Semana TyPA de Editores

Apontamentos sobre uma semana passada em Buenos Aires #2

quarta-feira, 28 abril 2010

Ontem a editora Caroline Chang começou a publicar suas impressões sobre VIIIa. Semana TyPA de Editores. Para ver o primeiro post, clique aqui.

Caroline Chang

– É invejável o nível de preparo dos livreiros, em geral. Sim, tive que soletrar nomes de alguns autores, mas também pode ser culpa do meu castelhano de pé quebrado. De modo geral, os livreiros conhecem os livros que vendem e são capazes de opinar sobre eles. Imagino que isso se deva em parte ao melhor nível educacional argentino (embora também haja queixas de que o ensino privado está maquiavelicamente clientelizando o processo educacional, coisa que conhecemos bem no Brasil), em parte à posição privilegiada que a leitura e a cultura livresca ocupa na vida portenha.

– Eu nunca havia me dado conta da dimensão que ocupa, na vida cultural argentina, do fato de as grandes editoras espanholas comprarem direitos para língua espanhola e os leitores argentinos se verem em uma de três situações: ou a editora espanhola que compra os direitos de tradução para o espanhol exporta os livros para as livrarias e distribuidoras argentinas, e nesse caso o livro chega ao leitor argentino a um preço que é no mínimo o dobro do que custaria se fosse produzido no país; ou então a editora espanhola não distribui direito os livros na Argentina (seja por problemas nos canais de distribuição, seja por acreditar, baseado na carreira espanhola do livro, que ele não terá êxito comercial, o que nem sempre é verdade, já que se trata de contextos culturais diferentes); ou, melhor dos casos sob o ponto de vista do leitor argentino, a editora espanhola que compra os direitos para tradução para o espanhol tem uma casa editorial filial na Argentina, podendo então produzir tiragens na Argentina, para o leitor local, que então tem acesso ao livro a um preço argentino, e não europeu. Alguns setores do mercado editorial argentino inclusive defendem que agências literárias e editoras que vendem direitos de tradução deveriam comercializar em separado direitos para traduzir o livro na Espanha e, por exemplo, na Argentina (tal como acontece com Brasil e Portugal: direitos para explorar um livro em língua portuguesa no Brasil é vendido para uma editora brasileira, e os direitos para explorar o mesmo livro em língua portuguesa em Portugal, para uma editora portuguesa). Assim os direitos ficariam livres para editoras argentinas que quisessem explorar tal livro e tal autor, o que certamente fortaleceria a cadeia nacional. (Vale lembrar que a separação dos direitos entre Portugal e Brasil é recente: poucas décadas atrás, os agentes vendiam direitos mundiais para língua portuguesa para editoras portuguesas, e nós, leitores brasileiros, nos víamos na obrigação de importar o livro e ler Lawrence Durrell em português de Portugal.)

– Suspeito que nossos irmãos argentinos conheçam melhor a literatura brasileira que nós a argentina. El Corregidor (www.corregidor.com.ar ), por exemplo, tem uma série que se chama Vereda Brasileira, onde se encontra o que de melhor a nossa literatura produziu. A editora Adriana Hidalgo tem, na sua serie de traduções, uma clara veia brasileira, tendo publicado João Gilberto Noll, Clarice Lispector, Dyonélio Machado e – pasmei quando vi – Grande Sertão: Veredas, além de Sagarana. Me corrijam se estou errada, mas creio que não há nenhuma editora brasileira que tenha uma série numerosa e longeva de literatura platense, que dirá argentina.

Caroline ao lado da estátua de Mafalda em San Telmo / Arquivo pessoal

 – Por fim, vida longa a uma menina baixinha de quem o Gobierno de La Ciudad (de Buenos Aires) inaugurou há pouco uma estátua, no velho bairro de San Telmo, próximo à casa de Quino, seu criador (esquina da calle Defensa com calle Chile). Foi com ela que a literatura argentina fez sua grande e indelével entrada na minha vida.

Apontamentos sobre uma semana passada em Buenos Aires #1

terça-feira, 27 abril 2010

Por Caroline Chang*

Na semana passada, participei da VIIIa. Semana TyPA de Editores en Buenos Aires, a convite da Fundación TyPA – uma instituição privada e sem fins lucrativos – e da Embaixada Brasileira na Argentina. A ideia é promover, in situ, a literatura argentina, proporcionando encontros entre os editores estrangeiros participantes e argentinos, também encontros com agentes literários, palestras e outras atividades. Segue abaixo um pouco do que vi, senti e pensei.

– Chegando aqui, descobri que a Fundación TyPA foi fundada em seguida à e em função da crise que castigou a Argentina em 2001. Para combater o cenário de desastre econômico, juntos, agentes de várias áreas da cultura – literatura, patrimônio, cinema e artes plásticas – se juntaram para pensar maneiras de promover os distintos setores culturais e ajudá-los a contornar a crise. Não pude deixar de admirar a iniciativa, tomada em um contexto que faria muitos povos se entregarem à prostração. Também não pude deixar de invejar esse temperamento portenho e de pensar que não por acaso a Argentina conquistou sua Independência à unha, e não no canetaço (aliás, o país se prepara para festejar, em maio próximo, seus 200 anos de independência).

– Impressionante o número, a variedade e a qualidade das editoras pequenas e independentes da Argentina. Fiquei me perguntando se no Brasil não há tantas, proporcionalmente, ou se eu é que não as conheço. A Libre, claro, é referência aqui, e os hermanos admiram a iniciativa brasileira tanto quanto nós as deles. Talvez uma diferença importante esteja no fato de que uma pequena editora argentina, se fizer direitinho o seu trabalho, encontrar seu nicho e perseverar – e se encontrar um bom distribuidor nos outros países de fala hispânica, inclusive na Espanha –, tem mais chances de multiplicar suas vendas. Entendo que para as pequenas editoras brasileiras tal expansão comercial é bem mais difícil, senão impossível (alguém conhece algum editor que venda livros para Moçambique?).

– Apesar da pujança portenha, me parece que os livros brasileiros, de um modo geral, são mais modernos e arrojados, em termos de capa e design, do que as edições que se vê nas livrarias argentinas. Há, é claro, a bela coleção de traduções da Adriana Hidalgo, os bonitos livros da HUM e os lindíssimos livros da pequena Tamarisco – todas editoras independentes –, mas creio que, no geral, as capas de livros brasileiras são mais modernas, quiçá menos figurativas e mais limpas.

– Invejável a quantidade e a qualidade das livrarias de Buenos Aires. Se são em maior número do que todas as livrarias do Brasil, não sei, mas eu bem que não me importaria em morar em uma cidade em que se pode sair de uma festa à meia-noite e meia, voltar a pé para casa pela Corrientes, sem medo de assalto e, de quebra, parar no caminho na Livraria Edipo para comprar um livro, como eu fiz. Destaque para a relativamente nova livraria Eterna Cadencia (www.eternacadencia.com – ver foto), em Palermo, e também para a Libros Del Pasaje (www.librosdelpasaje.com.ar ), também em Palermo.

*Caroline é editora da L&PM
**Nota do editor: amanhã, neste mesmo blog, a continuação dos apontamentos sobre a semana TyPA de Editores em Buenos Aires.