Posts Tagged ‘Pablo Neruda; Matilde Urrutia; Salvador Allende’

O último verso de Neruda é uma declaração de amor

sexta-feira, 23 setembro 2016

A voz de Pablo Neruda calou-se dias depois do golpe militar de Pinochet e do assassinato de seu amigo Salvador Allende, presidente eleito do Chile. Por uma estranha coincidência, Allende foi executado no Palácio Presidencial pela turma do general Pinochet exatamente no dia 11 de setembro de 1973. Esta data passou a ser mais sinistra ainda, 28 anos depois, quando do atentado às torres do World Trade Center em Nova York.

Neruda, já doente, não resistiu à tristeza e ao desespero de ver seu Chile ser tomado de assalto por um general sanguinário. Morreu 12 dias após o golpe, em 23 de setembro de 1973. A casa do poeta era famosa, em Isla Negra, referida muitas vezes em seus versos. Recorrente também em sua obra é a relação com o mar, com a liberdade, a solidariedade, as paixões e as mulheres. Desde 1980 a L&PM publica obras de Pablo Neruda. Hoje temos em nosso catálogo dezenas de livros que reúnem uma parte importante da sua obra poética. Incluindo a nova edição bilíngue de O mar e os sinos (El mar y las campanas) que foi publicado no Brasil com o título de Últimos Poemas (O mar e os sinos). É o livro em que o poeta trabalhava quando morreu. Uma obra belíssima. Melancólico, íntimo, nostálgico, Neruda expõe seus diálogos com o mar e se mostra sereno e altivo em relação à morte eminente. E, sobretudo, possui uma linda declaração de amor, das mais belas que eu conheço. Seu último poema conhecido, “Final”, foi para sua mulher Matilde Urrutia.  Em um dos versos ele diz:

 Foi tão belo viver

Quando vivias.

Isto sim é que é amor… (Ivan Pinheiro Machado)

Pablo Neruda e sua esposa, Matilde

 

Livros de Neruda na L&PM Editores:

A Barcarola

Cantos cerimoniais

Cem sonetos de amor

Coração amarelo

Crepusculário

Defeitos escolhidos & 2000

Elegia

Jardim de inverno

Livro das perguntas

Memorial de Isla Negra

Residência na Terra I

Residência na Terra II

A Rosa separada

Terceira residência

Últimos poemas

As Uvas e o vento