Posts Tagged ‘Persuasão’

Jane “vintage” Austen

sexta-feira, 11 novembro 2011

Quando se fala nos romances de Jane Austen, uma coisa é certa: não existe um só leitor de Persuasão, Orgulho e Preconceito e A abadia de Northanger que não tenha gostado das capas das edições da L&PM. E não é pra menos! Elas foram desenhadas pela artista alemã Birgit Amadori, famosa por suas criações em estilo vintage que decoram desde capas de livro até paredes de hotéis pelo mundo.

Conheça a série completa de ilustrações que ela criou para a coleção Jane Austen da editora britânica Random House, entre elas as que viraram as capas dos cinco livros de Jane Austen publicados na Coleção L&PM Pocket:

Ilustração da capa de “Razão e sentimento”

Ilustração da capa do livro “Emma”, próximo título de Jane Austen a ser publicado, ainda em 2014

A capa de “Mansfield Park” foi feita a partir desta ilustração

Ilustração da capa de “A abadia de Northanger”

Os traços delicados combinam com a história de “Persuasão”

A capa de “Orgulho e preconceito” é inconfundível

E a L&PM gostou tanto do trabalho de Birgit Amadori que encomendou uma ilustração inédita para a capa de O morro dos ventos uivantes e Ao farolde Virginia Woolf. Chegou a notar a semelhança?

Para ver outros trabalhos de Birgit Amadori, visite o álbum de fotos da página da artista no Facebook.

“Orgulho e preconceito” em edição de luxo e ilustrado por Isabel Bishop

segunda-feira, 5 setembro 2011

Quem é fã de Orgulho e preconceito e Persuasão, os romances mais famosos da escritora inglesa Jane Austen, deve acompanhar o dia-a-dia do blog Jane Austen em Português, que compartilhou hoje um verdadeiro achado: um exemplar de Orgulho e preconceito publicado em 1976 e ilustrado pela artista americana Isabel Bishop, conhecida por suas pinturas e desenhos realistas de mulheres em ambientes urbanos. O deleite começa já na caixa que acompanha a edição de luxo:

… E continua nas páginas internas:

Para combinar ainda mais com o universo de Jane Austen, o glamour fica por conta do autógrafo da própria Isabel Bishop na folha de rosto do livro, que está à venda no eBay pela bagatela de 150 dólares:

Mas quem quiser mergulhar no universo de uma das mais célebres escritoras inglesas de todos os tempos pode pagar bem mais barato pelas edições de Orgulho e preconceito e Persuasão da Coleção L&PM Pocket, enquanto aguarda a chegada de A abadia de Northanger.

Autor de hoje: Jane Austen

domingo, 17 julho 2011

Steventon, Inglaterra, 1775 – † Winchester, Inglaterra, 1817

Filha de um pastor anglicano, pertencente à aristocracia rural inglesa, encontrou, na experiência de viver em um presbitério, material suficiente para a criação de narrativas. Em sua obra, trata o cotidiano de pessoas comuns, contribuindo para dar ao romance inglês o primeiro impulso para a modernidade. Sua aguda percepção psicológica revela-se na ironia do estilo, dissimulado pela leveza da narrativa. Com temas de aparente trivialidade, criou romances de amor, construindo um mundo denso. Neles a ação, o senso cômico e a técnica do ofício oferecem um quadro de crítica social contrário à falsidade, à vulgaridade e à presunção. Sua obra mais conhecida, Orgulho e preconceito, mostra a superação das barreiras de diferença social, colocando em evidência o escasso poder de decisão concedido à mulher.

OBRAS PRINCIPAIS: Razão e sensibilidade, 1811; Orgulho e preconceito, 1813; Emma, 1816; A abadia de Northanger, 1817; Persuasão, 1818

JANE AUSTEN por Elizamari R. Becker

A permanência de Jane Austen junto ao público leitor pode ser explicada, em primeiro lugar, pela natureza de seu confronto com os romancistas de sua época, mostrando-se ela bastante sensível ao gosto literário em voga ao escrever A abadia de Northanger, no qual satiriza o romance gótico. Em segundo lugar, pelo caráter de modernidade conferido ao conjunto de sua obra, como resultado da escolha de temas que circulam em torno de pequenos núcleos de pessoas aparentemente comuns, em cenários também limitados, e que focalizam pequenos incidentes da vida cotidiana.

De natureza recatada, Jane Austen viveu uma vida pacata e sem grandes acontecimentos, o que lhe rendeu estudos biográficos que a apontam como contemplativa, devido à ambientação quase claustrofóbica de seus romances. Em razão disso, sua arte tem sido designada miniaturista. Suas personagens são provincianas de classe média, cuja maior preocupação parece girar em torno do casamento – casamento por amor, segurança financeira, status social –, tema que ela explora com uma ironia sutil e um humor refinado. Sua apurada visão acerca dos relacionamentos humanos, retratando com vivacidade a vida da classe média britânica do século XVIII, trouxe para sua obra de ficção uma sensível mudança na caracterização das personagens femininas. Suas heroínas são, apesar de sua condição social pouco confortável, fortes a ponto de não se sujeitarem ao que a sociedade delas espera, quando não travam uma luta íntima intensa contra os próprios sentimentos, como as heroínas em Emma e Orgulho e preconceito. Também não são belas, ou pelo menos não possuem a beleza frágil e enternecedora que a maioria das heroínas românticas normalmente exibem. Assim o são Elizabeth Bennet, de Orgulho e preconceito, cuja beleza é descrita como tolerável, e Catherine Morland, de A abadia de Northanger, descrita como “uma magricela de aparência desajeitada, pálida, de cabelos escuros escorridos e feições marcadas”.

Sandra M. Gilbert e Sandra Gubar, em seu The Madwoman in the Attic, logram aproximá-la a outras escritoras de sua época – tais como Charlotte e Emily Brontë, Mary Shelley, Emily Dickinson e outras – no maior desconforto de que compartilham: a angústia da autoria. Toda uma tradição literária que só concebia textos oriundos de uma autoria masculina e patriarcal forçou-a ao anonimato, mas não a impediu de criticar os danos causados às mulheres inseridas em uma cultura criada por homens e para homens. Esse poder econômico, social e político masculino vê-se representado em sua obra nas muitas dramatizações de como importa à sobrevivência da mulher saber angariar a aprovação e a proteção dos homens, bem como buscar aqueles que sejam mais sensíveis, embora permaneçam como representantes de toda a autoridade. Dessa forma, Austen soube representar como nenhuma outra escritora de sua época tanto o papel de subordinação da mulher na sociedade patriarcal, quanto suas restritas – ainda que existentes – ações no sentido de melhorar sua condição no cenário familiar e social.

Guia de Leitura – 100 autores que você precisa ler é um livro organizado por Léa Masina que faz parte da Coleção L&PM POCKET. Todo domingo,você conhecerá um desses 100 autores. Para melhor configurar a proposta de apresentar uma leitura nova de textos clássicos, Léa convidou intelectuais para escreverem uma lauda sobre cada um dos autores.