Arquivo de dezembro, 2014

Como servir um bom espumante

segunda-feira, 29 dezembro 2014

A dica é do livro Etiqueta de bolso – Um guia de boas maneiras de A a Z, de Celia Ribeiro.

Etiqueta_de_bolso

O livro de Celia Ribeiro traz muitas dicas para a hora da festa

 

O espumante é sempre uma celebração. O brut ou sec é servido no início da refeição, passando ao demi-sec (quase seco) à hora da sobremesa. Mas também pode ser bebida única. O espumante é vertido no cálice vagarosamente, em pouca quantidade, para ser completado, aos poucos, com as borbulhas. A temperatura ideal para servi-lo é de quatro a seis graus, acentuando seus aromas e garantindo o desprendimento mais lento do gás carbônico nas borbulhas. A garrafa mantida no balde com gelo é envolvida com um guardanapo para a bebida ser vertida no cálice.

A história dos especiais de Natal

quarta-feira, 24 dezembro 2014

Segundo um documentário do History Channel que conta sobre a origem dos especiais de Natal na televisão norteamericana, tudo começou nos anos 50 quando um canal resolveu transmitir, na noite do dia 24, o filme “A felicidade não se compra” de Frank Capra. O célebre filme, de 1946, narra a história de um homem que, sem dinheiro, resolve se suicidar na véspera de Natal e é impedido por um anjo que, para fazer com que o sujeito mude de ideia, mostra como seria o mundo sem ele. O sucesso foi tanto que, a partir daí, os canais decidiram exibir filmes com temas natalinos todos os dias 24 de dezembro. Nenhum deles, no entanto, era especialmente produzido para a data. Foi só em 1962 que alguém teve a luminosa ideia de criar o primeiro especial de Natal. Nasceu assim a adaptação de Mr. Magoo para “Um conto de Natal” de Dickens.

Em 1965, a agência de publicidade da Coca-Cola, junto com o canal CBS, propôs a Charles Schulz que ele escrevesse um especial natalino com Peanuts. Aceito o desafio, mas com orçamento apertado, Bill Melendez dirigiu o primeiro Charlie Brown de Natal e propôs a inédita opção de usar crianças para dublar os personagens. O desenho animado (quadro a quadro!) levou seis meses para ser feito e só foi finalizado uma semana antes de ir ao ar. Schulz tinha exigido que, em alguma cena, a Bíblia fosse citada, mas quando viram Linus recitando a história do nascimento de Cristo segundo o Evangelho de Lucas, três executivos da CBS quase não deixaram o especial ser exibido. Mas Schulz insistiu, a Bíblia ficou e o resultado foi uma nevasca de americanos emocionados – cujos filhos e netos até hoje acompanham Charlie Brown e sua turma quando chega o Natal.

A história desse primeiro especial é bem parecida com a do livro O Natal de Charlie Brown, publicado pela L&PM.

Feliz Natal e Ano Novo!

quarta-feira, 24 dezembro 2014

CARTAO NATAL 2014

O dia em que Van Gogh cortou sua orelha

terça-feira, 23 dezembro 2014

Na noite de 23 de dezembro de 1888, o pintor Van Gogh realizou o ato que simbolizaria para sempre seu desequilíbrio: cortou parte de sua orelha esquerda. Abaixo, um trecho da biografia escrita por David Haziot e publicada pela Coleção L&PM Pocket:

Van_gogh

A biografia de Van Gogh

Depois de trocar palavras com Gauguin na praça, ele voltou à Casa Amarela, pegou uma navalha e, numa hora difícil de determinar, cortou um pedaço da orelha esquerda, seguramente o lóbulo, talvez um pouco mais. Correram muitos boatos sobre esse ponto e Gauguin escreveu que ele havia cortado a orelha rente à cabeça. Mas o registro do hospital fala de “mutilação voluntária de uma orelha”, as conclusões do médico-chefe do hospital de Arles dizem “que ele cortou sua orelha”, o relatório do dr. Peyron em Saint-Rémy declara também que Vincent mutilou-se “cortando a orelha”, e os testemunhos de Johanna Bonger, de Paul Signac, do dr. Gachet e do seu filho, que o viram posteriormente, vão no sentido de um a mutilação da orelha pela supressão do lóbulo. Mas os boatos tendem a exagerar os fatos. Para muitos, Vincent cortou a orelha inteira, não deixando mais que um buraco rente à cabeça, o que o tornava irremediavelmente “outro”, não humano, como o homem que perdeu sua sombra no conto de Chamisso.

Vincent sangrou muito e procurou estancar a hemorragia com toalhas e lençóis. Pôs o pedaço da orelha numa folha de jornal, dobrou-a com cuidado, enfiou um gorro na cabeça e foi levá-la como um presente, às 23h30, a uma prostituta chamada Rachel, num prostíbulo. Ele teria dito a ela: “Guarde esse objeto com cuidado”. A mulher abriu o embrulho e desmaiou. A polícia foi alertada, mas Vincent já havia voltado para casa e dormia. Não conservou nenhuma lembrança de sua conduta e, exceto uma visita posterior a Rachel, nunca falou dessa história em cartas.

Vincent, a história de Vincent Van Gogh em quadrinhos, também mostra essa passagem:

Vincent_02_09_2014.indd

Era uma vez muitos livros que viraram lindas árvores de Natal

sexta-feira, 19 dezembro 2014

Veja aqui algumas árvores de Natal feitas com livros:

Uma árvore feita com aqueles antigos volumes de enciclopédia

Uma árvore feita com aqueles antigos volumes de enciclopédia

Árvore-livro de mesa

Árvore-livro de mesa

Olha que criativo!

Olha que criativo!

Basta empilhar livros verdes de diferentes tamanhos e eles viram uma bela árvore

Basta empilhar livros verdes de diferentes tamanhos e eles viram uma bela árvore

Esse exige uma prateleira especial

Esse exige uma prateleira especial

arvorePeanuts

Árvores de “Peanuts completo” montada na Livraria Cultura de São Paulo

Via Blog do Galeno.

A primeira entrevista de Fidel a um jornalista brasileiro foi publicada pela L&PM

sexta-feira, 19 dezembro 2014

Com a reaproximação de EUA e Cuba, lembramos de um livro publicado pela L&PM na primavera de 1986. “Fidel em Pessoa” traz na íntegra a primeira entrevista do presidente cubano à televisão brasileira, concedida ao jornalista Roberto D’Ávila em dezembro de 1985 para o programa “Conexão Nacional”, da Rede Manchete.

Fidel_em_pessoa

Abaixo, o texto da orelha do livro:

Fidel em Pessoa

No começo de dezembro, “La Habana” tem um clima mais ameno que no resto do ano. A temperatura é geralmente inferior a 30 graus, chove mais do que de costume e ao entardecer os ventos do Caribe empurram ondas enormes sobre o belo Malecón, a avenida beira-mar. Nesta época, no ano de 1985, realizaram-se dois importantes eventos: o “Encontro dos Intelectuais pela Soberania dos Povos da América Latina” e o importante “Festival de Cinema Latino-americano”. Estava em Havana um grande grupo de intelectuais, artistas, jornalistas e cineastas brasileiros, entre os quais Antonio Cândido, Hélio Pelegrino, Chico Buarque, Nélida Piñon, Chico Caruso, Joaquim Pedro de Andrade, Roberto D´Ávila e muitos outros. A este grupo juntavam-se inúmeras personalidades da cultura latino americana, como Gabriel García Márquez e o lendário padre nicaraguense Ernesto Cardenal. Enquanto este grupo dividia seu tempo entre as sessões de planetário do “Encontro dos Intelectuais”, o Festival de Cinema, as festas com rumba e o impecável rum “Havana Club” no Hotel Nacional, os cruzeiros no mar profundamente azul do Caribe, lagostas frescas, o Floridita, bar frequentado por Ernest Hemingway, o jornalista brasileiro Roberto D’Ávila, dedicava-se à difícil e obstinada tarefa de conseguir uma entrevista com “el Comandante” Fidel.

Na festa de encerramento do “Encontro de Intelectuais” no Palácio Presidencial, Roberto D’Ávila abordou diretamente Fidel, com o apoio logístico de Gabriel García Márquez, Chico Buarque e Frei Betto. Depois de um rápido e difícil diálogo, onde o “Comandante” ouviu o convite e a insistência dos seus amigos, Fidel concordou em falar pela primeira vez a um repórter da televisão brasileira. A entrevista ocorreu nos dias subsequentes e dos projetados quarenta e cinco minutos, resultaram quase seis horas de precioso material jornalístico. A entrevista foi ao ar pela TV Manchete editada em quase duas horas.

Esta primeira aproximação de Fidel, numa grande entrevista nacional para todo o país, certamente colaborou para o reatamento das relações diplomáticas entre Brasil e Cuba, o que ocorreria poucos meses depois.

Aqui em FIDEL EM PESSOA está a íntegra da conversa entre Roberto D’Ávila e Fidel. Um espetacular furo jornalístico, onde, questionado com habilidade por Roberto, Fidel conta a história da sua vida, sua infância, suas ideias e dá preciosos detalhes a respeito da revolução cubana.

Clique sobre a imagem para assistir a entrevista

Clique sobre a imagem para assistir a entrevista

A primeira edição de “Um conto de Natal” de Charles Dickens

sexta-feira, 19 dezembro 2014

Em 19 de dezembro de 1843, Charles Dickens publicou Um conto de Natal (A Christmas Carol) com ilustrações de John Leech.

Scrooges_third_visitor-John_Leech,1843

Ilustração de John Leech para a primeira publicação de “Um conto de Natal”, de Charles Dickens

Outra ilustração de John Leech para "Um conto de Natal"

Outra ilustração de John Leech para “Um conto de Natal”

Um conto de Natal narra a história do avarento Scrooge e foi adaptada várias vezes para o cinema e televisão, além de ter inspirado Walt Disney a criar o Tio Patinhas. O conto fez muito sucesso e teve papel fundamental na reabilitação das tradições natalinas em uma época em que se encontravam em declínio. A história se baseia em dois dos temas preferidos de Dickens: a injustiça social e a pobreza.

A L&PM publica Um conto de Natal em formato pocket e quadrinhos:

Contos_natal_livros

 

Carta de Jane Austen à irmã deverá ser vendida no Museu de Torquay

quinta-feira, 18 dezembro 2014

Uma carta escrita por Jane Austen para a irmã Cassandra provavelmente será colocada à venda pelo Museu de Torquay. O precioso texto faz uma referência ao romance “Orgulho e Preconceito” que, na época, ainda não tinha sido publicado.

Jane_Austen_cartaTorquay

A carta é parte de uma coleção do museu que inclui também cartas de Charlotte Brontë, John Keats e Abraham Lincoln, doadas em 1930. O diretor da instituição, Basil Greenwood, prevê que o valor levantado na venda da carta de Jane Austen possa chegar a 200.000 libras. “É um objeto fantástico e é muito emocionante tê-lo aqui”.

Mesmo sendo tão valiosa, ela ficou sumida durante anos e ninguém sabia onde se encontrava. “Então, em 1989, alguém encontrou oito álbuns de cartas em um armário do museu”. Greenwood disse que a coleção soma 3.500 itens.  Segundo ele, a venda será para garantir o futuro do museu. “O museu tem contado com legados e doações de pessoas físicas que vem nos mantendo por 170 anos, mas temos que encontrar outras formas de que permaneça aberto.”

A L&PM publica vários títulos de Jane Austen.

 

Famosa história de Agatha Christie vai estrear nos palcos brasileiros

quarta-feira, 17 dezembro 2014

“O caso dos dez negrinhos” – que agora é chamada em livro de “E não sobrou nenhum” -, uma das mais famosas histórias de Agatha Christie, vai estrear em São Paulo no dia 9 de janeiro. A direção geral é de Rafael Mallagutti, que também assina a tradução do texto, e a temporada vai até 22 de fevereiro às sextas, sábados e domingos às 20h no Teatro Brigadeiro.

Segundo o diretor, esta não é simplesmente uma adaptação, mas a tradução fiel da peça que a própria Agatha Christie criou para a Broadway a partir de sua história. Na peça, a escritora alterou o final de “O caso dos dez negrinhos”.

Quem estiver em São Paulo nesse período e quiser conferir a peça, a dica é comprar o ingresso antecipado que está com mais de 50% de desconto.

“E não sobrou nenhum” será lançado na Coleção L&PM Pocket em meados de 2015.

O caso dos dez negrinhos peca 2

 

O novo filme de Natal de Simon’s Cat

sexta-feira, 12 dezembro 2014

Este ano, Simon’s Cat, o gato mais popular do Youtube, se vê às voltas com um Papai Noel cantante:

A L&PM Editores publica os livros de Simon’s Cat no Brasil em vários formatos em edições coloridas e preto e branco.