Posts Tagged ‘Jornal Zero Hora’

As novas viagens de Martha Medeiros

segunda-feira, 31 outubro 2016

Eu viajo para resistir à hostilidade humana, à crueza dos costumes, ao tique-taque insano dos relógios. Viajo porque sou consciente do quanto viver é difícil e porque não quero ser engolida pela descrença e pela desesperança. Viajo para celebrar a vida no que ela tem de mais sagrado: suas suti­lezas, delicadezas, ins­tantes mágicos, sintonias.” Martha Medeiros em “Um lugar na janela 2“.

Um_lugar_na_janela_2Se for para escolher entre “janela ou corredor” Martha Medeiros vai sempre preferir aquele que a deixe vislumbrar as paisagens que se descortinam à sua frente. Apaixonada por viagens, em 2012, a escritora lançou “Um lugar na janela“, livro que trazia textos sobre suas andanças por diferentes terras e culturas. Agora chega “Um lugar na janela 2″ com novas paisagens, novas aventuras, novos relatos de viagens. Londres, Tailândia e Camboja, Cascais, México, Sicília, Miami, Rio de Janeiro, Uruguai, Sul da França e Nova York são os cenários de textos inéditos, escritos especialmente para este livro que, em seu final, traz um caderno de fotos coloridas da autora.

A Revista Donna deste final de semana, suplemento do jornal Zero Hora, traz uma entrevista com Martha sobre seu novo livro. Leia abaixo:

Martha_Donna_Lugar_Janela2

Clique sobre a imagem para ampliá-la

Martha vai autografar “Um lugar na janela 2″ na Feira do Livro de Porto Alegre no dia 5 de novembro, sábado, às 17h. No Rio de Janeiro, os autógrafos vão acontecer em 26 de novembro, também um sábado, às 18h na Livraria da Travessa Ipanema.

Novo livro de Luiz Antonio de Assis Brasil em destaque

quarta-feira, 21 setembro 2016

O inverno e depois“, novo livro de Luiz Antonio de Assis Brasil será lançado nesta quarta-feira, 21 de setembro, em Porto Alegre na recém inaugurada livraria Saraiva do Shopping Iguatemi.

O lançamento ganhou destaque em vários jornais e foi capa do Segundo Caderno do Jornal Zero Hora e do caderno Panorama do Jornal do Comércio.

O novo livro de Luiz Antonio de Assis Brasil em destaque no jornal Zero Hora (clique para ampliar)

O novo livro de Luiz Antonio de Assis Brasil em destaque no jornal Zero Hora (clique para ampliar)

Assista ao Booktrailer de “O inverno e depois” em que Luiz Antonio de Assis Brasil lê trechos de seu novo livro:

David Coimbra e o olhar de Monalisa de Fernando Eichenberg

terça-feira, 3 maio 2016

Nesta terça-feira, 3 de maio, Fernando Eichenberg autografa seus livros de entrevistas Entre Aspas 2 e Entre Aspas 1 às 19h na Livraria Saraiva do Moinhos Shopping. David Coimbra, em sua coluna no Jornal Zero Hora, comenta sobre Eichenberg, que ele considera um irmão e a quem chama de Dinho. Leia abaixo.

Clique para ampliar

Clique para ampliar

Com a palavra, o Dr. J.J. Camargo

segunda-feira, 5 outubro 2015

Do_que_voce_precisa_para_ser_felizNas crônicas que escreve, o Dr. J.J. Camargo – referência internacional em cirurgia torácica e autor do primeiro transplante de pulmão da América Latina – escuta seus pacientes e transpõe para o papel os ensinamentos que todos eles lhe entregaram ao longo de muitos anos de medicina. Seu novo livro, Do que você precisa para ser feliz, recém lançado pela L&PM, apresenta histórias de vida, de superação, de perdão, de negação, de cura, de esperança. Relatos emocionantes que mostram que, nos momentos de dor, descobre-se que é preciso muito pouco para ser feliz.

 

No domingo, 4 de outubro, o Caderno Donna, do Jornal Zero Hora, publicou uma grande matéria com o Dr. J.J. Camargo. Nela, o leitor descobre que, além de médico e cronista, ele é alguém muito especial.

Basta clicar sobre as imagens para ler:

Camargo_Donna_dupla1

Clique sobre a imagem para ampliá-la

Camargo_Donna_dupla2

Clique sobre a imagem para ampliá-la

JJ Camargo_Donna-5

Clique sobre a imagem para ampliá-la

O Dr. J. J. Camargo vai autografar seu novo livro em três momentos:

13 de outubro às 19h – Palestra, seguida de autógrafos no Auditório da Santa Casa

27 de outubro às 19h – Autógrafos na Livraria Saraiva do Moinhos Shopping

8 de novembro às 17h – Feira do Livro de Porto Alegre

Simples assim: Martha Medeiros responde

quarta-feira, 2 setembro 2015

A capa do Segundo Caderno do jornal Zero Hora desta quarta-feira, 2 de setembro, é toda dedicada a escritora Martha Medeiros e a seu novo livro Simples Assim, que acaba de sair pela L&PM Editores. Na matéria, Martha responde quatro perguntas de seus leitores. Clique sobre a imagem para ler:

Martha_ZH_PDF

Clique sobre a imagem para aumentar

Os cantos de Capparelli em destaque

segunda-feira, 24 fevereiro 2014

O Menino Levado ao Céu pela Andorinha é um livro que merece destaque. Não apenas por seu conteúdo – recheado de cantos e poemas de diferentes povos indígenas das Américas – como também pela sua belíssima forma com ilustrações de Eduardo Uchôa. O escritor Sérgio Capparelli foi responsável por selecionar e traduzir os cantos tribais. Ele conversou com o repórter Alexandre Lucchese, do Segundo Caderno do Jornal Zero Hora, sobre este trabalho e a matéria, publicada nesta segunda-feira, 24 de fevereiro, pode ser lida abaixo:

Clique sobre a imagem para ler a matéria

Clique sobre a imagem para ler a matéria

 

Uma viagem ao México de Kerouac

terça-feira, 7 janeiro 2014

O Caderno de Viagem do Jornal Zero Hora de terça-feira, 7 de janeiro, traz uma matéria sobre o México de Jack Kerouac. No texto, reproduzido do The New York Times, o jornalista Damien Cave escreve em primeira pessoa, imaginando o que o autor de Pé na Estrada (On the road) pensaria de certos lugares turísticos: “Depois de comer no restaurante, eu tentei imaginar o que Kerouac teria achado dele. Talvez depende de qual Kerouac nós imaginemos. Ele tinha 30 anos quando fez aquela viagem de ônibus e estava em grande medida autocentrado demais para ver além do “frenesi e do sonho” que definiria sua visita em Pé na Estrada. Mas e o Kerouac idoso? Se não tivesse morrido de alcoolismo em 1969, aos 47 anos, talvez tivesse se mudado para o México e tentado compreendê-lo e explicá-lo melhor.”

Leia a matéria na íntegra:

Clique sobre a imagem para ler a matéria

Clique sobre a imagem para ler a matéria

 

Depois do almoço, Dostoiévski

sexta-feira, 6 dezembro 2013

Por José Antonio Pinheiro Machado*

Conheci Dostoiévski em Xangrilá, depois do almoço. É uma das tantas dívidas que o Ivan e eu temos com nosso pai: na base do centralismo democrático stalinista, ligeiramente tropicalizado, o pai nos impôs um programa obrigatório de leituras. Longe da cidade que é hoje, a Xangrilá da nossa adolescência era um descampado, o Nordestão desenhando cômoros no areal entre as poucas casas. Não havia muito o que fazer: depois do banho de mar, o almoço demorado e, a partir daquele dia, a tarde começava com duas horas de Dostoiévski.

O livro escolhido para minha iniciação, nos dias de hoje, talvez provocasse a intervenção do Conselho Tutelar ou do Juizado da Infância e da Juventude: Crime e Castigo! Abri contrafeito o pesado volume encadernado em couro e, logo depois de ler os primeiros parágrafos, ainda me recordo do impacto inesperado. Anos se passaram, e Jorge Luis Borges, na escuridão de sua cegueira, iluminaria, em duas frases, aquela minha perplexidade juvenil: “Como a descoberta do amor, como a descoberta do mar, a descoberta de Dostoiévski marca uma data memorável de nossa vida. Em geral, corresponde à adolescência; a maturidade busca e descobre escritores serenos”.

Naquele dia, por momentos o Nordestão deixou de assobiar, o céu azul do azul lavado pela chuva, do verso de Paulo Mendes Campos, perdeu sua atração irresistível, e o dia límpido e ensolarado lentamente foi substituído pela urgência da emoção nova e avassaladora daquela primeira leitura. Borges deve ter vivido algo parecido na juventude em Genebra: “Ler um livro de Dostoiévski é penetrar em uma grande cidade, que desconhecemos, ou nas sombras de uma batalha”. A história do jovem Raskolnikov é soberba, contada de forma magnífica. Estudante pobre, cheio de sonhos, divide os indivíduos entre ordinários e extraordinários e se impõe a missão de fazer algo realmente importante, ainda que seja uma violação às leis. Escolhe matar com violência uma velha agiota e, ao fugir, também assassina a irmã da vítima, que apareceu de surpresa e testemunhou o crime. Rouba algumas joias, que acaba por descartar, atormentado pela culpa. O romance brilha no relato do remorso sem remédio que persegue o personagem como uma danação. Quando um inocente é preso, Raskolnikov assume o crime e é condenado. Diversas histórias paralelas reforçam o eixo principal da narrativa, entre elas, a relação do protagonista com Sonia, que o encoraja a confessar o crime. Toda a miséria e toda a grandeza da condição humana transbordavam daquelas páginas. Mas nem todos se emocionaram tanto assim. No prefácio de uma antologia da literatura russa, Nabokov escreveu que não encontrou uma única página de Dostoiévski digna de ser incluída. Borges recusou essa afronta com uma verdade salpicada de ironia: “Isso quer dizer que Dostoiévski não deve ser julgado por páginas soltas, e sim pela soma de páginas que compõe o livro”.

* Crônica publicada originalmente na Coluna do Anonymus Gourmet, publicada no caderno Gastrô do Jornal Zero Hora em 6 de dezembro de 2013.

crime_castigo_praia

Scliar para consulta

segunda-feira, 2 dezembro 2013

scliar_livros

Jornal Zero Hora, Segundo Caderno – 02/12/2013 – Por Alexandre Lucchese

Acervo digital do escritor Moacyr Scliar será disponibilizado ao público em 2014.

– Moacyr escrevia muito, e escrevia rápido – conta Judith Scliar, viúva de um dos escritores mais prolíficos do Rio Grande do Sul. Originais e recordações que remontam aos escritos de Moacyr Scliar (1937 – 2011) ao longo da vida estarão em breve acessíveis a todos pela internet.

Mais de 8,6 mil páginas de manuscritos e datiloscritos do escritor que estão sob os cuidados da PUCRS, boa parte deles doados por Judith, estão em processo de digitalização pelo Espaço de Documentação e Memória Cultural (Delfos), pertencente à instituição.

Entre manuscritos e textos enviados para editoras, o acervo congrega originais do primeiro ao último romance de Scliar.

– Temos aqui a primeira composição de A Guerra do Bom Fim, de 1972, e anotações difíceis de estimar com precisão, mas que provavelmente são de um período entre 1962 a 1968 – explica a professora Marie-Hélène Passos, responsável pela organização do acervo.

A maior parte desse material digitalizado estará disponível para livre acesso a partir do início de 2014. A única restrição feita por parte da família são os textos inéditos que aparecem na coleção.

– Acredito que, se o Moacyr não quis publicar este material, foi por algum bom motivo. Não pretendemos deixá-lo público no acervo nem editá-lo em livros – diz Judith.

Além disso, enfatiza, os volumes não publicados têm ideias e trechos melhor trabalhados em outros romances e contos lançados no mercado editorial.

Especialista em crítica genética, campo de pesquisa que trata das marcas deixadas por autores em processo criativo, Marie-Hélène esclarece que a disponibilidade do acervo possibilita maior compreensão de como Scliar praticava a escrita:

– Quando você vê esse material, se dá conta de que ele passava o tempo todo escrevendo, era tão natural como respirar.

Bilhetes de aeroporto, recibos de postos de gasolina, folhas pautadas, blocos de nota: qualquer papel servia como suporte para grafar o que vinha da imaginação do autor. A variedade de materiais do acervo impressiona quem o manuseia, demonstrando que escrever era mesmo uma constante.

O processo de arquivamento virtual e publicação iniciado com os textos de Scliar vai ser também aplicado a outros acervos do Delfos. Regina Kohlrausch, diretora da Letras da PUCRS, esclarece que o autor foi escolhido por conta de sua importância e pela boa relação da instituição com a família:

– Uma parte deste material já tinha sido doado pelo próprio Scliar em 2005, depois Judith complementou o acervo. Os herdeiros são muitos acessíveis e colaborativos com o que estamos fazendo.

Judith conta que ainda pretende lançar um site com booktrailers do autor e textos analíticos de sua obra. A busca é pela preservação da memória do escritor:

– Estamos preparando este espaço, que irá centralizar conteúdos e terá link para os trabalhos acessíveis pelo Delfos.

Destaques do acervo

- A organização estima em torno de 8,6 mil páginas de acervo.

- Páginas datilografadas são povoadas de secções e emendas com trechos, revelando método de trabalho do autor.

- Bilhetes de viagem e recibos de posto de gasolina fazem parte das colagens que compõem os originais.

- Cada romance tem cerca de quatro ou cinco versões.

- O manuscrito mais antigo do acervo é A Guerra do Bom Fim, de 1972, mas estima-se que há papéis anteriores a 1968. Ainda este mês, a L&PM Editores lança este livro em formato convencional e capa dura.

O show de sabores de J.A. Pinheiro Machado

segunda-feira, 4 novembro 2013

Anonymus & Alarico em Show de Sabores é o novo livro de J.A. Pinheiro Machado que será autografado nesta segunda-feira, 4 de novembro, na Feira do Livro de Porto Alegre. Além de receitas, o livro traz dicas do Anonymus. Clique sobre a imagem e leia a matéria publicada no Jornal Zero Hora:

anonymus_zh

Clique para ler