Posts Tagged ‘Moebius’

O verbete de hoje é Jean Giraud (Moebius)

domingo, 18 março 2012

Com o lançamento da nova Enciclopédia dos Quadrinhos“, de Goida e André Kleinert, este Blog publicará, nos domingos, um verbete deste livro. O de hoje é  o francês Moebius que faleceu há pouco mais de uma semana, em 10 de março de 2012, aos 73 anos. 

Também conhecido por Gir ou Moebius, dependendo do gênero que ilustra, Jean Giraud é hoje um dos mais prestigiados desenhistas não só da França, mas do mundo inteiro. No álbum da L&PM, O homem é bom?, aparece a seguinte apresentação do autor: “Aos 16 anos, em 1954, Giraud entra para a École des Arts Apliqués, em Paris. Aos 18 anos começa a colaborar ativamente em periódicos, onde realiza suas primeiras histórias no estilo faroeste. Discípulo de Jijé, entre 1963 e 1980 desenha a famosa série “Tenente Blueberry” (imagem), a partir de roteiros de Charlier. Paralelamente começa, sob o nome de Moebius, algumas histórias maravilhosas de fantasia e ficção científica, como O desvio (1973), O homem é bom? (1974), As aventuras de John Watercolor (1974) e O pesadelo branco (1975). Enfim, pode-se dizer que ele definiu seu estilo feito de fantástico, de poesia e de insólito, quando realiza para a revista Metal Hurlant, Arzach e, mais tarde, A garagem hermética (O major Fatal – publicada no Brasil pela L&PM). Muito ativo, Moebius também desenha posters, cartazes publicitários e ilustra, com roteiro de Dan O’Bannon, The Long Tomorrow. Desenhou o storyboard do filme que Jodorowsky tentou realizar a partir do clássico Duna (mais tarde filmado por David Lynch). Em 1978, colaborou estreitamente com Giger em Alien, o filme de Ridley Scott. Em seguida, fez os storyboards dos filmes O garoto do espaço (Les Maitres du Temps) e Tron, esse último produzido por Walt Disney. Jean Giraud é um dos desenhistas mais premiados do mundo: Estados Unidos, França, Bélgica, Itália e Holanda. Em toda parte, ganhou medalhas e prêmios de Melhor Desenhista. Às vezes, duas vezes! Uma pelos seus álbuns assinados por Jean Giraud ou Gir. Uma segunda por aqueles assinados por Moebius!”. Resta acrescentar alguns trabalhos mais recentes de Moebius, como a série “O Incal Negro” (roteiro de Alejandro Jodorowsky) já com seis álbuns e “Os Mundos de Edena”. A série “Tenente Blueberry” também foi ilustrada por um ótimo  assistente que ele formou, Colin Wilson. Usando o pseudônimo Moebius, depois de 1990, ele participou de dois álbuns coletivos, Au Secours (Amnesty International) e O muro antes e depois (Meribérica Liber, 1991) – esse último organizado por Christin e Knigge. Também por essa mesma editora portuguesa saíram álbuns do Incal negro (Uma aventura de John Difool), em primeira edição, depois pela Editorial Futura. O Incal negro recebeu edição no Brasil pela Devir. O ciclo de Edena, sem a ajuda de Jodorowsky, como fora em Incal, foi publicado até o volume três pela Meribérica/ Liber. No prefácio do volume 3, Os jardins de Edena, Moebius anunciava novos volumes para breve. Embora não ilustre mais a série “Tenente Blueberry”, Giraud apareceu como apenas roteirista nos álbuns desenhados por William Vance, À ordem de Washington e Missão Sherman (editados em Portugal pela Meribérica/Liber). Também saíram, ainda com roteiros de Charlier e desenhos de Colin Wilson, os álbuns de Blueberry, Os demônios do Missouri, Terror no Kansas e O raid infernal (traduções pela Meribérica/Liber).

Moebius e seu personagem, Major Fatal, publicado pela L&PM nos anos 80

Uma mineral com gás para Moebius

segunda-feira, 12 março 2012

Por Ivan Pinheiro Machado*

O Maxim’s era um restaurante que causava furor no Rio de Janeiro. Plantado no alto da torre do Rio Sul em Botafogo, aliava à lenda parisiense uma vista paradisíaca. Era difícil conseguir reserva no Maxim’s. Como seu homônimo francês, era o preferido dos ricos e famosos. Jean Giraud, dito Moebius estava sentado diante de mim e do adido cultural francês. Eu estava um pouco nervoso. O consulado da França no Rio havia transmitido um convite a mim, pois Moebius gostaria de almoçar com seu editor brasileiro. Estava no Rio como convidado e estrela da Bienal de Quadrinhos que realizava-se na Fundição Progresso na Lapa. Nos encontramos pontualmente às 13h. Era primavera de 1991 e a L&PM Editores havia publicado em sua saudosa coleção de álbuns de quadrinhos dois clássicos seus, “Major fatal” (1988) e “O Homem é bom?” (1984).

Os títulos de Moebius publicados pela L&PM Editores

Moebius estava além do seu tempo. Seus personagens intrigantes erravam por paisagens estranhas, planetas, cidades futuristas e desertos improváveis. Publicamos na década de 80 do século passado as histórias que nos fascinaram nos nossos vinte anos. Vários episódios de “A Garagem Hermética de Jerry Cornelius” estavam impressos em “Major fatal”. Delirantemente fantásticas, suas histórias fizeram com que eu imaginasse que iria encontrar um personagem inquieto, falador, messiânico. Quando fui apresentado a ele pelo adido, o que vi foi um homem discreto, com um ar clássico de intelectual francês. Estava curioso para saber o que editávamos (naquele tempo não tinha internet, Google, estas coisas que acabaram com os mistérios). Lembro que me achou muito jovem para ser um editor e ficou impressionado por editarmos “Valentina” de Guido Crepax e “Corto Maltese” de Hugo Pratt. Estava fascinado com a beleza  do Rio de Janeiro, cuja baía da Guanabara se descortinava aos nossos pés sob um sol feérico. A vista que os janelões do Maxim’s nos proporcionavam era verdadeiramente deslumbrante. Enfim, rapidamente fiquei à vontade diante daquele homem modesto, simpático e introvertido. Guardo daquele agradável encontro de almoço a imagem dos seus óculos redondos e do seu pedido de “uma água mineral com gás” como bebida. Nem parecia o super star dos quadrinhos; o genial inspirador de Ridley Scott em “Alien” e “Blade Runner”, o colaborador da lendária revista “Metal Hurlant”, aquele que era considerado um dos maiores e mais premiados desenhistas do mundo.

No sábado, 10 de janeiro, ele morreu aos 73 anos. Ao saber da notícia abri meu velho exemplar da “Garagem Hermética”. Fiquei imaginando o silencioso Moebius flutuando nos seus mundos pós-galáticos e fui invadido por uma sincera melancolia ao perceber o vazio real que fica quando um grande criador se vai.

*Ivan Pinheiro Machado é editor

36. De Corto Maltese aos Mangás: as HQs no DNA da L&PM

terça-feira, 12 julho 2011

Por Ivan Pinheiro Machado*

No post da semana passada da série Era uma vez… uma editora, a Paula Taitelbaum, que coordena o núcleo de comunicação da L&PM, na minha ausência, iniciou um assunto que tem muito a ver com a história da editora: a coleção Quadrinhos L&PM. Tão importante são os quadrinhos para nós (o primeiro livro da editora foi o Rango 1, de Edgar Vasques, um livro de tiras de humor), que eu vou me estender neste assunto. Foi assim:

Em 1980 nós decidimos fazer uma coleção de quadrinhos nos moldes europeus. Nosso modelo era a extinta editora francesa Futurópolis, que resgatava e reconstituía os originais das primeiras histórias dos clássicos americanos e as editoras Castermann, Glennat e Dargaud. Ficávamos fascinados quando íamos a Paris e víamos, nas livrarias Fnac, numa grande sala destinada somente aos quadrinhos, dezenas de jovens sentados no chão lendo belos álbuns por horas a fio.

No Brasil, embora em declínio, havia a histórica editora EBAL que publicava os clássicos em edições luxuosas. Os quadrinhos mais populares, os tradicionais gibis, com os personagens americanos da Marvel e da DC Comics em suas novas versões requentadas, eram vendidos somente em bancas de jornais. Nossa idéia era publicar os álbuns nos modelos europeus, no formato 28 cm x 21 cm, papel de alta qualidade, edições costuradas, quase luxuosas e colocar os quadrinhos nas livrarias. O preço seria uma média entre as edições luxuosas do Príncipe Valente, por exemplo, e os gibis vendidos em banca.

Quando adolescente, meu pai foi para o exílio fugindo das perseguições da ditadura militar que imperava (literalmente) no Brasil. Toda a minha família foi para Roma. Foi lá que conheci um dos grandes personagens dos quadrinhos europeus na época, Corto Maltese, o fascinante marujo criado por Hugo Pratt (1927-1995). Eu e meu irmão éramos fãs de Corto e líamos avidamente todos os dias a tira que saía no jornal Corriere de la Sera. Aos domingos era publicada a sequência da história em meia página (8 tiras) formato standard (tipo Estadão).

"A Balada do Mar Salgado" foi primeira aventura de Corto Maltese publicada em livro

Quando projetamos a coleção de quadrinhos em 1980, escolhemos como primeiro título – numa homenagem à nossa estadia romana – o “romance gráfico” de Hugo Pratt, A Balada do Mar Salgado, primeira aventura publicada de Corto Maltese em livro. Uma longa história em quadrinhos de 200 páginas, onde Corto vive as mais variadas aventuras pelos mares do Sul entre piratas, bandidos e nativos das ilhas. Calado, bonitão, desiludido da vida, Corto é uma espécie de herói romântico, sentimental e duro, quando é preciso ser duro. Na sequência, publicamos outro italiano lendário, Guido Crepax (1933 – 2003), que fazia também enorme sucesso na Europa com sua lânguida, misteriosa e “gostosíssima” personagem Valentina. Depois, decidimos seguir “apresentando” os grandes quadrinistas internacionais ao público brasileiro; publicamos Moebius, Altan, Wolinski, Pichard, Jean Claude-Claeys, Quino (os cartuns), Fontanarrosa, Mathias Schulteiss, Rotundo, Magnus, Manara. Todos estes autores, com exceção de Manara e Quino, foram editados pela primeira vez no Brasil pela coleção Quadrinhos L&PM. Também publicamos de forma pioneira os autores underground Robert Crumb e Gilbert Shelton (Os Freak Brothers).

"Valentina" de Guido Crepax

Num trabalho de “reconstituição histórica” das HQs americanas, resgatamos as primeira histórias de Batman de Bob Cane, Superman de Jerome Segel e Joe Shuster, Fantasma de Lee Falk e Ray more, Dick Tracy de Chester Gould, Mandrake de Lee Falk e Phil Davis, Flash Gordon de Dan Barry, Spirit de Will Eisner, Popeye de E. Segar, Steve Canyon de Milton Cannif, Cisco Kid de J. Salinas entre muitos outros. Publicamos também na coleção de quadrinhos vários autores brasileiros como Caulos, Miguel Paiva, Chico Caruso, Paulo Caruso, Edgar Vasques, Luis Fernando Veríssimo, Mauricio de Sousa e Flavio Collin. Enfim, foram 123 álbuns em grande formato lançados num período 8 anos. Até que fomos fulminados pela concorrência das grandes editoras de revistas. Começavam a surgir as famosas “grafic novels” lideradas por Frank Miller e seu Batman futurista. Ali começou o fim da nossa coleção, pois no dinheiro de hoje, os nossos álbuns custariam entre R$ 25,00 e R$ 30,00. Nossa concorrência apresentava maravilhosas histórias inteiramente a cores (95% dos nossos álbuns eram em branco e preto, conforme as histórias originais). As grandes tiragens, a forte (e cara) propaganda e a distribuição em milhares de bancas faziam com que estas “grafic novels” chegassem ao consumidor por menos de R$ 10,00. O remédio foi honrosamente encerrar a coleção.

Mas quase como um vício, esta idéia dos quadrinhos sempre rondou a L&PM. Seguidamente temos recaídas. E desde o ano 2000 temos retomado a publicação eventual de histórias em quadrinhos. Destaque para a série de histórias de Agatha Christie, a história que, filmada, quase ganhou o Oscar de filme estrangeiro de 2009, Valsa com Bashir de Ari Folman, Aya de Yopougon de Margarite Abouet (álbuns coloridos) e a grande série das obras completas de Shulz, Peanuts que chega ao seu quarto volume em luxuosas edições em capa dura. A L&PM está lançando também, ainda em 2011, uma grande série de clássicos internacionais adaptados aos quadrinhos.

Tanto está no DNA desta casa, que os quadrinhos estão também magnificamente representados na maior coleção de livros de bolso do país que é, justamente a Coleção L&PM POCKET; lá estão Hagar, Garfield, Dilbert, Recruta Zero, Peanuts, Snoopy, Smurfs e grandes autores brasileiros como Laerte, Angeli, Glauco, Adão Iturrusgarai, Edgar Vasques, Iotti, Santiago, Mauricio de Sousa entre outros.

Para encerrar, aguarde a grande novidade, também para 2011: antes do Natal você vai ter na Coleção L&PM Pocket várias séries dos melhores Mangás japoneses. Evidentemente, para ler de trás pra diante…

*Toda terça-feira, o editor Ivan Pinheiro Machado resgata histórias que aconteceram em mais de três décadas de L&PM. Este é o trigésimo-sexto post da Série “Era uma vez… uma editora“.

34. A história dos quadrinhos

terça-feira, 28 junho 2011

O “Era uma vez… uma editora” de hoje está um pouco diferente. Como Ivan Pinheiro Machado está viajando, o post está menos autoral (mas nem por isso menos histórico). Semana que vem Ivan está de volta.

Tudo começou com um quadrinho: Rango, lançado pela L&PM em 1974. Dois anos depois, foi a vez de um álbum do cartunista e pintor Caulos, Só dói quando eu respiro, considerado o primeiro livro brasileiro de um autor importante que denunciava, através do cartum, a devastação ecológica. Em 1980, vieram os álbuns de luxo europeus clássicos, como os quadrinhos eróticos de Guido Crepax, entre eles História de O e vários títulos de Valentina e Anita.

 

Em meados da década de 80, começaram a ser publicados os álbuns clássicos de autores americanos, com destaque para Spirit, de Will Eisner, Fantasma, de Lee Falk, Batman de Bob Cane e Dick Tracy de Chester Gould.

Mais no final dos anos 1980, chegaram os quadrinhos undergrounds americanos como Freak Brothers de Gilbert Shelton e títulos de Crumb como Minhas mulheres. No meio de tudo isso, Moebius, Dik Browne, Quino, Jules Feiffer, Wolinski, Milton Caniff e outros grandes autores nacionais e internacionais que, juntos, somaram 120 títulos.

Esta coleção durou até os anos 90, mas deixou sua marca, cuja linha editorial serviu de inspiração para novas editoras. A tradição em publicar quadrinhos, no entanto, não se esgotou. Prova disso é que os títulos continuam chegando e fazendo parte do catálogo da editora. A partir de setembro deste ano, terá início a série Clássicos em HQ que somará oito títulos publicados em dez volumes. O primeiro deles será Robinson Crusoé. Depois virão A volta ao mundo em 80 dias, Dom Quixote, A ilha do tesouro, Um conto de natal, Os miseráveis, As histórias das mil e uma noites, Guerra e Paz e Odisseia.

*Toda terça-feira, o editor Ivan Pinheiro Machado resgata histórias que aconteceram em mais de três décadas de L&PM. Este é o trigésimo quarto post da Série “Era uma vez… uma editora“.