“Meninos, eu vi” On the Road, o filme

*Por Paula Taitelbaum

Como diria Gonçalves Dias em I-Juca Pirama: “Meninos, eu vi”. Eu vi um filme verdadeiro, íntegro e profundo. Centrado na capacidade humana de ir em busca da sua essência. Ou de se distanciar dela. “Meninos, eu vi”. Eu vi um filme baseado em um livro, mas não escravizado por ele. Que escreve sua própria história não só com palavras, mas principalmente cores, ritmo, música e… silêncio. “Meninos, eu vi”. Eu vi um filme em que Garrett Hedlund recebe o espírito de Dean Moriarty/Neal Cassady e se entrega a ele como só os grandes atores são capazes de fazer. Como Viggo Mortensen, encarnando Old Bull Lee/William Burroughs, fez em cada sílaba sua. “Meninos, eu vi”. Eu vi o filme que eu não sabia que veria, que uma parte de mim nem esperava gostar, cujo trailer nem havia me empolgado. Mas que quando pegou a estrada não a abandonou jamais, honrando cada quilômetro percorrido por Jack e Neal, rodado com a paixão que só os amantes da obra original poderiam ter. “Meninos, eu vi”. Eu vi um filme sobre a sensação universal de ter vinte anos, que me fez chorar no final, assim que a voz do verdadeiro Jack ecoou no cinema e logo que as palavras dele tingiram a tela – I think of Dean Moriarty… “Meninos, eu vi”. Eu vi um filme que tem alma -  e nem importa se ela é beat. E que, em seus 140 minutos, passou a muitas milhas por hora sem negar carona aos que algum dia já se deixaram levar por On the road.

Garrett Hedlund como Dean Moriarty em um dos cartazes do filme que estreia no Brasil em 13 de julho de 2012

*Paula Taitelbaum e Eduardo Bueno (tradutor de On the Road) assistiram ao filme On the Road/Na estrada em uma sessão fechada, na sexta-feira, 15 de junho. Ambos adoraram. Eduardo também chorou no final.

Tags: , , , , , , , ,

  1. silas disse:

    Saber que esses dois gostaram deixa meu pé atrás um pouco maias frente, e a empolgação aumenta.

  2. Rody Cáceres disse:

    Concordo contigo, Silas! Nunca levei muita fé no Garrett, mas agora estou um pouco mais confiante. Vamos ver…

  3. Zedinan disse:

    Belo texto, Paula.
    O silêncio no filme é curioso, não? Seria pra que os “amantes da obra” o preenchessem com uma escrita mental? (Afinal, a leitura é silenciosa!)

  4. [...] Agora saiu o filme do livro, e não me arrisco a falar sobre isso. Mas tem uns bons pontos de vista rolando por aí, como a da Paula Taitelbaum: “Eu vi um filme sobre a sensação universal de ter vinte anos, que me fez chorar no final, assim … [...]

Envie seu comentário

* Campos obrigatórios