Posts Tagged ‘Academia Brasileira de Letras’

Originais de Machado de Assis ao seu alcance

quarta-feira, 11 janeiro 2017

Via Publishnews

A Academia Brasileira de Letras (ABL) disponibilizou essa semana para o público em geral os manuscritos originais de dois romances e um poema de seu fundador e primeiro presidente, Machado de Assis. O Arquivo Múcio Leão da ABL, dirigido pelo Acadêmico e historiador José Murilo de Carvalho, disponibilizou no site da Instituição, os documentos das obras Esaú e JacóMemorial de Aires O Almada, que antes, somente podiam ser consultados nos terminais de computadores instalados em sua sede. Os documentos mostram o processo criativo do autor, inclusive as correções nos textos, assim como mudanças dos nomes de determinados personagens. De acordo com a Chefe do Arquivo da ABL, Maria Oliveira, “a decisão de permitir o acesso aos originais, antes mesmo da conclusão do processo de migração de todo o arquivo, foi tomada a partir do grande número de usuários, provenientes de diversas partes do mundo, interessados nos manuscritos da obra de Machado de Assis que estão depositados no Arquivo Múcio Leão”.

Machado-e-seu-original

A L&PM tem uma série inteira dedicada a Machado de Assis.

A herança de Machado de Assis

quinta-feira, 29 setembro 2011

Passava das três horas da manhã do dia 29 de setembro de 1908 quando Machado de Assis deixou essa vida e entrou para a história como o maior de todos os escritores brasileiros. Morreu tranquilamente, aos 69 anos de idade e cercado de amigos queridos na casa de Cosme Velho no Rio de Janeiro. “Na noite em que faleceu Machado de Assis, quem penetrasse na vivenda do poeta, em Laranjeiras, não acreditaria que estivesse tão próximo o desenlace de sua enfermidade (…) Na sala de jantar, para onde dizia o quarto do querido mestre, um grupo de senhoras – ontem meninas que ele carregara no colo, hoje nobilíssimas mães de família – comentavam-lhe os lances encantadores da vida e reliam-lhe antigos versos, ainda inéditos, avaramente guardados em álbuns caprichosos.” escreveu Euclides da Cunha, amigo que acompanhou Machado até o último momento. O velório ocorreu na Academia Brasileira de Letras, Rui Barbosa proferiu o discurso fúnebre e a escritora Nélida Piñon disse que “cercava-se de flores, círios de pratas e lágrimas discretas.”

A notícia da morte de Machado de Assis no Jornal do Brasil

Após a morte de Machado de Assis, todos os seus objetos foram inventariados. O que mais chama atenção na lista de bens avaliados é a grande quantidade de móveis velhos ou em mau estado, o que provavelmente prova que ele não tinha lá muito apego a bens materiais. Vale a pena dar uma olhada no espólio do escritor:

Avaliação – Móveis existentes no prédio à rua Cosme Velho, n. 18: 1 Mobília de sala de jantar de vieux chène, constante de mesa elástica com 5 tábuas; 12 cadeiras; 2 étagères, 1 trinchante e 1 mesinha: 500$000; 2 Dunkerques de jacarandá, com espelho 100$000; 1 Grupo estofado, velho; (3 peças): 50$000; 1 Divã estofado (mau estado) 36$000; 1 Dito idem idem 30$000; 10 Cadeiras de bambu 30$000; 1 Conversadeira estofada (velha) 60$000; 2 Cadeiras de braço, estofadas, em mau estado 20$000; 1 Cadeira de balanço, idem 10$000; 4 Cadeiras de jacarandá 32$000; 1 Lavatório de canela, com espelho 80$000; 1 Guarda-vestidos vinhático, muito velho 50$000; 1 Guarda-casacas com frente de madeira (muito velho) 60$000; 1 Cômoda de canela (mau estado) 30$000; 1 Armário pequeno (canela) 30$000; 1 Aparador vinhático, com pedra mármore (mau estado) 20$000; 1 Guarda-comida de vinhático, em mau estado 5$000; 4 Cadeiras de vime, em mau estado 20$000; 1 Divã de palhinha, em mau estado 40$000; 1 Grupo de 2 cadeiras de balanças conjugadas, mau estado 10$000; 1 Porta-chapéu idem 10$000; 1 Cômoda com pedra mármore e espelho, mau estado 10$000; 1 Cômoda de vinhático, velha, em mau estado 5$000; 1 Cama de ferro nova 30$000; 1 Lavatório com pedra mármore em péssimo estado 5$000; 1 Sofá-cama, austríaco, em mau estado 5$000; 1 Secretária de vinhático 30$000; 1 Cadeira para secretária 10$000; 3 Armários envidraçados 30$000; 1 Estante de madeira 5$000; 2 Estantes de ferro 4$000; 1 Relógio de parede 15$000; 1 Jardineira de metal 15$000; 1 Espelho oval com guarnição dourada (estragado) 15$000; 2 Quadros a óleo (paisagem – cópias) 20$000; 1 Quadro a óleo (marinha) idem 10$000; 1 Quadro a óleo (figura) original de Pontorn 30$000; 2 Aquarelas de Pacheco 10$000; e Gravuras coloridas (paisagem) 20$000; 20 Quadros com gravuras diversas 40$000; 1 Serviço de lavatório (incompleto) 15$000; 1 Serviço de christofle constando de 1 colher para sopa, 1 pá para peixe, 4 facas grandes, 4 facas pequenas, 13 garfos grandes, 12 garfos pequenos, 5 colheres para sopa, 7 colheres para sobremesa, 11 colheres para chá (58 peças) tudo por 70$000; 1 Colher de metal 2$000; 3 Esteirinhas de palha 14$000; 1 Serviço de granito, constando de 1 terrina, 1 saladeira, 2 travessas, 1 prato coberto, 1 molhadeira, 1 fruteira, 19 pratos rasos, 1 prato fundo, 5 xícaras, 3 canequinhas para café, 10 pires avulsos, tudo 25$000; 12 copos de vidro (1/2 cristal) 10$000; 8 cálices de cores (vidro) 6$000; 7 cálices cristal para licor 5$000; 2 Garrafas cristal para licor 6$000; 2 Garrafas vidro para vinho 4$000; 1 Compoteira de vidro 1$000; 2 Fruteiras de vidro 2$000; 1 Fruteira vidro de cor 3$000; 2 Copos vidro de cor 1$000; 1 Bandeja metal (mau estado) 1$000; 1 Cesta de metal 2$000; 2 Bules e 1 açucareira metal (em mau estado) 5$000; 4 Taças de cristal para champanhe 5$000, 2 Toalhas e 4 guardanapos 14$000; 1 Lote de roupas de uso 2$000.

Livros – 400 volumes encadernados de diversos autores 600$000; 600 volumes em brochura de diversos autores 300$000; 400 Folhetos de diversos autores 120$000.

2:718$000 – Importa a presente avaliação na quantia de dois contos, setecentos e dezoito mil réis.

(Via Memorial do Bruxo – Conhecendo Machado de Assis)

Todos nós sabemos, no entanto, que a maior herança que Machado nos deixou foram suas obras. A L&PM publica todos os romances de Machado de Assis.

“Machado de Assis está a morrer”

terça-feira, 2 agosto 2011

O site da revista Piauí publicou o fac-simile de uma carta que o diplomata e escritor Graça Aranha, amigo próximo de Machado de Assis, em setembro de 1908, enviou ao então diretor do Jornal do Commercio, Felix Pacheco. A mensagem começa de forma dramática: “Machado de Assis está a morrer”. Seu intento era pedir que Pacheco providenciasse um obituário a altura do maior autor da literatura brasileira, e sugere nomes como José Veríssimo, um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras ao lado e Machado de Assis, para escrevê-la.

A carta ficou guardada com a família de Felix Pacheco por quase 100 anos e hoje faz parte de uma coleção particular. A seguir, a reprodução do manuscrito e logo abaixo a transcrição:

Meu caro Felix

Machado de Assis está a morrer. Não há mais esperança de ser salvo, porém a morte poderá demorar alguns dias. O seu espírito é inteiramente lúcido.

Tem havido verdadeira romaria em sua casa. Está constantemente acompanhado de amigos íntimos e amigos literários. Peço-te uma notícia simpática sobre o próximo fim de nosso maior homem de letras.

É preciso que haja alguém encarregado de escrever o artigo do Jornal sobre ele. Felizmente no Jornal há imaginação para os grandes fatos e não deixarão de tratar o Machado (como disse o Nabuco) como a palmeira do oásis deste deserto.

Por que não incumbem desse artigo o José Veríssimo, que é talvez o melhor conhecedor de Machado e sua obra?

Entre os que vieram hoje estava o Calmon.

Até agora o Barão do Rio Branco não tentou ir.

É provável que vá ainda. Indaga.

teu,
Graça Aranha

Conheça a Série Machado de Assis da Coleção L&PM POCKET, que contém, entre outros escritos, os dez romances do autor em edições ampliadas sob a coordenação editorial de Luís Augusto Fischer.