A arca de Fernando Pessoa

Precavido e organizado, o poeta português Fernando Pessoa “salvou” boa parte de sua intensa produção literária numa arca. Os poemas que ainda não tinham sido publicados foram organizados e etiquetados pelo próprio Pessoa para garantir que a posteridade não profanasse sua obra.

A arca onde Fernando Pessoa guardava seus manuscritos foi a leilão em 2008 junto com fotos e outros pertences do escritor

Nesta arca, havia um envelope verde com o rótulo “quadras”, cujo conteúdo revela um outro Fernando Pessoa – que também não está em nenhum de seus heterônimos. Eram 60 folhas com 365 quadras até então desconhecidas pelo grande público, que revelam um poeta simples que fazia registros do cotidiano e da vida na aldeia. Este material foi reunido no livro Quadras ao gosto popular (Coleção L&PM Pocket), que conserva desde a ordem dos papéis organizados por Pessoa até a ortografia da época.

Mas, afinal, o que é uma “quadra”?

Na introdução do livro Quadras ao gosto popular, assinada pela escritora Jane Tutikian, há uma explicação:

Vale dizer que este [a quadra] é o mais elementar e popular dos gêneros poéticos, cuja  principal característica é a simplicidade do tema e do esquema métrico, composto por redondilhas maiores (versos de sete sílabas), também conhecidas como “medida velha” – esquema de composição muito utilizado pelos poetas medievais.

Mas a definição do próprio Fernando Pessoa, extraída do livro Missal das trovas e citado na mesma introdução, é muito mais poética:

A quadra é um vaso de flores que o povo põe à janela  da sua alma. Da órbita triste do vaso escuro a graça exilada das flores atreve o seu olhar de alegria. Quem faz quadras portuguesas comunga a alma do povo, humildemente de todos nós e errante dentro de si próprio (…)

Aí vai um pouco da simplicidade e da leveza desta outra face de Fernando Pessoa:

8
Entreguei-te o coração
E que tratos tu lhe deste!

É talvez por ‘star estragado
Que ainda não mo devolveste…

11
Duas horas te esperarei
Dois anos te esperaria
Dize: devo esperar mais?
Ou não vens porque inda é dia?

117
O cravo que tu me deste
Era de papel rosado
Mas mais bonito era inda
O amor que me foi negado

Tags: , , ,

  1. Maria Luiza Furia disse:

    Caros, não sei de onde tiraram que o Pessoa era organizado. A arca estava cheia de envelopes, sim, mas os papéis estavam misturados. Até hoje, equipes de pesquisadores se debruçam sobre os manuscritos para organizá-los. Como jornalista, já escrevi várias reportagens sobre isso, para as quais conversei com uma das maiores especialistas em sua obra, a professora doutora da Universidade Nova de Lisboa, Teresa Rita Lopes, a mais recente publicada há pouco menos de um ano no jornal Valor. Ainda na década de 60, a professora teve permissão da família para estudar os papéis da arca e até hoje está às voltas com o assunto. Portanto, é leviano afirmar que “precavido” e “organizado”, o poeta deixou tudo bonitinho para a posteridade.

    • Nanni Rios disse:

      Oi, Maria Luiza. Obrigada pela informação! Realmente não sabíamos desta característica do Pessoa. A intenção era dizer que as quadras publicadas no livro foram selecionadas pelo próprio poeta e agrupadas em um envelope etiquetado. Pelo menos estas ele organizou :)

Envie seu comentário

* Campos obrigatórios