Arquivo de junho, 2013

Quem é quem nos Diários de Jack Kerouac

sexta-feira, 28 junho 2013

cap_Diarios_kerouac.indd

Os Diários de Jack Kerouac acaba de chegar em pocket. O início do livro traz a “Lista das pessoas citadas” com uma breve e elucidativa descrição de todos que, de alguma forma, fizeram parte da vida de Jack Kerouac. Tem os famosos como Neal Cassady e os nem tanto como Beverly Anne Gordon. Não sabe quem foi Beverly? A gente conta sem que você precise consultar o livro: “uma garota de dezoito anos por quem Kerouac teve um interesse romântico na primavera de 1948.

neal diarios

Duas peripécias da Rainha do Crime

quinta-feira, 27 junho 2013

A série Agatha Christie da Coleção L&PM Pocket já tem mais de 60 títulos e não pára de crescer! Só esta semana chegaram dois lançamentos: O mistério dos sete relógios e Aventura em Bagdá. Qual deles você vai ler primeiro? :)

IMG_7588

O livro e o delegado

quinta-feira, 27 junho 2013

Por Ivan Pinheiro Machado

Meu pai era um inimigo da ditadura militar de 1964. Por isso nossa família sofreu vários tipos de intimidações e perseguições. Minha casa foi invadida várias vezes pela repressão. A que mais me marcou foi o dia em que a polícia política (DOPS) invadiu nossa casa e prendeu centenas livros da grande biblioteca do meu pai. “Vamos queimar esta imundície comunista”, dizia o delegado, jogando ensaios de Marx e Schopenhauer numa caixa de lixo.

Ontem eu vi um delegado exibindo na TV um livro publicado pela L&PM Editores: Mate-me por favor dos jornalistas e críticos musicais Legs McNeil e Gillian McCain apreendido na casa de um suposto vândalo.

IMG_7549

“Mate-me por favor” em 2 volumes na Coleção L&PM Pocket

Não me interessa o que o rapaz fez. Mas o que me chamou a atenção foi a naturalidade com que o delegado apreendeu o livro. Um delegado que não serve a uma ditadura e apreende um livro é porque tem a vocação do autoritarismo. E nenhum respeito por um livro. Mate-me por favor é um livro maravilhoso, editado por minha indicação. Não faz a apologia da violência. Muito pelo contrário. Ele trata de jovens que foram abandonados pelo sistema e elegeram a música como uma forma de protesto. E esta música foi uma bofetada no sistema. Esta música fez com que os delegados e os políticos voltassem os seus olhos para uma enorme legião de jovens sem futuro e sem emprego nos idos dos anos 80. A L&PM Editores, meu caro delegado, já foi vítima durante sua história nos anos sombrios da ditadura de vários delegados que odiavam livros.

O que me surpreende é que um bom livro seja alinhado junto a facas e correntes e exibido na TV como se fosse uma arma. E ninguém diz nada. Lembrou-me o tira ignorante que invadiu a casa do meu pai nos anos 70 para prender os “livros comunistas”. Ele não teve dúvidas; atirou-se na estande e pegou o O vermelho e o negro de Stendhal como um símbolo desta “corja vermelha que quer tomar conta do país…”

Galeano e o Dia contra a Tortura

quarta-feira, 26 junho 2013

Hoje é o Dia contra a Tortura, data escolhida pela ONU para celebrar o dia que entrou em vigor a “Convenção Contra a Tortura e Outros Tratamentos ou Penas Cruéis, Desumanos ou Degradantes”, em 26 de junho de 1987. E é claro que Eduardo Galeano escreve sobre o assunto em seu livro Os filhos dos dias:

IMG_7533

Carlos Fuentes na mira do FBI

quarta-feira, 26 junho 2013

A agência de notícias Associated Press divulgou na última semana que o escritor mexicano Carlos Fuentes (1928-2012) foi monitorado pelo FBI e pelo Departamento de Estado americano durante pelo menos duas décadas.

Nos arquivos, Fuentes foi descrito como um “escritor comunista de destaque”, com uma longa história de “relações subversivas”. Ele foi membro do Partido Comunista Mexicano e o primeiro documento que relata o monitoramento das atividades do escritor data de 1962.

Num documento dirigido ao diretor do FBI em 1970, há recomendações para estabelecer fontes e informantes que pudessem passar “qualquer informação pertinente sobre as atividades do elemento”. Nessa época, o mexicano chegou a dar aulas de literatura em Nova York.

Carlos Fuentes faleceu em maio do ano passado aos 83 anos. Dele, a Coleção L&PM Pocket publica Aura.

Você lê esse anúncio: uma oferta assim não é feita todos os dias. Lê e relê o anúncio. Parece dirigido diretamente a você, a ninguém mais. Distraído, deixa cair a cinza do cigarro dentro da xícara de chá que estava bebendo neste café sujo e barato. Torna a ler. Solicita-se historiador jovem. Organizado. Escrupuloso. Conhecedor da língua francesa. Conhecimento perfeito, coloquial. Capaz de desempenhar funções de secretário. Juventude, conhecimento do francês, preferentemente que tenha vivido na França por algum tempo. Três mil pesos mensais, comida e aposento cômodo, batido pelo sol, estúdio bem instalado. Só falta o seu nome. Falta apenas que as letras do anúncio informem: Felipe Montero. Solicita-se Felipe Montero, antigo bolsista na Sorbonne, historiador cheio de dados inúteis, acostumado a exumar papéis amarelados pelo tempo, professor auxiliar em escolas particulares, novecentos pesos mensais. Mas se você lesse isso, ficaria desconfiado, tomaria tal coisa como brincadeira. Donceles 815. Apresentar-se pessoalmente. Não há telefone. (Trecho inicial de Aura, de Carlos Fuentes).

Carlos Fuentes entre os escritores Julio Cortázar e Luis Buñuel

Carlos Fuentes entre os escritores Julio Cortázar e Luis Buñuel

O Dia Mundial dos Smurfs no Brasil

terça-feira, 25 junho 2013

No dia 25 de junho é celebrado o “Dia Mundial dos Smurfs”, pois é o dia do aniversário de Pierre Culliford, mais conhecido como “Peyo, o criador dos Smurfs. Fãs de todo o mundo comemoraram a data com ações especiais. No Brasil, por exemplo, os primeiros 2 mil visitantes no Pão de Açúcar, no Rio, não pagaram ingresso e puderam participar de várias atividades recreativas para crianças e adultos, tudo comandado pelas adoráveis criaturinhas azuis. Vejas as fotos divulgadas pela página brasileira oficial do filme no Facebook:

smurfs_gentes

 smurfs_ccas smurfs_familia

 

As ações também fazem parte da divulgação do filme “Os Smurfs 2″, que tem estreia prevista para 2 de agosto no Brasil. Até lá, dá tempo de ler O bebê Smurf e O Smurf repórter, publicados pela L&PM em formato de bolso e convencional.

O trailer de “Blue Jasmine”, o novo filme de Woody Allen

terça-feira, 25 junho 2013

O trailer do novo filme de Woody Allen, “Blue Jasmine”, já está sendo divulgado nos EUA e estreia na terra do Tio Sam (e de Allen) no dia 26 de julho. A comédia conta a história de uma elegante socialite novaiorquina chamada Jasmine (Cate Blanchet) que está em crise financeira e é forçada a morar em São Francisco com a irmã (Sally Hawkins).

“Blue Jasmine” ainda não tem data definida para estrear no Brasil, mas supõe-se que deverá ser entre agosto e setembro.

Sabia que a Coleção L&PM Pocket publica livros de Woody Allen? Clique aqui para saber mais.

“A volta do parafuso” em ópera

segunda-feira, 24 junho 2013

Terminou no sábado, 22 de junho, a curtíssima temporada da ópera “A volta do parafuso” (The Turn of the Screw), escrita pelo compositor britânico Benjamin Britten (1913-1976) a partir do livro homônimo de Henry James. Com produção da Companhia de Ópera da Filadélfia, direção cênica da brasileira Lívia Sabag e direção musical do maestro nova-iorquino Steven Mercurio, a temporada paulista - que ocorreu no Theatro São Pedro – foi a estreia dessa montagem na América Latina.  

Ficamos torcendo para que outras cidades do Brasil também recebam “A volta do parafuso” de Benjamin Britten que comemora o centenário do nascimento do compositor. Enquanto isso, quem ainda não conhece “A volta do parafuso“, pode ler o livro de Henry James que faz parte da Coleção L&PM Pocket. Assim vai ficar mais fácil entender a história de suspense da governanta que vive numa mansão com dois órfãos e que de repente começa a ver coisas.

Assista abaixo a alguns trechos da ópera:

Os livros de Elvis

segunda-feira, 24 junho 2013

Está em cartaz em Porto Alegre a exposição “Elvis Experience” com objetos pessoais do ídolo pop vindos direto da mansão do cantor em Graceland, nos Estados Unidos. Entre as relíquias, estão os livros de Elvis, que parecia ter grande apreço por obras de cunho espiritual. Entre elas, está o clássico O profeta, de Khalil Gibran, que publicamos na Coleção L&PM Pocket.

Elvis_Presley

Foto feita por Marina Ferreira, que faz parte da equipe de produção da L&PM Editores, e que visitou a exposição “Elvis Experience” em Porto Alegre.

A exposição “Elvis Experience” já passou por São Paulo atraindo mais de 100 mil fãs e curiosos e agora segue em Porto Alegre, no Centro de Eventos do Barra Shopping Sul, até o dia 2 de julho.

Um adeus a Marcello Grassmann, o grande artista feito de sonhos

segunda-feira, 24 junho 2013

Marcello_Grassmann

Foi na sexta-feira passada, 21 de junho, às 2h, que Marcello Grassmann partiu. Ilustrador, gravurista, artista múltiplo, tinha 87 anos ao falecer. Mas continuava lúcido, indignado e crítico à frivolidade na arte conforme atestou Jacob Klintowitz, seu amigo próximo e curador da última exposição de Grassmann no Espaço Cultural Citi em São Paulo. “Era um símbolo. Agora espero que o simbolismo se renove e que sua morte seja o ponto de partida para uma reflexão sobre o brilho seminal de sua obra” afirmou Jacob Klintowitz neste final de semana.

Leia abaixo, o último texto escrito por Klintowitz sobre a obra de Marcello Grassmann:

Marcello Grassmann: matéria dos sonhos

Por Jacob Klintowitz

Talvez nada seja mais belo, poético, revelador, profético e inspirador do que a “Tempestade”, de 1612, a última peça de Shakespeare (1564-1616). E, é provável, que este texto outonal seja o testamento do poeta, a derradeira mensagem, a sua síntese sobre a humanidade e a saga dos homens. Nele, Próspero, a sublime criatura sonhada por William Shakespeare, define a natureza do homem e da vida: “Somos feitos da matéria dos sonhos”.

Ao contemplar as formas criadas por Marcello Grassmann, a extraordinária qualidade do seu desenho, o aprofundamento do tema de maneira tão elevada e com tanta propriedade, resta em nós a convicção de que entramos num universo antes desconhecido e agora revelado pela lucidez do artista. Este mundo que ele nos descobre e do qual sentimos que dele habitava em nós certo reconhecimento, agora recuperado, esta enevoada  e submersa realidade: a estranheza deste lugar de cavalheiros e armaduras, animais míticos, donzelas intangíveis e belas, e no qual o destino paira sobre todos. É o mundo feito da mesma matéria de que se fabricam os sonhos.

Marcello Grassmann elabora com a matéria sutil e a sua revelação é a de uma estrutura metafísica e ideal, densa e soberana, mas, e aqui uma das marcas do artista, construída na atmosfera da energia delicada e inapreensível, aquela feita de mitos e fábulas, que somente se acende quando a consciência adormece. 

Este universo manifesto é fatal e impassível, e só nos contempla como personagens.

Muitos poderão acreditar que se trata do resultado de uma vida inteira de trabalho e do aprimoramento de um artista que, afinal de contas, é hoje, aos 86 anos, um dos nossos decanos, patriarca e santo protetor da arte brasileira. E também teria razão. Ou certa razão, o que é menos do que a razão. Pois Marcello Grassmann desde o seu início sempre se destacou devido a sua originalidade e extrema consciência de sua individualidade. Entretanto, o artista, com o tempo a favor para elaborar a própria identidade artística,  afirmou de maneira esplêndida a singularidade de sua iconografia. Marcello Grassmann, um dos artistas destacados dos séculos XX e XXI, é referência seminal da arte brasileira.

Dom Quixote por Marcello Grassmann. Gravura em metal

Dom Quixote por Marcello Grassmann. Gravura em metal