Posts Tagged ‘Muro de Berlim’

A inesquecível queda do Muro de Berlim

quarta-feira, 9 novembro 2016

Em 9 de novembro de 1989, o Muro de Berlim finalmente vinha abaixo. Um fato histórico emocionante que sempre merecerá ser lembrado.

O acontecimento que simbolizou com mais força o desmoronamento da antiga ordem foi a abertura do Muro de Berlim em 9 de novembro. Aquela infame bareira de concreto de 45 quilômetros de extensão passara a significar não apenas a divisão da antiga capital da Alemanha, mas a divisão da Europa em geral. Quando o muro se desintegrou, desapareceu também a linha divisória Leste-Oeste da Europa. (Trecho de Guerra Fria, de Robert J. McMahon, Série Encyclopaedia, Coleção L&PM Pocket)

Foto da pg 189: O Muro de Berlim vem abaixo, novembro de 1989

Foto da pg 189: O Muro de Berlim vem abaixo, novembro de 1989

28 anos haviam se passado. Praticamente uma geração. Foi em 13 de agosto de 1961 que a cidade de Berlim acordou dividida. Cercas de arame farpado tinham sido esticadas, delimitado que não existia mais uma única nação alemã, mas duas. O muro – que se tornaria o maior símbolo da Guerra Fria – também começaria a ser erguido durante aquela madrugada. E enquanto os moradores da Alemanha Ocidental tinham liberdade, os da Oriental logo perceberam que se encontravam em uma espécie de cárcere privado.

Da noite para o dia, o muro de Berlim começou a ser erguido

A Guerra Fria opôs União Soviética e Estados Unidos num tenso conflito que atravessou décadas. Para entender melhor como como tudo começou, por que ele durou tanto tempo e que impacto teve no estabelecimento de uma nova ordem mundial, a sugestão é  Guerra Fria, de Robert J. McMahon, Série Encyclopaedia. Lançando mão de arquivos secretos divulgados recentemente e dos últimos estudos sobre o assunto, o autor oferece ao leitor um relato atualíssimo e eletrizante.

“Guerra Fria” é o próximo título da Série Encyclopaedia

Uma calorosa leitura sobre a Guerra Fria

quarta-feira, 5 setembro 2012

A Guerra Fria durou de 1945 a 1990. Uma vida. Ou melhor, muitas vidas, se pensarmos na quantidade de gente que pereceu em meio ao conflito, vítima da instransigência e da incoerência presente no messianismo político. Como nasci em 1969, o assunto fez parte  dos jornais, das revistas e dos noticiosos televisivos da minha infância. Sempre anunciando nas entrelinhas o perigo de uma guerra nuclear e a ameaça dos comunistas “comedores de criancinha”. Para mim, soava como filme de ficção. Até que, em 1987, eu entrei na faculdade e, como toda universitária que se prezasse, coloquei um poster do Che Guevara na parede para orgulho do meu pai esquerdista. Mas fiz isso muito mais por simpatia do que ideologia, simplesmente porque os comunistas pareciam mais aguerridos e defensores dos fracos e oprimidos. Foi só quando o Muro de Berlim veio abaixo é que as minhas fichas também começaram a cair. E percebi que ninguém era realmente bonzinho nessa história. Como um filme que tivesse chegado ao fim, não pensei mais nesse assunto. Até que agora me vejo diante de Guerra Fria, o mais recente lançamento da Série Encyclopaedia. No livro, Robert J. McMahon explica de forma clara e deliciosamente literária como tudo começou e como se desenrolou o embate que quase culminou na Terceira Guerra Mundial. A tradução de Rosaura Eichenberg também está primorosa, cheia de ritmo e palavras que fluem com sonoridade impecável. Para completar, há fotos, mapas e um índice remissivo. Ainda não cheguei à página final, mas já recomendo como leitura obrigatória a todos aqueles que querem entender esse mundo em que vivemos, onde cada um quer puxar a brasa para o seu assado e impor suas próprias certezas. (Paula Taitelbaum)

Foto que está na pg 106 do livro: Evidência fotográfica de um sítio de lançamento de Mísseis Balísticos de Alcance Médio em San Cristobal, Cuba, outubro de 1962

Foto da pg 189: O Muro de Berlim vem abaixo, novembro de 1989

Um casamento clássico de conveniência, a aliança, estabelecida durante a guerra, entre a principal potência capitalista do globo e o principal advogado da revolução proletária internacional foi desde o início crivada de tensão, desconfiança e suspeita. Além do objetivo comum de derrotar a Alemanha nazista, pouco havia para cimentar uma parceria nascida de uma necessidade crítica, além de onerada por um passado repleto de conflitos. Afinal, os Estados Unidos haviam demonstrado uma hostilidade implacável ao Estado soviético desde a revolução bolchevique que lhe deu origem. Os governantes do Kremlin, por sua parte, viam os Estados Unidos como o cabeça das potências capitalistas que tinham procurado acabar com o regime comunista ainda nos primeiros tempos. (Trecho de Guerra Fria, de Robert J. McMahon)