a difusão da obra máxima de Saint-Exupéry, disponibilizando ao público brasileiro duas criteriosas e bem acabadas edições, com uma novíssima tradução que fornece uma nova porta de entrada ao mundo de “O Pequeno Príncipe”.

Os Editores
Janeiro de 2015

Peanuts e Garfield no Discovery Kids

terça-feira, 13 janeiro 2015

O Discovery Kids adquiriu os direitos dos novos episódios de “Peanuts”, produzidos na França e baseados na tirinhas de Charles M. Schulz. São 500 curtas em animação de 90 segundos cada. A exibição ocorrerá em 104 episódios, cada bloco tendo sete minutos.

Peanuts_discovery1

Peanuts_discovery2

O Discovery Kids Brasil ainda não definiu a data de estreia por aqui, mas segundo informação disponível no site Natelinha, deve acontecer ainda no primeiro semestre de 2015.

Enquanto isso, quem já está na programação do Discovery Kids brasileiro é Garfield. No domingo, 11 de dezembro, o filme “A Festa do Garfield” estreou às 19h30min e “Garfield, Um Super Herói Animal” também já foi exibido na grade.

Essas duas histórias de Garfield, aliás, são publicadas em livros pela L&PM.

Garfield_dois livros

 

 

 

2015 será um ano especial para Van Gogh

segunda-feira, 12 janeiro 2015

2015 será um ano de homenagens a Vincent Van Gogh, pois marca os 125 anos da morte do grande artista holandês, falecido em 29 de julho de 1890.

A iniciativa é da Van Gogh Europe, uma fundação que reúne 30 organizações de diferentes países da Europa ligadas ao pintor. Em várias cidades da Holanda, Bélgica, França e Inglaterra, sob o tema “125 anos de inspiração”, serão organizadas exposições, eventos culturais, aplicações digitais etc, criando o maior evento reunindo museus e locais históricos engajados na preservação e promoção do patrimônio artístico de Van Gogh. O estímulo para isso é o fato de que Van Gogh inspira muitas pessoas ao redor do mundo e que permanece vivo mesmo após 125 anos de sua morte.

Se em vida Van Gogh não recebeu o merecido reconhecimento, suas obras hoje estão entre as mais valorizadas do planeta e inspiram pessoas do mundo inteiro.

Veja aqui a programação que já está disponível e assista o vídeo que a Van Gogh Europe preparou:

Em 2015, a L&PM também vai prestar sua homenagem a Van Gogh com uma nova edição de Cartas a Theo.

Clique aqui para ver o que a L&PM já publica sobre o pintor holandês.

A aventura do nascimento de Jack London

segunda-feira, 12 janeiro 2015

A vida do escritor Jack London foi uma aventura que começou antes mesmo do seu nascimento. Segundo contou sua mãe, a professora de música e espiritualista, Flora Wellman, quando ela comunicou ao companheiro, o astrólogo William Chaney, que estava grávida, ele exigiu que ela abortasse. Num ato de desespero, Flora atirou contra si mesma. Felizmente (para os fãs de Jack London), a mãe e seu bebê não sofreram nada grave. Mas ao nascer, em 12 de janeiro de 1876, o filho de Flora foi renegado e entregue à ex-escrava Virginia Prentiss. Naquele mesmo ano, Virginia casou-se com um veterano da Guerra da Secessão de nome John London que assumiu o bebê da esposa (também chamado de John) e deu a ele seu sobrenome.

Mas quando o pequeno John, que depois seria chamado de Jack, cresceu, quis saber mais de suas origens. Aos 21 anos, ele encontrou notícias de jornais que contavam sobre a tentativa de suicídio da mãe e davam o nome de seu suposto pai biológico. Ele então escreveu uma carta a William Chaney e teve a seguinte resposta:

“Nunca me casei com Flora Wellman, mas vivi com ela de 11 de junho de 1874 a 3 de junho de 1875. Sofria eu nesse tempo os terríveis efeitos de muitas privações, dificuldades de vida e excessivo trabalho intelectual, sendo inteiramente platônicas as nossas relações. Portanto, não posso ser o seu pai nem lhe dizer com certeza quem seja ele. (…) O ‘Chronicle’ disse que eu a expulsei de casa porque ela não quis fazer o aborto. Essa notícia correu o país inteiro, reproduzida por toda a imprensa. Por causa dessa história, duas das minhas irmãs se tornaram minhas inimigas. Uma delas morreu ainda me julgando culpado. Todos os outros parentes, exceto uma irmã que mora em Portland, estão ainda contra mim e me apontam como a vergonha da família. Na época do escândalo, publiquei em folheto uma declaração da polícia em que se demonstrava a falsidade de muitas acusações levantadas contra a minha conduta, mas nem o ‘Chronicle’ nem os outros jornais que me difamaram quiseram desmanchar a calúnia. Desisti então de me defender e durante anos e anos a minha vida pesou como um fardo. Veio finalmente a reação e agora já tenho alguns amigos que me consideram homem de bem. Já passei dos 76 e vivo na pobreza.” (Do livro “A vida errante de Jack London”, editora José Olympio).

London ficou mal com a resposta, mas seguiu adiante. Largou os estudos, foi jornaleiro, pescador e marinheiro. E ao morrer precocemente, aos 40 anos, deixou uma obra que, se você ainda não leu, não sabe o que está perdendo. Livros capazes de resgatar as origens, o lado animal do ser humano, o uivo engasgado na garganta…

E já que é aniversário dele, nada melhor do que uma foto que mostra como o autor de O chamado da floresta, Caninos Brancos, Antes de Adão, O lobo do mar, entre outros, veio ao mundo (ou quase):

jack_london_nu

Último final de semana de Salvador Dalí no Instituto Tomie Othake

sexta-feira, 9 janeiro 2015

Até domingo, 11 de janeiro, quem estiver em São Paulo poderá conferir a grande mostra de obras de Salvador Dalí. Entre as obras do pintor espanhol surrealista em exposição no Instituto Tomie Ohtake, estão os desenhos feitos por ele para Alice no País das Maravilhas.

Em 1969, Salvador Dalí realizou doze desenhos surreais para a história de Alice, de Lewis Carroll

Em 1969, Salvador Dalí realizou doze desenhos surreais para a história de Alice, de Lewis Carroll – Clique para ampliar

Divulgado novo trailer de Peanuts 3D

quarta-feira, 7 janeiro 2015

A estreia é em novembro de 2015. :-)

Conheça a série Peanuts da L&PM.

 

Georges Wolinski, publicado pela L&PM, entre os mortos no atentado em Paris

quarta-feira, 7 janeiro 2015

Reconhecido como um dos maiores nomes dos quadrinhos franceses, o cartunista Georges Wolinski, de 80 anos, foi assassinado na manhã desta quarta-feira, 7 de janeiro, no atentado terrorista em Paris.

Wolinski_sou

Charge de “Wolinski – 25 anos…”, publicado pela L&PM nos anos 80

Junto com ele, no ataque à redação da revista satírica Charlie Hebdo, também foram mortos outros cartunistas franceses: Charb, Cabu e Tignous.

Em 1987, a L&PM Editores publicou Wolinski – 25 anos de desenhos muito conhecidos, pouco conhecidos e desconhecidos. E em 1991, duas HQs de Paulette, a voluptosa personagem criada por ele em parceria com G. Pichard.

Wolinski_livros

O erotismo, aliás, era uma das marcas registradas de Wolinski. O chargista chegou a ser acusado de erotômano ou misógino, mas se defendia dizendo que foi um dos primeiros a desenhar a “mulher liberada, aquela que corre atrás do seu desejo e o manifesta para o homem”, como declarou ao “Estado de São Paulo” em 2007. E, além de tudo, explicava seus desenhos por outro motivo: gostava das mulheres e amava desenhá-las.

paulette interna

Vale dizer que Wolinski era um entusiasta do quadrinho brasileiro e o personagem Rango, de Edgar Vasques, primeiro livro publicado pela L&PM, mereceu, em 1975, uma grande matéria na revista Charlie Hebdo. Wolinski esteve ligado ao Pasquim e cartunistas brasileiros como Henfil, Ziraldo e Adão Iturrusgarai foram influenciado por ele.

rango_tira2

“Minha influência é 99% Wolinski. Estou tão paralisado que nem sei mais o que dizer”, declarou Adão à Agência O Globo.

Academia Sueca revela carta em que Sartre avisava que recusaria o Nobel

terça-feira, 6 janeiro 2015

Ao vencer o Prêmio Nobel de Literatura em 1964 Jean-Paul Sartre recusou o prêmio. Até aí nenhuma novidade. O que se descobriu agora é que essa saia justa poderia ter sido evitada caso uma carta enviado por Sartre à Academia Sueca, responsável pelo prêmio, não tivesse demorado para chegar. Em uma mensagem escrita em outubro daquele ano, Sartre pedia que não fosse cotado para o prêmio, pois caso vencesse não aceitaria.

Só que, quando a carta foi entregue em Estocolmo, Sartre já estava entre os indicados. Semanas depois, o filósofo francês foi anunciado vencedor e, como tinha avisado, recusou o prêmio. A recusa, aliás, entrou para a história como o caso mais famoso e surpreendente de alguém que tinha dito “não” à Academia Sueca.

Sartre nobel

Em um texto publicado pouco depois do episódio no jornal “Le Monde”, Sartre lamentou o fato de sua decisão ter se tornado um escândalo. “Um prêmio foi oferecido e eu recusei”, escreveu ele. “Não sabia que essa decisão era tomada sem o conhecimento do vencedor, e acreditava ainda estar em tempo de evitar o ocorrido.”

A existência da carta em que Sartre avisava que não aceitaria o prêmio só veio à tona no final de 2014, em uma reportagem do diário sueco “Svenska Dagbladet”. Isso porque a Academia Sueca mantém sigilo de 50 anos sobre os bastidores de todas as decisões tomadas.

Na época da recusa, Sartre já havia publicado os três primeiros volumes de O idiota da família, a biografia de Gustave Flaubert que é publicada pela L&PM.

O amor e a saudade na poesia de Casimiro de Abreu

segunda-feira, 5 janeiro 2015

Casimiro de Abreu foi o poeta do amor e da saudade. Os dois sentimentos são a alma de sua poesia. O próprio autor fala sobre seus cantos na introdução do livro Primaveras:

Trecho do poema "Meus oito anos", de Casimiro de Abreu.

Trecho do poema “Meus oito anos”, de Casimiro de Abreu.

Um dia – além dos Órgãos, na poética Friburgo – isolado dos meus companheiros de estudo, tive saudades da casa paterna e chorei.

Era de tarde; o crepúsculo descia sobre a crista das montanhas e a natureza como que se recolhia para entoar o cântico da noite; as sombras estendiam-se pelo leito dos vales e o silêncio tornava mais solene a voz melancólica do cair das cachoeiras. Era a hora da merenda em nossa casa e pareceu-me ouvir o eco das risadas infantis de minha mana pequena! As lágrimas correram e fiz os primeiros versos da minha vida, que intitulei – Às Ave-Marias: – a saudade havia sido a minha primeira musa.

Era um canto simples e natural como o dos passarinhos, e para possuí-lo hoje eu dera em troca este volume inútil, que nem conserva ao menos o sabor virginal daqueles prelúdios!

Depois, mais tarde, nas ribas pitorescas do Douro ou nas várzeas do Tejo, tive saudades do meu ninho das florestas e cantei; a nostalgia me apagava a vida e as veigas visonhas do Minho não tinham a beleza majestosa dos sertões.

Eu era entusiasta então e escrevia muito, porque me embalava à sombra duma esperança que nunca pude ver realizada. Numa hora de desalento rasguei muitas dessas páginas cândidas e quase que pedi o bálsamo da sepultura para as úlceras recentes do coração; é que as primeiras ilusões da vida, abertas de noite – caem pela manhã como as flores cheirosas das laranjeiras!

Flores e estrelas, murmúrios da terra e mistérios do céu, sonhos de virgem e risos de criança, tudo o que é belo e tudo o que é grande, veio por seu turno debruçar-se sobre o espelho mágico da minha alma e aí estampar a sua imagem fugitiva. Se nessa coleção de imagens predomina o perfil gracioso duma virgem, facilmente se explica: – era a filha do céu que vinha vibrar o alaúde adormecido do pobre filho do sertão.
Rico ou pobre, contraditório ou não, este livro fez-se por si, naturalmente, sem esforço, e os cantos saíram conforme as circunstâncias e os lugares os iam despertando. Um dia a pasta pejada de tanto papel pedia que lhe desse um destino qualquer, e foi então que resolvi a publicação das – Primaveras; depois separei muitos cantos sombrios, guardei outros que constituem o meu – livro íntimo – e no fim de mudanças infinitas e caprichosas, pude ver o volume completo e o entrego hoje sem receio e sem pretensões.

Todos aí acharão cantigas de criança, trovas de mancebo, e raríssimos lampejos de reflexão e de estudo: é o coração que se espraia sobre o eterno tema do amor e que soletra o seu poema misterioso ao luar melancólico das nossas noites.

Meu Deus! que se há de escrever aos vinte anos, quando a alma conserva ainda um pouco da crença e da virgindade do berço? Eu creio que sempre há tempo de sermos homem sério, e de preferirmos uma moeda de cobre a uma página de Lamartine1.

De certo, tudo isto são ensaios; a mocidade palpita, e na sede que a devora decepa os louros inda verdes e antes de tempo quer ajustar as cordas do instrumento, que só a madureza da idade e o trato dos mestres poderão temperar.

O filho dos trópicos deve escrever numa linguagem – propriamente sua – lânguida como ele, quente como o sol que o abrasa, grande e misteriosa como as suas matas seculares; o beijo apaixonado das Celutas deve inspirar epopéias como a dos – Timbiras – e acordar os Renés enfastiados do desalento que os mata. Até então, até seguirmos o vôo arrojado do poeta de – I-Juca-Pirama2 – nós, cantores novéis, somos as vozes secundárias que se perdem no conjunto duma grande orquestra: há o único mérito de não ficarmos calados.

Assim, as minhas – Primaveras – não passam de um ramalhete das flores próprias da estação, – flores que o vento esfolhará amanhã, e que apenas valem como promessa dos frutos do outono.

Rio de Janeiro, 20 de Agosto de 1859.

Casimiro de Abreu

O mês de janeiro em soneto de Pablo Neruda

quinta-feira, 1 janeiro 2015

De Cem sonetos de amor, edição bilíngue, que acaba de ser publicada em formato convencional.

Neruda_janeiro