Para Woody Allen, não há diferença entre um biscoito da sorte e as religiões organizadas

Saiu no jornal The New York Times dessa semana: questionado se era apropriado lhe desejar um feliz Ano Novo Judaico, Woody Allen disse “Não, não, não” com uma risada. “Isso é para o seu povo” falou ele ao jornalista. E completou “Eu não a sigo. Eu até gostaria. Seria uma grande ajuda nas noites escuras”. A religião, no entanto, está mais presente do que nunca no seu mais recente filme: “You Will Meet a Tall Dark Stranger”, que será liberado pela Sony Pictures na semana que vem. Nele, quando o casamento de um casal londrino (Anthony Hopkins e Gemma Jones) se desfaz, a mulher procura conforto no sobrenatural, o que acaba trazendo consequências imprevisíveis sobre o casamento de sua filha (Naomi Watts) e seu marido (Josh Brolin). Em uma conversa com Dave Itzkoff, Woody Allen falou sobre o filme (leia aqui a entrevista no The New York Times) e sobre suas crenças: “Pra mim, não há diferença real entre uma cartomante, um biscoito da sorte ou qualquer uma das religiões organizadas. Eles são todos igualmente válidos ou inválidos. E igualmente úteis.”

Cena de "You Will Meet a Tall Dark Stranger" com Gemma Jones e Naomi Watts - Keith Hamshere/Sony Pictures Classics

De Woody Allen, a L&PM publica em pocket Adultérios, Cuca fundida, Que loucura! e Sem plumas.

Tags:

Envie seu comentário

* Campos obrigatórios