Arquivo de julho, 2015

O dia em que Saint-Exupéry desapareceu

sexta-feira, 31 julho 2015

Antoine de Saint-Exupéry não sabia que, mais de cem anos depois de sua morte, seu nome ainda estaria nas listas de livros mais vendidos de todo o mundo. Autor de “O Pequeno Príncipe“, tinha paixão por voar – e não apenas em suas histórias. Aviador profissional, foi piloto na Segunda Guerra Mundial. E, em 31 de julho de 1944, voou para nunca mais voltar. Nunca mais se teve notícias do escritor aviador como mostra este trecho de Paris Ocupada, livro de Dan Franck que é, na verdade, um grande relato sobre a vida intelectual e cultural de Paris sob a ocupação nazista:

Em 31 de julho, voou da Córsega para a quinta missão. Às 8h45, o mecânico o ajudou a baixar o vidro da cabine. Tirou os calços. A aeronave se dirigiu pesadamente para a extremidade da pista, depois alçou voo. Direção: Lyon. Ele deveria voltar ao meio-dia. Ao meio-dia e meia, as equipes de resgate estavam na pista, aguardando um ronco de motor, um rastro de fumaça negra. Ao meio-dia e quarenta e cinco, Antoine de Saint-Exupéry ainda não tinha voltado. Sua presença não era constatada em nenhum radar. À uma hora, seus companheiros pensaram no pior: sabiam que o Lightning não tinha combustível para mais do que cinco horas de voo. Às duas e meia, entenderam que o amigo não voltaria. O avião provavelmente havia desaparecido no Mediterrâneo.

Permaneceu um instante imóvel - conta o Pequeno Príncipe. Não gritou. Caiu de mansinho como cai uma árvore. Nem chegou a fazer barulho, por causa da areia.

Saint Exupery aviador

“Em busca do tempo perdido”, de Marcel Proust, agora em mangá

terça-feira, 28 julho 2015

Em busca do tempo perdido é a obra máxima de Marcel Proust. Publicada em sete volumes, três deles póstumos, ela traz a memória como o fio condutor do romance.

Outro tema recorrente é a homossexualidade. O narrador suspeita constantemente das relações de sua apaixonada com outras mulheres. E Charles Swann, a figura central de grande parte do primeiro volume, tem ciúmes da sua amante Odette (com quem mais tarde casará), que acaba por admitir ter realmente mantido relações sexuais com outras mulheres.

Na adaptação de Em busca do tempo perdido para o estilo mangá, que acaba de chegar à Coleção L&PM Pocket, isso aparece em várias páginas:

Em busca homo

Além disso, alguns personagens secundários, como o Barão de Charlus são abertamente homossexuais, enquanto outros, como o grande amigo do narrador, Robert de Saint-Loup, são mais tarde apresentados como homossexuais não assumidos. O livro “The Columbia Anthology of Gay Literature”, publicado em 1998 pela Columbia University Press cita Em busca do tempo perdido como a obra que derrubou estereótipos: A monumental confrontação do tema da homossexualidade em “Em Busca do Tempo Perdido” mostrou aos leitores que a homossexualidade poderia ser mais que apenas um conjunto de atos lascivos de sodomitas ou de maneirismos afetados de homens obcecados em negar a sua masculinidade. Em vez disso, o romance de Proust apresentou a homossexualidade como um assunto complexo e multifacetado que, se examinado de perto, derrota todos os estereótipos.

A L&PM também publica Um amor de Swann, segunda parte de Em busca do tempo perdido.

Autor de “Sapiens”, Yuval Harari faz conferência no TED

sexta-feira, 24 julho 2015

Foi na sexta-feira, 24 de julho, que o historiador israelense Yuval Noah Harari, autor do livro Sapiens, apresentou uma nova conferência no TED (Tecnologia, Entretenimento, Design). As palestras do TED são super famosas por apresentarem, no tempo máximo de 16 minutos, assuntos interessantes que depois são viralizados pela internet.

A conferência de Yuval teve o título de “O que explica o aumento dos seres humanos” começou com o historiador falando “70 mil anos atrás, nossos ancestrais eram animais insignificantes. A coisa mais importante que precisamos saber sobre os seres humanos pré-históricos é que eles não eram importantes. Seu impacto sobre o mundo não era maior do que o da água-viva ou do vaga-lume ou do pica-pau. Hoje, ao contrário, nós controlamos este planeta. A pergunta é: Como chegamos até aqui? Como nos transformamos de macacos insignificantes para governantes do planeta Terra?”

 

70 mil anos atrás, nossos ancestrais eram animais insignificantes. A coisa mais importante a saber sobre os seres humanos pré-históricos é que eles não eram importantes. Seu impacto sobre o mundo não era muito maior do que a de água-viva ou vaga-lumes ou pica-paus. Hoje, ao contrário, nós controlamos . este planeta E a pergunta é: Como chegamos de lá para cá? Como nós transformar-nos de macacos insignificantes, cuidando de seu próprio negócio em um canto da África, para os governantes do planeta Terra? Normalmente, olhamos para a diferença entre nós e todos os outros animais . no nível individual Queremos acreditar – Eu quero acreditar - que há algo especial sobre mim,sobre o meu corpo, sobre o meu cérebro, que me faz tão superior a um cão ou um porco, ou um chimpanzé. Mas a verdade é que, no nível individual, eu sou embaraçosamente semelhante a um chimpanzé. E se você me e um chimpanzé tirar e colocar-nos juntos em uma ilha solitária, e tivemos de lutar pela sobrevivência para ver quem sobrevive melhor, eu com certeza gostaria de colocar a minha aposta no chimpanzé, e não em mim mesmo. E isso não é algo errado comigo pessoalmente.Eu acho que se eles levaram quase qualquer um de vocês, e você colocou sozinho com um chimpanzé em alguns ilha, o chimpanzé iria fazer muito melhor. A verdadeira diferença entre os seres humanos e todos os outros animais não está no nível individual; é no nível coletivo. Os seres humanos controlar o planeta, porque eles são os únicos animais que podem cooperar tanto com flexibilidade e em muito grande . números Agora, existem outros animais - como os insetos sociais, as abelhas, as formigas - . que podem cooperar em grande número, mas eles não fazê-lo de forma flexível A sua cooperação é muito rígida. Há basicamente apenas uma maneira em que uma colméia pode funcionar.E se há uma nova oportunidade ou um novo perigo, as abelhas não pode reinventar o sistema social durante a noite. Eles não podem, por exemplo, executar a rainha e estabelecer uma república das abelhas, ou uma ditadura comunista de abelhas operárias . Outros animais, como os mamíferos sociais - os lobos, os elefantes, os golfinhos, os chimpanzés - eles podem cooperar muito mais flexível, mas fazê-lo apenas em pequenas quantidades, porque a cooperação entre os chimpanzés se baseia no conhecimento íntimo, um do outro. Eu sou um chimpanzé e você é um chimpanzé, e eu quero colaborar com você. Eu preciso saber que você pessoalmente. Que tipo de chimpanzé é você? Você é um bom chimpanzé? Você é um chimpanzé mal? Você está confiável? Se eu não te conheço, como posso cooperar com você? O único animal que pode combinar as duas habilidades em conjunto e cooperar tanto fazer de forma flexível e ainda assim em grande número é nós, Homo sapiens. Um contra um , ou até mesmo 10 contra 10, chimpanzés pode ser melhor do que nós. Mas, se você pit 1.000 seres humanos contra 1.000 chimpanzés, os humanos vai ganhar facilmente, pela simples razão de que mil chimpanzés não pode cooperar em tudo. E se você agora tentar empinar 100.000 chimpanzés em Oxford Street, ou em Wembley Stadium, ou Tienanmen Square ou o Vaticano, você vai ter caos, caos completo. Imaginem Wembley Stadium com 100.000 chimpanzés. loucura completa.Em contraste, os seres humanos normalmente se reúnem ali em dezenas de milhares, eo que temos não é o caos, normalmente. O que temos é redes extremamente sofisticados e eficazes de cooperação. Todas as grandes conquistas da humanidade ao longo da história, quer se trate de construção das pirâmides ou voar para a lua, foram baseada não em habilidades individuais, . mas nesta capacidade de cooperar de forma flexível em grande número , mesmo Pense sobre isso muito falar que eu estou dando agora: eu estou aqui de pé na frente de uma platéia de cerca de 300 ou 400 pessoas, a maioria de vocês são completos estranhos para mim. Da mesma forma, eu realmente não sei todas as pessoas que organizaram e trabalharam neste evento. Eu não sei o piloto e os tripulantes do avião que me trouxe até aqui, ontem, para Londres. Eu não sei as pessoas que inventaram e fabricados este microfone e estas câmeras, que está gravando o que estou dizendo. Eu não sei as pessoas que escreveu todos os livros e artigos que li em preparação para essa conversa. E eu certamente não fazer conhecer todas as pessoas que poderiam estar assistindo esta conversa através da Internet, em algum lugar em Buenos Aires ou em Nova Deli. No entanto, apesar de nós não conhecem uns aos outros, podemos trabalhar juntos para criar esta troca global de idéias. Isso é algo chimpanzés não pode fazer. Eles se comunicam, é claro, mas você nunca vai pegar um chimpanzé viajar para alguma banda chimpanzé distante para dar-lhes uma palestra sobre bananas ou sobre elefantes, ou qualquer outra coisa que possa interessar chimpanzés. Agora cooperação é, claro, não sempre agradáveis; todas as coisas horríveis seres humanos têm vindo a fazer ao longo da história - e temos vindo a fazer algumas coisas muito horríveis - todas essas coisas também se baseiam na cooperação em grande escala. As prisões são um sistema de cooperação; matadouros são um sistema de cooperação; campos de concentração são um sistema de cooperação. Os chimpanzés não têm matadouros e prisões e campos de concentração. Agora suponha que eu consegui convencê-lo, talvez, que sim, podemos controlar o mundo, porque nós podemos cooperar de forma flexível em grandes números. O próximo questão que se coloca imediatamente na mente de um ouvinte curioso é: Como, exatamente, fazemos isso? O que nos permite por si só, de todos os animais, a cooperar de forma? A resposta é a nossa imaginação. Podemos cooperar de forma flexível com um número incontável de estranhos, porque nós apenas, de todos os animais do planeta, pode criar e acreditar ficções, histórias de ficção. E enquanto todo mundo acredita na mesma ficção, todo mundo obedece e segue as mesmas regras, as mesmas normas, a mesmos valores. Todos os outros animais usam seu sistema de comunicação só para descrever a realidade. Um chimpanzé pode dizer: “Olha!Há um leão, vamos fugir! “ Ou: “Olha! Há uma árvore de banana por lá! Vamos começar bananas! “ Os seres humanos, ao contrário, utilizar a sua língua e não apenas descrever a realidade, mas também para criar novas realidades, realidades ficcionais. Um ser humano pode dizer: “Olha, há um deus acima das nuvens! E se você não faça o que eu lhe disser para fazer, quando você morrer, Deus vai castigá-lo e enviá-lo para o inferno. “ E se vocês acreditam que esta história que eu inventei, então você vai seguir as mesmas normas e leis e valores , e você pode colaborar. Isso é algo que só os humanos podem fazer. Você nunca pode convencer um chimpanzé para dar-lhe uma banana , prometendo-lhe: “… depois que você morrer, você vai ir para chimpanzé céu …” (Risos ) “… e você receberá lotes e lotes de bananas para as vossas boas obras. Então, agora me dar esta banana. “ Não chimpanzé jamais acreditaria em tal história. Somente os seres humanos acreditam que tais histórias,é por isso que controlar o mundo , enquanto que os chimpanzés são travados acima em zoológicos e laboratórios de pesquisa. Agora você pode achar que é aceitável que sim, no campo religioso, os seres humanos cooperar crendo nas mesmas ficções. Milhões de pessoas se juntam para construir uma catedral ou uma mesquita ou luta em uma cruzada ou uma jihad, porque todos acreditam nas mesmas histórias sobre Deus e sobre o céu eo inferno. Mas o que eu quero enfatizar é que exatamente o mesmo mecanismo subjacente a todas as outras formas de cooperação humana em grande escala,não só no religioso campo. Tomemos, por exemplo, o campo legal. A maioria dos sistemas legais no mundo hoje são baseados em uma crença em direitos humanos. Mas o que são os direitos humanos?Os direitos humanos, assim como Deus e do céu, são apenas uma história que nós temos . inventouEles não são uma realidade objetiva; eles não são algum efeito biológico sobre o homo sapiens. Tome um ser humano, cortá-lo aberto, olhar para dentro, você encontrará o coração, os rins, os neurônios, hormônios, DNA, mas você ganhou ‘ t encontrar quaisquer direitos. O único lugar onde você encontrará os direitos estão nas histórias que inventaram e espalhados ao longo dos últimos séculos.Eles podem ser histórias muito positivo, muito boas histórias, mas eles ainda são apenas histórias de ficção que nós ‘ ve inventada. O mesmo acontece com o campo político. Os fatores mais importantes na política moderna são estados e nações. Mas o que são os estados e nações? Eles não são uma realidade objetiva. A montanha é uma realidade objetiva. Você pode vê-lo, você pode tocá-lo, você nunca pode sentir o cheiro. Mas uma nação ou um Estado, como Israel ou o Irã ou a França ou a Alemanha, esta é apenas uma história que nós temos inventado e tornou-se extremamente ligado a. O mesmo é verdade para a economia campo. Os atores mais importantes hoje na economia global são as empresas e corporações. Muitos de vocês hoje, talvez, o trabalho para uma corporação, como o Google ou Toyota ou McDonald. O que são exatamente essas coisas? Eles são o que os advogados chamam ficções legais. Eles são histórias inventadas e mantidos . pelos magos poderosos que chamamos de advogados (Risos) ? E o que as empresas fazem todo o dia . Principalmente, eles tentam ganhar dinheiro ? No entanto, o que é dinheiro Mais uma vez, o dinheiro não é uma realidade objetiva; ele não tem valor objetivo. Pegue este pedaço de papel verde, nota de dólar. Olhe para ele – ele não tem valor. Você não pode comê-lo, você não pode beber, você não pode usá-lo. Mas então veio ao longo desses contadores de histórias mestre – - os grandes banqueiros, os ministros das Finanças, os primeiros-ministros - e eles nos contam uma história muito convincente: “Olha, você ver este pedaço de papel verde . É realmente vale 10 bananas “ E se eu acredito nisso, e você acreditar, e todo mundo acredita nisso, ele realmente funciona. Posso levar este pedaço de papel sem valor, ir ao supermercado, dá-la a um completo estranho que eu nunca conheci antes, e obter, em troca, bananas reais que eu pode realmente comer. Isto é algo incrível. Você nunca poderia fazê-lo com os chimpanzés. Chimpanzés comércio, é claro: “Sim, você me dá um coco, eu vou te dar uma banana.”Isso pode funcionar. Mas, você me dá um pedaço de papel sem valor e você, exceto que eu lhe dê uma banana? De jeito nenhum! O que você acha que eu sou, um ser humano? (Risos) O dinheiro, na verdade, é a história de maior sucesso já inventado e disse por seres humanos, porque é a única história que todo mundo acredita. Nem todo mundo acredita em Deus, nem todo mundo acredita em direitos humanos, nem todo mundo acredita no nacionalismo, mas todo mundo acredita em dinheiro, e na nota de um dólar. Tome-se, ainda, Osama Bin Laden. Ele odiava a política americana e de religião americana e cultura americana, . mas ele não tinha objeção a dólares americanos . Ele gostava muito deles, na verdade, (Risos) Para concluir, então: Nós, humanos, controlar o mundo, porque vivemos em uma realidade dual. Todos os outros animais vivem em uma realidade objetiva. A realidade consiste de entidades objetivas, como rios e árvores e leões e elefantes. Nós, seres humanos, nós também vivemos em uma realidade objetiva. Em nosso mundo, também, há rios e árvores e leões e elefantes.Mas ao longo dos séculos, nós construímos no topo desta realidade objetiva uma segunda camada de realidade ficcional, uma realidade feita de entidades fictícias, como as nações, como deuses, como o dinheiro, como corporações. E o que é surpreendente é que, como a história se desenrolava, esta fictícia realidade tornou-se mais e mais poderosos para que hoje, as forças mais poderosas do mundosão estas entidades ficcionais. Hoje, a própria sobrevivência de rios e árvores e leões e elefantesdepende das decisões e desejos de entidades ficcionais, como os Estados Unidos, como o Google, como o Banco Mundial - . entidades que existem apenas em nossa própria imaginação . Obrigado(Aplausos) . de Bruno Giussani: Yuval, você tem um novo livro Depois Sapiens, você escreveu um outro, e está fora em hebraico, mas ainda não traduzido para … Yuval Harari Noah: Eu estou trabalhando na tradução como nós falamos. BG: No livro, se eu entendi corretamente, você argumenta que os avanços surpreendentes que estamos experimentando agora não só irá potencialmente tornar nossa vida melhor, mas eles vão criar – e eu citá-lo - “… novas classes e novas lutas de classes, assim como a revolução industrial fez.” Você pode elaborar para nós? YNH: Sim. Na revolução industrial,vimos a criação de uma nova classe do proletariado urbano. E grande parte da história política e social dos últimos 200 anos envolvidos o que fazer com essa classe, e os novos problemas e oportunidades.Agora, nós vemos a criação de uma nova classe maciça de pessoas inúteis. (Risos) Como os computadores se tornam cada vez melhor em mais e mais campos, há uma possibilidade de que os computadores vão realizar-se-nos na maioria das tarefas e fará com que os seres humanos redundante. E então o grande questão política e econômica do século 21 será, “O que precisamos para os seres humanos?”, ou, pelo menos, “O que precisamos de tantos seres humanos para?” BG: Você tem uma resposta no livro? YNH: No momento, o melhor palpite que temos é para mantê-los felizes com drogas e jogos de computador … (Risos) , mas isso não soar como um futuro muito atraente. BG: Ok, então você está dizendo, basicamente, no livro e agora, que para toda a discussão sobre a crescente evidência da desigualdade econômica significativa, nós somos apenas uma espécie de, no início do processo? YNH: Mais uma vez, não é uma profecia; é ver todos os tipos de possibilidades diante de nós. Uma possibilidade é esta . criação de uma nova classe maciça de pessoas inúteis Outra possibilidade é a divisão da humanidade em diferentes castas biológicas, com o rico que está sendo atualizado em deuses virtuais, e os pobres sendo degradados a este nível de pessoas inúteis. BG: Eu sinto que não há outro TED talk chegando em um ano ou dois. Obrigado, Yuval, para fazer a viagem. YNH: Obrigado (Aplausos)

“Um bonde chamado desejo” lidera indicações ao Prêmio Shell de Teatro

terça-feira, 21 julho 2015

A 28ª edição do Prêmio Shell de Teatro de São Paulo divulgou nesta segunda-feira, 20 de julho, os indicados do primeiro semestre de 2015.

O espetáculo “Um Bonde Chamado Desejo” lidera a lista, com quatro indicações: direção (Rafael Gomes), atriz (Maria Luisa Mendonça), cenário (André Cortez) e figurino (Fause Haten).

Em cartaz no Teatro Tucarena até 2 de agosto, a peça vem recebendo muitos elogios, principalmente a atuação de Maria Luisa no papel de Blanche Dubois. Leia a resenha do jornalista Dirceu Alves Jr. da Veja São Paulo:

De tempos em tempos, um espetáculo perdura na memória do público como uma experiência vivida. O ano de 2015, na sua exata metade, já desponta com um forte candidato a esse time cada vez mais seleto. Sob a direção de Rafael Gomes, Maria Luisa Mendonça protagoniza o drama de Tennessee Williams (1911-1983) na pele de Blanche Dubois. Enigmática, falida e em estado de permanente delírio, ela é uma professora obrigada a morar de favor na casa da irmã, Stella (a atriz Virginia Buckowski). Por lá, uma batalha repleta de tensão sexual é travada pelo cunhado, Stanley Kowalsky (interpretado por Eduardo Moscovis), que decide investigar o passado renegado por ela. O que se vê no Tucarena é uma leitura arrebatadora e atemporal de uma história escrita em 1947. Seja na trilha sonora, com referências de George Gershwin, Beirut e Amy Winehouse, ou no cenário de André Cortez, que coloca um chiqueiro de madeira, como simbologia do cortiço onde vivem os personagens, circundado por um trilho, a montagem transmite contemporaneidade. Na mesma sintonia, Moscovis foge do estereótipo do brutamonte e constrói um antigalã amargurado pela vida, enquanto Virginia imprime segurança na doçura de Stella e Donizeti Mazonas, como o amigo de Kowalsky, é econômico na medida certa. A base para o sucesso, no entanto, se apoia na visceral representação de Maria Luisa. Em um transe permanente, a atriz descarta ficar limitada ao recorrente glamour e humaniza Blanche, valorizando a cada cena sua solidão e a óbvia sensação do fracasso. Fabrício Licursi, Fernanda Castello Branco e Matheus Martins completam o elenco. Estreou em 5/6/2015. Até 2/8/2015. (Dirceu Alves Jr.)

Maria Luisa Mendonça em cena na peça "Um bonde chamado desejo". Foto: João Caldas

Maria Luisa Mendonça em cena na peça “Um bonde chamado desejo”. Foto: João Caldas

SERVIÇO

O que: “Um bonde chamado desejo” – Direção de Rafael Gomes
Duração: 110 minutos
Recomendação: 14 anos
Onde: Teatro Tucarena – Rua Monte Alegre, 1024 – Perdizes – SP / Fone: (11) 3670-8455
Quando: Até 2 de agosto – Sexta 21h30min; domingo 18h.
Quanto: Sexta R$ 50,00 – Sábado e domingo R$ 70,00

A L&PM publica Um bonde chamado desejo na Coleção L&PM Pocket.

O nascimento de Santos Dumont

segunda-feira, 20 julho 2015

Em 20 de julho de 1873, em Minas Gerais, nascia Alberto Santos Dumont. O “brasileiro voador”, como ficaria conhecido em Paris, veio ao mundo no dia do aniversário do pai, como conta Alcy Cheuche no livro Santos Dumont, da Série L&PM Pocket Encyclopaedia:

Santos_DumontNo meio da manhã de 20 de julho de 1873, dia em que Henrique Dumont completava 41 anos de idade, uma locomotiva fumacenta veio buscá-lo no canteiro de obras. O maquinista e o foguista, muito excitados, traziam um recado da escrava Ordália, esposa de Damião, parteira, cozinheira e manda-chuva da pequena equipe doméstica de Francisca. Acabara de nascer um menino; a mãe passava bem, mas pedia, logo que possível, a presença do pai.

Não tendo como fazer o retorno na estrada em construção, foi de marcha-ré que a Maria-Fumaça levou o engenheiro de volta para casa. No trajeto até o sítio Cabangu, mesmo feliz com o presente de aniversário, ele começou a preocupar-se com a chegada do sexto filho. Dentro em pouco as obras estariam concluídas, e era mister levar a esposa para um local mais confortável, mais perto da civilização. Ele também estava começando a década que o levaria aos cinquenta anos. Era preciso conquistar uma situação econômica mais estável para sua família.

No pequeno chalé, que atrai, a cada ano, milhares de turistas de todo o mundo, Henrique encontrou Francisca feliz com o bebê rosado e cabeludo a seu lado. O parto fora normal e uma única preocupação formava ruga entre seus olhos. Queria amamentar o filho, o que não fizera com os outros, sempre entregues a escravas amas-de-leite. Ordália era contra, mas Henrique, com sua autoridade patriarcal, concedeu à esposa o privilégio de amamentar, raro entre os brancos de posses naqueles tempos. E assim, o menino Alberto, como foi batizado, mamou até os dois anos de idade nos seios da sua própria mãe.

Première de ‘O Pequeno Príncipe’ nesta sexta-feira em São Paulo

sexta-feira, 17 julho 2015

Via Guia Folha

A animação “O Pequeno Príncipe”, de Mark Osborne (“Kung Fu Panda”), será exibida em São Paulo pela primeira vez nesta sexta (17), às 20h, em sessão ao livre, na Cinemateca Brasileira. A projeção integra a programação da 23ª edição do Anima Mundi International Animation Festival e a estreia nos cinemas está marcada para o dia 20 de agosto.

Se você é fã do livro homônimo de Antoine de Saint-Exupéry, que deu origem ao longa, não releia a obra antes de assistir. A graça está em redescobrir o texto atemporal e, por que não, encontrar um novo trecho favorito.

Para homenagear o clássico, Osborne criou uma subtrama, “guardiã da história”, segundo o cineasta afirmou em coletiva de imprensa na quinta (16). Nela, uma garotinha é treinada pela mãe controladora para ingressar em uma escola renomada. Após fracassar na primeira tentativa, recomeça o processo e, no meio do caminho, faz um amigo incomum.

É ele quem lhe apresenta a história de um pequeno príncipe que mora em outro planeta. E é quem também tira a protagonista de uma realidade cinza e cheia de números e frações e a leva para outra, colorida, da imaginação.

Para diferenciar as duas, Osborne mistura tecnologia 3D para a primeira e o stop-motion em 2D, que cria atmosfera lúdica com seu cenário e personagens feitos de papel.

Lgo. Sen. Raul Cardoso, 207 – Vila Clementino – Sul. Telefone: 3512-6111. Sex. (17): 20h. Ingresso: Grátis (Anima Mundi: R$ 12).

Assista ao trailer dublado:

A L&PM publica “O Pequeno Príncipe” em dois formatos.

Fernando Pessoa no último capítulo da novela das seis

quinta-feira, 16 julho 2015

E eis que, para nossa surpresa, um livro da Coleção L&PM Pocket apareceu com destaque no último capítulo da novela das seis da Globo, “Sete Vidas”, que foi ao ar na sexta-feira passada, 10 de julho. O personagem Felipe, vivido pelo ator argentino Michel Noher, que está na África, manda uma mensagem para a família. Ele lê um trecho do pocket que foi o número 2 da coleção L&PM: POESIAS de Fernando Pessoa.

Novela Pessoa 4

O rapaz lê trechos do texto “Palavras de Pórtico”, que está na abertura do livro. Quem quiser assistir à cena, pode clicar aqui e ir até a página da Globo (lá o capítulo está dividido em partes, esta cena está no terceiro vídeo, de cima para baixo).

E aqui o texto integral  de “Palavras de Pórtico”:

NAVEGADORES ANTIGOS tinham uma frase gloriosa: “Navegar é preciso; viver não é preciso.”
Quero para mim o espírito dessa frase, transformada a forma para a casar com o que eu sou: Viver não é necessário; o que é necessário é criar.
Não conto gozar a minha vida; nem em gozá-la penso. Só quero torná-la grande, ainda que para isso tenha de ser o meu corpo e a minha alma a lenha desse fogo.
Só quero torná-la de toda a humanidade; ainda que para isso tenha de a perder como minha.
Cada vez mais assim penso. Cada vez mais ponho na essência anímica do meu sangue o propósito impessoal de engrandecer a pátria e contribuir para a evolução da humanidade.
É a forma que em mim tomou o misticismo da nossa Raça.

Estreia antecipada no Brasil da nova animação de “O Pequeno Príncipe”

quinta-feira, 16 julho 2015

Vem aí, um filme que vai cativar crianças e adultos. A nova animação baseada na obra mais famosa de Antoine de Saint-Exupéry terá sua estreia antecipada no Brasil: chegará aos nossos cinemas no dia 20 de agosto!

O trailer dublado em português de “O Pequeno Príncipe” já está sendo divulgado. A direção é de Mark Osborne, o mesmo de “King Fu Panda”:

E aqui o cartaz do filme em versão nacional:

pequenoprincipe_1

A L&PM publica “O Pequeno Príncipe” em dois formatos.

Livro mais famoso de Agatha Christie em nova série da BBC

terça-feira, 14 julho 2015

“E não sobrou nenhum” (que originalmente se chamava “O caso dos dez negrinhos”), de Agatha Christie, é considerado por muitos críticos como o melhor romance policial de todos os tempos. Pois eis que agora ele vai virar uma nova série da BBC. O mistério que intrigou centenas de milhões de leitores do mundo inteiro ganhará uma adaptação televisiva dividida em três partes, escrita pela premiada roteirista Sarah Phelps.

O elenco, considerado ilustre, traz, entre seus nomes, três atores que estiveram em Game of Thrones: Charles Dance (Twin Lannister), Noah Taylor (Locke, o cara que cortou a mão de Jaime Lanniester) e Burn Gorman (O “corvo” malvadão Karl).

Na história, dez pessoas que não se conhecem são convidadas a irem até a mansão da Ilha Soldado. Lá chegando, descobrem que os generosos (e misteriosos) anfitriões não se encontram presentes. Quando uma das pessoas morre, todos percebem que alguém entre eles pode ser um assassino. Os dez estranhos (bem estranhos, aliás) incluem um playboy irresponsável, um conceituado juiz, um mercenário inescrupuloso, uma solteirona carola, um general altamente condecorado, entre outros.

Sobre a série, Mathew Prichard, neto de Agatha Christie, disse: “Estou tão animado (…) Minha avó ficaria encantada ao saber que uma nova geração será capaz de desfrutar de E não sobrou nenhum quando a história for ao ar pela BBC.”

No Reino Unido, a série será lançada ainda em 2015 para coincidir com o 125º aniversário de Agatha Christie, mas a estreia mundial acontece só em 2016.

Os dez atores da nova série da BBC, uma adaptação do mais famoso livro de Agatha Christie

Os dez atores da nova série da BBC, uma adaptação do mais famoso livro de Agatha Christie

O romance foi lançado em 1939 e, em 1943, a própria Agatha Christie adaptou sua história para o formato de peça teatral. E por falar nisso, em setembro, está prevista a chegada justamente desta adaptação em um pocket L&PM que vai se chamar “E não sobrou nenhum e outras peças”.

A Série Agatha Christie L&PM já está chegando aos 90 títulos. Veja aqui!

 

“As pessoas parecem flores finalmente” na Folha de S. Paulo

segunda-feira, 13 julho 2015

O Caderno Ilustrada da Folha de S. Paulo de sábado, 11 de julho, traz um texto do poeta e jornalista Ciro Pessoa sobre o mais recente livro de Charles Bukowski, publicado pela L&PM.  As pessoas parecem flores finalmente, com tradução de Claudio Willer, recebeu a avaliação “muito bom” da Folha:

Clique para ampliar

Clique para ampliar

E vem mais novidade por aí. Ainda este ano, a L&PM lança, de Bukowski, Queimando na água, afogando-se na chama e On Writing (ainda sem título em português). Além disso, Miscelânea septuagenária será lançado em pocket.